terça-feira, 31 de março de 2015

I Trail de Orientação de Castelo Branco: Cláudio Silva foi o grande vencedor



Cláudio Silva e as dupla Teresa Martins / Catarina Oliveira e José Jorge Flora / Olga Maria Flora foram os grandes vencedores do I Trail de Orientação de Castelo Branco. Com epicentro na Escola Superior Agrária de Castelo Branco, o evento contou com a participação de 38 atletas, ao encontro duma prova de Rogaine, uma modalidade praticamente desconhecida no nosso País.


Reza a história que o Rogaine nasceu na Austrália em finais da década de 40 do século passado. Rod Phillips, Gail Daves e Neil Philllips foram os seus criadores, decidindo “emprestar” as iniciais dos seus nomes à nova modalidade e, daí o termo “RoGaiNe”. Em Abril de 1976 o nome e as regras foram formalmente adotadas e surgiu a primeira Associação a nível mundial, a Victorian Rogaining Association. Também teve lugar nessa data a primeira competição oficial. O Rogaine acabava de nascer. Mas afinal o que é o Rogaine? Trata-se de uma modalidade em que os participantes têm de se deslocar a pé com o objetivo de conseguir a máxima pontuação, passando pelos controlos colocados no terreno em ordem livre. É, portanto, uma prova de estratégia, orientação e resistência física que na versão competitiva ao mais alto nível, se desenrola ao longo de 24 horas, mas que neste I Trail de Orientação de Castelo Branco se resumiu a 2h30 (+ 30 minutos, com penalização).

Organizado pelo COBIS – Clube de Orientação da Beira Interior Sul, em conjunto com a Ponsulativo e contando com os apoios da Câmara Municipal de Castelo Branco, do IPCB, através das suas escolas (ESA, EST e ESALD), da Delegação de Évora da ADFA, da Decathlon de Castelo Branco e da Delegação Distrital da Cruz Vermelha Portuguesa, o evento teve o seu início e final na Escola Superior Agrária de Castelo Branco. Munidos de um mapa e de uma bússola, quase quatro dezenas de participantes partiram em massa, após definirem a estratégia a seguir durante a competição. O escalão principal de Masculinos foi ganho por Cláudio Silva (COA) com um total de 420 pontos. Vencedor do Raid de Orientação de Castelo Branco, disputado em 2014, Edgar Domingues (COC) foi o segundo classificado com 390 pontos, cabendo a terceira posição a Ricardo Bernardo, também do COA, com 360 pontos. No escalão Feminino ganhou o grupo constituído pelas atletas Teresa Martins e Catarina Oliveira, do clube anfitrião COBIS, com um total de 200 pontos. Por último, no escalão Equipas Mistas venceu o par José Flora e Olga Maria Flora, com 170 pontos.


Resultados

Masculinos
1. Cláudio Silva (COA) 420 pontos
2. Edgar Domingues (COC) 370 pontos
3. Ricardo Bernardo (COA) 360 pontos
4. Marco Dias (Individual) 360 pontos
5. Sérgio Mónica (COALA) 360 pontos

Femininos
1. Teresa Martins / Catarina Oliveira 200 pontos

Grupos Mistos
1. José Jorge Flora / Olga Maria Flora (Individual) 170 pontos
2. José Vieira / Maria Manuela Martins / Sofia Vieira / Raquel Vieira (Individual) 30 pontos

[Informações e foto gentilmente cedidas por Luís Quinta-Nova]


Saudações orientistas.

Joaquim Margarido

Taça de Portugal de Orientação Adaptada 2015: Matosinhos e Vila do Conde são os palcos de Abril



A Orientação Adaptada prepara-se para mais duas jornadas plenas de interesse. Matosinhos e Vila do Conde recebem as segunda e terceira etapas da Taça de Portugal 2015 e o mínimo que se pode esperar, nestas duas cidades Atlânticas, é um mar de sorrisos em duas manhãs sem obstáculos para a diferença.


Depois do arranque em Miramar, a Taça de Portugal de Orientação Adaptada 2015 prepara-se para a realização de mais duas jornadas no próximo mês. Assim, no dia 12 de Abril, o magnífico espaço da Quinta da Conceição, em Matosinhos, será palco da segunda etapa. Organizada pelo Grupo Desportivo dos Quatro Caminhos, Federação Portuguesa de Orientação e Associação Nacional do Desporto para a Deficiência Intelectual e com os apoios, entre outros, do Instituto Português do Desporto e da Juventude, a iniciativa integra o programa do Troféu Sálvio Nora e decorre entre as 10h00 e as 12h00. A mesma equipa organizativa leva a cabo no sábado seguinte, dia 18 de Abril, à mesma hora, a terceira etapa da Taça de Portugal, desta feita em Vila do Conde e integrada no programa do Vila do Conde City Race.

Sendo a Orientação Adaptada uma disciplina particularmente vocacionada para crianças em idade pré-escolar e pessoas com deficiência intelectual, é sobretudo a estes dois grandes grupos que é endereçado o convite à participação nas atividades. Com caráter lúdico e sem restrições de participação, haverá um percurso de Atividade Adaptada com dez desafios. Paralelamente, disputar-se -á a primeira etapa da Taça de Portugal de Orientação Adaptada, na qual poderão participar todos os interessados, pontuando para o ranking apenas os atletas com a sua inscrição devidamente regularizada na Federação Portuguesa de Orientação.

A participação nas atividades é gratuita e aberta a todos, devendo as inscrições ser feitas até 72 horas antes de cada uma das provas para se poder garantir a existência de mapas para todos. Haverá medalhas para os três primeiros classificados Masculinos e Femininos na prova de Orientação Adaptada pontuável para a Taça de Portugal de Orientação Adaptada. Mais informações e inscrições através dos endereços: inscrever@gd4caminhos.com ou info@anddi.pt.


Saudações orientistas.

Joaquim Margarido

segunda-feira, 30 de março de 2015

BOM MTBO - Bairrada O' Meeting 2015: Davide Machado e Susana Pontes somam e seguem



Duas vitórias claríssimass nos dois dias de competição fizeram de Davide Machado e Susana Pontes as grandes figuras do BOM MTBO – Bairrada O' Meeting 2015. Coletivamente, a vitória pertenceu uma vez mais ao BTT Loulé/BPI.


O último fim de semana de Março chamou à Bairrada a fina flor da Orientação em BTT nacional. Organizado pelo Clube de Aventura da Bairrada, numa parceria com a Junta de Freguesia do Luso, Câmara Municipal da Mealhada e Federação Portuguesa de Orientação, o BOM MTBO – Bairrada O’ Meeting 2015 repartiu as atenções por uma prova de Distância Longa no sábado e por uma prova de Distância Média no domingo, ambas pontuáveis para a Taça de Portugal de Orientação em BTT 2015. Contando com a participação de 118 atletas nos escalões de competição e de 27 atletas nos escalões abertos, o evento redundou num fim de semana de pedaladas orientadas “puras e duras”, juntando ao desafio duma orientação segura através duma vasta e densa rede de caminhos, uma elevada exigência física determinada pela altimetria dos percursos.

Mantendo a invencibilidade na Taça de Portugal da presente temporada, Davide Machado (.COM) foi a figura de destaque nos dois dias de prova, impondo-se aos seus adversários por margens dilatadas. Uma diferença superior a nove minutos sobre Mário Guterres (ADFA) no primeiro dia e mais de oito minutos sobre João Ferreira (CAB) no segundo dia, são bem a demonstração da superioridade do atleta da Póvoa de Lanhoso e actual 19º classificado do Ranking Mundial da Federação Internacional de Orientação. Mário Guterres e João Ferreira esgrimiram entre si argumentos pela posse dos lugares imediatos, com os mais de onze minutos angariados por Guterres sobre o seu adversário direto na longa etapa de Distância Longa a fazerem toda a diferença no apuro de contas final.

Na Elite feminina, a jornada foi 100% vitoriosa para Susana Pontes (COC), apostada em conquistar a Taça de Portugal pela 12ª vez consecutiva. A superioridade da atleta ficou particularmente bem vincada na primeira etapa, na qual se impôs a Rita Gomes (BTT Loulé/BPI) por margem muito próxima dos quarenta e três (!) minutos. No cômputo das duas etapas, Ana Filipa Silva (CPOC) viria a ser segunda classificada, com Rita Gomes a fechar o pódio. Coletivamente, a turma algarvia do BTT Loulé/BPI permanece apostada em garantir o mais precocemente possível a sua quinta vitória consecutiva na Taça de Portugal de Orientação em BTT (clubes) e foi a grande vencedora com um total de 2713,47 pontos. A curta distância, na segunda posição, classificou-se o COC com 2559,98 pontos. O terceiro lugar foi ocupado pela ADM Ori-Mondego com um registo de 1632,32 pontos.


Resultados

Homens Elite
1. Davide Machado (.COM) 200,00 pontos
2. Mário Guterres (ADFA) 176,56 pontos
3. João Ferreira (CAB) 174,09 pontos
4. Marco Palhinha (CP Abrunheira) 154,88 pontos
5. Daniel Marques (COC) 152,19 pontos

Damas Elite
1. Susana Pontes (COC) 200,00 pontos
2. Ana Filipa Silva (CPOC) 165,07 pontos
3. Rita Gomes (BTT Loulé/BPI) 157,62 pontos


[Foto: Davide Machado / instagram.com]


Saudações orientistas.

Joaquim Margarido

Convenção Multidisciplinar de Educação "chama" a Gondomar a Orientação Adaptada



Já se encontram abertas as inscrições para a Convenção Multidisciplinar de Educação – Perspetivas sobre a Educação Especial. Contando com a colaboração de especialistas e investigadores nacionais e estrangeiros, escolas, instituições, empresas e artistas, a iniciativa tem na Orientação Adaptada um dos seus espaços e momentos de eleição.


Subordinada ao tema da inclusão, terá lugar no Pavilhão Multiusos de Gondomar, de 30 de Abril a 2 de Maio de 2015, a Convenção Multidisciplinar de Educação – Perspetivas sobre a Educação Especial. Iniciativa da Câmara Municipal de Gondomar, através do seu Pelouro da Educação, esta Convenção propõe-se como um espaço de diálogo dos vários domínios do saber que concorrem para uma intervenção educativa que se quer de cada vez maior qualidade. A abordagem multidisciplinar e as diversas temáticas do evento apostam na criação de espaços de partilha de boas práticas e de divulgação de novos saberes, estimulando o debate e a troca de ideias com o intuito da melhoria das respostas à população com deficiência.

Ao longo de três dias existirão momentos de exibição de projetos, conferências, workshops, exposição de posters, exposição de trabalhos e uma mostra multidisciplinar e interativa, com a participação de várias instituições, entre as quais o Comité Paralímpico de Portugal, a Federação Portuguesa de Desporto para Pessoas com Deficiência e a Federação Portuguesa de Orientação (stand 18). Os vários espaços estarão acessíveis ao público em geral, havendo outros destinados aos profissionais com interesse na área da intervenção educativa, no âmbito da educação especial e/ou pessoas com deficiência.

Um dos muitos momentos altos do programa será consagrado à Orientação Adaptada, com actividades de demonstração para os alunos das Escolas do Concelho de Gondomar ao longo do dia 30 de Abril e para a realização da quarta etapa da Taça de Portugal de Orientação Adaptada, no espaço envolvente do Pavilhão Multiusos de Gondomar, na manhã do dia 1 de Maio. Nesse mesmo dia, pelas 12h00, decorrerá um workshop subordinado ao tema “Orientação Adaptada: Um Desporto para a Deficiência Intelectual”, com uma parte teórica de contextualização da modalidade e seus fundamentos técnicos e uma parte prática, através da realização dum percurso formal.

Os interessados em inscrever-se na Convenção Multidisciplinar de Educação – Perspetivas sobre a Educação Especial deverão fazê-lo na página do evento, em http://www.cme-gondomar.pt, onde encontrarão, também, o respetivo programa.


Saudações orientistas.

Joaquim Margarido

domingo, 29 de março de 2015

Danish Spring 2015: Søren Bobach e Maja Alm imbatíveis



A Danish Spring chegou ao fim. Tal como nas duas etapas anteriores, Søren Bobach e Maja Alm foram os grandes vencedores da etapa de Distância Longa que colocou um ponto final nesta importante competição.


De forma clara, Søren Bobach e Maja Alm levaram de vencida a etapa de Distância Longa que encerrou a Danish Spring 2015. Organizado pelo OK Øst Birkerød e pelo Allerød OK, o evento chamou à região dinamarquesa de North Zealand um total de oito centenas de participantes de 17 nações, acabando por ter nos dois atletas dinamarquesas as suas grandes estrelas.

No escalão de Homens Elite, Søren Bobach (OK Pan Århus) mostrou-se ainda mais forte ante a concorrência que nas duas etapas anteriores, logrando uma prova plena de regularidade e concluindo os 17,9 km do seu percurso em 1:25:45. Menos capaz fisicamente, o sueco David Andersson fez uma prova praticamente isenta de erros, mas o acumulado de tempo perdido ao longo dos 42 pontos (!) do percurso fizeram com que a diferença para o vencedor, no final, se traduzisse em largos 3:48. Com apenas mais um segundo que Andersson, o finlandês Jere Pajunen (Kalevan Rasti) concluiu na terceira posição.

No setor feminino, Maja Alm (OK HTF Haderslev) cotou-se uma vez mais como a melhor atleta em prova no escalão de Damas Elite, cumprindo os 12,0 km do seu percurso em 1:07:01. Tal como sucedera nas etapas anteriores, a entrada da atleta em prova não foi particularmente bem conseguida, mas a partir do momento em que assentou a sua corrida – no caso concreto, ainda antes de cumprida a primeira metade da prova – ninguém mais conseguiu travá-la. Com dois erros maiores que lhe custaram dois minutos, Ida Bobach (OK Pan Århus) foi a segunda classificada a 2:11 da vencedora. A norueguesa Kamilla Olaussen (Fredrikstad SK) concluiu na terceira posição, a 2:39 de Maja Alm.

Tal como nos escalões de Elite, também no setor Junior os nomes dos dinamarqueses Emil Øbro (Tisvilde Hegn OK) e Josefine Lind (OK GORM) estiveram em destaque nas duas primeiras etapas, registando vitórias no Sprint e na Distância Média. Na etapa de Distância Longa que encerrou o evento, porém, as coisas viriam a passar-se de forma diferente, com Thomas Knudsen (OK Melfar) e Miri Thrane Ødum (OK Øst Birkerød) a serem desta feita os mais fortes.


Resultados

Homens Elite
1. Søren Bobach (DEN OK Pan Århus) 1:25:45
2. David Andersson (SWE Malungs OK) 1:29:33
3. Jere Pajunen (FIN Kalevan Rasti) 1:29:34
4. Olle Böstrom (SWE Järla IF) 1:30:33
5. Mikko Siren (FIN Angelniemen Ankkuri) 1:31:00

Damas Elite
1. Maja Alm (DEN OK HTF Haderslev) 1:07:01
2. Ida Bobach (DEN OK Pan Århus) 1:09:12
3. Kamilla Olaussen (NOR Fredrikstad SK) 1:09:40
4. Sofia Haajanen (FIN SK Pohjantahti) 1:12:58
5. Lena Eliasson (SWE Domnarvets GoIF) 1:13:02

Resultados completos para conferir em http://www.danishspring.dk/results/

[Foto: Carsten Nøhr Nielsen, Frame The Action / facebook.com/danishspring]


Saudações orientistas.

Joaquim Margarido

Braga City Race: Triunfos de Tiago Gingão Leal e Carolina Delgado



Tiago Gingão Leal e Carolina Delgado foram as principais figuras do Braga City Race, disputado na manhã de ontem na cidade dos Arcebispos. Fazendo vincar o favoritismo que lhes era atribuído, a “dupla” do Grupo Desportivo dos Quatro Caminhos superiorizou-se à concorrência, abrindo da melhor forma a sua participação na edição inaugural do Portugal City Race.


No Dia Nacional dos Centros Históricos, a cidade de Braga recebeu no seu seio a primeira etapa do Portugal City Race 2015. Sozinhos, a pares ou acompanhados por toda a família, por lazer ou imbuídos de um espírito mais competitivo, foram perto de três centenas os participantes no Braga City Race, etapa de abertura da primeira edição do Portugal City Race. Pontuando igualmente para o Torneio COM mapa, iniciativa do Clube de Orientação do Minho que vai já na sua oitava edição, o Braga City Race ofereceu percursos de caráter exclusivamente urbano e traçados sobre Distância Média, distribuindo-se por escalões de competição e abertos. Destaque para estes últimos onde foram muitos aqueles que aproveitaram para fazer a prova em grupo e dar os primeiros passos na modalidade, nomeadamente através dum percurso Histórico, ao encontro do excecional património monumental da cidade de Braga.

Na vertente competitiva, o Campeão Nacional de Distância Longa em título, Tiago Gingão Leal (GD4C), foi o mais rápido nos 7,1 km do seu percurso, concluindo a prova em 24:53. Fazendo o melhor tempo nos seis primeiros parciais dos 22 que compunham a prova, Gingão Leal angariou aí preciosa vantagem, que nem um erro maior, superior a um minuto, a caminho do ponto 7, conseguiu colocar em causa. Na segunda posição classificou-se Albino Magalhães (Clínica Dr. Eduardo Merino), com mais 49 segundos que o vencedor. Daniel Ferreira (AD Cabroelo) e Hélder Marcolino (GD4C) concluiram na terceira posição ex-aequo, a distantes 4:55 de Gingão Leal. No escalão Sénior Feminino tudo foi bem diferente, com Carolina Delgado (GD4C) a levar de vencida dezasseis dos dezoito parciais que compunham o seu percurso de 5,8 km e a terminar destacada com um registo de 27:28. Só 5:21 mais tarde concluiria Daniela Alves (AD Cabroelo), pertencendo a terceira posição a uma atleta “da casa”, Zélia Viana (.COM), com o tempo de 37:51.

Nos restantes escalões de competição, Leonardo Ramalho (.COM) bateu Tomás Lima (COC) por escassos 7 segundos no escalão Juvenil Masculino e Margarida Miranda (GD4C) superiorizou-se a Eduarda Moreira (AD Cabroelo) por oito segundos no escalão Juvenil Feminino. João Novo (.COM) e Helena Miranda (GD4C) venceram folgadamente os escalões Junior Masculino e Feminino, respetivamente. José Pereira (CP Armada), Paula Serra Campos (.COM), Jorge Silva (Amigos da Montanha), Aida Correia (GD4C), Erkki Jalkanen (VaHa) e Marke Jalkanen (VaHa) foram os vencedores dos respetivos escalões de Veteranos, enquanto o escalão de Formação teve em Tiago Marcolino (GD4C) o grande vencedor. Quanto aos escalões abertos, Juliana M + Emanuel B (Individual) triunfaram no Open Curto, Miguel Oliveira (Ori-Estarreja) venceu o Open Médio e Rui Silva (AE Maximinos) venceu o Open Longo. Alberto A + Claudia S (Individual) levaram de vencida o percurso Histórico.


Resultados

Senior Masculino
1. Tiago Gingão Leal (GD4C) 24:53
2. Albino Magalhães (Clínica Dr. Eduardo Merino) 25:42
3. Daniel Ferreira (ADC) 29:48
3. Hélder Marcolino (GD4C) 29:48
5. Leandro Lima (Amigos da Montanha) 30:59

Senior Feminino
1. Carolina Delgado (GD4C) 27:28
2. Daniela Alves (ADC) 32:49
3. Zélia Viana (.COM) 37:51
4. Bruna Ferreira (ADC) 39:12
5. Joana Cunha (Individual) 43:52
Resultados completos e demais informação em http://www.pontocom.pt/node/357/resultados-braga-city-race.html

[Foto: José Sousa / facebook.com/jose.sousa]


Saudações orientistas.

Joaquim Margarido

sábado, 28 de março de 2015

Danish Spring 2015: "Bis" de Søren Bobach e Maja Alm



Ao vencerem as etapas de Distância Média e de Sprint, Søren Bobach e Maja Alm foram os grandes dominadores dos dois primeiros dias da Danish Spring. Disputado na região dinamarquesa de North Zealand o evento contempla três etapas pontuáveis para o ranking mundial e conta com a participação de oitocentos atletas de 17 nações.


Teve ontem o seu início e vai terminar amanhã a Danish Spring, prova de abertura da temporada dinamarquesa de Orientação Pedestre. Disputada em Allerød no dia de ontem, a etapa de Sprint mostrou um interessante duelo entre os dois Campeões do Mundo de Sprint em título, o de Elite e o Junior. Søren Bobach esteve irrepreensível e, com uma prova limpa, bateu o jovem neozelandês Tim Robertson pela diferença confortável de 20 segundos. O dinamarquês Thør Norskov foi o terceiro classificado, a 25 segundos de Bobach. Apesar dos pequenos erros cometidos, Maja Alm chegou à vitória no setor feminino graças a uma segunda metade do percurso plena de querer e de força. A atleta impôs-se à russa Galina Vinogradova pela diferença de 29 segundos, enquanto a terceira posição coube à muito jovem Cecilie Friberg Klysner, com mais 35 segundos que Maja Alm.

Já hoje teve lugar a prova de Distância Média, na qual foi possível assistir a uma repetição do sucedido da véspera no tocante aos vencedores, em ambos os casos por folgadas margens. No setor masculino, Bobach concluiu o seu percurso em 32:44, deixando o seu compatriota Tue Lassen na segunda posição, com mais 1:20. O letão Rudolfs Zernis foi um surpreendente terceiro classificado, a 1:23 de Bobach. Tal como ontem, apenas na segunda metade do percurso Maja Alm conseguiu impor-se às suas mais diretas rivais, mas a vantagem de 2:06 sobre a russa Galina Vinogradova não levanta margem para quaisquer dúvidas. Após uma paragem forçada devido a lesão, Ida Bobach alcançou um moralizador terceiro lugar neste seu regresso à competição.


Resultados

Sprint (2015.03.27)

Homens Elite
1. Søren Bobach (OK Pan Århus) 15:02
2. Tim Robertson (NZL, Hutt Valley) 15:22
3. Thor Norskov (IFK Göteborg) 15:27
4. Tue Lassen (Faaborg OK) 15:37
5. Trond Einar Moen Pedersli (NOR, OL Trollelg) 15:38

Damas Elite
1. Maja Alm (OK HTF) 13:47
2. Galina Vinogradova (RUS, Alfta Osa OK) 14:16
3. Cecilie Friberg Klysner (FIF Hillerød) 14:22
4. Sofia Haajanen (FIN, SK Pohjantahti) 14:49
5. Nicoline Friberg Klysner (FIF Hillerød) 14:52

Distância Média (2015.03.28)

Homens Elite
1. Søren Bobach (OK Pan Århus) 32:44
2. Tue Lassen (Faaborg OK) 34:04
3. Rudolfs Zernis (LAT, Aerla IF) 34:07
4. David Andersson (SWE, Malungs OK) 34:12
5. Thor Norskov (IFK Göteborg) 34:15

Damas Elite
1. Maja Alm (OK HTF) 26:59
2. Galina Vinogradova (RUS, Alfta Osa OK) 29:05
3. Ida Bobach (OK Pan Århus) 29:21
4. Lena Eliasson (SWE, Domnarvets GoIF) 29:27
5. Kristin Löfgren (SWE, Varegg Fleridrett) 30:23

Resultados completos em http://www.danishspring.dk/results/

[Foto: Carsten Nøhr Nielsen/Frame the Action]


Saudações orientistas.

Joaquim Margarido

sexta-feira, 27 de março de 2015

Venha conhecer... Luís Miguel Pires



Chamo-me… LUÍS MIGUEL PIRES
Nasci no dia… 16 de fevereiro de 1977
Vivo em… Lisboa
A minha profissão é... Engenheiro Eletrotécnico
O meu clube… Clube de Orientação de Viseu - Natura
Pratico orientação desde… 2012

Na Orientação…

A Orientação é… um desporto fabuloso!
Para praticá-la basta… ter força de vontade!
A dificuldade maior é… interpretação inicial dos mapas!
A minha estreia foi em… Quiaios!
A maior alegria… o primeiro pódio, em Arraiolos!
A tremenda desilusão… foi no terceiro dia do POM 2015; cometi uma “gaffe” que me custou uma hora!
Um grande receio… lesionar-me!
O meu clube… é uma coisa recente e, para já, uma boa surpresa!
Competir é… bom, faz bem!
A minha maior ambição… é ir sempre mais além!

como na Vida!

Dizem que sou… bondoso!
O meu grande defeito… ser preguiçoso!
A minha maior virtude… ter força de vontade!
Como vejo o mundo… complicado!
O grande problema social… o desequilibrio entre as várias classes!
Um sonho… que tudo fosse melhor!
Um pesadelo… que as coisas continuassem como estão!
Um livro… “O Codex 632”, de José Rodrigues dos Santos!
Um filme… “O Clube dos Poetas Mortos”, de Peter Weir!
Na ilha deserta não dispensava… a minha mulher!

No próximo episódio venha conhecer Susana Domingues.


Saudações orientistas.

Joaquim Margarido

quinta-feira, 26 de março de 2015

Duas ou três coisas que eu sei dela...



1. Água, pão, vinho, leitão e Orientação em BTT prometem ser as cinco maravilhas da Bairrada já no próximo fim de semana, graças à realização do Bairrada O’ Meeting MTBO 2015. É o arranque da presente edição da Taça de Portugal de Orientação em BTT em solo português, desta feita revisitando um dos seus palcos de excelência pelas mãos do Clube de Aventura da Bairrada. Elegendo a vertente poente da lindíssima Serra do Buçaco como fulcro da ação, o evento contempla a oferta de duas etapas pontuáveis para a Taça de Portugal, uma de Distância Longa, no primeiro dia, e outra de Distância Média, com partida em massa, a encerrar. Anunciada como prova modelo para o Campeonato do Mundo de Orientação em BTT 2016, a disputar na região bairradina, o Bairrada O’ Meeting MTBO 2015 conta com centena e meia de atletas inscritos, em representação de quatro países. Saiba mais em http://aventurabairrada.wix.com/bommtbo.


2. A temporada suiça de Orientação Pedestre arrancou no passado sábado com a realização dos Nacht Orientierungslauf Meisterschaft, os Campeonatos Nacionais Noturnos daquele país, que este ano decorreram em Aarau. Traçadas no formato de Distância Longa, as provas contaram com a presença de 615 atletas distribuídos por 36 escalões, entre os quais todos os maiores valores da actualidade da Orientação Suiça. Em Homens Elite, Matthias Kyburz (OLK Fricktal) foi o mais rápido a cumprir os 11,5 km do exigente percurso, gastando 1:05:19. Daniel Hubmann (OL Regio Wil) moveu intensa luta ao vencedor, quedando-se na segunda posição com mais 25 segundos apenas. Vencedor em 2014, Martin Hubmann (OL Regio Wil) teve de se contentar com o terceiro lugar, com o tempo de 1:08:37. Tal como nos Homens, também nas Damas Elite houve luta apertada pelo título nacional, mas neste caso foram três as contendoras. Julia Gross (OL Zimmerberg) acabaria por ser a mais rápida, gastando 1:01:44 para completar os 8,2 km do seu percurso. A escassos 13 segundos, na segunda posição, quedou-se Ines Brodmann (OLG Basel) enquanto Simone Niggli (OLV Hindelbank), ainda e sempre em grande forma, concluiria na terceira posição, a 39 segundos da vencedora. Sven Hellmüller (OLG Welsikon) e Kerstin Ullmann (OL.Biel.Seeland) foram os vencedores destacados nos escalões Junior Masculino e Feminino, respectivamente. Resultados completos em http://www.o-l.ch/cgi-bin/results?year=2015&event=Schweizer+Meisterschaft+im+Nacht-OL+Lang.


3. No curto espaço de dois meses, o espanhol António Martinez alcançou a sua terceira vitória em etapas pontuáveis para o Ranking Mundial de Orientação Pedestre. Foi no passado sábado, em Becerril del Carpio (Palência, Espanha), na prova de Distância Longa que abriu o programa do Troféu Internacional de Orientação “Nacimiento del Canal de Castilla” e que contou com a participação de mais de seiscentos atletas. Contudo, uma prestação menos conseguida na etapa de Distância Média fez com que o atleta acabasse por ceder a primeira posição no Troféu ao ucraniano Artem Panchenko, vencedor destacado no segundo dia. No sector feminino, a ucraniana Olha Panchenko foi a melhor no conjunto das duas etapas, vencendo a etapa de Distância Longa WRE e terminando na segunda posição na etapa de Distância Média. Nesta última etapa, a vitória coube à francesa Léa Vercellotti. Ona Ràfols conclui na terceira posição, cotando-se como a melhor atleta espanhola. Tudo para conferir em http://orcapalencia.com/web/competitions/canal-de-castilla-international-trophy/.


4. Juntando à vitória na competição de TempO o triunfo na etapa de PreO, John Kewley foi o grande vencedor dos Campeonatos Britânicos de Orientação de Precisão 2014. Com direcção de prova e traçado de percursos de Anne Braggins, a competição teve lugar em Twywell, reunindo um total de 34 competidores, 4 dos quais no escalão de Iniciação. Com quatro estações e cinco desafios em cada uma delas, a etapa de TempO viu John Kewley ser o mais certeiro, compensando da melhor forma a menor rapidez no tempo de resposta em relação a muitos dos seus adversários mais diretos. Na etapa de PreO, foram quatro os atletas que terminaram empatados na primeira posição, respondendo de forma acertada a 19 dos 21 pontos que compunham o percurso. John Kewley voltou a decidir a contenda a seu favor mercê do maior acerto e rapidez nos pontos cronometrados. Quarto classificado na etapa de PreO e segundo classificado na etapa de TempO, Ian Ditchfield saldou a sua participação nos Campeonatos com um segundo lugar, enquanto a terceira posição coube a Nick Barrable, 7º classificado na etapa de PreO e 3º na de TempO. Resultados completos, mapas e soluções para ver em http://www.wimborne-orienteers.org.uk/wim/14%20BTOC/BTOC2014.htm.


5. É já no próximo fim de semana que tem lugar a popular Danish Spring, evento que nos últimos quatro anos tem funcionado como uma espécie de pontapé de saída ao nível regional, atraindo atletas não apenas dinamarqueses, mas de toda a Escandinávia e do resto do mundo. Com o aliciante acrescido de três etapas pontuáveis para o Ranking Mundial – etapa de Sprint na 6ª feira, etapa de Distância Média no sábado e etapa de Distância Longa no domingo -, o evento conta com um número de inscritos a rondar as oito centenas de atletas, incluindo alguns dos mais sonantes nomes da Orientação mundial, casos de campeão do mundo de Sprint em título, o dinamarquês Soren Bobach, das suas compatriotas Maja Alm e Ida Bobach, dos russos Dmitry Tsvetkov e Galina Vinogradova, da finlandesa Sofia Haajanen e da sueca Lena Eliasson, entre outros. Tudo para acompanhar em http://www.danishspring.dk/.


Saudações orientistas.

Joaquim Margarido

quarta-feira, 25 de março de 2015

Os Verdes Anos: Camila Coelho



Olá,

O meu nome é Camila, tenho 14 anos e estou a frequentar o 9º ano no Colégio Dr. Luís Pereira da Costa, em Monte Redondo, Leiria.

Não sei o dia, ou o ano exato em que comecei a praticar Orientação; desde que era pequena que me lembro de andar atrás do meu pai ou da minha mãe. Quando me federei e entrei para os escalões de competição, foi quando comecei a fazer as provas sozinha. Nessa altura não me recordo do que achava da Orientação, mas sei que agora não me importo de acordar cedo para ir correr, cansar-me e não ter tempo para fazer outras coisas, porque posso visitar o país de uma ponta à outra, conhecer todo o tipo de pessoas e praticar o desporto que eu mais gosto! Para além da Orientação pratico uma vez por semana Natação, como forma de treino, e Dança, por divertimento.

A Orientação é, para mim, um desporto que exige das pessoas não só a corrida como inteligência e concentração. O que mais gosto do desporto é todos os fins-de-semana viajar para uma aldeia de Portugal; poder correr no mato com uma liberdade e adrenalina imensa; a satisfação de, finalmente, picar o ponto e partir para outro; e o sorriso de quando os meus amigos vêm falar comigo para saber como correram e compararmos as asneiras que todos fizemos durante o percurso. Tenho a sorte de ter esta oportunidade, de chegar à sexta a casa e perguntar aos meus pais: “Temos alguma coisa este fim-de-semana?”, quando sei que no outro dia de madrugada, já iria estar acordada (meio a dormir) e pronta para outra! Se não tivesse a Orientação, não seria nem metade feliz do que sou agora!

Vou aos Orijovens desde o 10º (só faltei a um) em Ovar, 2008, que foi quando fiz os meus primeiros amigos e começou tudo a ser mais fácil e divertido na Orientação. Os Orijovens para mim fizeram grande parte da minha vida enquanto “orientista”. Nunca tive nenhum treinador e foi graças aos tutores e aos mais velhos destes estágios que aprendi a maioria do que sei hoje sobre o desporto.

O pior momento que tive até agora na Orientação foi talvez há dois anos, numa prova onde entre o 200 e o finish havia uma poça de lama enorme, onde não se percebia onde era o fundo. Já tinha visto os outros atletas a saltarem, arregaçar as calças para não as molhar (o que era impossível) e outros com “pezinhos-de-lã” a passar a poça muito devagarinho. Eu, para parecer que era melhor que toda a gente e que aquilo era canja para mim, saltei, também para não perder muito tempo naquilo. Piquei o último ponto, preparei-me para o salto, estiquei a minha perna ao máximo. Pisei uma pedra, escorreguei e caí. Só vi os flashes, ouvi os risos e não senti nenhuma mão a ajudar-me. As minhas calças largas, cinzentas e as melhores que eu tinha acabaram por ficar ensopadas, rasgadas e castanhas. Magoei a perna e torci o tornozelo. Lágrimas escorregavam na minha face enquanto percorria o sprint final a ouvir o meu pai a perguntar se estava bem e se me tinha magoado. E ainda por cima, o sprint final tinha no máximo, 700 metros - a coxear, chorar e envergonhar.

O meu melhor momento foi quando recebi a minha primeira medalha. Foi numa prova em que fiz com o meu pai e o meu percurso era o OPT 1. Quando fui a chegar às partidas, entregaram-me o OPT 2. O meu pai tinha-se enganado na inscrição e deu por nós a fazer 3 quilómetros. Quando fui ao pódio, em primeiro lugar, foi o Diogo Miguel a entregar-me a medalha. Ele pergunta-me: “Como é que uma menina como tu acaba em primeiro num OPT 2?” Eu simplesmente encolhi os ombros, sem saber o que dizer. Tive a viagem inteira até a casa a admirar a medalha - pesada, escura e segura por um fio azul e branco.

Até agora tenho levado o desporto numa de brincadeira. Era o que eu fazia para passar tempo com amigos, sair de casa e correr um bocadinho. Este ano vai ser o primeiro ano em que vou esforçar-me para as provas e tentar ter bons resultados, agora que entrei para D16. Vou treinar a minha forma física e ir aos treinos que o COC faz nalguns fins-de-semana para decifrar o dilema das curvas de nível, que após tantas provas, ainda continuam a ser uma incógnita quando estou a fazer o percurso. O Clube de Orientação do Centro tem sido, e sempre será, o clube que frequento e é com muito orgulho que visto o seu equipamento em todas as provas. Espero vir a representá-lo um dia, quando estiver nos Campeonatos N acionais (quem sabe mundiais) e ser uma "orientista" importante.

Tento sempre conciliar os estudos com as provas. Nunca faltei a nenhuma prova para estudar, mas também nunca tirei má nota por estar nas provas. Acredito que há tempo para tudo, e organização acima de tudo!

No futuro, espero ainda continuar na Orientação, já ter ido a todas as cidades, corrido em todos os mapas de Portugal e ter crescido como pessoa e “orientista”!


Camila Coelho
Clube de Orientação do Centro
Fed 4907

[Foto gentilmente cedida por João Vítor Alves]

terça-feira, 24 de março de 2015

IV Costa Alentejana O' Meeting: Tiago Gingão Leal e Mariana Moreira triunfam em Grândola



Tiago Gingão Leal e Mariana Moreira foram os vencedores do IV Costa Alentejana O’ Meeting. Pontuável para a Taça de Portugal VITALIS de Orientação Pedestre 2015, o evento juntou ao desafio e beleza da Orientação o atractivo duma paisagem única, oferecendo às cerca de quatro centenas e meia de participantes que apontaram azimutes a Grândola mais um daqueles fins de semana que valem realmente a pena!


O Município de Grândola foi palco, no fim de semana passado, da quarta edição do Costa Alentejana O’ Meeting. Organizado conjuntamente pelo Clube de Natureza de Alvito e Clube de Orientação e Aventura do Litoral Alentejano, com os apoios da Federação Portuguesa de Orientação, Junta de Freguesia de Azinheira dos Barros e S. Mamede do Sádão e da Junta de Freguesia de Melides, o IV CAOM integrou duas etapas de Distância Média, ambas pontuáveis para a Taça de Portugal VITALIS de Orientação Pedestre 2015 e contou com a participação de 450 atletas, distribuídos por escalões de competição, formação e abertos.

No vetor competitivo, Tiago Gingão Leal (GD4C) e Tiago Romão (GafanhOri) foram os grandes animadores do escalão de Elite masculina, repartindo entre si as vitórias nas duas etapas disputadas. Começou melhor Tiago Gingão Leal, a dominar a etapa inaugural e a alcançar a sua primeira vitória na edição 2015 da Taça de Portugal, ainda que pela escassa margem de 44 segundos sobre Tiago Romão. O equilíbrio verificado no primeiro dia deixava tudo em aberto para a etapa decisiva, cabendo a Romão anular a desvantagem trazida da véspera. No momento da verdade, o atleta do GafanhOri conseguiu mesmo superiorizar-se ao seu adversário direto, mas a margem de 16 segundos foi manifestamente insuficiente para alcançar o grande objectivo que era o de levar de vencida o IV Costa Alentejana O’ Meeting. Destaque ainda para o terceiro lugar do jovem Daniel Catarino (Ori-Estarreja) numa primeira incursão no escalão de Elite verdadeiramente auspiciosa.

No sector feminino, Mariana Moreira (CPOC) regressou à competição da melhor forma, alcançando o pleno de vitórias nas duas etapas disputadas. Dominando do princípio ao fim a primeira etapa, a atleta logrou angariar confortável vantagem sobre a segunda classificada, Stepanka Betkova (ADM Ori-Mondego), colocando-a praticamente a salvo de percalços de maior. A segunda etapa foi a da confirmação, desta feita com Rita Rodrigues (GafanhOri) a ser segunda classificada. Coletivamente, a vitória sorriu uma vez mais ao COC, com um total de 3595,18 pontos, contra 3435,89 pontos da ADFA e 2845,14 pontos do CPOC, segundo e terceiro classificados, respectivamente.


Resultados

Elite Masculina
1º Tiago Gingão Leal (GD4C) 1992.97 pontos
2º Tiago Romão (GafanhOri) 1979.55 pontos
3º Daniel Catarino (Ori-Estarreja) 1838.23 pontos
4º Marco Póvoa (ADFA) 1728.72 pontos
5º Rafael Miguel (Ori-Estarreja) 1663.12 pontos

Elite Feminina
1º Mariana Moreira (CPOC) 2000.00 pontos
2º Stepanka Betkova (ADM Ori-Mondego) 1839.76 pontos
3º Rita Rodrigues (GafanhOri) 1822.18 pontos
4º Vera Alvarez (CPOC) 1709.26 pontos
5º Patrícia Casalinho (COC) 1700.72 pontos

Resultados e demais informação em http://costalentejanaomeeting.weebly.com/.

[Foto: Clube Orientação Aventura Litoral Alentejano / plus.google.com]


Saudações orientistas.

Joaquim Margarido

segunda-feira, 23 de março de 2015

Informativo ORI MB nº 14: Orientação de Precisão em foco



O desenvolvimento do projeto de Orientação de Precisão por parte da Marinha do Brasil é o grande tema do nº 14 do Informativo Ori MB (Janeiro/Fevereiro de 2015) acabado de publicar. São cinco páginas integralmente dedicadas aos primeiros passos da mais jovem disciplina da Orientação no Brasil e nas quais o Orientovar não é esquecido.


Acaba de ser publicado e encontra-se disponível para consulta na página da Federação de Orientação do Rio de Janeiro [www.forj.org.br] o nº 14 do Informativo Ori MB (Janeiro/Fevereiro de 2015). Dirigido pelo Comandante Rúbens da Igreja, o Boletim da Marinha do Brasil destaca neste número a Orientação de Precisão, vincando a aposta no desenvolvimento dum Projeto que está em marcha e que tem como grande objetivo para 2015 a organização, com caráter pioneiro, de uma Taça de Orientação de Precisão no Brasil, inicialmente agendada para 5 e 6 de dezembro.

Começando por caracterizar a Orientação de Precisão e por definir os seus objetivos, o Boletim destaca as linhas mestras do projeto que tem como ponto de partida as diretivas do Conselho Internacional do Desporto Militar (CISM), dando início ao processo de inserção no meio militar da vertente paralímpica. Os primeiros passos dados pela Comissão Desportiva Militar do Brasil, organismo na dependência do Ministério da Defesa, tiveram a ver com a conceção do projeto e com a vinda a Portugal do Comandante José Ferreira Barros, Comandante Rúbens da Igreja Ferreira e Sargento Marcelo Tavares Malato, que participaram no Curso de Organização e Traçado de Percursos de Orientação de Precisão, promovido pela Federação Portuguesa de Orientação e que teve lugar na Praia da Tocha, nos dias 15 e 16 de Dezembro de 2014.

“Durante o curso os conteúdos apresentados foram riquíssimos em dados, e o tempo não foi suficiente para se adquirir todo o conhecimento da modalidade, mas certamente foi uma boa base para se poder pensar em organizar uma competição de Trail-O no Brasil”, pode ler-se acerca das considerações sobre o Curso. O autor do artigo acrescenta que “esse facto só será aperfeiçoado com a participação em competições de nível internacional onde se poderá acompanhar a participação dos atletas e a organização geral de uma prova da modalidade.” E conclui: “A participação neste curso da Delegação do Ministério da Defesa foi extremamente importante tendo em vista que os conhecimentos adquiridos serão fundamentais para a implantação de uma rica atividade inclusiva dentro das Forças Armadas e por consequência no meio civil.”


Orientovar é alvo de menção elogiosa

Já na parte final deste vasto conteúdo dedicado à Orientação de Precisão, uma palavra muito especial para o Orientovar e para o seu autor: “Joaquim Margarido, do Blog Orientovar - http://orientovar.blogspot.com.br/ - é um grande estudioso, escritor e divulgador da Orientação. Único membro da IOF que fala português, é um grande atleta de Orientação de Precisão, tem muita experiência em organizações de provas desta modalidade, já tendo escrito diversos artigos sobre orientação e entrevistado grandes atletas e personalidades deste desporto. Durante o curso foi um grande colaborador da equipa, dirimindo diversas dúvidas que foram surgindo, sempre de forma clara e atenciosa. Um componente da delegação brasileira, o Comandante Rubens da Igreja Ferreira, teve a grata satisfação de ser entrevistado pelo Joaquim Margarido. A entrevista completa pode ser vista no endereço http://www.orientovar.blogspot.pt/2014/12/rubens-igreja-vamos-espalhar-orientacao.html.

Entre os muitos artigos que preenchem as 29 páginas do Boletim Informativo da Marinha do Brasil, referência igualmente para uma excelente Entrevista com Rozana Albuquerque, para um conjunto de momentos onde as artes – da pintura à poesia – mostram uma ligação mais sólida e efetiva a alguns dos pressupostos da Orientação e ainda para o City Race Euro Tour e para o Portugal City Race. Tudo para conferir em http://www.forj.org.br/sites/default/files/INFO%20ORI%2014%20-%20FEVEREIRO%202015.pdf#overlay-context=informativo_ori_mb


Saudações orientistas.

Joaquim Margarido

Gustav Bergman: "Estou muito empenhado num bom WOC"



Após uma excelente temporada em 2014, onde brilhou com as duas medalhas de ouro conquistadas nas Estafetas dos Campeonatos da Europa e Campeonatos do Mundo, Gustav Bergman vai querer mostrar que 2015 é o ano da confirmação. Dois pódios na ronda inaugural da Taça do Mundo, na Tasmânia, são para já um excelente prenúncio, mas muito mais está para vir.


Pudémos vê-lo em grande forma a levar de vencida a primeira etapa do Portugal O' Meeting 2015, mas depois disso desapareceu. O que é que aconteceu?

Gustav Bergman (G. B.) - Depois dessa primeira prova, adoeci de forma muito séria e acabei por passar o resto dos meus dias em Portugal numa cama, no quarto de Hotel, com 40 graus de febre.

Bem, fica pelo menos essa boa experiência do primeiro dia. Quer partilhar connosco as suas impressões?

G. B. - A prova do primeiro dia foi boa, mas nada por aí além. Fiz uma boa navegação e preocupei-me em correr a direito, acabando por ser o mais rápido, o que foi, ainda assim, o melhor de tudo.

Como é que está a decorrer a sua preparação no início da temporada? Foi positiva a experiência Australiana, no outro lado do Mundo, nos primeros dias do ano?

G. B. - O meu treino de Inverno está a decorrer muitíssimo bem, excetuando mesmo o meu “febrão” em Portugal. Tenho conseguido manter um bom plano de corrida e penso que, nesse aspeto, consegui subir um patamar em termos de desenvolvimento da minha corrida. Quanto à Taça do Mundo, na Tasmânia, esse não era um objetivo, mas sim os Campeonatos do Mundo, na Escócia, sendo aí que estão centradas todas as minhas atenções. Não vejo grande inconveniente em termos a Taça do Mundo a começar tão cedo, logo em Janeiro, mas acho que a Federação Internacional de Orientação tem de lidar com a situação doutra forma em ternos do estatuto da competição. Se os melhores atletas não competem, então não faz sentido em chamar àquilo Taça do Mundo.

Permita-me recuar à época dourada de 2014 e à Estafeta ganhadora nos Europeus e nos Mundiais, consigo a revelar-se preponderante nos momentos decisivos. Qual a memória mais forte que guarda dessas vitórias?

G. B. - Sabe muito bem ganhar como equipa. A imagem que guardo dos rostos do Jonas [Leandersson] e do Fredrik [Johansson] quando se juntaram a mim no corredor de chegada são algo que me faz pensar que valeram a pena todas as horas de treino gastas na preparação para os Campeonatos.

Estar nos Mundiais da Escócia com o pensamento na revalidação do título de Estafetas é, estou certo, um dos seus grandes objetivos. Mas gostava de saber mais.

G. B. - Estou muito empenhado num bom WOC e encaro como muito possível a minha participação em todas as etapas de floresta. No último ano, o meu enfoque era mais a Estafeta, o que me obrigou a ter de pôr de parte a Distância Longa, tanto, nos Europeus como nos Mundiais. Mas este ano as coisas serão diferentes, o programa está estruturado doutra forma e estarei disponível para correr também a Distância Longa.

Onde poderá residir a chave do sucesso?

G. B. - Penso que as minhas capacidades técnicas e mentais são suficientemente boas para pensar numa medalha de ouro nos Campeonatos do Mundo, mas preciso de melhorar imenso sob o ponto de vista físico. Tenho um plano de trabalho que estou a seguir à risca e venho melhorando de ano para ano, portanto julgo que não me devo preocupar muito com esta questão.

Que significado teria para si o facto hipotético de chegar ao final da temporada na liderança do Ranking Mundial?

G. B. - Preocupo-me muito pouco com o Ranking e uma situação dessas não teria grande significado para mim. Contudo, as novas regras dos Campeonatos do Mundo valorizam de forma importante o Ranking, pelo menos em termos de atribuição de tempos de partida, e portanto não podemos abstrair-nos dele, pura e simplesmente.

No final da nossa conversa, pedia-lhe que deixasse um desejo a todos os orientistas, agora que a época está a começar.

G. B. - Boa sorte para a vossa temporada e espero que sejam capazes de fazer algumas provas perfeitas ao longo do ano!


Saudações orientistas.

Joaquim Margarido

domingo, 22 de março de 2015

Taça de Portugal de Orientação Adaptada 2015: Bruno Cardoso e Raquel Cerqueira levam de vencida etapa inaugural



Bruno Cardoso e Raquel Cerqueira, ambos do Clube Gaia, foram os grandes vencedores do Troféu da Primavera, etapa inaugural da Taça de Portugal de Orientação Adaptada 2015. O evento teve lugar em Miramar e registou três dezenas de participantes, entre crianças e pessoas portadoras de deficiência intelectual.


Foi uma manhã diferente, aquela vivida ontem em Miramar, no concelho de Vila Nova de Gaia. Numa organização do Grupo Desportivo dos Quatro Caminhos e da Federação Portuguesa de Orientação, com os apoios do Instituto Português do Desporto e da Juventude e da Associação Nacional do Desporto para a Deficiência Intelectual – ANDDI, a Taça de Portugal de Orientação Adaptada deu, com o Troféu da Primavera, o pontapé de saída da edição 2015, chamando ao Mapa do Parque da Alameda, no Senhor da Pedra, um conjunto de 28 atletas, distribuídos pelas vertentes de competição e de recreação (Atividade Adaptada). Destaque, para além da forte presença do Clube Gaia, para a participação nesta prova da Cercivar, com uma representação de quatro atletas na vertente competitiva.

A luta pela vitória no sector masculino foi muito apertada, com Bruno Cardoso e Domingos Oliveira, ambos do Clube Gaia, a demonstrarem um enorme equilíbrio nas suas prestações. Num percurso sem grande exigência física, com uma distância de 700 metros e 10 pontos de controlo, os dois atletas mostraram-se tecnicamente ao mais alto nível, terminando em igualdade pontual e separados em tempo por escassos 9 segundos. Bruno Cardoso abre assim da melhor forma a sua participação na Taça de Portugal 2015, mas percebe-se que vai ter de contar com a forte oposição de Domingos Oliveira. Ricardo Cardoso e João Encarnação travaram igualmente um particular duelo pelo terceiro lugar, com Cardoso a levar a melhor sobre o seu adversário direto pela diferença de 46 segundos. Nas duas posições imediatas, em igualdade pontual com os vencedores mas com prestações menos conseguidas do ponto de vista físico, classificaram-se David Marques e José Silva, ambos da Cercivar.


Atividade Adaptada, o complemento perfeito

No sector feminino, os três lugares do pódio foram ocupados igualmente por atletas do Clube Gaia, em igualdade pontual, valendo também aqui a velocidade como fator de desempate. Raquel Cerqueira esteve fenomenal, conseguindo um tempo final de 07:43, contra 09:50 de Paula Santos e 10:46 de Liliana Silva. A título de curiosidade, refira-se que o registo da vencedora a colocaria no terceiro lugar absoluto, tendo em conta que os percursos, tanto no sector masculino como no feminino, foram rigorosamente iguais. Este mapa foi igualmente palco duma actividade adaptada recheada de animação, na qual participaram quatro grupos de entusiásticos atletas em representação do Clube Gaia / Núcleo do Cerco, Clube Gaia / Núcleo das Antas, Clube Gaia / APPACDM e Cercivar, num total de 16 participantes. Referência ainda para o facto de terem participado na actividade, numa vertente meramente recreativa, algumas crianças em idade pré-escolar e escolar (ensino básico), confirmando o potencial e a adequação da Orientação Adaptada para crianças desta faixa etária

A Taça de Portugal de Orientação Adaptada sofre agora um breve interregno, regressando em Abril para duas jornadas no curto espaço de uma semana. No dia 12, a segunda etapa integrará o programa do Troféu Sálvio Nora, a ter lugar na Quinta da Conceição (Leça da Palmeira, Matosinhos). Seis dias mais tarde, mais concretamente no dia 18, terá lugar a terceira etapa, integrando o Troféu Ori-Vila do Conde, a disputar na cidade do Ave.


Resultados

Masculinos
1. Bruno Cardoso (Clube Gaia) – 10 Pontos (06:45)
2. Domingos Oliveira (Clube Gaia) – 10 Pontos (06:54)
3. Ricardo Cardoso (Clube Gaia) – 10 Pontos (07:53)
4. João Encarnação (Clube Gaia) – 10 Pontos (08:39)
5. David Marques (Cercivar) – 10 Pontos (12:24)
6. José Silva (Cercivar) – 10 Pontos (12:45)
7. João Faure (Clube Gaia) – 7 Pontos (14:18)
8. Álvaro Pinho (Cercivar) – 6 Pontos (19:39)

Femininos
1. Raquel Cerqueira (Clube Gaia) – 10 Pontos (07:43)
2. Paula Santos (Clube Gaia) – 10 Pontos (09:50)
3. Liliana Silva (Clube Gaia) – 10 Pontos (10:46)
4. Cristina Soares (Clube Gaia) – 8 Pontos (22:58)




Saudações orientistas.

Joaquim Margarido

sábado, 21 de março de 2015

Skol Sprinten: Orientação na Suécia projeta assalto ao Guiness


Na Suécia trabalha-se afincadamente num projecto de desenvolvimento da Orientação junto dos mais novos e que contempla, entre os vários objectivos, a realização duma grande jornada desportiva à escala nacional. A aposta está centrada no dia 11 de maio de 2016, data em que 250.000 crianças participarão em actividades de Orientação um pouco por todo o País. Um número que, a confirmar-se, constituirá um novo máximo no Livro Guiness de Recordes.


Vista como uma das mais importantes iniciativas tendentes ao desenvolvimento da Orientação junto das escolas e dos clubes que trabalham com os mais novos, o “Skol Sprinten” está em marcha na Suécia. Partindo dum projecto-piloto liderado por Göran Andersson e com o clube de Orientação Dalaportens OL e onze escolas da cidade de Avesta como ponto de partida, o “Skol Sprinten” pretende envolver o maior número de escolas e de clubes possível e ver, desta forma, reforçado em 20 a 25% o número de atletas inscritos na Federação Sueca de Orientação dentro de três anos.

“Um dos maiores desafios que se colocam aos adultos prende-se com o encorajamento das nossas crianças para a prática desportiva, quer ao nível escolar, quer do ponto de vista recreativo”, refere Göran Andersson na sua página na Internet, em http://www.byorienteering.se/. Para este especialista e mentor do projeto, isto prende-se com “o incremento do número de crianças a praticar Orientação, numa perspetiva de 'Desporto e Saúde', quer em meio escolar, quer após os tempos letivos, em associações desportivas ou em clubes de Orientação locais”, diz.


Principais objetivos

Estruturado num espaço temporal de três anos, o projeto contempla a execução, até ao final do presente ano, de pelo menos 2000 mapas de sprint em espaços verdes e nas imediações das escolas primárias. Entretanto, numa ideia original de Göran Andersson e que contou com produção da SILVA, já se encontra disponível a publicação “Cool, Awesome and Educational!”, cuja versão inglesa pode ser encontrada em http://np.netpublicator.com/netpublication/n03791623. Este é um dos passos importantes tendentes à formação de professores e alunos, mostrando-lhes o quão excitante e divertida pode ser a Orientação. O Skol Sprinten tem igualmente em vista a organização duma competição em várias fases – da local à nacional -, no modelo de Estafeta Mista de Sprint (dois elementos masculinos e dois femininos por equipa), dirigida a crianças dos 7 aos 9 anos. A final nacional poderá vir a ter lugar em Strömstad, no decorrer dos 32º Campeonatos do Mundo de Orientação, de 20 a 27 de Agosto de 2016.

Mas o objetivo mais mediático do projeto tem a ver, sem dúvida, com a tentativa de inscrição no Livro Guiness de Recordes, mediante a participação de 250.000 crianças numa grande jornada de Orientação por toda a Suécia, a ter lugar no dia 11 de maio de 2016. Esta iniciativa pretende ultrapassar o anterior máximo estabelecido pela Associação Suiça de Orientação, quando 207.979 crianças de 1.381 escolas daquele País participaram em simultâneo em atividades de Orientação levadas a cabo no dia 23 de Maio de 2003. Este registo pode ser consultado na página oficial do Livro Guiness de Recordes, em http://www.guinnessworldrecords.com/world-records/most-participants-in-an-orienteering-event-%28multi-venue%29.


Saudações orientistas.

Joaquim Margarido