quarta-feira, 5 de agosto de 2015

WOC 2015: Suiça e Dinamarca conquistam o ouro na Estafeta



Fazendo jus ao favoritismo que lhes era atribuído, Suiça e Dinamarca, respectivamente em masculinos e femininos, levaram de vencida os títulos mundiais de Estafeta. A presença portuguesa saldou-se por um 26º lugar em masculinos e um 25º em femininos.


Depois de ter acolhido, no dia de ontem, as finais de Distância Média, a cidade escocesa de Darnaway voltou a ser palco de mais um grande momento dos Campeonatos do Mundo de Orientação WOC 2015 com a disputa das finais de Estafeta. Com 36 equipas em prova no setor masculino, a vitória da Suiça começou a construir-se logo no primeiro percurso, tendo Fabian Hertner garantido o melhor parcial. Mais importante do que isso, a fraca prestação de Jonas Leandersson colocava desde logo a Suécia fora de combate, enquanto adversários de peso, como a França, a República Checa, a Finlândia, a Noruega e, sobretudo, a equipa da casa, a Grã-Bretanha, terminavam a distâncias superiores a um minuto e davam alguma tranquilidade aos suiços à partida para o segundo percurso. Um dia após ter-se sagrado campeão do mundo de Distância Média, Daniel Hubmann mostrou-se uma vez mais à altura das responsabilidades, terminando o seu percurso tal como tinha começado, ou seja, na frente. A Suiça, com Matthias Kyburz em prova, ia agora para o decisivo percurso com uma vantagem de 1:34 sobre a Grã-Bretanha , 1:55 sobre a França e 2:25 sobre a Noruega. Numa prova onde a componente física se revelava mais importante do que a parte técnica, todos sabiam que um erro, por pequenino que fosse, pagar-se-ía muito caro. Ralph Street? Frederic Tranchand? Magne Daehli? Quem deles seria capaz de roubar o título à Suiça? 

A verdade é que a margem de erro se revelava demasiado curta e, enquanto Kyburz se ia distanciaando dos seus adversários, os intervalos de tempo relativos entre o britânico, o francês e o norueguês se reduziam de forma significativa, de tal maneira que tudo se preparava para um despique final a três, em luta por duas medalhas, a prata e o bronze. Kyburz chegou na frente com o tempo de 1:41:40, recuperando para a Suiça um título que lhe escapava desde 2009. Garantindo o melhor parcial neste último percurso, Magne Daehli esteve imparável na parte final e a Noruega conquistou a medalha de prata. Frédéric Tranchand, por seu lado, ofereceu à França uma muito saudada medalha de bronze enquanto a turma britânica concluía numa “desconsoladora” quarta posição, a 37 segundos das medalhas. República Checa em quinto e Estónia em sexto (o seu melhor resultado de sempre) fecharam o pódio.


Ouro histórico para a Dinamarca

A competição feminina foi a primeira a arrancar, nela tomando parte um conjunto de 30 seleções. Apontada, a par da Suécia, como grande favorita à vitória final, a Dinamarca fez-se valer do extraordinário momento de forma das suas três atletas – Maja Alm, Ida Bobach e Emma Klingenberg – para chegar à vitória de forma claríssima e alcançar um título inédito, depois de no ano transacto, precisamente com esta mesma formação, ter-se quedado pelo segundo lugar, a 11 segundos da turma vencedora, a Suiça. As dinamarquesas começaram de forma imparável, com Maja Alm a cumprir o seu percurso em 35:40, deixando a russa Natalia Vinogradova a 1:09 de diferença. Nas posições imediatas, separadas por escassos 10 segundos e a sensivelmente dois minutos da liderança, rolavam as selecções da Suiça, Hungria, Finlândia, Suécia e República Checa. A prova ficou praticamente decidida no segundo percurso, graças à fenomenal prestação de Ida Bobach. Vingando a desilusão do seu quarto lugar na final de Sprint, a dinamarquesa “pulverizou” todos os registos neste percurso, entregando o testemunho a Emma Klingenberg com uma vantagem de 4:11 sobre a Rússia e de cerca de cinco minutos sobre um quinteto composto pelas selecções da Suécia, Noruega, Finlândia, Suiça e República Checa. Só um grande desastre roubaria o título às dinamarquesas, mas quem não se lembra do sucedido em 2011 e 2013?

Desta vez, porém, não se verificou nenhum terramoto. Klingenberg rolou tranquilamente até ao final, segurando a preciosa vantagem e terminando com um registo de 1:49:06. A grande luta travou-se pela medalha de prata, com a checa Jana Knapova, a helvética Sara Luescher e a russa Tatyana Riabkina a cederem inapelavelmente e a deixarem a grande decisão à mercê da sueca Emma Johansson, da finlandesa Minna Kauppi e da norueguesa Anne Margrethe Hausken Nordberg. Um trio de luxo, a exibir credenciais ímpares e a tornar impossível qualquer previsão em termos de resultados. Terá valido nos momentos finais a maior experiência e cabeça fria de Anne Margrethe Hausken Nordberg, imitando a extraordinária prestação da Estafeta Mista de Sprint e oferecendo à Noruega a sua segunda medalha de prata nestes Campeonatos. A Suécia foi a terceira classificada, com Emma Johansson no último percurso a coleccionar duas medalhas de bronze em dois dias consecutivos. A Finlândia concluiu na quarta posição, enquanto a Suiça, que defendia aqui o título mundial, terminou no quinto lugar e a República Checa fechou o pódio. A terminar, uma curiosidade: para vermos uma diferença superior a 3:02 entre as duas primeiras classificadas na Estafeta feminina, teremos de recuar a 2001 (Tampere, Finlândia), numa altura em que a Finlândia (com Reeta Kolkkala, Liisa Anttila, Marika Mikkola e Johanna Asklöf) bateu a Suécia pela margem de 3:59.


Resultados

Masculinos
1. Suiça 1:41:40 (+ 00:00)
2. Noruega 1:43:30 (+ 01:50)
3. França 1:43:52 (+ 02:12)
4. Grã-Bretanha 1:44:29 (+ 02:49)
5. República Checa 1:45:25 (+ 03:45)
6. Estónia 1:45:39 (+ 03:59)
7. Suécia 1:46:28 (+ 04:48)
8. Lituânia 1:46:31 (+ 04:51)
9. Bulgária 1:46:59 (+ 05:19)
10. Áustria 1:47:15 (+ 05:35)
(…)
26. Portugal 2:04:07 (+ 22:27)

Femininos
1. Dinamarca 1:49:06 (+ 00:00)
2. Noruega 1:52:08 (+ 03:02)
3. Suécia 1:52:17 (+ 03:11)
4. Finlândia 1:52:41 (+ 03:35)
5. Suiça 1:54:14 (+ 05:08)
6. República Checa 1:57:49 (+ 08:43)
7. Letónia 2:02:59 (+ 13:53)
8. França 2:05:07 (+ 16:01)
9. Grã-Bretanha 2:05:43 (+ 16:37)
10. Hungria 2:07:18 (+ 18:12)
(…)
25. Portugal 2:52:54 (+1:03:48)

Resultados completos e toda a informação em www.woc2015.org.

[Foto: World of O / facebook.com/WorldofO]


Saudações orientistas.

Joaquim Margarido

Sem comentários: