sábado, 31 de janeiro de 2015

NAOM 2015: Olav Lundanes e Nadiya Volynska vencem etapa de Sprint WRE



Espetacular! Assim se pode definir a etapa de Sprint que tomou conta da segunda parte do dia de abertura do NAOM 2015. Num dos mais belos palcos do Mundo para esta distância, a luta esteve ao rubro em ambos os sectores, com Olav Lundanes e Nadiya Volynska a alcançarem saborosos triunfos.


Depois duma intensa e desgastante etapa de floresta na manhã de hoje, a “tribo” da Orientação tomou conta da vila medieval de Marvão, no interior de cujas muralhas decorreu a etapa de Sprint WRE, pontuável para o ranking mundial desta distância. Distribuídos por doze escalões de competição e dois escalões Abertos, foram perto de cinco centenas os atletas que alinharam à partida, aceitando intensos desafios técnicos por entre um emaranhado de ruelas e escadinhas que parecia não mais ter fim.

No sector masculino, Olav Lundanes esteve de novo imparável, alcançando uma vitória por margem que deve ser considerada enganadora, já que uma desatenção do ucraniano Oleksandr Kratov levou à sua desclassificação. Não fora isso e a diferença final entre ambos, fixada nos 13 segundos, espelharia de forma mais concreta aquilo que se passou na gélida tarde de Marvão. Na segunda posição, o jovem espanhol Eduardo Gil foi uma agradável surpresa, alcançando a segunda posição a um minuto exato de Lundanes. O estoniano Sergei Rjabyshkin foi o terceiro classificado, com o tempo de 16:10, enquanto Tiago Romão, na 6ª posição com um tempo de 16:57, foi o melhor português.

Nas senhoras, Nadyia Volynska vingou o segundo lugar alcançado pela manhã, chegando à vitória com o tempo de 15:06. A francesa Léa Vercellotti foi segunda classificada, a 15 segundos de Volynska, enquanto a terceira posição coube à ucraniana Olha Panchenko, com mais 30 segundos que a vencedora. Patrícia Casalinho foi a melhor atleta portuguesa, concluindo no 5º lugar com o tempo de 17:53.


Resultados

Elite Masculina (3,0 km, 24 pontos)
1. Olav Lundanes (NOR Halden SK) 14:58
2. Eduardo Gil (ESP Frontela-O) 15:58
3. Sergei Rjabyshkin (EST Paimion Rasti) 16:10
4. Artem Panchenko (UKR IFK Mora) 16:27
5. Daniel Portal (ESP CODAN Extremadura) 16:48
6. Tiago Romão (GafanhOri) 16:57
7. Miguel Silva (CMo Funchal) 17:01
8. Valentin Novikov (Russia) 17:20
9. Alvaro Prieto (ESP Malarruta) 18:20
9. Diogo Miguel (Ori-Estarreja) 18:20

Elite Feminina (2,4 km, 18 pontos)
1. Nadiya Volynska (UKR OK Orion) 15:06
2. Léa Vercellotti (FRA Maximus) 15:21
3. Olha Panchenko (UKR IFK Mora) 15:36
4. Yulia Novikova (Russia) 16:28
5. Patricia Casalinho (COC) 17:53
6. Ekaterina Savkina (RUS ESSU) 18:17
7. Magalie Cordeiro Mendes (COC) 19:08
8. Yevheniya Chystyakova (Maximus) 20:25
9. Catarina Ruivo (COC) 20:37
10. Maiki Jaadmaa (EST OK Võru) 20:47

Resultados completos e demais informação em http://www.gd4caminhos.com/naom2015.


Saudações orientistas.

Joaquim Margarido

NAOM 2015: Etapa de abertura com vitórias de Olav Lundanes e Olha Panchenko



Confirmando em absoluto o favoritismo que lhe era atribuído, Olav Lundanes levou de vencida por confortável margem a etapa de abertura do NAOM 2015 na Elite masculina. Na Elite feminina, Nadiya Volynska viu o favoritismo contrariado pela sua compatriota Olha Panchenko. Entre os portugueses, o destaque vai para Manuel Horta e Magalie Cordeiro Mendes, os melhores nos escalões de Elite respectivos.


O Vale da Silvana recebeu, na manhã de hoje, a etapa de abertura da 9ª edição do Norte Alentejano O’ Meeting. A prova de Distância Média decorreu nas mesmas paragens onde, há precisamente sete anos, se disputou a derradeira etapa da segunda edição do NAOM, oferecendo desafios técnicos de elevada craveira em terrenos muito rápidos. Imprimindo um ritmo vivo à sua prova, o norueguês Olav Lundanes viria a concluir na primeira posição com o tempo de 33:47. Os ucranianos Aleksandr Kratov e Artem Panchenko terminaram por esta ordem nas posições imediatas, com mais 0:55 e 1:32, respetivamente, que o vencedor. Manuel Horta (GafanhOri), no quinto lugar com o tempo de 38:23, cotou-se como o melhor português.

No sector feminino, a grande surpresa foi a vitória da ucraniana Olha Panchenko ante a sua comoatriota e grande favorita, Nadiya Volynska. Panchenko venceu com um registo de 34:12, batendo Volynska por escassos 8 segundos. Na terceira posição concluiu a francesa Léa Vercellotti, a distantes 4:43 da vencedora. Magalie Cordeiro Mendes (COC) foi a melhor portuguesa, terminando na 5ª posição com o tempo de 43:21. Participaram nesta etapa perto de seis centenas e meia de atletas, em representação de 15 países.


As opiniões dos vencedores

Para Olav Lundanes, o começo deste Norte Alentejano O' Meeting não podia ser melhor: “Foi uma boa prova. Talvez com um pouco mais de vegetação do que estaria à espera, o que aumentou o nível técnico do percurso. Foi complicado mas, ao mesmo tempo, excelente e gostei muito. Nesta altura do ano e no final duma semana de treino bastante intensa aqui no Alentejo, poder ter uma competição destas é perfeito.” Quanto ao dia de amanhã, Lundanes não abre o jogo: “Veremos, mas não vai ser fácil bater o Oleksandr [Kratov].”

Também Olha Panchenko se mostrava muito satisfeita com o seu resultado nesta primeira etapa do Norte Alentejano O' Meeting, uma competição que a atleta descobriu há dois anos atrás: “Penso que toda a gente espera ganhar. Antes da prova, procurei manter-me concentrada na minha Orientação e sabia que, se fizesse uma boa prova, poderia ganhar. Foi esta a fórmual para conseguir o melhor tempo na etapa, embora não possa considerar que se tratou duma prova perfeita. Cometi alguns erros mas foi uma prova muito interessante. Devo confessar que não estava à espera dum percurso tão técnico. Tive de me manter focada o tempo todo, sem poder dar tréguas nem às minhas pernas nem ao meu cérebro.” Considerando ser este fim de semana o momento alto dum mês de treino intensivo, Panchenko parece estar preparada para inscrever o seu nome pela primeira vez na lista de vencedores do NAOM: “Vamos a ver. Há um grupo de adversárias muito bom e que também querem ganhar, como sejam a Nadiya Volynska, a Léa Vercellotti ou a Yulia Novikova. Tudo pode acontecer.”


Resultados

Elite Masculina (6,5 km, 28 pontos)
1. Olav Lundanes (NOR Halden SK) 33:47
2. Oleksandr Kratov (UKR OK Orion) 34:42
3. Artem Panchenko (UKR IFK Mora) 35:19
4. Valentin Novikov (Russia) 35:24
5. Manuel Horta (GafanhOri) 38:23
6. Eduardo Gil (ESP Frontela-O) 39:46
7. Fábio Kuczkoski (BRA ADAAN) 40:14
8. Daniel Portal (ESP CODAN Extremadura) 40:19
9. Pedro Nogueira (ADFA) 41:26
10. Sergei Rjabyshkin (EST Paimion Rasti) 41:40

Elite Feminina (5,1 km, 20 pontos)
1. Olha Panchenko (UKR IFK Mora) 34:04
2. Nadiya Volynska (UKR OK Orion) 34:12
3. Lea Vercellotti (FRA Maximus) 38:47
4. Yulia Novikova (Russia) 40:46
5. Magalie Mendes (COC) 43:21
6. Ekaterina Savkina (RUS ESSU) 43:33
7. Patricia Casalinho (COC) 43:47
8. Stepanka Betkova (ADM Ori-Mondego) 46:50
9. Andreia Silva (COC) 51:27
10. Inês Pinto (GafanhOri) 53:29

Resultados completos e demais informação em http://www.gd4caminhos.com/naom2015.


Saudações orientistas.

Joaquim Margarido

sexta-feira, 30 de janeiro de 2015

Portugal O' Meeting 2015: A antevisão de Bruno Nazário



Organizado pela primeira vez em 1996, foi em 2000 que o Portugal O' Meeting se vinculou em definitivo ao modelo de quatro dias, sempre na quadra carnavalesca. Em 2007, o evento entrou na chamada “era moderna”, registando a bonita soma de 1562 participantes, dos quais mais de mil estrangeiros. E em 2012, o POM viu a sua qualidade técnica ser reconhecida ao mais alto nível, com a atribuição do prémio internacional “Percurso do Ano”, do World of O. Denominador comum destes momentos singulares na história do mais importante evento do calendário nacional de Orientação Pedestre, o Clube de Orientação de Estarreja é chamado a organizar o Portugal O' Meeting pela quarta vez em 20 anos. Mas como será este POM 2015? É isso que procuramos desvendar hoje, chamando ao palco Bruno Nazário, o Diretor do Evento.


Gostaria de tentar perceber, com a sua ajuda, como será este POM 2015, mas há desde já um dado histórico: A barreira dos 2000 inscritos foi finalmente quebrada e não posso deixar de começar por lhe pedir um comentário a esse propósito.

B. N. - Desde sempre, o nosso objetivo, o nosso desejo, foi o de atingirmos os 2015 inscritos. Trabalhámos muito para chegar aqui e ao longo deste último ano fizemos tudo para conseguir acolher esse número de pessoas. Todavia, tendo em conta o histórico recente do Portugal O' Meeting e com a contração a nível económico a fazer-se sentir não só em Portugal mas também na restante Europa, estes números eram quase uma utopia. Portanto, conseguir ultrapassar a barreira dos 2000 inscritos, neste ano, é para nós motivo de enorme satisfação e orgulho e a prova de que o Ori-Estarreja é um clube reconhecido e no qual as pessoas conseguem ver a capacidade para montar um evento de qualidade, em quem confiam. Ao mesmo tempo deve ser um orgulho para toda a comunidade Orientista em Portugal, dado que apenas com o trabalho dos vários clubes podemos chegar ao nível em que está hoje o Portugal O' Meeting.

Mas havia algum indicativo que o levasse a acalentar esta ideia quanto a um número tão elevado?

B. N. - Quando lançámos a candidatura ao POM 2015 na região de Mira e Vagos, tínhamos a noção de que os números poderiam atingir estes valores. Sabíamos que se organizássemos o Portugal O' Meeting na zona de Viseu, por exemplo, iríamos ter terrenos com outra valia técnica, muito mais desafiantes para os atletas de Elite, mas seriam terrenos não tão atrativos para o grosso do pelotão, por assim dizer. Eu hoje perdi algum tempo a fazer a comparação entre os números do Portugal O' Meeting 2012 e os deste POM 2015 e verifica-se que, apesar dos cerca de 1800 inscritos há três anos, tinhamos praticamente metade de inscritos em todos os escalões de Veteranos. Este tipo de terrenos é muito mais atrativo para os Veteranos e é muito mais agradável correr em terrenos de dunas do que em terrenos de pedras. Penso que esta terá sido a chave para ultrapassarmos as 2000 inscrições.

Em termos organizativos, estes números colocam algum problema acrescido?

B. N. - Todos nós sabemos que uma das grandes condicionantes para qualquer organização prende-se, desde logo, com o local onde desenhamos as Arenas da prova. Nesse campo, o nosso planeamento começou precisamente por aí, ao encontro dum local que pudesse servir de Arena para albergar 2000 pessoas. A partir daí, avançámos então para os traçados dos percursos, tendo a noção de que estes terrenos são bons tecnicamente e irão deixar satisfeitas as pessoas que nos visitam.

De que forma é que já se faz sentir, neste momento, o impacto do Portugal O' Meeting nos concelhos de Mira e de Vagos?

B. N. - A divulgação do evento por parte das Câmaras Municipais envolvidas está a começar a ser feito, mas o Portugal O' Meeting já paira no ar há bastante tempo. Em termos de alojamento, a taxa de ocupação está praticamente nos 100% e já toda a gente percebeu que o grande causador desta situação é o Portugal O' Meeting 2015. Este tipo de eventos é muito importante para os dois concelhos, uma vez que há uma forte aposta no ambientalismo e no turismo de natureza. Estas são igualmente duas bandeiras do Portugal O' Meeting e penso que estamos em sintonia para organizarmos um evento de grande qualidade.

Este é um trabalho de continuidade com a Câmara de Mira, mas é uma estreia no concelho de Vagos...

B. N. - Na realidade, é a primeira vez que temos uma relação institucional com a Câmara de Vagos. Já organizámos grandes eventos nos concelhos limítrofes, nomeadamente em Mira, Cantanhede e Ílhavo e surgiu agora a oportunidade de estabelecermos uma parceria com a Câmara Municipal de Vagos. Esta foi, aliás, a nossa intenção desde o início. Mira até teria uma massa florestal que permitiria a organização dos quatro dias do evento dentro do seu território geográfico, mas quisémos ampliar esta relação a Vagos e foi uma aposta ganha. O entendimento tem sido excelente e os responsáveis pela autarquia têm demonstrado uma enorme abertura e interesse em colaborar connosco.

Que Portugal O' Meeting vai ser este que festeja este ano o seu vigésimo aniversário?

B. N. - Temos dentro do clube muitas pessoas com capacidade e, todos juntos, estou certo, conseguiremos levantar um evento duma dimensão gigantesca e com a qualidade que as pessoas esperam do Portugal O' Meeting. Este será, pois, um grande Portugal O' Meeting, um Portugal O' Meeting abrangente, que irá proporcionar cinco dias de excelente competição e que agradará, estou certo, tanto aos miúdos de dez anos como aos veteranos com 85 anos.

Há alguma estratégia montada no sentido do Portugal O' Meeting 2015 poder atrair as gentes locais, levando-as a participar?

B. N. - Esse é sempre um objetivo do Clube de Orientação de Estarreja. Já em 2012 fizemos uma parceria muito boa com o Clube de Orientação de Viseu e podemos dizer que deixámos ali uma semente para um clube que já caminha sozinho. Também aqui iremos empreender uma ação de formação dirigida a todas as associações dos concelhos de Mira e de Vagos, já este sábado. Queremos dizer às pessoas daqui que este evento não é só para os federados ou para os estrangeiros que nos visitam, mas queremos que também seja para elas. Já temos, inclusivamente, boas indicações de que pelo menos uma das associações, em Mira, irá criar uma secção de Orientação, algo que nos deixa obviamente muito felizes.

Mencionou os estrangeiros que nos visitam e alguns deles são, efetivamente, as grandes cabeças de cartaz deste POM 2015. Quer apresentar-nos os seus nomes?

B. N. - Os dois campeões do mundo de Distância Média em título, o norueguês Olav Lundanes e a sueca Annika Billstam, irão estar presentes no Portugal O' Meeting e são eles as grandes cabeças de cartaz. Teremos também outros dois atletas que ostentam, igualmente, o título de Campeão do Mundo, como são os casos do sueco Gustav Bergman, Campeão do Mundo de Estafetas, e do suiço Martin Hubmann, Campeão do Mundo de Estafeta Mista de Sprint.

Todavia, faltam na lista os dois nomes mais emblemáticos da Orientação mundial e figuras maiores das anteriores edições do Portugal O' Meeting, Thierry Gueorgiou e Simone Niggli...

B. N. - A Simone Niggli está retirada da alta competição há já algum tempo e é natural que agora comece a não estar presente todos os anos. É uma ausência que lamentamos, mas compreendemos perfeitamente. Já o Thierry Gueorgiou, era uma certeza entre nós e chegámos a divulgar isso mesmo nas redes sociais mas, infelizmente, durante um treino noturno em Espanha, mais precisamente em Guardamar, fraturou um dedo do pé e isso vai obrigá-lo a uma paragem de dois meses sem poder competir. É por esse motivo, e apenas por esse motivo, que não irá estar presente.

As próximas semanas serão de muito trabalho, seguramente, mas pergunto-lhe se há, neste momento, alguma situação que o preocupe em particular.

B. N. - Penso que as coisas estão a decorrer de acordo com o planeado. Como já disse, temos um clube fantástico, com pessoas fantásticas, que pegaram nesta organização e fizeram questão em levá-la por diante. Todos juntos formamos uma grande família, apostada em dignificar o clube e a Orientação Portuguesa. Estamos ansiosos é que chegue o dia 13 para, finalmente, podermos apresentar tudo aquilo que nos levou tanto tempo a planear.


Saudações orientistas.

Joaquim Margarido

quinta-feira, 29 de janeiro de 2015

Norte Alentejano O' Meeting 2015: 9ª edição traz a Portugal o líder do ranking mundial



Castelo de Vide e Marvão preparam-se para receber, já este fim de semana, a 9ª edição do Norte Alentejano O’ Meeting. Esperados no evento mais de sete centenas de participantes para dois dias bem orientados, de mapa e bússola na mão.


Pelo nono ano consecutivo, o Grupo Desportivo dos Quatro Caminhos deixa para trás Matosinhos, o seu espaço natural, deslocando a bandeira da Orientação para as belas e hospitaleiras paragens do Alto Alentejo. Projeto intermunicipal que deu em Niza, nos idos de 2007, o pontapé de saída, o Norte Alentejano O’ Meeting foi estendendo o seu raio de acção ano após ano, podendo ver-se a sua marca de qualidade gravada igualmente nos concelhos de Castelo de Vide, Alter do Chão, Crato, Portalegre e Marvão. Daí que a edição de 2015 possa ser entendida como uma revisitação, já que Castelo de Vide e Marvão são “reincidentes” no acolhimento ao evento.

Com duas etapas de floresta pontuáveis para a Taça de Portugal VITALIS de Orientação Pedestre 2015 e ainda uma etapa de Sprint a contar para o ranking mundial da distância da Federação Internacional de Orientação, o Norte Alentejano O’ Meeting 2015 regista até ao momento mais de sete centenas de inscritos em representação de quinze diferentes nações. Números que criam em Fernando Costa, o Diretor do Evento, expectativas elevadas: “ Queremos principalmente que os que nos visitam desfrutem dos percursos e dos mapas e que levem desta região impar a nível nacional uma imagem de qualidade onde o turismo desportivo terá uma palavra muito importante a dizer no futuro”, refere.


Olav Lundanes é cabeça de cartaz

Embora o Grupo Desportivo dos Quatro Caminhos ofereça um vasto e variado leque anual de eventos, o NAOM é uma referência pela tradição e originalidade do projeto e constitui, para o clube, a melhor forma de ampliar a divulgação da modalidade. Mas, se por um lado, organizar um evento desta natureza é tudo menos fácil, sobretudo quando a “zona de conforto” se situa a mais de 300 km de distância, há também aspectos extremamente positivos, nomeadamente “os laços de amizade muito fortes criados ao longo de nove anos com pessoas fantásticas que amam a sua região”, como faz questão de sublinhar Fernando Costa.

Outro dos aspectos positivos tem a ver com a confiança depositada neste evento e nesta organização por parte de alguns dos melhores executantes mundiais da modalidade e que já confirmaram a sua presença em Castelo de Vide e Marvão. Estão neste caso o nº 1 do ranking mundial da Federação Internacional de Orientação e grande cabeça de cartaz do evento, o norueguês Olav Lundanes, e também os ucranianos Oleksandr Kratov e Nadiya Volynska, respectivamente 5º classificado do ranking mundial masculino e 12ª classificada do ranking mundial feminino. São igualmente nomes a ter em conta, para além dos portugueses Tiago Romão, Miguel Reis e Silva, Mariana Moreira e outros, os dos ucranianos Artem Panchenko e Olha Panchenko, dos russos Valentin Novikov, Yulia Novikova e Ekaterina Savkina, dos espanhóis Daniel Portal e Eduardo Gil, da francesa Léa Vercellotti, da checa Stepanka Betkova e da brasileira Elaine Lenz.


O terreno é ditador”

Colocando o aspeto técnico e a qualidade dos terrenos em primeiro lugar - “costumamos dizer que o terreno é ditador”, afirma Fernando Costa -, o NAOM 2015 tem para oferecer uma cartografia com a qualidade desejada para um evento deste nível e terrenos interessantes para a prática da modalidade. Sublinhando que “todos os mapas serão novos e têm a assinatura de Tiago Aires e Raquel Costa”, o Diretor do Evento mostra-se seguro que os terrenos de prova “vão ser do agrado de todos e enumera algumas das suas características: “O terreno do Vale da Silvana já não era utilizado em competições oficiais desde 2008, pelo que para a maioria dos participantes vai ser uma novidade. O terreno da terceira etapa, na região da Quinta das Lavandas, é muito variado, alternando zonas rápidas com zonas mais lentas, com grande quantidade de elementos rochosos e pequenos bosques que vão de certeza ser do agrado geral.

Aproveitando para deixar um agradecimento muito especial “ao Município de Castelo de Vide por continuar a acreditar na nossa associação e apoiar o evento, ao Município de Marvão por ter abraçado este projeto da continuidade em termos uma etapa pontuável para o ranking mundial na vertente de sprint, a todos os proprietários que autorizam a utilização dos seus terrenos e viabilizam o evento e ainda aos Bombeiros Voluntários de Castelo de Vide e Bombeiros Voluntários de Marvão, forças de segurança, órgãos de comunicação social locais e regionais e a todas as entidades públicas e privadas que de várias formas vão apoiando a nossa Associação e principalmente esta organização”, Fernando Costa conclui, deixando um voto a todos os participantes no sentido de “que passem um fim de semana em perfeita comunhão com a natureza, numa região de rara beleza e que usufruam de momentos de prazer a praticar o nosso desporto de eleição”.

Saiba tudo sobre o Norte Alentejano O’ Meeting 2015 consultando a página do evento em http://www.gd4caminhos.com/naom2015.


Saudações orientistas.

Joaquim Margarido

segunda-feira, 26 de janeiro de 2015

Portugal O' Meeting 2015: A festa está a chegar



Está aí o Portugal O' Meeting 2015. De 12 a 17 de Fevereiro, os concelhos de Mira e Vagos, no Litoral Sul do Distrito de Aveiro, acolhem aquele que é o maior evento do calendário nacional de Orientação Pedestre. Entre os cerca de dois milhares de participantes esperados, o grande destaque vai para o par Campeão do Mundo de Distância Média em título, Olav Lundanes e Annika Billstam.


Cinco anos volvidos sobre a magnífica jornada da Figueira da Foz, o Portugal O' Meeting regressa aos terrenos de dunas da Costa de Prata, para a realização da sua 20ª edição. A responsabilidade organizativa cabe, pela quarta vez no historial do evento, ao Clube de Orientação de Estarreja, numa parceria com a Federação Portuguesa de Orientação e Federação Internacional de Orientação, Câmara Municipal de Mira e Câmara Municipal de Vagos. Integrando um evento modelo, uma prova de Orientação de Precisão e seis competições de Orientação Pedestre – uma das quais a Estafeta Mista de Sprint, uma novidade no nosso País -, o evento distribui-se ao longo de seis dias, tendo sido cartografados para o efeito 26 km2 de mapas novos e desenhados cerca de 600 pontos no terreno.

Organizado pela primeira vez em 1996, foi em 2000 que o Portugal O' Meeting se vinculou em definitivo ao modelo de quatro dias, numa iniciativa do Ori-Estarreja e que teve lugar precisamente em Mira. Em 2007, de novo pelas mãos do Ori-Estarreja, o Portugal O' Meeting entrava na chamada “era moderna”, com a grande investida promocional a ter como resultado a presença em S. Pedro do Sul de 1562 participantes, dos quais mais de mil estrangeiros. Em 2012, ainda e sempre pelas mãos do Ori-Estarreja, o POM via a sua qualidade técnica ser reconhecida ao mais alto nível, com a atribuição do prémio internacional “Percurso do Ano” do World of O, graças ao traçado de Bruno Nazário da prova WRE no mapa do Senhor dos Caminhos, em Sátão. E em 2015, como será?


Mira e Vagos, dois anfitriões à altura do evento

No dia em que dobrou a barreira dos 1500 inscritos, o Portugal O' Meeting 2015 contou com a Cerimónia de Apresentação Pública aberta à Comunicação Social. A Conferência de Imprensa teve lugar na passada sexta feira ao final da tarde, no Salão Nobre da Câmara Municipal de Mira e contou com a presença dos Presidentes de Câmara de Mira e de Vagos, respetivamente Raúl Almeida e Silvério Regalado, bem como de Diogo Miguel, Presidente do Clube de Orientação de Estarreja e Bruno Nazário, Diretor do Evento.

Da apresentação do POM 2015, destaque para essa nota deixada por Bruno Nazário e que contempla quatro objetivos bem definidos para a edição deste ano: “Trazer aos municípios centenas de visitantes, atrair para o evento participantes da região, organizar um evento de nível Mundial e, [por último mas não menos importante], ser o POM com mais participantes de sempre”. O Diretor do Evento realçou igualmente “a excelente recetividade dos municípios de Mira e Vagos em acolher o POM 2015”, aspeto bem patente nas palavras dos dois Presidentes que foram unânimes em apontar o evento como “fator de desenvolvimento do turismo desportivo e do turismo do ambiente”, proporcionando “uma maior divulgação dos Concelhos e da região”. A ideia, segundo ambos, é a de continuar a atrair eventos com este impacto, de forma conjunta, já que “a relação entre os dois municípios é excelente e está a dar frutos”, disseram.


As estrelas do POM 2015

Com 1782 participantes de 26 países oficialmente registados a poucas horas do fecho do primeiro prazo de inscrições, momento de olhar para os nomes maiores desta vasta lista. Número 1 do ranking mundial, o noruguês Olav Lundanes é a grande figura do POM 2015. Campeão do Mundo de Distância Média em título, o norueguês conta ainda com outros dois títulos mundiais e dois títulos europeus de Elite no seu currículo, bem como sete vitórias em etapas pontuáveis para a Taça do Mundo, quatro títulos mundiais júniores e duas vitórias na “clássica” Estafeta Jukola. No setor feminino, a sueca Annika Billstam é a grande figura, ela que ostenta o título de Campeã do Mundo de Distância Média e ocupa a 5ª posição do ranking mundial (foi ainda campeã do Mundo de Distância Longa em 2011 e venceu três etapas pontuáveis para a Taça do Mundo). Gustav Bergman (Suécia), Baptiste Rollier e Martin Hubmann (Suiça), Magne Daehli (Noruega) e Edgars Bertuks (Letónia) são outros nomes a ter em conta ao nível da Elite masculina, numa lista que engloba 8 atletas que integram o top 25 do ranking da Federação Internacional de Orientação, quatro dos quais no top 10 (Lundanes #1, Bergman #7, Rollier #8, Daehli #9). Entre as senhoras, uma palavra também para a norueguesa Mari Fasting, 6ª classificada do Ranking mundial, para as finlandesas Sofia Haajanen e Minna Kauppi, respetivamente 12ª e 14ª do ranking, para a sueca Maria Magnusson, 20ª da tabela e para a francesa Amélie Chataing, que ocupa atualmente a 24ª posição do ranking mundial da IOF.

Finalmente, um olhar sobre o programa deste POM 2015 que tem na etapa de Distância Longa do terceiro dia, pontuável para o ranking mundial da modalidade, o seu momento alto. O programa competitivo fica completo com duas outras etapas de Distância Longa, no primeiro e último dia do evento, e uma etapa de Distância Média no 2º dia. As quatro etapas são pontuáveis para a Taça de Portugal de Orientação Pedestre 2015. Pontuável para a Taça de Portugal de Orientação de Precisão Invacare 2015, o Invacare PreO POM ocupará a tarde do 2º dia, contabilizando até ao momento 90 atletas inscritos de 13 países. Uma Estafeta Mista de Sprint, no dia 13 de Fevereiro e um Sprint Noturno na Praia de Mira, no dia seguinte, completam o programa. As últimas palavras são de Bruno Nazário e dirigidas aos indecisos: “O Portugal O' Meeting é aquela prova pela qual toda a gente anseia. Temos para oferecer a mais vasta área de mapas novos algumas vez feitos para uma edição do POM e percursos desafiantes traçados a pensar na satisfação de todos aqueles que vierem até Mira e Vagos. Fica o convite para que se desloquem até cá, entre os dias 12 e 17, e venham participar na maior festa da Orientação em Portugal”.

[Foto gentilmente cedida por Bruno Nazário]


Saudações orientistas.

Joaquim Margarido
  

domingo, 25 de janeiro de 2015

ESOC 2015: Noruega e Suécia fecham Campeonatos com chave de ouro



Ao venceram as Estafetas respetivas, Noruega e a Suécia foram as grandes figuras do úiltimo dia dos Campeonatos da Europa de Orientação em Esqui 2015. Em simultâneo, disputaram-se ao longo da semana os Campeonatos do Mundo de Veteranos de Orientação em Esqui WMSOC 2015, nos quais a Finlândia demonstrou um domínio avassalador.


Chegou ao fim em Lenzerheide, na região dos Grisões suiços, a 8ª edição dos Campeonatos da Europa de Orientação em Esqui ESOC 2015. Juntando 105 atletas em representação de 17 países, o evento viu hoje cumprida a derradeira prova do programa competitivo, com a disputa da tão apetecida prova de Estafetas. Um final apoteótico, coroado com as vitórias da Noruega e da Suécia, nos setores masculino e feminino, respetivamente.

Na competição masculina, Finlândia, Suécia e Noruega foram as primeiras equipas a concluir o percurso inicial, com o finlandês Tuomas Kotro a passar o testemunho na primeira posição, com 12 segundos de vantagem sobre o sueco Andreas Holmberg. O segundo percurso foi de descalabro total para a primeira equipa da Suécia que viu o tri-campeão mundial Peter Arnesson perder mais de dois minutos face aos homens da frente. Lars Moholdt esteve irrepreensível, garantindo para a Noruega uma vantagem de 34 segundos sobre a turma finlandesa e 37 segundos sobre a Rússia. Como se esperava, o russo Andrey Lamov mostrou-se uma vez mais a grande nível no derradeiro percurso, mas o tempo recuperado revelou-se insuficiente face a uma sábia gestão da vantagem por parte de Hans Jørgen Kvale, o que permitiu à Noruega saborear o seu primeiro e único ouro nestes Campeonatos da Europa. Vitória dos noruegueses com o tempo total de 1:41:00, contra 1:41:18 e 1:41:25 da Rússia e Suécia, respetivamente segundos e terceiros classificados.

No setor feminino, o primeiro percurso foi extremamente disputado, com finlandesas, suecas e russas a passarem o testemunho com escassos 10 segundos de diferença entre si. Este alinhamento não viria a alterar-se no segundo percurso, no final do qual a finlandesa Mira Kaskinen seria a primeira a entregar o testemunho com uma vantagem de 31 segundos sobre a sueca Tove Alexandersson e de 48 segundos sobre a russa Mariya Kechkina. Com as suas melhores peças sobre o tabuleiro no derradeiro percurso, Suécia e Finlândia travaram entre si renhida luta. Com um começo demolidor, a sueca Josefine Engström rapidamente anulou a desvantagem para Mervi Pesu, mostrando-se determinada a chegar ao ouro pela segunda vez nos Campeonatos, depois da vitória, ao lado de Erik Rost, na Estafeta Mista de Sprint. A sueca ainda chegou a conquistar alguma vantagem mas uma sequência de pequenos erros no último loop juntou de novo as duas atletas. Divergindo na opção tomada por Josefine Engström a caminho do ponto 15, Mervi Pesu passou para a frente das operações a três pontos do final, embora nunca deixando de sentir nas suas costas a respiração da sueca. O título acabaria por ser discutido ao Sprint, com Josefine Engström a ser mais forte nos derradeiros metros e a concluir com o tempo de 1:43:16 contra 1:43:17 de Mervi Pesu. Polina Frolova quedou-se a 2:17 da vencedora, oferecendo à Russia a medalha de bronze.

Simultaneamente ao ESOC 2015, teve lugar a 18ª edição dos Campeonatos do Mundo de Veteranos de Orientação em Esqui WMSOC 2015, os quais contaram com a participação de 115 atletas masculinos e 37 femininos, em representação de 13 países e distribuídos por um total de 19 escalões. A Finlândia foi a grande dominadora da competição, arrecadando 23 medalhas de ouro, no total de 38 títulos individuais atribuídos. Seguiram-se a Alemanha com 5 medalhas de ouro, a Rússia com 4, Letónia e Suiça com 2 e Noruega e Estados Unidos com uma medalha de ouro cada.


Resultados

Masculinos
1. Noruega (Oyvond Watterdal, Lars Moholdt, Hans Jørgen Kvale) 1:41:00
2. Russia (Vladimir Barchukov, Eduard Khrennikov, Andrey Lamov) 1:41:18 (+ 00:18)
3. Suécia (Markus Lundholm, Martin Hammerberg, Ulrik Nordberg) 1:41:25 (+ 00:25)
4. Finlândia (Ville Petteri Saarela, Janne Hakkinen, Staffan Tunis) 1:41:50 (+ 00:50)
5. Suiça (Andrin Kappenberger, Gion Schnyder, Christian Spoerry) 1:43:26 (+ 02:26)
6. Letónia (Raivo Kivlenieks, Andris Kivleniekis, Nauris Raize) 1:50:06 (+ 09:06)

Femininos
1. Suécia (Magdalena Olsson, Tove Alexandersson, Josefine Engström) 1:43:16
2. Finlândia (Milka Reponen, Mira Kaskinen, Mervi Pesu) 1:43:17 (+ 00:01)
3. Rússia (Natalia Kozlova, Mariya Kechkina, Polina Frolova) 1:45:33 (+ 02:17)
4. Noruega (Marta Ulvensoen, Anna Ulvensoen, Audhild Bakken Rognstad) 1:48:17 (+ 05:01)
5. Estónia (Evely Kaasiku, Daisy Kudre, Doris Kudre) 1:53:55 (+ 10:39)
6. República Checa (Simona Karochova, Johanka Simkova, Hana Hancikova) 1:55:32 (+ 12:16)

Resultados completos e demais informações em http://www.skiolem15.ch/

[Foto: Martin Jörg / skiolem15.ch]


Saudações orientistas.

Joaquim Margarido

sábado, 24 de janeiro de 2015

ESOC 2015: Títulos europeus de Distância Média para Andrey Lamov e Mervi Pesu



A uma jornada do fim, o programa competitivo do Campeonato da Europa de Orientação em Esqui ESOC 2015 viu hoje atribuídos os derradeiros títulos individuais. Andrey Lamov e Mervi Pesu foram as grandes figuras do dia, alcançando o ouro na Distância Média.


O Campeonato da Europa de Orientação em Esqui ESOC 2015 caminha rapidamente para o final. No derradeiro dia do programa competitivo individual, tiveram lugar em Lenzerheide, na Suiça, as finais de Distância Média, as quais contaram com a participação de 52 atletas masculinos e 35 femininos.

Fazendo jus ao facto de liderar o ranking mundial, Andrey Lamov viu, finalmente, chegado o seu dia. Depois das duas medalhas de bronze conquistadas nas finais de Sprint e de Distância Longa, o russo esteve hoje imparável, batendo a concorrência por margem que não deixa lugar a dúvidas. A primeira metade da prova teve no sueco Andreas Holmberg o grande dominador, mas quando Lamov assumiu o comando, o caminho do ouro estava traçado. No final, vitória com o tempo de 37:24, contra 38:34 de Holmberg, segundo classificado. Holmberg que perdeu 21 segundos para Lamov na mais longa pernada do percurso, a caminho do ponto 16, passando a preocupar-se, desde então, com a defesa da medalha de prata, ante a aproximação de Stanimir Belomazhev. O final fortíssimo do búlgaro, porém, não foi suficiente para ultrapassar o sueco, tendo de se contentar com a medalha de bronze, depois da prata na Estafeta Mista de Sprint e do ouro na distância de Sprint. O finlandês Staffan Tunis ficou uma vez mais “à porta” das medalhas, concluindo na 4ª posição, o mesmo resultado alcançado nas duas anteriores finais individuais.

Competindo pela primeira e única vez numa prova individual nesta edição dos Campeonatos da Europa de Orientação em Esqui, Tove Alexandersson defendia aqui o título europeu alcançado em Tyumen, em Março do ano passado. Mas a sueca, que é igualmente a atual líder do ranking mundial, não estava certamente à espera duma adversária fortíssima como o foi a finlandesa Mervi Pesu. Medalha de prata na final de Sprint que abriu o ESOC 2015, Mervi Pesu tomou conta das operações desde o início, destacando-se definitivamente das suas mais diretas opositoras a partir do ponto 13. Desde esse momento, a finlandesa não mais cessou de ampliar a vantagem a qual, no final, se cifraria em confortáveis 54 segundos sobre a segunda classificada, Tove Alexandersson. Repetindo o resultado da final de Distância Longa, a sueca Josefine Engström terminou na terceira posição, com mais 1:32 que a vencedora.


Resultados

Masculinos (9,6 km, 30 pontos)
1. Andrey Lamov (Russia) 37:24
2. Andreas Holmberg (Suécia) 38:34 (+ 1:10)
3. Stanimir Belomazhev (Bulgária) 38:38 (+ 1:14)
4. Staffan Tunis (Finlândia) 38:43 (+ 1:19)
5. Oyvind Watterdal (Noruega) 39:09 (+ 1:45)
6. Peter Arnesson (Suécia) 39:33 (+ 2:09)

Femininos (8,4 km, 27 pontos)
1. Mervi Pesu (Finlândia) 39:41
2. Tove Alexandersson (Suécia) 40:35 (+ 0:54)
3. Josefine Engström (Suécia) 41:13 (+ 1:32)
4. Mira Kaskinen (Finlândia) 41:28 (+ 1:47)
5. Iuliia Tarasenko (Rússia) 41:44 8+ 2:03)
6. Tatyana Oborina (Russia) 41:53 (+ 2:12)

Resultados completos e demais informações em http://www.skiolem15.ch/.

[Foto: Martin Jörg / skiolem15.ch]


Saudações orientistas.

Joaquim Margarido
  

sexta-feira, 23 de janeiro de 2015

Orientação de Precisão: Futuro discutido em Frankfurt




Teve lugar no passado fim de semana a reunião conjunta do Conselho e das Comissões da Federação Internacional de Orientação. Presente na reunião, um dos membros da Comissão de Orientação de Precisão da IOF, o Norueguês Ole-Johan Waaler, partilhou no seu blogue – http://pre-ole.blogspot.com – algumas das conclusões retiradas da reunião. O Orientovar faz um resumo do artigo, destacando os seus pontos mais importantes.


Decorreu em Frankfurt, nos passados dias 16 e 17 de janeiro, a reunião conjunta do Conselho da IOF e das Comissões de cada uma das disciplinas da Federação Internacional de Orientação. A maior fatia deste período de tempo foi dedicada às reuniões das Comissões em separado, sendo a manhã de sábado dedicada à apresentação de algumas linhas gerais definidas pelo próprio Conselho da IOF para os próximos tempos. Uma boa parte destas novidades está publicada na página da Federação Internacional de Orientação – www.orienteering.org – e aguarda formalização no tocante à sua aprovação.

As conclusões da reunião da Comissão de Orientação de Precisão englobam um elevado número de pontos os quais, na sua maioria, representam propostas que aguardam, igualmente, aprovação do Secretariado ou do Conselho da IOF antes de serem tornadas oficiais. Estão neste caso as propostas de nomeação dos Supervisores para as próximas grandes competições, onde e quando serão levados a efeito os novos Cursos, e outras. Taça da Europa de Orientação de Precisão, ranking mundial, Campeonatos da Europa, Linhas Orientadoras para organizadores e Estafeta foram igualmente assuntos debatidos e que constituem novidades.


Ranking de TrailO “na calha”

A Taça da Europa (não oficial) prosseguirá no próximo ano, devendo as candidaturas ser apresentadas até ao próximo mês de Julho. A Comissão considera desejável que mais provas de TempO possam fazer parte do calendário da Taça da Europa. Entretanto, a lista de prioridades do Conselho da IOF aponta para a necessidade de ser alargada a todas as disciplinas a Taça do Mundo, embora não tenha ficado claro quando é que a decisão virá a ser tomada e produzirá efeitos. Também o estabelecimento dum Ranking Mundial de Orientação de Precisão e a definição dos eventos pontuáveis para o ranking parecem ser uma prioridade. Afinal, a Orientação de Precisão é a única disciplina que não possui tal Ranking. Aguarda-se uma reunião entre a Comissão de Orientação de Precisão e a Comissão de Regulamentos da IOF para clarificar os aspectos que podem estar envolvidos na criação do Ranking.

Entretanto, a Comissão de Orientação de Precisão reuniu com os responsáveis máximos do EWG – Grupo de Trabalho Europeu, denunciando a existência de candidaturas à organização de Campeonatos da Europa num futuro próximo que incidem apenas na Orientação Pedestre, deixando de parte a Orientação de Precisão. Por considerar desejável que os Campeonatos da Europa possam ser levados a efeito, conjuntamente, nas disciplinas de Orientação Pedestre e de Orientação de Precisão, a Comissão de Orientação de Precisão da IOF pediu ao Grupo de Trabalho Europeu que articulasse com os responsáveis das candidaturas no sentido de podermos continuar a ver Campeonatos da Europa conjuntos. Também as Linhas Orientadoras para organizadores foram integralmente revistas e sofreram uma série de ajustes. Muitas das alterações tiveram por base os relatórios dos organizadores e supervisores dos recentes Campeonatos da Europa e Campeonatos do Mundo.


Estafeta substitui Competição por Equipas já em 2016

A partir de 2016, o modelo competitivo do Campeonato do Mundo de Orientação de Precisão deixará de contar com a Competição por Equipas, sendo a mesma substituída pelo novo formato de Estafetas. Esta decisão carece de aprovação pelo Conselho da IOF, a qual deverá ser firmada no próximo Outono. O novo formato tem como ponto de partida uma proposta da Comissão de Atletas, com ligeiros acertos por parte da Comissão de Orientação de Precisão da Federação Internacional de Orientação, e será alvo duma actividade de demonstração no derradeiro dia do Campeonato do Mundo de Orientação de Precisão WTOC 2015, a disputar na Croácia.

Resumidamente, a Estafeta será disputada em duas Classes, Aberta e Paralímpica, por equipas de três atletas. O formato baseia-se na realização dum percurso formal com um total de 30 pontos (10 pontos por cada percurso) e um tempo limite no conjunto dos três percursos de 90 minutos. Complementarmente, existirá uma estação de TempO, com 5 pontos (eventualmente duas estações), a qual deverá ser cumprida pelos três elementos da equipa. A penalização por cada resposta incorrecta será de 60 segundos no percurso de PreO e de 30 segundos na estação de TempO.

A partida será dada em massa e os dois primeiros atletas efetuarão a estação de TempO após a passagem do testemunho. Os elementos que disputam a última manga, após finalizarem o percurso de PreO, aguardam numa zona de quarentena pelo cálculo e anúncio dos resultados. Só depois disso efectuarão a estação de TempO, pela ordem inversa da sua classificação, ou seja, o melhor classificado antes deste decisivo momento será o último a efectuar a prova.

Artigo extraído do original em http://pre-ole.blogspot.pt/2015/01/iof-mtet-i-frankfurt.html, da autoria de Ole-Johan Waaler.


Saudações orientistas.

Joaquim Margarido

quinta-feira, 22 de janeiro de 2015

ESOC 2015: Suécia de ouro na Estafeta Mista de Sprint



Quebrando uma sequência de três medalhas de ouro para a Rússia, Erik Rost e Josefine Engström ofereceram à Suécia o título europeu de Estafeta Mista de Sprint, ao venceram a prova que preencheu o programa do terceiro dia dos Campeonatos da Europa de Orientação em Esqui.


Teve lugar na manhã de hoje, em Lenzerheide, a terceira prova do programa competitivo dos Campeonatos da Europa de Orientação em Esqui ESOC 2015. Conjuntos mistos e a espectacularidade das provas combinadas foram ingredientes para uma Estafeta Mista de Sprint emocionante e que contou com a participação de 26 equipas de dois elementos (pelo menos um dos quais do género feminino), em representação de doze países. Disputada de forma oficial pela primeira vez em Sumy, na Ucrânia, em 2012, a Estafeta Mista de Sprint tinha visto a Rússia quedar-se com a medalha de ouro nas três anteriores edições. Hoje, porém, tudo haveria de ser diferente, com os russos a não conseguirem recuperar dum mau início e a terem de se contentar com a quarta posição, alcançada por Andrey Lamov e Iuliia Tarasenko, um dos pares apontados à partida como grande favorito à conquista do ouro.

Vice-campeã da Europa em 2014, a equipa nº 1 da Bulgária foi a mais rápida no primeiro percurso, com Antoniya Grigorova-Burgova a entregar o testemunho a Stanimir Belomazhev com uma vantagem de seis segundos sobre a checa Hana Hancikova e numa altura em que as 14 primeiras equipas rolavam num intervalo de tempo de escassos 60 segundos. Anulando a diferença de 32 segundos que a separava de Belomazhev, a segunda equipa da Noruega dava a nota de sensação no final do segundo percurso, com Jorgen Madslien a lançar Anna Ulvensoen para o comando das operações com 11 segundos de vantagem sobre Grigorova-Burgova. O par norueguês mostrava-se em dia sim e a vantagem não cessou de crescer nos dois percursos seguintes, cifrando-se em 47 segundos à entrada para o penúltimo percurso.


Final épico

Era chegado o quinto percurso e, com ele, o momento das grandes decisões. Separadas entre si por escassos 30 segundos, as primeiras equipas da Suécia, Bulgária e Rússia aguardavam um deslize dos noruegueses para tomar de assalto a liderança. Anna Ulvensoen dava mostras de acusar o desgaste e a pressão, acabando por perder mais de um minuto para a sua mais direta perseguidora, a sueca Josefine Engström, caindo para o terceiro posto. A segunda posição era agora pertença da equipa nº 2 da Suécia, após uma prestação sensacional de Tove Alexandersson, a fazer hoje a sua estreia nos Campeonatos. Noruega e Bulgária lutavam rijamente pela medalha de prata, enquanto o russo Andrey Lamov se confrontava com a necessitava de recuperar 28 segundos para ter ainda hipóteses de chegar ao bronze.

O último percurso foi épico. Grande figura desta final, Jorgen Madslien viria a ficar bem cedo fora de combate graças a um “mp” logo no primeiro ponto de controlo. Erik Rost soube gerir a vantagem de 19 segundos sobre Andreas Holmberg, conquistando para a Suécia um título que fica para a história e garantindo, ao mesmo tempo, a sua segunda medalha de ouro em dois dias consecutivos. Visto a segunda equipa da Suécia não contar para a classificação final, Belomazhev e Kvale lutaram pela medalha de prata até ao limite das suas forças, com o búlgaro a revelar-se mais forte nos derradeiros metros e a levar a melhor sobre o seu adversário. Com uma performance incrível, Lamov foi o mais rápido neste último percurso, mas o tempo recuperado acabaria por se revelar insuficiente para chegar às medalhas, não permitindo à Rússia melhor do que a quarta posição.


Resultados

1. Suécia (Erik Rost / Josefine Engström) 45:35
2. Bulgária (Stanimir Belomazhev / Antoniya Grigorova-Burgova) 46:09 (+ 0:34)
3. Noruega (Hans Jorgen Kvale / Audhild Bakken Rognstad) 46:11 (+ 0:36)
4. Russia (Andrey Lamov / Iuliia Tarasenko) 46:18 (+ 0:43)
5. Finlândia (Staffan Tunis / Mervi Pesu) 46:19 (+ 0:44)
6. Suiça (Gion Schnyder / Carmen Strub) 47:00 (+ 1:25)

Resultados completos e demais informações em http://www.skiolem15.ch/index.php/en/

[Foto: Martin Jörg / skiolem15.ch]


Saudações orientistas.

Joaquim Margarido

quarta-feira, 21 de janeiro de 2015

ESOC 2015: Erik Rost e Tatyana Oborina conquistam títulos de Distância Longa



Erik Rost e Tatyana Oborina foram as grandes figuras do segundo dia do Campeonato da Europa de Orientação em Esqui ESOC 2015. Triunfos por margens apertadas em ambos os casos, em provas de Distância Longa rijamente disputadas.


Após as finais de Sprint que marcaram o arranque dos Campeonatos da Europa de Orientação em Esqui ESOC 2015, o programa competitivo viu hoje cumprida a etapa-rainha dos Campeonatos, com a disputa da prova de Distância Longa. Apesar de encurtada devido às condições da neve, a qualidade dos executantes e percursos exigentes e desafiantes deram o mote a um conjunto de momentos de elevado recorte técnico e muita emoção, fazendo do equilíbrio a nota dominante e levando a que a incerteza no tocante aos vencedores se prolongasse até aos derradeiros instantes.

Mostrando a sua apetência pela belíssima região dos Grisões, o sueco Erik Rost conquistou pela segunda vez na sua carreira o título europeu nesta distância, sete anos depois de aqui ter chegado ao ouro na segunda edição dos Europeus, disputados em 2008, em S-chanf. Dois Campeonatos da Europa em solo suíço e dois títulos de Distância Longa, com sete anos de intervalo entre si, tal é o feito de Rost, actual nº 3 do ranking mundial. Mas nem tudo foram rosas para o sueco, numa prova onde teve uma boa entrada e que dominou por completo durante a primeira metade. Todavia, um erro a caminho do 21º ponto de controlo fê-lo perder mais de 30 segundos, disso tirando partido o russo Andrey Lamov, vice-campeão da Europa de Distância Longa em título. A verdade é que também Lamov viria a cometer um erro da mesma dimensão com sete pontos por controlar até ao final, voltando Erik Rost ao comando das operações, donde acabaria por não mais sair. No final, vitória com o tempo de 1:02:42 para 17,3 km de prova, contra 1:03:00 do suíço Christian Spoerry, naquela que é a primeira medalha da Orientação em Esqui da Suiça em eventos internacionais da dimensão dum Campeonato da Europa ou dum campeonato do Mundo. Andrey Lamov foi terceiro, a 14 segundos de Rosta, enquanto o Campeão Europeu de Distância Longa em 2014 e grande vencedor da etapa de Sprint no dia de ontem, o búlgaro Stanimir Belomazhev, concluiu no sexto lugar, com mais 1:30 que o vencedor.

No sector feminino, a bandeira russa flutuou pelo segundo dia consecutivo no mastro mais alto do pódio, graças à vitória de Tatyana Oborina. Com 22 anos apenas, a jovem russa teve que lidar com a oposição cerrada dum numeroso e combativo conjunto de adversárias, como o demonstra o facto de as seis primeiras classificadas terem ficado separadas por escassos 25 segundos. Medalha de ouro na prova de Sprint disputada ontem, a russa Iuliia Tarasenko ainda comandou a prova no início, mas foi outra russa, Polina Frolova, a pegar na prova e a seguir na frente até à entrada para o derradeiro terço. Entre ganhos e perdas, foi só no 25º dos 29 pontos que compunham o percurso que Tatyana Oborina chegou à liderança de forma definitiva, alcançando assim a primeira medalha de ouro da sua carreira em grandes competições internacionais no escalão Elite. Oborina gastou 1:03:00 para completar o seu percurso de 14,9 km, cabendo o segundo lugar à checa Hana Hancikova, com 1:03:13, enquanto a sueca Josefine Engstrom se quedou na terceira posição, com o tempo de 1:03:14. As três posições imediatas foram ocupadas por atletas russas.


Resultados

Masculinos (17,3 km, 35 pontos)
1. Erik Rost (Suécia) 1:02:42
2. Christian Spoerry (Suiça) 1:03:00 (+ 00:18)
3. Andrey Lamov (Rússia) 1:03:01 (+ 00:19)
4. Staffan Tunis (Finlândia) 1:03:04 (+ 00:22)
5. Eduard Khrennikov (Rússia) 1:03:09 (+ 00:27)
6. Stanimir Belomazhev (Bulgária) 1:04:12 (+ 01:30)

Femininos (14,9 km, 29 pontos)
1. Tatyana Oborina (Russia) 1:03:00
2. Hana Hancikova (República Checa) 1:03:13 (+ 00:13)
3. Josefine Engstrom (Suécia) 1:03:14 (+ 00:14)
4. Polina Frolova (Rússia) 1:03:20 (+ 00:20)
5. Iuliia Tarasenko (Rússia) 1:03:24 (+ 00:24)
6. Kseniya Tretyakova (Russia) 1:03:25 (+ 00:25)

Tudo para conferir em http://www.skiolem15.ch/.

[Foto: Øystein Kvaal Østerbø / plus.google.com]


Saudações orientistas.

Joaquim Margarido

terça-feira, 20 de janeiro de 2015

ESOC 2015: Ouro no Sprint para Stanimir Belomazhev e Iuliia Tarasenko



Stanimir Belomazhev e Iuliia Tarasenko conquistaram hoje, em Lenzerheide (Suiça), os títulos europeus de Orientação em Esqui na distância Sprint. Vitórias confortáveis, em ambos os casos, numa prova onde a grande ausente deu pelo nome de Tove Alexandersson, a campeã do Mundo em título nesta distância e actual líder do ranking mundial.


Sete anos volvidos, a lindíssima região dos Grisões, no leste da Suiça, volta a acolher uma edição do Campeonato da Europa de Orientação em Esqui. Centro do Evento, a cidade de Lenzerheide é o ponto de partida para uma semana de Orientação ao mais alto nível, agrupando um total de 105 atletas em representação de 17 países.

Já hoje teve lugar a prova de Sprint, na qual o búlgaro Stanimir Belomazhev e a russa Iuliia Tarasenko “vingaram” o 4º lugar alcançado em Tyumen (Rússia), em Março do ano passado, garantindo vitórias com relativa tranquilidade. No sector masculino, o russo Andrey Lamov foi quem melhor entrou no mapa, conservando a liderança até ao 15º dos 18 pontos que compunham o percurso e dando mostras de querer revalidar o seu título euopeu de Sprint. A verdade é que Lamov nunca deixou de contar com a forte oposição de Stanimir Belomazhev e do norueguês Øyvind Watterdal, acabando por ser vítima dum erro que se viria a revelar fatal já praticamente com a meta à vista. No final, triunfo de Belomazhev com o tempo de 12:15, contra 12:27 de Watterdal e 12:29 de Lamov.

Nas senhoras, a sueca Frida Sandberg liderou na primeira metade da prova, cedendo o comando à russa Iuliia Tarasenko a caminho do ponto 10. Para o ponto 12, Sandberg cometeu um novo erro que a fez perder mais de 30 segundos, abrindo o caminho à russa para uma vitória confortável em 13:10, contra os 13:32 da finlandesa Mervi Pesu, segunda classificada. Fazendo uma prova de trás para a frente, a sueca Magdalena Olsson concluiu na terceira posição, a 31 segundos de Tarasenko. Campeã da Europa de Sprint em 2014, a checa Hana Hancikova não foi além do 8º lugar, com o tempo de 13:51.


Resultados

Masculinos (3,4 km, 18 pontos)
1. Stanimir Belomazhev (Bulgária) 12:15
2. Øyvind Watterdal (Noruega) 12:27 (+ 00:12)
3. Andrey Lamov (Russia) 12:29 (+ 00:14)
4. Andreas Holmberg (Suécia) 12:36 (+ 00:21)
4. Staffan Tunis (Finlândia) 12:36 (+ 00:21)
6. Peter Arnesson (Suécia) 12:43 (+ 00:28)

Femininos (3,1 km, 14 pontos)
1. Iuliia Tarasenko (Russia) 13:10
2. Mervi Pesu (Finlândia) 13:32 (+ 00:22)
3. Magdalena Olsson (Suécia) 13:41 (+ 00:31)
4. Mira Kaskinen (Finlândia) 13:44 (+ 00:34)
5. Audhild Bakken Rognstad (Noruega) 13:45 (+ 00:35)
6. Mariya Kechkina (Russia) 13:47 (+ 00:37)

O Campeonato da Europa de Orientação em Esqui prossegue amanhã com a disputa dos títulos de Distância Longa. Tudo para acompanhar em http://www.skiolem15.ch/.

[Foto: Martin Jörg / skiolem15.ch]


Saudações orientistas.

Joaquim Margarido