sexta-feira, 30 de outubro de 2015

Venha conhecer... Armandino Cramez



Chamo-me… ARMANDINO José Teixeira CRAMEZ
Nasci no dia… 19 de novembro de 1942
Vivo no… Porto
A minha profissão é… Cobrador do Jornal de Notícias (Reformado)
O meu clube… Ori-Estarreja - Clube de Orientação de Estarreja
Pratico orientação desde… a fundação do meu clube, em 1992

Na Orientação…

A Orientação é… Muito bom!
Para praticá-la basta… Ter saúde!
A dificuldade maior é… A parte física!
A minha estreia foi… Na zona de Estarreja, mas não posso precisar exatamente onde!
A maior alegria… Chegar aos 75 anos!
A tremenda desilusão… Não poder correr por lesão!
Um grande receio… Adoecer e não poder voltar a fazer Orientação!
O meu clube… Um bom clube, uma boa companhia!
Competir é… Ganhar saúde!
A minha maior ambição… Chegar aos 85!

… como na Vida!

Dizem que sou… Pacífico!
O meu grande defeito… Sou um bocado teimoso!
A minha maior virtude… Ser honesto!
Como vejo o mundo… Um “mundo-cão”!
O grande problema social… A falta de diálogo!
Um sonho… Chegar aos 85 anos!
Um pesadelo… A doença!
Um livro... "Os Miseráveis", de Victor Hugo!
Um filme… "A Leste do Paraíso", de Elia Kazan!
Na ilha deserta não dispensava… Água!

No próximo episódio venha conhecer Teresa Quaresma.


Saudações orientistas.

Joaquim Margarido

quinta-feira, 29 de outubro de 2015

XX Gala do Desporto: FPO indica candidatos ao Prémio "Desportistas do Ano"



Luís Gonçalves, Inês Domingues e Ricardo Esteves são os nomes indicados pela Federação Portuguesa de Orientação para concorrer ao prémio “Desportistas do Ano”, da Confederação do Desporto de Portugal, nas categorias de Atleta Masculino, Atleta Feminino e Jovem Promessa, respectivamente.


Organizada pela Confederação do Desporto de Portugal, a Gala do Desporto celebra este ano o seu 20º aniversário. Este facto faz com que o tema escolhido para o evento seja, precisamente, “20 anos da Gala do Desporto”. Momento único de reunião de todo o desporto português, a cerimónia está agendada para o próximo dia 11 de Novembro, no Casino do Estoril, e nela serão entregues os prémios aos melhores desportistas do ano, nas categorias de Jovem Promessa, Equipa, Treinador, Atleta Masculino e Atleta Feminino e ainda os prémios “Personalidade do Ano”, “Momento dos Campeões” e “Alto Prestígio CDP”.

Campeões e medalhados em Campeonatos do Mundo e da Europa encontram-se entre os candidatos indicados pelas federações desportivas ao Prémio “Desportistas do Ano”. Quanto à Federação Portuguesa de Orientação, as escolhas recaíram sobre Luís Gonçalves, Inês Domingues e Ricardo Ferreira, apontados nas categorias de Atleta Masculino, Atleta Feminino e Jovem Promessa, respectivamente. Caberá agora a um júri composto por mais de uma centena de personalidades ligadas ao desporto, a tarefa de eleger os cinco candidatos finais de cada categoria. No dia 28 de outubro, na Praça Central do Centro Comercial Colombo, serão divulgados os nomes dos finalistas que passam às votações finais. Os vencedores de cada uma das cinco categorias irão ser anunciados na Gala do Desporto, após o apuramento dos resultados da votação online, aberta ao público em geral, e das personalidades presentes no evento.


Esta nomeação não é só importante para mim, mas também para o meu treinador e para o meu grupo de treino”

Campeão Nacional de Distância Longa e de Estafetas em título, virtual vencedor da Taça de Portugal de Orientação Pedestre no escalão H18, 6º classificado no Campeonato da Europa de Jovens (Sprint) e 5º classificado nos Mundiais de Desporto Escolar (Distância Longa), Ricardo Esteves é, com todo o mérito, o atleta indicado ao prémio na categoria “Jovem Promessa”. Trata-se duma repetição, depois de já ter sido indicado em 2014 na sequência do seu título Europeu Jovem de Sprint, e que o atleta vê desta forma: “Sinceramente não estava à espera de voltar a ser nomeado pela FPO como Jovem Promessa para a Gala do Desporto. Ainda assim fico contente por ver que todo o trabalho que tenho desenvolvido é reconhecido nacionalmente.”

Atribuindo a sua indigitação “às prestações em competições internacionais, dando maior importância ao facto de ter sido 6º classificado no Sprint do EYOC deste ano”, Ricardo Esteves faz deste um momento de partilha: “Esta nomeação não é só importante para mim, mas também para o meu treinador e para o meu grupo de treino, dando-nos mais motivação para continuarmos a evoluir em conjunto.” Vencer o Prémio é, contudo, algo que não está nas cogitações do atleta: “Primeiro teria de ser um dos cinco nomeados finais e só depois poderia pensar em ganhar. Mas mesmo que seja um dos nomeados finais sei que será complicado, porque a Orientação é um desporto pouco conhecido em Portugal e decerto que não darão muito valor aos meus resultados”, diz. Ainda assim, mesmo que não seja sequer nomeado, duma coisa Ricardo Esteves está absolutamente seguro: “Continuarei a dar o meu melhor para fazer ainda mais do que já foi feito.”


Esta distinção tem um grande valor, tanto a nível pessoal como para a Orientação de Precisão em geral”

No rescaldo duma prestação brilhante nos Mundiais de Orientação de Precisão disputados na Croácia, onde alcançou o 7º lugar na Final de TempO, Inês Domingues começou por referir que a sua nomeação se terá devido a “termos atingido uma classificação nunca antes atingida por portugueses num Mundial de Orientação de Precisão”, englobando Luís Gonçalves, o nomeado na categoria Atleta Masculino, nesta sua apreciação. Para a bi-campeã nacional de TempO, o seu resultado [e o de Luís Gonçalves] “foi um momento importante na história da participação portuguesa em Campeonatos do Mundo e que nos colocou num patamar mais alto, junto das nações mais fortes.” Falando da sua indigitação, em particular, a atleta referiu: “Eu definitivamente não estava nada à espera de ser nomeada, porque, por um lado, tinha a ideia (aparentemente errada) que esta vertente da Orientação ainda passasse um pouco despercebida naquilo que é todo o mundo da Orientação. Por outro lado, acho que nunca me apercebi realmente da grandiosidade daquilo que conseguimos atingir, ficando atrás de três seleções apenas.”

Afirmando que “ao sermos distinguidos, o nosso esforço está ser valorizado e isto é mais um incentivo para continuar a trabalhar e evoluir ainda mais, Inês Domingues faz questão de vincar que “esta distinção tem um grande valor, tanto a nivel pessoal como para a Orientação de Precisão em geral”, constituindo, num panorama mais geral, “uma maneira de realçar esta vertente da Orientação.” E quanto ao resultado final? Inês mostra-se pragmática: “Desde ser nomeado até ganhar vai um longo caminho e penso que esse mérito recairá sobre alguém que tenha obtido ainda melhores resultados que nós, tendo conseguido alcançar um lugar de topo.”


Para o TrailO português é um sinal de evolução nos resultados globais e do excelente trabalho que os clubes e a FPO têm vindo a fazer”

Por último as impressões – “muito breves” - de Luís Gonçalves, que atribui a sua nomeação ao histórico 6º lugar alcançado na Final de TempO dos Mundiais da Croácia. Falando da sua nomeação, o virtual vencedor da Taça de Portugal de Orientação de Precisão Invacare 2015 não poderia ser mais direto: “Não estava à espera, por um lado porque não me lembrava que existia esta nomeação anualmente e porque em 2015 existiram outros lugares de relevo, tanto no Europeu de Jovens de Orientação Pedestre, como nos Mundiais de Veteranos de Orientação em BTT”, destacando, nomeadamente, os nomes de Ricardo Esteves e Carlos Simões.

Quanto ao significado desta distinção, Luís Gonçalves vê-a “com enorme satisfação, porque estou a representar a Orientação no universo desportivo nacional e interpreto-a como reconhecimento pelos resultados obtidos nas provas do WTOC e pelo envolvimento na dinamização do TrailO em Portugal.” E acrescenta: “Para o TrailO português é um sinal de evolução nos resultados globais e do excelente trabalho que os clubes e a FPO têm vindo a fazer.” Mas, tal como os outros dois nomeados, vencer não está nos horizontes do atleta. A razão é simples: “Existem noutras modalidades amadoras atletas que alcançaram excelentes resultados. Portugal teve, em 2015, inúmeros campeões europeus e mundiais que merecem figurar entre os melhores e lutar pela vitória final”, conclui.

Saiba mais informações e conheça todos os nomeados em http://www.cdp.pt/gala.html.


Saudações orientistas.

Joaquim Margarido

quarta-feira, 28 de outubro de 2015

25 Anos FPO: IX Congresso de Orientação é já no próximo fim de semana



Prestes a festejar as suas Bodas de Prata, a Federação Portuguesa de Orientação leva a efeito, já no próximo fim de semana, o IX Congresso de Orientação. Comunicações, análises, debates, a apresentação do filme “25 Anos FPO” e ainda uma prova-convívio de Sprint no Campus do Instituto Politécnico de Setúbal, são alguns dos ingredientes dum programa a merecer toda a atenção.


A Federação Portuguesa de Orientação, numa parceria com a Escola Superior de Educação do Instituto Politécnico de Setúbal (IPS), leva a efeito nos próximos dias 31 de outubro e 01 de novembro, em Setúbal, o IX Congresso de Orientação. A iniciativa decorre da necessidade de criar, no seio da família orientista, momentos de reflexão e partilha, particularmente no momento presente em que as circunstâncias não têm sido favoráveis ao desenvolvimento da modalidade e urge continuar a procurar caminhos que alavanquem a Orientação ao lugar que merece.

Sob o lema “Conhecer o Passado, olhar para o Futuro”, o Congresso tem a sua abertura agendada para as 10:00 de sábado, iniciando-se os trabalhos com o visionamento do filme “25 anos FPO”, realizado por João Dias. Durante a manhã, merece especial referência a comunicação de Augusto Almeida, Presidente da FPO, que trará a sua visão sobre “Orientação: Passado, Presente e Futuro”. Depois de ter recebido no seu município duas etapas do Portugal O’ Meeting 2015, Silvério Regalado, Presidente da Câmara Municipal de Vagos, abordará o tema “Impacto económico, social e turístico dos grandes eventos”. A manhã integrará ainda uma intervenção de Eduardo Carqueijeiro, Chefe de Divisão do ICNF, sobre “A utilização de espaços naturais na ótica da Administração Central”.


Sessões sectoriais no período da tarde

Os trabalhos recomeçam da parte da tarde com novo autarca a intervir. Será então a vez de Álvaro Amaro, Presidente da Câmara Municipal de Palmela, refletir sobre “O papel da modalidade no desenvolvimento desportivo local”, onde falará da realidade dum Município que, desde sempre, tem demonstrado um carinho muito espacial pela Orientação. Esta comunicação será complementada com uma intervenção de Tiago Romão, subordinada ao tema “Provas Locais: Fator de Crescimento”. A segunda metade deste período será composta por sessões sectoriais nas quais Daniel Pó, Marisa Barroso, Tadeu Celestino, Daniel Marques, Crispim Junior e Luís Gonçalves dissertarão sobre temas tão importantes como “A Orientação em crianças nos primeiros anos do seu desenvolvimento” ou a “Orientação de Precisão”.

No derradeiro dia do Congresso, após uma prova-convívio de Sprint Ori que terá lugar no Campus do Instituto Politécnico de Setúbal, os trabalhos encerrarão com as comunicações de Hugo Borda d’Água, Alexandre Reis e José Fernandes, sobre os temas, respectivamente, “City Race”, “Rogaine” e “FPO/Clubes – Compromisso para uma década”. Resta acrescentar que a participação no Congresso é livre de qualquer taxa e que o programa pode ser consultado em http://www.fpo.pt/www/images/fpo/comunicados/gerais/2015/ix%20congresso_programa.jpg.


Saudações orientistas.

Joaquim Margarido 

segunda-feira, 26 de outubro de 2015

CamBOr 2015: Leandro Pasturiza e Tânia de Carvalho vencem ranking final



Numa altura em que acabam de ser disponibilizados os Rankings finais do Campeonato Brasileiro de Orientação da presente temporada, recuamos um par de semanas no tempo ao encontro da derradeira etapa, em Mandirituba, que consagrou Leandro Pereira Pasturiza e Tânia Maria Jesus de Carvalho como as grandes figuras do CamBOr 2015.


Mandirituba, Município brasileiro do Estado do Paraná, acolheu a terceira e última etapa do Campeonato Brasileiro de Orientação CamBOr 2015. Organizado pela Confederação Brasileira de Orientação, Federação Paranaense de Orientação e Clube de Orientação de Curitiba, o evento proporcionou aos 562 atletas presentes, momentos de salutar convívio e excelente Orientação. Numa etapa que serviu para a apresentação oficial da nova Diretoria da Confederação Brasileira de Orientação, o aspeto menos positivo prendeu-se com a coincidência de datas entre esta competição e os VI Jogos Mundiais Militares do CISM, disputados na mesma altura na Coreia do Sul. Tal facto afastou da grande festa da Orientação brasileira os seus maiores arietes, retirando natural emoção no tocante à luta pelos lugares cimeiros do Ranking final do CamBOr 2015.

No setor masculino, era sabido que já nada nem ninguém roubaria o título a Leandro Pereira Pasturiza (COSaM). Quando muito, Cleber Baratto Vidal (COSM) poderia aspirar a alcançar Fábio Kuczkoski (ADAAN) e garantir, desse modo, a segunda posição final. Mas para tal teria de vencer as duas etapas, o que acabou por não suceder. Everton Daniel Markus (COSM), na etapa de Distância Longa do primeiro dia e Juliano Pereira Pasturiza (IDESP Dourados) na derradeira etapa de Distância Média, encarregaram-se de deitar por terra as aspirações de Vidal, que teve de se contentar com a segunda posição em ambas as etapas. Vale a pena referir, contudo, que a Cléber Baratto Vidal faltou uma pontinha de sorte, tendo perdido para Markus por oito segundos e para Pasturiza por dois segundos apenas (!). No escalão de Elite Feminina, as contas estavam mais complicadas e a vitória de Tânia Maria Jesus de Carvalho (ADAAN) no Ranking final do CamBOr 2015 não era um dado adquirido. Pretendente de peso ao tão cobiçado título, a sua colega de equipa Elaine Dalmares Lenz tinha “apenas” de vencer uma prova e ficar em segundo lugar na outra. Mas o terceiro lugar alcançado na prova de Distância Longa do primeiro dia, a 17 segundos da surpreendente Priscila Vieira Gonçalves (COGA), acabaria por colocar desde logo os pontos nos is das contas finais. Elaine Lenz ainda viria a alcançar o triunfo na segunda prova, mas isso apenas lhe garantiu o segundo lugar no ranking, por troca com Mirian Ferraz Pasturiza (ADAAN).

Vencedor anunciado do escalão de Elite Masculina, Leandro Pereira Pasturiza conquistou o Campeonato Brasileiro de Orientação pela sexta vez na sua carreira e continua a afirmar-se como um “caso sério” de longevidade. Recorde-se que o grande atleta brasileiro – que hoje mesmo celebra o seu 37º aniversário - estreou-se no CamBOr em 2002, registando até ao momento uma série de treze participações no escalão de Elite (apenas em 2003 não marcou presença na competição) e somando ainda, para além dos seis títulos referidos, dois segundos lugares e três terceiras posições. Quanto a Tânia Maria Jesus de Carvalho, a vencedora do Ranking Feminino no escalão de Elite, este é o quebrar duma “maldição” que se prolongou ao longo das últimas quatro temporadas, nas quais a atleta conseguiu a “proeza” de ser sempre a segunda classificada. Mas a vitória de Tânia de Carvalho é também o recuperar dum título dez anos depois, já que foi ela a surpreendente vencedora do CamBOr 2005, naquela que foi a primeira participação da sua carreira no seio da Elite.


Ranking Final CamBOr 2015

Homens Elite
1. Leandro Pereira Pasturiza (COSaM) 185,5 pontos
2. Fábio Kuczkoski (ADAAN) 182,5 pontos
3. Cleber Baratto Vidal (COSM) 177 pontos
4. Juliano Pereira Pasturiza (IDESP) 173,5 pontos
5. Juscelino Alencar Karnikowski (COGA) 165 pontos
6. Gelson Andrey Togni (COGA) 150 pontos
7. Douglas da Silva Schimitz (COPA) 132 pontos
8. Carlos Henrique de Araújo (COGA) 128 pontos
9. Luiz Henrique Machado (ADAAN) 128 pontos
10. Fábio Inácio Weis (Natura CO) 127 pontos

Damas Elite
1. Tânia Maria Jesus de Carvalho (ADAAN) 188,5 pontos
2. Elaine Dalmares Lenz (ADAAN) 187 pontos
3. Mirian Ferraz Pasturiza (ADAAN) 181 pontos
4. Edinéia Roniak (COGA) 158 pontos
5. Franciely de Siqueira Chiles (COSM) 157,5 pontos
6. Sara Dornelles Weis (Natura CO) 151 pontos
7. Denise Lucas Paiva Campos (ADAAN) 149 pontos
8. Michelle Floriano (COMPASS) 149 pontos
9. Camila Daronco Cortinhas (BAVECO) 148 pontos
10. Andressa Essy Stribe (Natura CO) 148 pontos

Federações
1. Federação Paranaense de Orientação 4155 pontos
2. Federação Gaúcha de Orientação 3060 pontos
3. Federação de Orientação do Rio de Janeiro 1450 pontos
4. Federação de Orientação de Mato Grosso do Sul 1410 pontos
5. Federação de Orientação do Distrito Federal 850 pontos

Clubes
1. COGA 3060 pontos
2. COC 2035 pontos
3. CODAC 1310 pontos
4. COSM 1250 pontos
5. Natura CO 850 pontos

Os resultados completos podem ser vistos na página da Confederação Brasileira de Orientação, em http://www.cbo.org.br/site/competicoes/index.php.

[Foto: Odete Rech / flickr.com/photos/orientacaoesporte]


Saudações orientistas.

Joaquim Margarido
  

domingo, 25 de outubro de 2015

Campeonato Nacional Absoluto de Orientação em BTT 2015: Davide Machado e Susana Pontes, absolutamente!



Encerrando a temporada da melhor forma, Davide Machado e Susana Pontes levaram de vencida a quinta edição dos Campeonatos Nacionais Absolutos de Orientação em BTT 2015. Para o atleta minhoto, este foi o recuperar de um título que lhe escapara nas duas anteriores edições. Já quanto a Susana Pontes, tratou-se do quinto título duma assentada, um “pleno absoluto”!


Mais de quatro anos volvidos sobre a realização do 2º Ori-BTT .COM Barroso 2011, o Clube de Orientação do Minho voltou a assinar a organização dum evento pontuável para a Taça de Portugal de Orientação em BTT, nem mais nem menos que o Campeonato Nacional Absoluto 2015. No encerramento da presente temporada, a prova chamou a Mire de Tibães, a norte da cidade dos Arcebispos, o escasso número de 86 atletas, dos quais 77 envolvidos diretamente na disputa dos títulos nacionais absolutos 2015, 64 no setor masculino e 13 no feminino.

Oferecendo aos escalões de competição masculinos um percurso único na distância de 16.600 metros como melhor opção, com 18 pontos de controlo e 360 metros de desnível, a etapa de sábado teve lugar no mapa novo de Tibães e ficou marcada pela vitória de Davide Machado (.COM) em 46:07. Com uma distância de 13.500 metros, 14 pontos de controlo e 320 metros de desnível, a prova feminina teve em Susana Pontes (COC) a natural vencedora com um tempo de 53:21. Condicionados aos tempos dos vencedores, os vários registos finais determinaram o apuramento de 23 atletas masculinos e de oito femininos para a Final A. Destaque nesta etapa para o resultado de Marisa Costa (COA), uma jovem do escalão H17, que alcançou o quarto melhor tempo absoluto. Ana Margarida Rocha (ADFA), Luisa Mateus (COC) e o elite Miguel Pires (.COM) foram alguns dos nomes que não lograram carimbar o passaporte para Final A, embora o “prémio do azar” vá inteirinho para Pedro Serralheiro (COC), que com um registo de 1:16:39 foi o mais rápido entre os 13 atletas que alinharam à partida no escalão H50, acabando por falhar a Final A por escassos segundos.


Entre o folgado e o apertado

Disputada na distância de 18.190 metros, a Final A Masculina viu Davide Machado regressar ao mapa de Tibães e confirmar a superioridade evidenciada no Apuramento. Com uma prova de grande qualidade e sem erros, o atleta minhoto foi o único a baixar a fasquia dos 60 minutos, concluindo o seu desempenho em 57:47 e recuperando um título que lhe havia fugido nas duas últimas temporadas. Daniel Marques (COC) e João Ferreira (CA Bairrada) haviam mostrado na véspera poderem vir a ser os grandes opositores de Davide Machado, facto entretanto desmentido pelas avultadas diferenças de tempo verificadas no final para o vencedor. Ferreira concluiu a distantes 08:01 de Machado, enquanto Daniel Marques, Campeão Nacional Absoluto em 2014, fechou o pódio a dois minutos exatos de João Ferreira. Nas contas da Taça de Portugal de Orientação em BTT 2015, apesar do 5º lugar final nesta derradeira etapa, Carlos Simões (COALA) segurou a primeira posição no escalão de Elite Masculina, chegando pela primeira vez na sua carreira à vitória no certame.

No setor feminino, assistiu-se a uma interessante luta pela vitória entre Susana Pontes e Ana Filipa Silva (CPOC). E se, no Apuramento, a atleta do COC havia batido a sua adversária por margem ligeiramente superior a dois minutos, na grande Final a diferença de tempos entre as duas atletas viria a reduzir-se a metade, com Susana Pontes a conseguir uma vitória “suada”, completando os 14.940 metros do percurso em 1:20:10 contra 1:21:32 de Ana Filipa Silva. Para Susana Pontes, esta foi a quinta vitória nas cinco edições disputadas até ao momento do Campeonato Nacional Absoluto de Orientação em BTT e confirmou o 13º triunfo consecutivo no Ranking da Taça de Portugal de Orientação em BTT, no escalão de Elite Feminina. Já Ana Filipa Silva conseguiu aqui o seu melhor resultado de sempre em Campeonatos Nacionais Absolutos, depois de ter sido terceira classificada em 2013. As restantes seis atletas que participaram nesta Final A travaram um duelo à parte, com a Juvenil Marisa Costa a confirmar a excelente prestação do dia anterior e a chegar à medalha de bronze com mérito e brilhantismo, ainda que a distantes 24:02 da vencedora.


O que eles disseram

Ao Orientovar, Davide Machado classificou como “extremamente bom” terminar a época com a vitória no Campeonato Nacional Absoluto e explica porquê: “Por conseguir reconquistar um título que me escapava há três anos, por ter sido alcançado em 'casa' e, principalmente, por fechar da melhor forma uma época atribulada, depois de uma lesão me ter afastado da luta pelos objectivos inicialmente definidos”. Relativamente à sua prova, Davide Machado referiu que “as boas sensações físicas permitiram um maior à vontade na parte técnica”, aspeto visível tanto no Apuramento como na Final, onde logrou duas provas limpas. Referindo-se em particular à Final, o atleta afirmou: “Apesar de ter corrido extremamente bem, nunca pensei conseguir uma diferença tão grande numa prova que, no meu entender, foi ligeiramente curta.” Quanto à Organização, apesar de prevenir desde logo que a sua opinião é “suspeita”, Machado considera que “esteve irrepreensível a todos os níveis, proporcionando dois dias num terreno e num mapa muito bons para a prática da modalidade, duro fisicamente e, embora não muito preenchido com rede de caminhos, com opções que davam que pensar. A arena e o espaço envolvente foram também dos melhores e nada faltou”. Na hora de abrandar no ritmo e nos treinos, o pensamento de Davide Machado dirige-se já para a próxima temporada: “O Campeonato do Mundo, a ter lugar em Portugal, será, a nível pessoal, um dos pontos altos de 2016.

Susana Pontes também deixou, no final, as suas impressões ao Orientovar: “Fui para o evento sabendo que a vitória não iria ser fácil. A Filipa, estando a treinar, não me facilitava a tarefa... Mas eu fico muito contente por isso.” E acrescenta: “Fiquei algo surpreendida comigo mesma. O objetivo era tentar fazer um bom resultado no Apuramento... Consegui fazendo uma boa leitura de mapa. No segundo dia, e logo no aquecimento, senti que as minhas pernas não estariam como gostaria, mas era com elas que teria de fazer a prova... Era gerir e não fazer asneiras na Orientação.” A estratégia acabaria por resultar, mas nem tudo foram rosas. Susana Pontes recorda que “a meio da prova estava na frente, no entanto, e após 14 anos nestas andanças, parto a corrente”. Solucionado o problema mecânico, a atleta regressou à prova convicta que a sua adversária direta ainda estaria para trás. Mas não! As emoções da parte final são assim relatadas na primeira pessoa: “A Filipa tinha tomado outra opção e não deu para perceber que já estaria à frente. Mas ao tomar a opção para o ponto seguinte, vi a Filipa de novo, ela já o tinha picado... Bem!! Agora teria de ser no limite até ao final... E consegui! Cheguei com a corda ao pescoço, mas satisfeita!” As últimas palavras deixa-as à Organização do evento: “Não poderia pedir mais, foram “cinco estrelas”. Diverti-me muito mesmo! Tive dureza, orientação, desafio, ... GOSTEI! Um grande OBRIGADO!”


Resultados

Final A Masculina
1. Davide Machado (.COM) 57:47 (+ 00:00)
2. João Ferreira (CA Bairrada) 1:05:48 (+ 08:01)
3. Daniel Marques (COC) 1:07:48 (+ 10:01)
4. Luis Barreiro (NADA) 1:08:08 (+ 10:21)
5. Carlos Simões (COALA) 1:08:51 (+ 11:04)
6. Guilherme Marques (COC) 1:13:08 (+ 15:21)
7. Paul Roothans (CN Alvito) 1:14:06 (+ 16:19)
8. Marco Palhinha (CP Abrunheira) 1:14:39 (+ 16:52)
9. Mário Marinheiro (CP Abrunheira) 1:22:02 (+ 24:15)
10. Mac-Mahon Moreira (BTT Loulé/BPI) 1:25:43 (+ 27:56)

Final A Feminina
1. Susana Pontes (COC) 1:20:10 (+ 00:00)
2. Ana Filipa Silva (CPOC) 1:21:32 (+ 01:22)
3. Marisa Costa (COA) 1:44:12 (+ 24:02)
4. Rita Gomes (BTT Loulé/BPI) 1:44:32 (+ 24:22)
5. Margarida Correia (BTT Loulé/BPI) 1:50:42 (+ 30:32)
6. Sandra Rodrigues (ADFA) 1:55:54 (+ 35:44)
7. Diana Moreira (CA Bairrada) 2:05:09 (+ 44:59)
8. Anabela Freitas (Amigos da Montanha) 2:12:49 (+ 52:39)

Resultados completos e demais informações em http://pontocom.pt/node/360/campeonato-absoluto-ori-btt-2015.html.

[Foto: .COM – Clube de Orientação do Minho / facebook.com/ori.pontocom/photos]


Saudações orientistas.

Joaquim Margarido
  

sábado, 24 de outubro de 2015

WTOC 2015: Exposição coletiva de fotografia inaugurada em Zagreb



Encontra-se patente ao público, na sede do clube croata de Montanhismo HPD “Zagreb-Matica”, uma exposição de fotografia que recorda alguns dos mais belos momentos do recente WTOC 2015, disputados na Croácia. A inauguração teve lugar na noite de ontem e serviu de pretexto para o reencontro de muitos dos elementos que fizeram parte do núcleo organizativo dos Campeonatos do Mundo e para a revisitação dum precioso tempo de comunhão e partilha.


A sede da sociedade croata de Montanhismo Hrvatsko Planinarsko Društvo “Zagreb-Matica” foi palco, ao início da noite de ontem, dum evento singular. Ao encontro das memórias, dos lugares e das gentes que fizeram o Campeonato do Mundo de Orientação de Precisão WTOC 2015, disputado em Zagreb e Karlovac no passado mês de Junho, teve lugar a inauguração da exposição coletiva de fotografia da autoria dos fotógrafos Branka Dimić, Senke Jurković Gros, Mladen Fliss e Čedomil Gros, complementada pelo filme de Velimir Brezar. As palavras de abertura estiveram a cargo de Anton Bikić, Presidente do HPD “Zagreb-Matica” e anfitrião da exposição. Čedomil Gros, principal organizador deste evento e Damir Gobec, Diretor do WTOC 2015, proferiram igualmente palavras de boas-vindas. Zdenko Horjan e Ivana Gobec, respetivamente Traçador e Cartógrafa do WTOC 2015, os atletas Iva Lovrec, Ivica Bertol e Tomislav Varnica, e ainda nomes ligados à organização do WTOC 2015, tais como Sanja Zuzic ou Boško Opalić, foram algumas das muitas personalidades presentes no evento.

“Pensamos que vale sempre a pena mostrarmos aquilo que fazemos, mas queríamos igualmente podermos reunir-nos de novo”, referiu Ivana Gobec ao Orientovar, a propósito do evento. Ivana deixa ainda algumas impressões: “O conjunto de fotos acaba por ser bastante restrito e os fotógrafos tiveram que proceder a uma enorme seleção. Daí que esta exposição acabasse por ser, em certa medida, uma surpresa também para nós.” Uma nota ainda para o facto de, no decurso do beberete que se seguiu à Cerimónia de Inauguração, terem passado num grande ecrã um conjunto de imagens da autoria de outros fotógrafos, muitas das quais com a assinatura de Joaquim Margarido e do Orientovar. A exposição estará patente ao público durante o próximo mês de Novembro, sendo de esperar que entre, depois, em itinerância.

Veja a reportagem fotográfica da Inauguração da Exposição em https://www.facebook.com/media/set/?set=a.922066481180963.1073741920.137542812966671&type=3

[Foto: OK Vihor / facebook.com/OK-Vihor]


Saudações orientistas.

Joaquim Margarido
  

PrisMagazine nº 2: Já disponível... e com qualidade redobrada!



Acaba de ser publicado o segundo número da PrisMagazine, revista especializada em Orientação e dirigida por Jeremias Araújo. Da apreciação do todo, ressalta a enorme evolução face à edição de lançamento, quer no tocante ao número de páginas, quer no que se refere à qualidade, variedade e importância dos conteúdos.


Surgiu no passado mês de Setembro e foi uma verdadeira “pedrada no charco” do incipiente (ou praticamente inexistente) setor da comunicação da Orientação Brasileira. Jeremias Araújo, o responsável pela PrisMagazine, relacionava, nesse primeiro número, o aparecimento da Revista com a necessidade de “unificar os conhecimentos da Orientação, de expandir informações, de tornar a público o alcance dos nossos eventos e dos benefícios que o nosso desporto traz a quem o pratica”. Surgia assim “a mais nova ferramenta de informação sobre a Orientação no Brasil e no Mundo”.

Neste segundo número [AQUI], a evolução é notória e corresponde a uma legítima ambição de fazer mais, de fazer melhor. Para tal, Jeremias Araújo, apoiado numa equipa de edição que inclui ainda Rafael Dantas e José Alexsandro, reuniu um vasto painel de colaboradores – onde o Orientovar, orgulhosamente, se inclui -, dando à estampa um conjunto ao nível do que de melhor se faz no Mundo. É, seguramente, com grande emoção que se “folheiam” as 50 páginas que compõem a Revista, ao encontro dos factos que fazem a história da Orientação brasileira, dos eventos que marcam a atualidade e das gentes que, discretamente ou de forma mais empenhada, ajudam a elevar, a cada dia, o nome da Orientação no Brasil.

Das notas de leitura desta edição da PrisMagazine, o destaque vai inteirinho para a “História da Orientação Feminina Brasileira”, artigo com texto e fotos de Carla Maria Clausi, escrito com enorme coração, mas sobretudo com o saber de experiência feito de quem começou a praticar a modalidade em 1986 e é a grande pioneira da Orientação feminina brasileira. São oito páginas de História e de estórias que traçam um percurso de 45 anos da Orientação no país irmão e onde se enfatiza a medalha de bronze alcançada pela Estafeta Feminina Brasileira nos V Jogos Mundiais Militares do CISM, em 2011, “a maior conquista feminina na Orientação”. Outros apontamentos de enorme qualidade e interesse são a “História da Orientação da Bahia”, por Tatye Veríssimo, a apresentação dos clubes COMPass e CORELE, em artigos assinados respetivamente por Sérgio Brito e Waldson Estrela e para os resumos alargados dos VI Jogos Mundiais Militares do CISM (Mungyeong, Coreia do Sul) e da 3ª etapa do Campeonato Brasileiro de Orientação. Uma nota ainda para o interessante artigo de Junior Dias sobre “os 9 acessórios e equipamentos principais que um orientista deve conhecer” e, numa saltada “ao lado de cá do Atlântico”, para um revisitação do Porto City Race 2015, artigo da autoria de Joaquim Margarido.


Saudações orientistas.

Joaquim Margarido
  

sexta-feira, 23 de outubro de 2015

Campeonato Ibérico Masculino de Orientação Pedestre 2015: Tiago Gingão Leal e Eduardo Gil Marcos triunfam na Elite



Tiago Gingão Leal e Eduardo Gil Marcos foram as grandes figuras do primeiro dia do Campeonato Ibérico Masculino de Orientação Pedestre 2015, ao chamarem a si, respetivamente, os títulos de Distância Média e de Sprint no escalão Elite. O segundo dia de provas ficou marcado pela anulação da etapa de Distância Longa devido ao mau tempo.


Com a época a caminhar rapidamente para o final, a Orientação Pedestre regressou a terras do Dão para a realização do Campeonato Ibérico Masculino 2015. Organizado pelo Clube de Orientação de Viseu - Natura, Câmara Municipal de São Pedro Sul, Federação Portuguesa de Orientação e Federação Espanhola de Orientação, o evento atraiu a atenção de perto de seiscentos participantes, dos quais 255 (!) oriundos da vizinha Espanha. Dividido em três etapas – Distância Média e Sprint, no primeiro dia, e Distância Longa no encerramento do programa -, o evento sofreu um forte revés com o cancelamento da derradeira prova devido à adversidade das condições atmosféricas, a pôr em causa as condições de segurança necessárias à realização da prova. Inédita em Portugal, esta situação veio penalizar o labor duma incansável equipa liderada por João Rodrigues, ainda que não belisque minimamente o excelente trabalho desenvolvido e que tão elogiosas referências recebeu de todos os participantes.

A prova inaugural teve lugar no mapa de Pinho, em terrenos com tanto de beleza como de exigência técnica, oferecendo uma Distância Média de grande qualidade e intensidade. Com uma distância de 4,6 km e 245 metros de desnível, o percurso do escalão de Elite masculina teve em Tiago Gingão Leal (GD4C) o grande vencedor. Com uma boa entrada no mapa e uma prestação segura e consistente, Gingão Leal logrou angariar preciosa vantagem na primeira metade do percurso, entretanto desperdiçada após dois erros consecutivos. Com cinco pontos por controlar, o espanhol Raúl Ferra Murcia ainda chegou à liderança, mas a boa ponta final do português permitiu-lhe vencer com o tempo de 39:10 e uma vantagem de 51 segundos sobre o seu adversário direto. Nos restantes dez escalões onde o título ibérico esteve em disputa, Portugal conquistou o ouro por seis vezes, contra quatro triunfos de atletas espanhóis. Uma referência especial para a vitória de um atleta de 63 anos no super-competitivo escalão H50, Manuel Dias (GafanhOri) de seu nome.


Eduardo Gil Marcos e Carolina Delgado vencem Troféu Dão Lafões

Tiago Gingão Leal voltou a ser um dos grandes protagonistas da etapa de Sprint que encerrou o programa do primeiro dia de provas, nunca se dando por vencido ante Eduardo Gil Marcos (Tjalve), uma das maiores certezas da jovem Orientação espanhola da atualidade. O Mapa das Termas de S. Pedro do Sul revelou-se precioso para uma prova com estas características, associando ao desnível do terreno um inusitado conjunto de barreiras construídas, a exigir máxima concentração nas tomadas de decisão. E aqui Gil Marcos mostrou-se a grande nível, completando um percurso a roçar a perfeição em 15:06 e levando de vencida 15 dos 21 parciais dum percurso na distância de 3,6 km. Tiago Gingão Leal gastou mais 1:47 que o vencedor, cabendo a terceira posição a outro português, Tiago Romão (GafanhOri), que concluiu com um registo de 17:12. Os restantes quatro títulos ibéricos de Sprint foram equitativamente distribuídos por portugueses e espanhóis, com os jovens Álvaro Casado Gómes (GOCAN) e Álvaro Prieto del Campo (Malarruta) a conseguirem juntar ao título de Distância Média também o de Sprint.

A anulação da prova de Distância Longa viria a tornar definitivos os resultados provisórios registados no final do primeiro dia, permitindo encontrar desde logo os vencedores do Troféu Dão Lafões. Eduardo Gil Marcos e Carolina Delgado (GD4C) levaram de vencida o escalão de Elite, respetivamente em Masculinos e Femininos. Tiago Gingão Leal e Raúl Ferra Múrcia (Lorca-O) secundaram Eduardo Gil Marcos por esta ordem, enquanto Mariana Moreira e Vera Alvarez, ambas do CPOC, foram as segunda e terceira classificadas na Elite feminina. Portugal alcançou 18 vitórias no Troféu contra 9 da Espanha nos 27 escalões de competição, fazendo o pleno nos 10 escalões de Formação e Abertos. Por equipas, o triunfo sorriu ao COC, que viu assim reforçada a sua liderança na Taça de Portugal da presente temporada. Finalmente, uma chamada de atenção para o texto que Raúl Ferra Murcia plasmou no seu blogue - http://raulferra.blogspot.pt/2015/10/campeonato-iberico-2015-esos-locos-que.html -, uma “pérola” que ilustra bem a “loucura” da Orientação e no qual se pode ler que “é de loucos fazer 2.000 km de carro para correr um fim de semana no outro extremo da Península”, que foi necessário “cancelar a prova do segundo dia” devido a uma chuva e a um vento “do caralho”, mas que no final, “num misto de masoquismo e de loucura”, este foi mais um momento “genial”.


Resultados

Campeonato Ibérico Masculino 2015
Distância Média

H16 – Álvaro Casado Gómez (GOCAN)
H18 – João Bernardino (COC)
H20 – Álvaro Prieto Del Campo (Malarruta)
H Elite – Tiago Gingão Leal (GD4C)
H35 – Santiago Jiménez Molina (GOCAN)
H40 – Jorge Correia (ADFA)
H45 – Santos Sousa (ADFA)
H50 – Manuel Dias (GafanhOri)
H55 – José Fernandes (.COM)
H60 – José Samper García (Villena-O)
H65 – Joaquim Patrício (CN Alvito)

Campeonato Ibérico Masculino 2015
Sprint

H16 – Álvaro Casado Gómez (GOCAN)
H20 – Álvaro Prieto Del Campo (Malarruta)
H Elite – Eduardo Gil Marcos (Tjalve)
H35 – Arnaldo Mendes (ADM Ori-Mondego)
H50 – Mário Duarte (ADFA)


Troféu Dão Lafões 2015

Elite Masculina
1. Eduardo Gil Marcos (Tjalve) 1938,12 pontos
2. Tiago Gingão Leal (GD4C) 1894,37 pontos
3. Raúl Ferra Murcia (Lorca-O) 1794,98 pontos
4. Greg Ahlswede (Escondite-M) 1770,76 pontos
5. Tiago Romão (GafanhOri) 1762,37 pontos

Elite Feminina
1. Carolina Delgado (GD4C) 1975,95 pontos
2. Mariana Moreira (CPOC) 1908,71 pontos
3. Vera Alvarez (CPOC) 1730,99 pontos
4. Inês Domingues (COC) 1603,74 pontos
5. Guadalupe Moreno (Monte El Pardo) 1584,33 pontos

Vencedores outros escalões
H/D10 – João Pedro (CAOS) e Rita Castro (GD4C)
H/D12 – Tiago Marcolino (GD4C) e Catarina Pereira (ADFA)
H/D14 – Vasco Mendes (GDU Azoia) e Margarida Miranda (GD4C)
H/D16 – Álvaro Casado Gómez (GOCAN) e Helena Lima (COC)
H/D18 – Ricardo Esteves (ADFA) e Debora Swinke (CPOC)
H/D20 – Alvaro Prieto Del Campo (Malarruta) e María Prieto Del Campo (Malarruta)
H/D21A – Oleksandr Zaikin (ADFA) e Cristina Bertran Prat (UEVIC)
H/D21B – Eduardo Ruiz Gonzalez (ORCA) e Ana Gouveia (CA Madeira)
H/D35 – Santiago Jiménez Molina (GOCAN) e Adela Illamora Colomer (UEVIC)
H/D40 – Jorge Correia (ADFA) e Teresa Alves (OriMarão)
H/D45 – Santos Sousa (ADFA) e Alexandra Coelho (GD4C)
H/D50 – Mário Duarte (ADFA) e Rosa Pernas Martínez (USC)
H/D55 – Carlos Ferreira (CA Bairrada) e Fernanda Ferreira (CA Bairrada)
H/D60 – Álvaro Coelho (ADM Ori-Mondego) e Sinikka Ovaskainen (GafanhOri)
H65 – Francisco Coelho (Clube TAP)
H70 – Jorma Ovaskainen (GafanhOri)
H75 – José Grada (Ori-Estarreja)
Fácil Curto – Ismael Rodrigues (NAST)
Difícil Curto – Paulo Olaio (COC)
Fácil Longo – Tiago Oliveira (CA Bairrada)
Difícil Longo – Arménio Mendes (CPOC)

Por Clubes
1. COC – 3534,53 pontos
2. ADFA – 3355,26 pontos
3. GD4C – 3031,27
4. CPOC – 2868,10 pontos
5. Ori-Estarreja – 2082,40 pontos

Para mais informações e resultados completos consulte a página do evento em http://www.cimo2015.coviseu-natura.pt/.


Saudações orientistas.

Joaquim Margarido

terça-feira, 13 de outubro de 2015

I Troféu de Orientação de Alvitos e Couto: Tiago Gingão Leal e Carolina Delgado, os grandes vencedores



Tiago Gingão Leal e Carolina Delgado foram os vencedores do I Troféu de Orientação de Alvitos e Couto. Organizado pela Secção de Orientação dos Amigos da Montanha, o evento integrou uma etapa pontuável para a Taça de Portugal VITALIS de Orientação Pedestre 2015, atraindo as atenções de duas centenas e meia de participantes.


Situada em Alvito S. Pedro, Barcelos, a Quinta Pedagógica d'Alvarenga foi o epicentro do I Troféu de Orientação de Alvitos e Couto. Dividido em duas etapas, uma das quais integrando o calendário da Taça de Portugal VITALIS de Orientação Pedestre 2015, o evento contou com a assinatura organizativa da Secção de Orientação dos Amigos da Montanha, em parceria com a Federação Portuguesa de Orientação, e com o apoio da Câmara Municipal de Barcelos e União de Freguesias de Alvito (S. Pedro e S. Martinho) e Couto e Colégio Didálvi. O Troféu contou com uma participação próxima dos duzentos e cinquenta atletas, dos quais cerca de uma centena nos escalões abertos e onde foi possível observar um grande número de jovens a darem os primeiros passos na modalidade.

Disputada na Distância Média, em terreno de floresta com acentuado desnível, a etapa da manhã viu Daniel Ferreira (AD Cabroelo) dar a nota de sensação, vencendo o escalão de Elite masculina com o tempo de 41:12 e uma vantagem superior a seis minutos sobre o grande favorito, Tiago Gingão Leal (GD4C). Na Elite feminina, Carolina Delgado (GD4C) bateu a concorrência de forma clara, registando no final o tempo de 52:43, contra 1:16:16 da sua colega de equipa, Céu Costa, segunda classificada. A etapa da tarde, na distância de Sprint, representou a prova provada do que pode ser a Orientação como atividade de lazer, juntando novos e menos novos no interior da Quinta Pedagógica d'Alvarenga, um espaço multifacetado e de enorme beleza onde foi possível desenhar percursos com excelente recorte técnico. A ausência de Daniel Ferreira abriu as portas da vitória a Tiago Gingão Leal, enquanto Carolina Delgado foi de novo a mais forte na Elite feminina, com o par a repetir a passagem triunfal por Barcelos há cinco meses atrás, depois de aqui ter levado de vencida a primeira edição do Barcelos City Race. Nas contas finais, o Grupo Desportivo dos Quatro Caminhos foi o clube que mais atletas posicionou no lugar mais alto do pódio, com oito representantes seus, contra cinco atletas do Clube de Orientação de Estarreja e outros tantos do Clube de Orientação do Minho. Este facto espelha da melhor forma a classificação por clubes, com os três emblemas referidos a inscreverem por essa ordem o seu nome na tabela final.

Jorge Silva, Diretor da Secção de Orientação dos Amigos da Montanha, fez no final um balanço muito positivo desta prova. Na página do clube, pode ler-se que “os atletas gostaram do terreno e dos mapas apresentados, para além de todo o cenário de prova criado num local privilegiado como a Quinta D’Alvarenga”. Também o Supervisor da Prova, José Carlos Pires, salientou que, “apesar do terreno difícil, com um trabalho muito grande e desafiante ao nível da cartografia, foi possível criar um mapa interessante e do agrado dos atletas.” Para o Diretor do Colégio Didálvi, João Alvarenga, “esta é uma parceria que faz todo o sentido, pois a Quinta Pedagógica só desempenha a sua função com pessoas e este trabalho conjunto de instituições em benefício das pessoas e do desporto é um ótimo exemplo.” A presidente da União de Freguesias de Alvito (São Pedro e São Martinho) e Couto, Paula Belchior, salientou que “é uma mais-valia receber eventos como este na freguesia e no concelho”, enquanto o Vereador do Pelouro do Desporto da Câmara Municipal de Barcelos, José Carlos Brito, destacou “a importância de trazer ao concelho este desporto e os atletas que vêm de diversas regiões do país.”


Resultados

Elite Masculina
1. Tiago Gingão Leal (GD4C) 1865.85 pontos
2. Daniel Ferreira (AD Cabroelo) 1000.00 pontos
3. Luis Leite (GD4C) 535.76 pontos

Elite Feminina
1. Carolina Delgado (GD4C) 2000.00 pontos
2. Céu Costa (GD4C) 691.22 pontos
3. Albertina Sá (ADFA) 656.77 pontos

Vencedores outros escalões
H/D12 – Tiago Marcolino (GD4C) e Lara Monte (EB Apúlia)
H/D14 – Rodrigo Oliveira (COC) e Bruna Pires (EB Apulia)
H/D16 – Tomás Lima (COC) e Helena Lima (COC)
H/D18 – Daniel Magalhães (.COM) e Joana Marques (Ori-Estarreja)
H/D20 – João Novo (.COM) e Joana Fernandes (.COM)
H/D21A – João Casal (Ori-Estarreja) e Carla Ferreira (ADM Ori-Mondego)
H/D21B – Bruno André (OriMarão) e Ana Ribeiro (GD Luz Verde)
H/D35 – José Pereira (CP Armada) e Ana Paula Serra Campos (.COM)
H/D40 – César Conceição (COC) e Ana Casal (Ori-Estarreja)
H/D45 – Rafael Lima (OriMarão) e Fátima Rocha (GD Luz Verde) / Dulce Moreda (GD4C)
H/D50 – Fernando Costa (GD4C) e Jerónima Rocha (GD4C)
H/D55 – Carlos Garrido (ADM Ori-Mondego) e Fernanda Ferreira (CA Bairrada)
H/D60 – Armando Santos (COALA) e Hermínia Tavares (Ori-Estarreja)
H65 – João Rodrigues (CO Viseu – Natura)
H70 – Armandino Cramez (Ori-Estarreja)
H75 – Joaquim da Costa (GD4C)
PROM1 (Fácil Curto) – Daniel Pereira (EB Apulia)
PROM2 (Fácil Longo) – José Guilherme (GD4C)
PROM4 (Difícil Longo) – Fátima Pires (.COM)

Classificação por Clubes
1. GD4C – 3024,37 ponntos
2. Ori-Estarreja – 2228,75 pontos
3. .COM – 1854,63 pontos
4. ADM Ori-Mondego – 1142,95 pontos
5. COC – 1133,36 pontos

Resultados completos e demais informação em http://www.amigosdamontanha.com/_i_trofeu_de_orientacao_alvitos_e_couto.

[Foto: José João / photos.google.com]


Saudações orientistas.

Joaquim Margarido

segunda-feira, 12 de outubro de 2015

3º Ori-TrailO do COC: Vitórias de Luís Gonçalves e Ricardo Pinto



Luís Gonçalves e Ricardo Pinto foram os grandes vencedores da terceira edição do Ori-TrailO do COC que teve lugar no dia de ontem, na localidade de Pataias. Com o resultado alcançado, Luís Gonçalves é já o virtual vencedor da Taça de Portugal de Orientação de Precisão INVACARE 2015 na Classe Aberta, enquanto na Classe Paralímpica Ricardo Pinto deu um passo muito importante no mesmo sentido.


Pataias, simpática vila no extremo Norte do concelho de Alcobaça, foi palco no dia de ontem da terceira edição do Ori-TrailO do COC. Organizado pelo Clube de Orientação do Centro, o evento englobou duas etapas pontuáveis para a Taça de Portugal de Orientação de Precisão INVACARE 2015, a primeira na vertente de TempO, durante a manhã, e a derradeira, na vertente de PreO, ocupando uma boa parte da tarde. De louvar a forma como o COC soube lidar com este exigente modelo de organização, mobilizando um vasto conjunto de atletas que souberam interpretar da melhor forma as indicações duma equipa técnica muito jovem, onde pontificaram os Traçadores Inês Domingues e Edgar Domingues, com o precioso auxílio do experiente Carlos do Vale, Diretor de Prova, e de Cláudio Tereso, o Supervisor FPO.

A prova da manhã foi, como já se disse, dedicada ao TempO, oferecendo cinco estações com um total de vinte e cinco desafios. Num espaço lindíssimo, em torno da Lagoa de Pataias, as características do terreno e o desenho dos desafios mostraram-se contrários a uma estratégia que privilegiasse a rapidez de resposta, sendo possível verificar alguns resultados pouco expectáveis. Luís Gonçalves (CPOC), como lhe competia – afinal estamos a falar do nº 6 do Mundo nesta vertente do TrailO (!) -, foi o grande vencedor, com cinco respostas erradas e um tempo de resposta ligeiramente superior a 8 segundos, o que lhe valeu um total de 358 segundos. Com o mesmo número de respostas erradas, mas com uma média aproximada de um minuto gasto em cada estação, Joaquim Margarido (CRN) foi a grande surpresa da etapa, alcançando o terceiro lugar com 447,5 segundos. Entre os dois atletas, com a prestação mais certeira (quatro respostas erradas) e um total de 411 segundos, classificou-se a finlandesa Kyllikki Antilla (Jalasjärven Jalas), uma atleta muito experiente e que será a Assistente do Supervisor Internacional IOF nos Campeonatos do Mundo de Orientação de Precisão WTOC 2017 que terão lugar em Birštonas (Lituânia). Ainda uma palavra para Júlio Guerra (DAHP), o mais rápido dos 21 participantes em prova, com um tempo médio por estação inferior a 35 segundos, embora com uma taxa de respostas erradas superior a 50%.


Nuno Pires e Ricardo Pinto vencem etapa de PreO

A parte da tarde foi inteiramente dedicada ao PreO, com uma prova em linha com 20 pontos e ainda uma estação cronometrada com três desafios a abrir o percurso. Uma inconsistência na cartografia acabou por “forçar” a organização a anular um dos pontos de controlo, o que não é motivo bastante para pôr em causa o bom trabalho de traçadores e supervisor. Redimindo-se duma prestação menos conseguida na etapa anterior, Nuno Pires (Ori-Estarreja) foi o vencedor da Classe Aberta, concluindo o percurso com um total de 16 respostas corretas. A um ponto do vencedor, classificou-se um trio composto por Luis Gonçalves, Jorge Baltazar (GDU Azoia) e Grigas Piteira (GafanhOri), que terminaram por esta ordem, valendo em termos de escalonamento o tempo gasto na estação cronometrada. Na Classe Paralímpica, Ricardo Pinto (DAHP) mostrou-se ao melhor nível, terminando o percurso com 15 pontos e uma vantagem de dois pontos sobre o seu grande rival, Julio Guerra. O terceiro lugar coube a José Laiginha Leal (DAHP), em igualdade pontual com o seu colega de equipa António Amorim, mas com melhor prestação na estação cronometrada.

No somatório das duas etapas, Luís Gonçalves e Ricardo Pinto acabaram por levar a melhor sobre a concorrência, cabendo a ambos a subida ao lugar mais alto do pódio deste 3º Ori-TrailO do COC. Nuno Pires e Júlio Guerra foram os segundos classificados, enquanto Kyllikki Antilla e José Laiginha Leal fecharam o pódio. Outras contas que podem ser igualmente feitas dizem respeito aos Rankings da Taça de Portugal de Orientação de Precisão INVACARE 2015, numa altura em que falta disputar apenas uma etapa. Na Classe Paralímpica, Ricardo Pinto ascendeu ao primeiro lugar, tendo tudo para aí se manter e chegar à vitória pelo terceiro ano consecutivo. Mas um triunfo de Júlio Guerra, combinado com uma prestação débil de Ricardo Pinto a valer no final menos de 84 pontos, serão suficientes para que o volte-face se opere e Júlio Guerra veja, finalmente, a sua perseverança compensada da melhor forma. Quanto à Classe Aberta, sem surpresas, Luís Gonçalves é o virtual vencedor da edição deste ano da Taça de Portugal, sucedendo a Joaquim Margarido. Por agora, ainda que muito ameaçado, o segundo lugar é pertença de Nuno Pires, mas uma prestação de Edgar Domingues e de Inês Domingues ao seu melhor nível permitirá reverter a situação, estando neste caso Inês Domingues em melhor posição para conseguir tal desiderato. Muito ainda para decidir, pois, numa etapa final que se adivinha emotiva e de grande qualidade, com organização da ADM – OriMondego, e que terá lugar na tarde do primeiro sábado de Novembro, nas imediações da Lagoa da Vela, em Quiaios.


Resultados

Etapa 1 – TempO

1. Luis Gonçalves (CPOC) 358 segundos
2. Kyllikki Antilla (Jalasjärven Jalas FIN) 411 segundos
3. Joaquim Margarido (CRN) 447,5 segundos
4. Grigas Piteira (GafanhOri) 484 segundos
5. Nuno Rebelo (Ori-Estarreja) 496 segundos
6. Jorge Baltazar (GDU Azoia) 519,5 segundos

Etapa 2 – PreO

Classe Aberta
1. Nuno Pires (Ori-Estarreja) 16 pontos (19 segundos)
2. Luis Gonçalves (CPOC) 15 pontos (20 segundos)
3. Jorge Baltazar (GDU Azoia) 15 pontos (112 segundos)
4. Grigas Piteira (GafanhOri) 15 pontos (151 segundos)
5. Kyllikki Antilla (Jalasjärven Jalas FIN) 14 pontos (90 segundos)
6. Acácio Porta Nova (CPOC) 13 pontos (43 segundos)

Classe Paralímpica
1. Ricardo Pinto (DAHP) 15 pontos (38 segundos)
2. Júlio Guerra (DAHP) 13 pontos (29 segundos)
3. José Laiginha Leal (DAHP) 10 pontos (122 segundos)
4. António Amorim (DAHP) 10 pontos (205 segundos)
5. Cláudio Poiares (DAHP) 8 pontos (98,5 segundos)
6. Ana Paula Marques (DAHP) 6 pontos (225 segundos)


3º Ori-TrailO do COC

Classe Aberta
1. Luís Gonçalves (CPOC) 193,06 pontos
2. Nuno Pires (Ori-Estarreja) 178,63 pontos
3. Kyllikki Antilla (Jalasjärven Jalas FIN) 177,49 pontos
4. Grigas Piteira (GafanhOri) 173,55 pontos
5. Jorge Baltazar (GDU Azoia) 171,46 pontos
6. Joaquim Margarido (CRN) 160,73 pontos

Classe Paralímpica
1. Ricardo Pinto (DAHP) 185,82 pontos
2. Júlio Guerra (DAHP) 185,59 pontos
3. José Laiginha Leal (DAHP) 142,59 pontos
4. António Amorim (DAHP) 134,28 pontos
5. Cláudio Poiares (DAHP) 133,08 pontos
6. Ana Paula Marques (DAHP) 108,47 pontos


Saudações orientistas.

Joaquim Margarido

sábado, 10 de outubro de 2015

6º Jogos Mundiais Militares do CISM: Rússia e Suiça vencem Estafetas



Com as vitórias da Suiça e da Rússia na prova de Estafeta masculina e feminina, respetivamente, chegou ao fim a competição de Orientação incluída nos 6º Jogos Mundiais Militares do CISM. Globalmente, a Rússia mostrou todo o seu poderio, conquistando seis das oito medalhas de ouro em jogo.


Após uma merecida pausa, a Orientação voltou aos 6º Jogos Mundiais Militares do CISM para a realização da derradeira prova. O palco foi, à semelhança do que acontecera nas etapas individuais de Distância Média e de Distância Longa, a desnivelada região em torno da Universidade de Dongyang, em Mungyeong (Coreia do Sul), colocando em prova 37 equipas masculinas e 16 femininas. Começando pela competição feminina, depois das superiores prestações de Tatiana Ryabkina e Yulia Novikova nas finais individuais, ninguém esperava outra coisa das russas que não uma vitória. Chamada a integrar a equipa, Svetlana Mironova revelou-se um reforço de peso e, no final, a demonstração de classe do selecionado russo traduziu-se em nova vitória no tempo de 1:46:46, com uma vantagem de sete minutos exatos sobre a Letónia, segunda classificada, e de 8:36 sobre a Lituânia, terceira classificada.

Numa análise mais detalhada à forma como a prova evoluiu, merece a pena referir que a Rússia assumiu a liderança desde o início, com Tatiana Ryabkina a entregar o testemunho no final do primeiro percurso com uma confortável vantagem sobre a Lituânia e a Noruega, na altura as suas mais diretas opositoras. A Letónia teve um primeiro percurso desastroso, com Elina Karklina a perder mais de catorze minutos (!) para a liderança e a deixar a sua equipa na 7ª posição, mas Aija Skrastina, primeiro e, já no derradeiro percurso, Laura Vike, foram exímias ao garantirem os melhores tempos parciais entre todas as atletas em prova, coroando com a medalha de prata uma recuperação absolutamente sensacional. Depois da proeza alcançada na edição anterior dos Jogos (Rio de Janeiro, 2011), onde chegaram à medalha de bronze, as brasileiras estiveram desta feita muitos furos abaixo do que seria de esperar. Franciely de Siqueira Chiles, a Campeã Brasileira em título, entrou muito mal no mapa e o penúltimo lugar no final do primeiro percurso deitava por terra quaisquer esperanças num bom resultado. Tânia Maria Jesus de Carvalho ainda viria a recuperar uma posição, mas o desempenho de Leticia da Silva Saltori no derradeiro percurso acabaria por fixar o Brasil no 15º lugar final, a distantes 1:24:23 das vencedoras.


Matthias Kyburz, o “menino de ouro”

No setor masculino, o despique entre a Suiça e a Rússia esteve ao rubro, com dez segundos apenas a separarem, no final, os dois contendores. Começou melhor a Áustria, graças a uma superior prestação de Gernot Kerschbaumer, mas foi a Rússia a assumir a liderança à entrada para o decisivo percurso, com Dmitriy Tsvetkov a beneficiar então duma vantagem de 24 segundos sobre os Austríacos, com Suiços e Estónios já algo distantes, a 2:31 e 2:44, respetivamente, dos Russos. A verdade é que Matthias Kyburz esteve absolutamente imparável neste segmento, anulando a desvantagem que o separava de Tsvetkov e oferecendo à Suiça a vitória com o tempo final de 2:02:33. Os russos concluiriam, como já se disse, dez segundos mais tarde, cabendo a terceira posição à Estónia, com um tempo de 2:03:51, graças sobretudo à mais valia dos percursos dos irmãos Lauri Sild e Timo Sild. Com uma equipa composta por Leandro Pereira Pasturiza, Ironir Alberto Ev e Sidnaldo Farias Sousa, o Brasil concluiu na 12ª posição com o tempo de 2:33:37, sendo a primeira equipa não europeia em termos globais.

Nas contas finais destes 6º Jogos Mundiais Militares do CISM, foram apenas cinco os países a chegarem às medalhas, com a Rússia a chamar a si a “fatia de leão” com seis medalhas de ouro, quatro de prata e uma de bronze. Com duas medalhas de ouro, uma de prata e uma de bronze, a Suiça ocupou a segunda posição no medalheiro dos Jogos, enquanto a terceira posição coube à Letónia com duas medalhas de prata e duas de bronze. A França, com uma medalha de prata e a Estónia com duas medalhas de bronze, ocuparam por esta ordem as quarta e quinta posições.

Resultados completos e demais informações em http://cism-orienteering.com/.

[Foto: CISM Orienteering / www.cism-orienteering.com]


Saudações orientistas.

Joaquim Margarido