domingo, 31 de maio de 2015

I Troféu Costa Alentejana MTBO: Pekka Niemi e Susana Pontes triunfam em Santiago do Cacém


Pekka Niemi e Susana Pontes foram os grandes vencedores do I Troféu Costa Alentejana MTBO, disputado este fim de semana em Santiago do Cacém. A uma semana do grande evento da temporada em Portugal – o Campeonato da Europa de Orientação em BTT 2015 – um último e proveitoso apronto em “modo de competição” para os quase cem atletas presentes!


Pelo terceiro ano consecutivo, o município de Santiago do Cacém voltou a estar na rota dos grandes eventos de Orientação em BTT nacionais, depois de ter encerrado a Taça do Mundo em 2013 e de ter recebido os Campeonatos Nacionais no ano passado. A uma semana do início do Campeonato da Europa de Orientação em BTT 2015, a simpática vila alentejana acolheu o I Troféu Costa Alentejana MTBO, evento pontuável para a Taça de Portugal de Orientação em BTT 2015 e que contou com a participação de 93 atletas de Portugal, Espanha, Dinamarca, Grã-Bretanha e Finlândia. A prova foi organizada conjuntamente pelo Clube da Natureza de Alvito e pelo Clube de Orientação e Aventura do Litoral Alentejano, em parceria com o Município de Santiago do Cacém e o apoio da União de Freguesias de Santiago do Cacém, S. Bartolomeu e Santa Cruz, sob a égide da Federação Portuguesa de Orientação e da Federação Internacional de Orientação.

Disputadas em Santa Cruz, as etapas de Distância Média e de Distância Longa que preencheram o programa do Troféu apresentaram como desafio de grandeza superior o desnível, agravado pelo calor que se fez sentir. Mas a densidade de trilhos e caminhos foi igualmente um repto, num todo equilibrado e que acabou por constituir um excelente ensaio, quer técnica, quer fisicamente, para o grande embate que se aproxima. Batendo claramente a concorrência em ambas as etapas, o finlandês Pekka Niemi foi o grande vencedor da competição no escalão de Elite masculina, com tempos finais de 56:05 na Distância Média e de 1:54:58 na Distância Longa. Depois do brilharete de Loulé, onde alcançou o título nacional de Distância Longa, Daniel Marques (COC) voltou a mostrar-se em excelente plano, concluindo na segunda posição em ambas as etapas e amealhando duas vitórias mais para a sua conta pessoal do ranking da Taça de Portugal. A terceira posição final coube a João Ferreira (CAB), num evento que assinalou o regresso de Davide Machado (.COM), após longa paragem por lesão.

Apesar da forte oposição de Stepanka Betkova (ADM Ori-Mondego) no escalão de Elite feminina, Susana Pontes (COC) continua imparável e foi a grande vencedora deste I Troféu Costa Alentejana MTBO. A vitória de Susana Pontes por margem superior a sete minutos na etapa de Distância Média acabou por ser determinante quanto ao desfecho final, uma vez que a desvantagem da atleta em relação a Stepanka Betkova na etapa de Distância Longa se cifrou em quase nove minutos. A espanhola Ana Varela (Brigantia) concluiu no terceiro lugar final. Nos restantes escalões, destaque para o triunfo de Paul Roothans (CN Alvito) no escalão H20, com margens significativas sobre a concorrência em ambas as etapas.


Resultados

Elite Masculinos
1. Pekka Niemi (Individual FIN) 2000,00 pontos
2. Daniel Marques (COC) 1839,90 pontos
3. João Ferreira (CAB) 1687,40 pontos
4. Ivan Trigales (Los Angeles ESP) 1646,00 pontos
5. Davide Machado (.COM) 1614,30 pontos

Elite Femininos
1. Susana Pontes (COC) 1935,00 pontos
2. Stepanka Betkova (ADM – Ori-Mondego) 1891,70 pontos
3. Ana Varela (Brigantia ESP) 1718,00 pontos
4. Ana Filipa Silva (CPOC) 1449,30 pontos
5. Rita Gomes (BTT Loulé/BPI) 1380,90 pontos

Vencedores outros escalões
H/D15 – João Fonseca (BTT Loulé/BPI) e Catarina Costa (BTT Loulé/BPI)
H/D17 – Duarte Lourenço (BTT Loulé(BPI) e Marisa Costa (COA)
H/D20 – Paul Roothans (CN Alvito) e Ana Margarida Rocha (ADFA)
H/D21A – Jorge Mendes (ADFA) e Sandra Rodrigues (ADFA)
H/D40 – Rui Botão (COC) e Alice Silva (ADFA)
H/D50 – António Rebelo (BTT Loulé/BPI) e Tove Andersen (OK-Oest DEN)
H60 – Jorge Artur (ADFA)
Open Longo – Amadeu Pinto (ADFA)

Mais informações e resultados completos em http://mtbocostaalentejana.coala.com.pt/.


Saudações orientistas.

Joaquim Margarido

Campeonatos da Europa de Orientação em BTT 2015: Baptiste Fuchs (França)




Nome: Baptiste Fuchs
Idade: 28
Vive em: La Rochette, França
Profissão e grau de escolaridade: Professor de Educação Física.
Anos de prática desportiva: Ciclismo durante 15 anos, Snowboard durante 5 anos, Judo durante 7 anos. E também Esqui, Escalada e Parapente.
Anos de Orientação em BTT: 4 anos.
O que o levou a iniciar-se na Orientação em BTT: Tudo começou com um convite para integrar uma equipa numa prova nocturna de Orientação Pedestre. A experiência foi “mágica” e gostei muito das sensações. Tinha parado com o Ciclismo há dois anos e encontrei na Orientação o desporto que se adequava aos meus gostos e interesses.
Posição atual no ranking de Orientação em BTT da IOF: 4º lugar
Posição atual na Taça do Mundo de Orientação em BTT 2015: 3º lugar



Qual a melhor recordação na Orientação em BTT até ao momento?
- A minha primeira medalha num Campeonato do Mundo, na Polónia, em 2014. O meu melhor resultado até essa altura tinha sido um 7º lugar numa etapa da taça do Mundo e conquistar aquela medalha foi algo de completamente inesperado!

Onde vai buscar a inspiração?
- Penso que podemos aprender muito com os outros e procuro retirar o melhor de cada atleta à minha volta.

Quer mencionar um ou dois aspetos do treino que são as chaves do seu sucesso?
- Ter prazer a treinar no duro e com qualidade.

Quais são as suas metas para os Campeonatos Europeus, em Portugal?
- Conseguir um lugar no top 6 será um bom resultado, mas espero chegar às medalhas. Se fizer uma boa prova, sem erros, penso que poderei subir ao pódio devido a encontrar-me num bom momento de forma.

Qual é o seu maior desafio na competição, e como pretende gerir isso?
- O meu cérebro! Se conseguir manter-me concentrado durante toda a competição, sem pensar em resultados, sem pressões, apenas pelo prazer de correr, penso que conseguirei fazer boas provas.

Qual será a sua maior conquista nesta temporada?
- Um lugar no pódio no final da Taça do Mundo 2015.

Tem algum lema pelo qual orienta o seu modo de vida?
- Viver cada dia como se fosse o último!

Há algo mais que gostaria de partilhar?
- O meu inglês é bastante mau, mas procurarei remediar isso (risos). O “speaker” é um desafio intransponível para mim e também porque gostaria de poder discutir mais com os meus adversários no final de cada prova.

[Foto: Thibaud Guelennoc]

Saudações orientistas.

Joaquim Margarido

sábado, 30 de maio de 2015

Campeonato Nacional de Orientação Adaptada 2015: Vitor Pereira e Raquel Cerqueira triunfam em Ovar



Depressa e bem! Foi esta a fórmula de sucesso que garantiu a Vitor Pereira e Raquel Cerqueira a conquista dos títulos nacionais de Orientação Adaptada 2015. Ambos foram os mais certeiros e mais rápidos, confirmando em Ovar o favoritismo que lhes era atribuído.


O bonito e bem cuidado espaço verde do Parque Urbano de Ovar recebeu, na manhã de hoje, o Campeonato Nacional de Orientação Adaptada 2015. Depois do Porto e de Braga, coube desta feita a Ovar acolher o mais importante evento do calendário competitivo nacional desta disciplina na presente temporada, numa prova que contou com a assinatura organizativa do Grupo Desportivo dos Quatro Caminhos, em parceria com a União de Freguesias de Ovar, Câmara Municipal de Ovar, Federação Portuguesa de Orientação e Associação Nacional do Desporto para a Deficiência Intelectual e com os apoios, entre outros, do Instituto Português do Desporto e da Juventude. Pontuável para a Taça de Portugal de Orientação Adaptada 2015, a prova contou com a participação de 14 atletas em representação de Clube Gaia e CERCIVAR, sendo a ausência mais notada a de Liliana Silva (Clube Gaia), atual segunda classificada do ranking da Taça de Portugal desta disciplina.

Sobre um mapa nunca dantes navegado, da autoria de Tiago Gingão Leal, e num circuito com 10 pontos de controlo, Vítor Pereira (Clube Gaia) teve uma prestação de grande nível, revalidando o título nacional alcançado na Falperra (Braga) em Outubro do ano passado e sagrando-se Campeão Nacional 2015. A competição não poderia ter sido mais renhida, com os cinco primeiros classificados a alcançarem o pleno de respostas corretas, valendo o tempo gasto ao longo dos 700 metros do percurso como fator de desempate. Com uma orientação mais segura e eficaz a contornar as “armadilhas” do traçado de percurso, Vítor Pereira viria a impor-se claramente aos seus adversários mais diretos, batendo Bruno Cardoso e Domingos Oliveira, ambos igualmente do Clube Gaia, pela margem de 49 segundos e 1:22, respetivamente. Com este resultado, Vítor Pereira assume o comando do ranking da Taça de Portugal 2015, numa altura em que falta disputar apenas a etapa do Porto City Race, agendada para o dia 26 de Setembro, no Parque de S. Roque.

No setor feminino, Raquel Cerqueira (Clube Gaia) mostrou o porquê de ser já a virtual vencedora da Taça de Portugal de Orientação Adaptada 2015, alcançando em Ovar uma “dobradinha” particularmente saborosa. Juntando à sua excelente capacidade física uma superior determinação e concentração, Raquel Cerqueira não teve dificuldade em chegar à vitória com o pleno de respostas corretas no tempo de 07:34, “roubando” o título nacional à sua colega de equipa, Paula Santos, que gastou mais 2:58. Também com 10 respostas corretas, mas com um tempo de 14:43, Andreia Rodrigues (CERCIVAR) ocupou o lugar mais baixo do pódio.


Resultados

Masculinos
1. Vítor Pereira (Clube Gaia) 10 pontos / 05:51
2. Bruno Cardoso (Clube Gaia) 10 pontos / 06:40
3. Domingos Oliveira (Clube Gaia) 10 pontos / 07:13
4. João Encarnação (Clube Gaia) 10 pontos / 07:28
5. Bruno Gaspar (Clube Gaia) 10 pontos / 07:53
6. Horácio Ribeiro (CERCIVAR) 8 pontos / 12:34
7. José Silva (CERCIVAR) 6 pontos / 12:24
8. João Faure (Clube Gaia) 4 pontos / 13:13
9. Álvaro Pinho (CERCIVAR) 0 pontos / 21:59

Femininos
1. Raquel Cerqueira (Clube Gaia) 10 pontos / 07:34
2. Paula Santos (Clube Gaia) 10 pontos / 10:32
3. Andreia Rodrigues (CERCIVAR) 10 pontos / 14:43
4. Maria de Lurdes Amador (CERCIVAR) 9 pontos / 09:51
5. Cristina Soares (Clube Gaia) 9 pontos / 30:43


Saudações orientistas.

Joaquim Margarido

Campeonato Nacional de Orientação Adaptada 2015: Momentos!



Saudações orientistas.

Joaquim Margarido

Campeonatos da Europa de Orientação em BTT 2015: Ingrid Stengård (Finlândia)




Nome: Ingrid Stengård
Idade: 39
Vive em: Espoo, Finlândia
Profissão e grau de escolaridade: Instrutora de Esqui, Guia de Percursos da Natureza, Professora Primária
Anos de prática desportiva: 33 anos.
Anos de Orientação em BTT: 23 anos.
O que a levou a iniciar-se na Orientação em BTT: Eu fazia Orientação em Esqui e a Orientação em BTT era uma boa forma de treino na época do Verão.
Posição atual no ranking de Orientação em BTT da IOF: 6º lugar
Posição atual na Taça do Mundo de Orientação em BTT 2015: 2º lugar



Qual a melhor recordação na Orientação em BTT até ao momento?
- É difícil escolher apenas um, tantos e tão bons foram os momentos vividos ao longo dos anos. Vitórias e provas bem conseguidas são apenas uma parte dos bons momentos na Orientação em BTT. Penso que conhecer tantas pessoas de todas as partes do mundo e que comungam dos mesmos interesses e ter a sorte de viajar para lugares novos, fazem com que esses momentos sejam ainda mais fantásticos. Posso referir o momento em que fui perseguida por um canguru durante uma prova na Austrália ou as churrascadas no O-Ringen, na Suécia, entre os meus preferidos, mas talvez eleja essa enorme surpresa que foi a prova de Distância Média do EMTBOC 2008, em Nida (Lituânia). Após uma prova onde fiz um erro tremendo para o primeiro ponto, quase fui apanhada pela atleta que partiu atrás de mim e fiz aquilo que me pareceu uma centena de paragens para evitar outro grande erro, quando cruzei a linha de meta estava tudo menos satisfeita. Mas um minuto após ter chegado, ver o meu nome saltar para o topo do quadro de resultados foi algo de inacreditável.

Onde vai buscar a inspiração?
- Há tanto para descobrir e aprender neste desporto. Cada prova ou mapa de treino constitui sempre um novo desafio e o contacto com um percurso nunca antes feito. É impossível aborreceres-te quando desconheces aquilo que a próxima prova te reserva.

Quer mencionar um ou dois aspetos do treino que são as chaves do seu sucesso?
- É uma boa pergunta. Neste momento, penso que já não é tanto uma questão do treino diário mas mais de experiência e sobre aquilo que fizemos no passado. Procuro desenvolver uma orientação mais rápida já que muitos dos percursos de Orientação em BTT, hoje em dia, estão desenhados sobre redes de caminhos muito densas em terrenos rápidos, muitas vezes urbanos.

Quais são as suas metas para os Campeonatos Europeus, em Portugal?
- Fazer quatro boas provas, sem cometer erros desnecessários e tirando o melhor partido de cada uma delas.

Qual é o seu maior desafio na competição, e como pretende gerir isso?
- Não fazer nenhum erro estúpido. Procuro centrar a minha atenção em absoluto no treino para provas com elevado grau de dificuldade.

Qual será a sua maior conquista nesta temporada?
- Fazer nos Campeonatos do Mundo a melhor prova da temporada.

Tem algum lema pelo qual orienta o seu modo de vida?
- Não exatamente, mas procuro divertir-me no dia a dia. A vida é demasiado curta para ser desperdiçada com tristezas. Até a rotina do quotidiano pode ser levada com um sorriso nos lábios.

Há algo mais que gostaria de partilhar?
- Estou realmente ansiosa por voltar a corer em Portugal. Gosto dos terrenos com bons desníveis e num clima geralmente quente. Para mim, que detesto o gelo, quanto mais quente melhor!

[Foto: Elina Erkkilä]

Saudações orientistas.

Joaquim Margarido

sexta-feira, 29 de maio de 2015

Campeonatos da Europa de Orientação em BTT 2015: Bernhard Schachinger (Austria)




Nome: Bernhard Schachinger
Idade: 31
Vive em: Ried e Graz, Austria
Profissão e grau de escolaridade: Graduação Universitária em Geomática, colaborador da Microsoft desde 2008
Anos de prática desportiva: 30 anos.
Anos de Orientação em BTT: Cerca de 12 anos.
O que a levou a iniciar-se na Orientação em BTT: Uma lesão que me impediu de continuar a correr.
Posição atual no ranking de Orientação em BTT da IOF: 23º lugar
Posição atual na Taça do Mundo de Orientação em BTT 2015: 18º lugar



Qual a melhor recordação na Orientação em BTT até ao momento?
- Sem dúvida, a medalha de bronze na Estafeta dos Campeonatos do Mundo na Hungria, em 2012.

Onde vai buscar a inspiração?
- Passo muito do meu tempo no meu gabinete de trabalho ou em viagens em serviço e necessito fazer desporto para descomprimir e recarregar os neurónios. A Orientação em BTT é um belo desafio, tanto física como mentalmente, sendo a actividade perfeita para o regresso à calma após uma jornada de trabalho.

Quer mencionar um ou dois aspetos do treino que são as chaves do seu sucesso?
- Procuro gastar cada minuto do meu tempo o mais eficientemente possível. Doutra forma, seria de todo impossível compatibilizar a actividade desportiva a este nível com a minha profissão.

Quais são as suas metas para os Campeonatos Europeus, em Portugal?
- Uma medalha na prova de Estafeta.

Qual é o seu maior desafio na competição, e como pretende gerir isso?
- Por vezes preciso de fazer um esforço tremendo para me manter focado e concentrado no mapa e nos pontos seguintes, especialmente nas pernadas mais longas. E tenho de ser mais cuidadoso no momento de escolher cada uma das minhas opções de itinerário.

Qual será a sua maior conquista nesta temporada?
- Espero melhorar a minha posição no ranking da Taça do Mundo, bem como os resultados nos Campeonatos da Europa e nos Campeonatos do Mundo, comparativamente às temporadas anteriores.

[Foto: Rainer Burmann]

Saudações orientistas.

Joaquim Margarido

quinta-feira, 28 de maio de 2015

Orientação Adaptada: Ovar acolhe Campeonatos Nacionais 2015



Seis anos volvidos, a Orientação está de regresso ao concelho de Ovar para a disputa dos Campeonatos Nacionais de Orientação Adaptada. O novo Parque Urbano da cidade será o palco duma competição que promete intensa luta em ambas as categorias.


Ovar prepara-se para acolher, já na manhã do próximo sábado, a partir das 10h00, a terceira edição dos Campeonatos Nacionais de Orientação Adaptada. Organizado pelo Grupo Desportivo dos Quatro Caminhos, União de Freguesias de Ovar, Câmara Municipal de Ovar, Federação Portuguesa de Orientação e Associação Nacional do Desporto para a Deficiência Intelectual e com os apoios, entre outros, do Instituto Português do Desporto e da Juventude, o evento é pontuável para a Taça de Portugal de Orientação Adaptada 2015 e constituirá, seguramente, o ponto alto da temporada desta disciplina. Beneficiando dum mapa inteiramente novo, desenhado para este evento por Tiago Gingão Leal, o Campeonato Nacional de Orientação Adaptada distribui-se por dez pontos de controlo, ao longo dum circuito com uma extensão aproximada de 900 metros e que tira o melhor partido das belezas do Parque Urbano de Ovar. 

Com duas vitórias cada nas etapas anteriores da Taça de Portugal, Bruno Cardoso e Vítor Pereira, ambos do Clube Gaia, repartem entre si o favoritismo no setor masculino. Vencer a etapa vareira, para além do tão almejado título, constituirá para qualquer um dos dois atletas mencionados um enorme passo em frente rumo à conquista da Taça. Quanto ao setor feminino, Raquel Cerqueira (Clube Gaia) é já a virtual vencedora da Taça de Portugal 2015, mas não vai querer deixar fugir a “dobradinha”. Sabe, porém que irá contar com a forte oposição da sua colega de equipa Liliana Silva e de Maria de Lurdes Amador, atleta da CERCIVAR e que foi a grande vencedora da etapa anterior, disputada em Gondomar.

Sendo a Orientação Adaptada uma disciplina particularmente vocacionada para crianças em idade pré-escolar e pessoas com deficiência intelectual, é sobretudo a estes dois grandes grupos que é endereçado o convite à participação nas atividades. Com caráter lúdico e sem restrições de participação, haverá à disposição de todos um percurso de Atividade Adaptada com dez desafios. Resta acrescentar que a participação é gratuita.


Saudações orientistas.

Joaquim Margarido

Campeonatos Nacionais de Distância Média e de Estafetas 2015: Tiago Romão e Mariana Moreira em grande destaque



Ao renovarem os títulos de Distância Média no escalão Elite, Tiago Romão e Mariana Moreira foram as grandes figuras dos Campeonatos Nacionais que este ano tiveram lugar no Bussaco. Os dois atletas voltaram a estar em destaque na competição de Estafetas, integrando as equipas campeãs nacionais, GafanhOri e CPOC, respectivamente.


Quatro semanas volvidas sobre os Nacionais de Sprint e de Distância Longa, disputados em Gouveia, o concelho da Mealhada acolheu os Campeonatos Nacionais de Distância Média e de Estafetas, num evento que recebeu a designação de Bairrada O’ Meeting 2015. A organização esteve a cargo do Clube de Aventura da Bairrada, numa parceria com a freguesia do Luso e Vacariça, Município da Mealhada, Fundação Mata do Bussaco e Federação Portuguesa de Orientação, chamando às idílicas paragens do Bussaco e do Luso meio milhar de participantes para dois dias de intensa e desafiante competição.

O Campeonato Nacional de Distância Média levou os atletas até à Mata do Bussaco, onde o declive e a riqueza de elementos constituiram desafios de grandeza superior, colocando à prova as qualidades técnicas e a capacidade física dos competidores. No escalão de Elite masculina, Tiago Romão (GafanhOri) foi o mais rápido, concluindo o seu percurso na distância de 4,8 km em 44:54 e revalidando o título nacional. Pedro Nogueira (ADFA) e Tiago Gingão Leal (GD4C) ocuparam as posições imediatas, com mais 1:42 e 4:03, respectivamente, em relação ao vencedor. Na Elite feminina assistiu-se a uma vitória folgada de Mariana Moreira (CPOC) em 46:27 para 3,9 km de prova, renovando também ela o título nacional de Distância Média. Carolina Delgado (GD4C) concluiu na segunda posição, a distantes 5:58 da vencedora, enquanto o terceiro lugar coube a Patrícia Casalinho (COC), com o tempo de 56:35. Globalmente, a ADFA foi a grande vencedora do dia, arrecadando cinco títulos nacionais, contra quatro títulos do Ori-Estarreja e outros tantos do COC.

Dedicado à festa das Estafetas, o segundo dia de provas mostrou uma enorme supremacia das equipas vencedoras ante os seus mais diretos adversários. No sector masculino começou melhor o GD4C, com Tiago Gingão Leal a ganhar substantiva vantagem sobre os restantes concorrentes, mas rapidamente Tiago Martins Aires inverteu o rumo dos acontecimentos, lançando o GafanhOri para o derradeiro percurso com uma vantagem superior a oito minutos ante o conjunto matosinhense. Tiago Romão esteve uma vez mais irrepreensível, levando os “gafanhotos” à vitória com o tempo total de 2:12:00 e uma vantagem de 17:13 (!) sobre o segundo classificado, que acabou por ser a ADFA. O GD4C fechou o pódio com o tempo de 2:32:21. Na Elite feminina, Vera Alvarez e Mariana Moreira arrecadaram para o CPOC significativas vantagens nos respetivos percursos, o que permitiu compensar algum tempo perdido pela jovem Beatriz Moreira. No final, a turma de Oeiras registou um tempo de 2:34:34, enquanto o GD4C concluiu na segunda posição com o tempo de 2:49:33 e o COC foi terceiro classificado a 29:19 das vencedoras. A ADFA voltou a ser o clube mais ganhador, conquistando quatro títulos nacionais - tantos quantos o COC -, aos quais somou quatro títulos de vice-campeão nacional, contra duas medalhas de prata da turma leiriense. Com dois títulos nacionais de Estafetas, o Ori-Estarreja secundou as turmas anteriores.


[Foto: Antonio Silva / plus.google.com]


Saudações orientistas.

Joaquim Margarido

quarta-feira, 27 de maio de 2015

Campeonato da Europa de Orientação em BTT 2015: Martina Tichovska (República Checa)




Nome: Martina Tichovska
Idade: 28
Vive em: Praga, República Checa
Profissão e grau de escolaridade: Charles University, em Praga. Faculdade de Ciências – Geologia.
Anos de prática desportiva: Orientação desde que nasci. Softball durante quatro anos e Basquetebol durante 3 anos.
Anos de Orientação em BTT: Desde 2006.
O que a levou a iniciar-se na Orientação em BTT: O meu namorado.
Posição atual no ranking de Orientação em BTT da IOF: 5º lugar
Posição atual na Taça do Mundo de Orientação em BTT 2015: 5º lugar



Qual a melhor recordação na Orientação em BTT até ao momento?
- A dupla vitória da República Checa nas Estafetas (masculina e feminina) dos Campeonatos da Europa em 2011, na Rússia.

Onde vai buscar a inspiração?
- Não se trata de inspiração; faço apenas aquilo que gosto.

Quer mencionar um ou dois aspetos do treino que são as chaves do seu sucesso?
- Ligação e descontração.

Quais são as suas metas para os Campeonatos Europeus, em Portugal?
- Conseguir uma medalha ou ficar satisfeita com as minhas prestações.

Qual é o seu maior desafio na competição, e como pretende gerir isso?
- Cada prova constitui um desafio diferente. Trata-se apenas de manter a cabeça liberta, as pernas fortes e ir sobrevivendo com boa saúde.

Qual será a sua maior conquista nesta temporada?
- Conseguir uma medalha numa grande competição e terminar a Taça do Mundo no top 5.

Tem algum lema pelo qual orienta o seu modo de vida?
- Não te rales, sê feliz!

[Foto: Piotr Siliniewicz]

Saudações orientistas.

Joaquim Margarido

terça-feira, 26 de maio de 2015

Campeonato da Europa de Orientação em BTT 2015: Pekka Niemi (Finlândia)




Nome: Pekka Niemi
Idade: 24
Vive em: Sastamala, Finlândia
Profissão e grau de escolaridade: Estudante, Engenharia Eletrotécnica.
Anos de prática desportiva: Cerca de 17 anos
Anos de Orientação em BTT: 10 anos.
O que a levou a iniciar-se na Orientação em BTT: O gosto pela Orientação e, ao mesmo tempo, pela velocidade que se atinge em cima duma bicicleta.
Posição atual no ranking de Orientação em BTT da IOF: 9º lugar
Posição atual na Taça do Mundo de Orientação em BTT 2015: 10º lugar



Qual a melhor recordação na Orientação em BTT até ao momento?
- Tenho muitos bons momentos. O Campeonato do Mundo de Juniores em Portugal, em 2010, é um deles. Nos últimos anos, o melhor momento foi ter vencido a Distância Longa Mass Start da Taça do Mundo, na Dinamarca.

Onde vai buscar a inspiração?
- Não é fácil responder a essa questão. Eu aprecio a BTT e a parte da orientação constitui um desafio acrescido. É muito interessante perceber de que forma o meu corpo reage a diferentes tipos de treino.

Quer mencionar um ou dois aspetos do treino que são as chaves do seu sucesso?
- Eu faço BTT em ritmo aeróbio. Acredito neste método de treino embora pense que os treinos de força sejam também importantes.

Quais são as suas metas para os Campeonatos Europeus, em Portugal?
- Apenas quero estar em boa forma física e fazer uma boa orientação.

Qual é o seu maior desafio na competição, e como pretende gerir isso?
- Opções de itinerário. Neste preciso momento é isso que estou a treinar em Portugal.

Qual será a sua maior conquista nesta temporada?
- Conseguir fazer um pouco melhor do que fiz na época passada. Quero aprender a programar muito melhor os meus picos de forma, seria algo realmente muito importante para mim.

[Foto: Elina Erkkilä]

Saudações orientistas.

Joaquim Margarido

segunda-feira, 25 de maio de 2015

Campeonato da Europa de Orientação em BTT 2015: Camilla Søgaard (Dinamarca)




Nome: Camilla Søgaard
Idade: 23
Vive em: Aarhus, Dinamarca
Profissão e grau de escolaridade: Estudante Universitária, Curso de Ciências do Desporto
Anos de prática desportiva: Faço Orientação desde os 10 anos e Orientação em BTT desde os 19 anos. Nos dois últimos anos fiz também algumas provas de Corridas de Aventura.
Anos de Orientação em BTT: 5 anos.
O que a levou a iniciar-se na Orientação em BTT: Na realidade, eu detestava andar de bicicleta em criança, mas problemas com os meus joelhos durante três Invernos seguidos, numa altura em que integrava os trabalhos da selecção nacional Júnior de Orientação Pedestre, obrigaram-me a virar-me para a bicicleta como uma forma alternativa de treino. Após ter participado nalgumas competições nacionais de Orientação em BTT; a pedido do meu irmão Rasmus, e de ter participado também no Mundial de Juniores em Itália, em 2011, acabei por cair por inteiro na Orientação em BTT.
Posição atual no ranking de Orientação em BTT da IOF: 15º lugar



Qual a melhor recordação na Orientação em BTT até ao momento?
- Conquistar uma medalha numa prova individual ou como parte integrante duma equipa é sempre algo de fantástico e sinto-me particularmente feliz pela minha medalha de bronze na prova de Distância Longa do último Campeonato do Mundo. Mas conquistar a medalha de bronze na prova de Estafeta Mista de Sprint não oficial, juntamente com o meu irmão, também me diz muito, sobretudo porque ele realmente merece estar lá em cima.

Onde vai buscar a inspiração?
- À selecção nacional e aos meus amigos.

Quer mencionar um ou dois aspetos do treino que são as chaves do seu sucesso?
- Se esta questão tivesse sido colocada no Outono passado, eu diria – muito treino de XCO. Mas tive na altura uma lesão no joelho da qual nem é bom falar. Pelo menos consegui voltar a dar umas pedaladas, mas entretanto caí e fiz uma concussão e portanto, de momento, aquilo que tenho de fazer é ouvir com muito cuidado e atenção a minha cabeça e fazer apenas o que ela diz que “está bem, pode ser feito”.

Quais são as suas metas para os Campeonatos Europeus, em Portugal?
- Fazer algumas provas de forma controlada e inteligente e ver onde é que isso me pode levar. Procurarei não me sentir muito frustrada com eventuais resultados menos bons, porque estou muito longe da forma física com que gostaria de estar nesta altura do ano.

Qual é o seu maior desafio na competição, e como pretende gerir isso?
- Normalmente ando depressa demais em relação àquilo que devia para acompanhar a minha orientação e acabo por cometer alguns erros estúpidos, mas mesmo tendo de reconhecer que a minha velocidade está mais lenta ainda devo colocar uma atenção muito especial no mapa.

Qual será a sua maior conquista nesta temporada?
- Alcançar uma medalha, individualmente ou em conjunto com a equipa de Estafeta, apesar deste início de temporada “merdoso”.

Tem algum lema pelo qual orienta o seu modo de vida?
- Faz aquilo que gostas e fá-lo muitas vezes.

[Foto: Robert Vorvaň Urbaník]

Saudações orientistas.

Joaquim Margarido

domingo, 24 de maio de 2015

Campeonato da Europa de Orientação em BTT 2015: Jonas Maišelis (Lituânia)




Nome: Jonas Maišelis
Idade: 23
Vive em: Vilnius, Lituânia
Profissão e grau de escolaridade: A concluir o Bacharelato em Engenharia Informática.
Anos de prática desportiva: 10 anos.
Anos de Orientação em BTT: 8 anos. Desde o meu primeiro Campeonato do Mundo Junior, na Polónia.
O que o levou a iniciar-se na Orientação em BTT: Pratiquei muitos desportos diferentes quando era mais novo. Futebol, Basquetebol, Andebol, Atletismo, Orientação (durante 5 meses, com a idade de 9 anos). Até que um dia o meu professor de Educação Física propôs-me fazer parte da equipa de Orientação para participar num Festival escolar regional, e ganhámos. Foi aí que conheci o meu primeiro treinador e com ele aprendi as bases da Orientação. Dois anos mais tarde decidi experimentar a Orientação em BTT, porque sempre gostei muito de andar de bicicleta.
Mesmo tendo perdido cerca de uma hora na minha primeira prova de Orientação em BTT, gostei da experiência. Depois de mais algumas provas, as minhas aptidões foram surgindo e acabei por ser selecionado para o meu primeiro Campeonato do Mundo de Juniores. Para uma primeira competição internacional devo considerar que os meus resultados foram simpáticos, mas o 4º lugar na Estafeta foi uma motivação enorme. Desde então, dedico-me por inteiro à Orientação em BTT.
Outras informações pessoais que gostasse de partilhar: Estou ainda a estudar e tenho, por isso, imenso tempo para treinar. Mas espero conseguir o meu diploma de Engenharia Informática e depois disso terei de encontrar um emprego e decidir então sobre o meu futuro neste desporto.
Posição atual no ranking de Orientação em BTT da IOF: 12º lugar
Posição atual na Taça do Mundo de Orientação em BTT 2015: 4º lugar



Qual a melhor recordação na Orientação em BTT até ao momento?
- Não consigo definir um momento apenas que possa considerar como o melhor. Mas a medalha de prata na prova de Distância Longa dos Campeonatos do Mundo de Juniores em 2012 mudou literalmente a minha vida. A partir daí consegui encontrar alguns patrocinadores e isso constituiu uma ajuda preciosa para me preparar convenientemente e alcançar os meus objetivos. Como já integro o grupo de Elite há alguns anos, a minha melhor recordação tem a ver com o último Campeonato do Mundo, onde fiquei muito perto do pódio – 4º lugar na etapa de Distância Longa. Também estou muito contente com o meu terceiro lugar na etapa de Distância Média da ronda inaugural da Taça do Mundo 2015.

Onde vai buscar a inspiração?
- Acho que vou buscá-la aos meus próprios erros. Procuro sempre perceber o porquê deste ou daquele erro e de como não voltar a repeti-lo. As minhas qualidades estão a melhorar de ano para ano. Falando do treino, procuro pensar nisso como sendo o meu trabalho e dizer a mim mesmo que tenho de fazê-lo o melhor que posso. Os melhores orientistas em BTT são igualmente uma grande fonte de inspiração, mas não posso dizer que haja um que eleja acima dos outros.

Quer mencionar um ou dois aspetos do treino que são as chaves do seu sucesso?
- Comecei a preparar esta temporada bastante cedo, porque tivemos condições atmosféricas muito propícias na Lituânia e o tempo manteve-se suficientemente ameno para podermos treinar no exterior. Daí ter treinado bastante durante o Inverno com alguns dos nossos melhores ciclistas de estrada. Cerca de 80% dos meus treinos são em estrada e penso que isso representa uma grande ajuda no sentido de ser suficientemente rápido para lutar com os melhores.

Quais são as suas metas para os Campeonatos Europeus, em Portugal?
- Como não me encontro atualmente na melhor forma, não sei como irão correr as coisas em Portugal; mas tentarei dar o meu melhor para conseguir, pelo menos, chegar ao top 6.

Qual é o seu maior desafio na competição, e como pretende gerir isso?
- O meu maior desafio é competir e ser bastante rápido sem cometer erros de orientação. Procuro sempre estabelecer um plano para as minhas provas e, perante uma falha, escuto o meu corpo e a minha mente para chegar ao fim o melhor possível.

Qual será a sua maior conquista nesta temporada?
- Vencer a prova de Distância Longa do Campeonato do Mundo de Orientação em BTT, na República Checa. Sei que é uma tarefa bastante difícil, até porque os terrenos não colhem a minha preferência, mas vou tentar dar o meu melhor. O meu sonho passa, também, por vencer a prova de Estafeta, cruzando a linha de meta com as mãos bem erguidas lá no alto.

Tem algum lema pelo qual orienta o seu modo de vida?
- Quanto mais te aproximas do teu sonho, menos se trata só de um sonho.

Há algo mais que gostaria de partilhar?
- Quero agradecer a todos aqueles que me apoiam e me motivam. Em termos pessoais, é muito importante saber que existe alguém que acredita em mim.

[Foto: Donatas Lazauskas]

Saudações orientistas.

Joaquim Margarido

sábado, 23 de maio de 2015

Campeonato da Europa de Orientação em BTT 2015: Hana Garde (França)




Nome: Hana Garde
Idade: 31
Vive em: Pélussin, França
Profissão e grau de escolaridade: Controladora Financeira na Thales Angénieux
Anos de prática desportiva: 20 anos.
Anos de Orientação em BTT: 12 anos.
O que a levou a iniciar-se na Orientação em BTT: Comecei na Orientação Pedestre aos 14 anos, integrando as selecções nacionais de jovens e de juniores da Eslováquia. Em 2005, os Campeonatos do Mundo de Orientação em BTT disputaram-se na Eslováquia e perguntaram-me se queria participar. Foi um novo desafio para mim (tive de comprar uma bicicleta todo-o-terreno melhor e começar a pedalar “a sério”!). Os bons resultados (um 6º e um 8º lugar alcançados) motivaram-me a continuar.
Outras informações pessoais que gostasse de partilhar: Tenho uma filha com dois anos, Alena.
Posição atual no ranking de Orientação em BTT da IOF: 11º lugar
Posição atual na Taça do Mundo de Orientação em BTT 2015: 9º lugar



Qual a melhor recordação na Orientação em BTT até ao momento?
- A prova de Sprint dos Campeonatos do Mundo em Israel, em 2009. Foi uma das melhores provas da minha vida, perdi ao todo menos de 30 segundos e conquistei a segunda medalha de ouro da minha carreira.

Onde vai buscar a inspiração?
- A natureza! Os motivos de interesse à minha volta são tantos que isso constitui, por si só, uma motivação para treinar (essa é uma das razões pelas quais não gosto de Atletismo nem de correr num estádio). E ainda a possibilidade de descobrir terrenos novos, longe de casa.

Quer mencionar um ou dois aspetos do treino que são as chaves do seu sucesso?
- Acima de tudo, gostar do treino! Não sou profissional da Orientação em BTT, apenas faço isto porque gosto. Gosto de diferentes tipos de treino físico, com intensidade variável – acho que é uma forma de treino mais divertida!

Quais são as suas metas para os Campeonatos Europeus, em Portugal?
- Bom, tenho algumas medalhas conquistadas em Campeonatos do Mundo mas nenhuma em Campeonatos da Europa. Este será um dos meus últimos desafios (risos).

Qual é o seu maior desafio na competição, e como pretende gerir isso?
- Adequar a velocidade à dificuldade do mapa.

Qual será a sua maior conquista nesta temporada?
- Fazer a prova perfeita no momento certo e esperar pelo resultado (risos).

Tem algum lema pelo qual orienta o seu modo de vida?
- Nada é impossível!

Há algo mais que gostaria de partilhar?
- Este ano criámos um grupo de treino entre colegas da selecção francesa: Team Elite MTBO. Gostaria de agradecer aos nossos parceiros o seu apoio no sentido de conseguirmos melhores prestações este ano. Uma palavra de agradecimento também à minha família que cuida da nossa filha nos momentos de treino e de competição.

[Foto: Yoann Garde]

Saudações orientistas.

Joaquim Margarido

sexta-feira, 22 de maio de 2015

Campeonato da Europa de Orientação em BTT 2015: Hans Jørgen Kvåle (Noruega)




Nome: Hans Jørgen Kvåle
Idade: 25
Vive em: Brandbu, Noruega
Profissão e grau de escolaridade: À procura de emprego. Mestrado em Ciências do Desporto.
Anos de prática desportiva: 25 anos. “Participei” no primeiro O- Ringen com a idade de 7 meses. Desde tenra ideia que experimentei todos os desportos possíveis em Brandbu, onde cresci. São exemplos disso o Ciclismo, Corta-Mato, Orientação, Esqui, Ginástica, Andebol, canoagem, Saltos de Esqui, etc.
Anos de Orientação em BTT: 6 anos.
O que o levou a iniciar-se na Orientação em BTT: Participei no Campeonato do Mundo de Juniores na Dinamarca, em 2009, naquilo que constituiu a melhor preparação para a temporada de Orientação em Esqui que se aproximava. Foi aqui que descobri o meu gosto pela Orientação em BTT e que também possuía algum talento.
Outras informações pessoais que gostasse de partilhar: Estou agora a abandonar a condição de atleta de Elite. Ainda competirei esta temporada de Orientação em BTT, mas não tenciono competir na Orientação em Esqui ao mais alto nível daqui em diante. Não foi uma decisão fácil de tomar, mas dez anos de atleta “a tempo inteiro” basta-me. É altura de encontrar um emprego e de mudar o rumo à minha vida.
Posição atual no ranking de Orientação em BTT da IOF: 6º lugar
Posição atual na Taça do Mundo de Orientação em BTT 2015: 13º lugar



Qual a melhor recordação na Orientação em BTT até ao momento?
- Todas as vezes que vejo a Emily [Benham] ser bem sucedida e a prova de Sprint dos Campeonatos do Mundo do ano passado.

Onde vai buscar a inspiração?
- Neste momento a inspiração vem de treinar com a Emily, não ganhar muito peso e manter a minha forma o melhor possível antes de começar a reduzir as cargas de treino. Na altura das provas, a motivação tem a ver com o desejo de fazer a prova perfeita.

Quer mencionar um ou dois aspetos do treino que são as chaves do seu sucesso?
- Após todos estes anos de treino intenso, tenho uma capacidade basal realmente muito forte. O meu grande desafio neste momento tem a ver com a motivação para o treino de forma a que sinta nisso o necessário prazer. A grande chave para o meu sucesso sempre residiu na obrigatoriedade de nunca deixar as coisas pelo meio termo e na minha grande creatividade para atingir os objetivos a que me proponho.

Quais são as suas metas para os Campeonatos Europeus, em Portugal?
- Pessoalmente, traçar objetivos com base em resultados foi sempre uma tarefa muito complicada, visto sofrer grande variações de forma durante o Verão. O meu grande objetivo será, evidentemente, o Sprint. Pela primeira vez na sua história, a Noruega apresentará uma equipa para competir na Estafeta. Infelizmente, não poderei fazer equipa com a Emily na Estafeta Mista de Sprint... (por enquanto).

Qual é o seu maior desafio na competição, e como pretende gerir isso?
- O maior desafio é manter a concentração quando as coisas se tornam desinteressantes. Quanto mais técnicas as provas, menos erros cometo.

Qual será a sua maior conquista nesta temporada?
- Divertir-me, encontrar o meu ritmo nas competições mais importantes e defender a minha medalha de ouro nos Campeonatos do Mundo.

Tem algum lema pelo qual orienta o seu modo de vida?
- A maior diversão és tu que a fazes (ditado norueguês).

Há algo mais que gostaria de partilhar?
- Espero sinceramente poder ver o nosso desporto crescer nos próximos anos, em todas as suas diciplinas, dando aos atletas a visibilidade que eles merecem. Isto permitirá às Federações nacionais e às equipas recrutar novos praticantes e oferecer aos seus atletas mais cotados as necessárias condições para o seu desenvolvimento. Espero poder estar envolvido neste processo e oferecer aos novos atletas uma mais fácil e sustentável carreira na Orientação.

[Foto: SportFoto.lt]

Saudações orientistas.

Joaquim Margarido

quinta-feira, 21 de maio de 2015

Campeonato da Europa de Orientação em BTT 2015: Antonia Haga (Finlândia)




Nome: Antonia Haga
Idade: 25 (26 muito em breve).
Vive em: Rovaniemi, na Lapónia, tendo nascido e crescido em Kronoby, Finlândia.
Anos de prática desportiva: Faço desporto desde que me conheço. Comecei com o Esqui, na vertente de Corta-Mato, mas na verdade nunca gostei muito daquilo.
Anos de Orientação em BTT: 9 anos.
O que a levou a iniciar-se na Orientação em BTT: Algum tempo depois de ter deixado o Esqui, comecei a fazer Orientação. Experimentei a Orientação em BTT e achei bastante divertido andar de bicicleta pela floresta à procura dos pontos. Tracei então como objectivo ser campeã da Finlândia na categoria Júnior, o que consegui em 2009.
Outras informações pessoais que gostasse de partilhar: Sempre que ando pelos subúrbios da minha cidade, desço de bicicleta todas as escadas que encontro!
Posição atual no ranking de Orientação em BTT da IOF: 16º lugar
Posição atual na Taça do Mundo de Orientação em BTT 2015: 8º lugar



Qual a melhor recordação na Orientação em BTT até ao momento?
- O segundo lugar na etapa de Distância Média da Taça do Mundo 2015, na Hungria, é o meu melhor resultado até ao momento. As condições difíceis, o terreno, a prova e a minha própria prestação faz com que esta seja uma prova para lembrar.

Onde vai buscar a inspiração?
- Gosto de percorrer os trilhos da floresta. Aprecio especialmente aqueles mais técnicos e as descidas rápidas. Gosto da velocidade e parto em busca do desafio com o objectivo de fazer sempre melhor. Aquilo que não é desafiante aborrece-me e não consegue prender a minha atenção por muito tempo.

Quer mencionar um ou dois aspetos do treino que são as chaves do seu sucesso?
- Estou a seguir um novo programa de treino e tenho sido capaz de o cumprir de acordo com o planeado.

Quais são as suas metas para os Campeonatos Europeus, em Portugal?
- Quando cruzar a linha de meta sentir-me satisfeita com a minha prova e perceber que não poderia ter feito melhor do que fiz.

Qual é o seu maior desafio na competição, e como pretende gerir isso?
- O maior desafio é evitar cometer erros com a minha orientação. Procuro empenhar-me ao máximo em aprender com os erros que cometi no passado.

Qual será a sua maior conquista nesta temporada?
- Ao terminar em segundo lugar a etapa de Distância Média na Hungria, julgo que já alcancei o meu grande objectivo da temporada. Terminar uma prova sem erros é, também, algo que persigo.

Tem algum lema pelo qual orienta o seu modo de vida?
- O ser humano precisa de comer, dormir, fazer exercício e ter estímulo mental.

Há algo mais que gostaria de partilhar?
- A primeira vez que corri em Portugal, há cinco anos atrás, foi um autêntico desastre. Não sabia ler as curvas de nível nem como escolher as melhores opções em terrenos muito desnivelados. Na costa Oeste da Finlândia, onde treinava habitualmente, desnível era coisa que pura e simplesmente não existia. Regressei a Portugal em 2013, já melhor preparada e, sobretudo, capaz de ler um mapa. Mesmo tendo dado uma queda muito feia na véspera da prova de Distância Média, fui capaz de alcançar o meu melhor resultado numa etapa da Taça do Mundo até então, terminando a Distância Longa na 5ª posição.

[Foto: Marko Bonden]

Saudações orientistas.

Joaquim Margarido