sexta-feira, 19 de junho de 2015

Orientação de Precisão: Seleção Nacional conhece os novos equipamentos



De malas aviadas para a Croácia, onde na próxima semana terão lugar os Campeonatos do Mundo, a selecção nacional de Orientação de Precisão ficou a conhecer os seus novos equipamentos. Iziwear, Garbo, Moltraço e Fapor uniram esforços e o resultado foi apresentado publicamente. Foi na quente tarde de ontem, em Riba d'Ave, numa simples mas significativa cerimónia, que o Orientovar acompanhou bem de perto.


Teve lugar ao final da tarde de ontem, nas instalações da Garbo - Comércio e Confeção de Vestuário Lda., a entrega dos novos equipamentos da Seleção Nacional de Orientação de Precisão que, de 22 a 28 de Junho, disputará na Croácia o Campeonato do Mundo de Orientação de Precisão WTOC 2015. Com ponto de partida na Comissão Técnica de Orientação de Precisão da Federação Portuguesa de Orientação, a iniciativa teve como grande objectivo, segundo os seus responsáveis, dar um passo mais ao encontro da máxima “todos diferentes, todos iguais”, através da uniformização das características dos próprios equipamentos, os quais são integralmente adaptados.

Conforme explicou Joaquim Margarido, um dos obreiros da iniciativa, “a Orientação de Precisão é uma disciplina que tem no seu valor inclusivo uma das maiores riquezas e nós ambicionamos levar este valor tão longe quanto possível.” O dia de ontem marca a concretização de mais um sonho, com a possibilidade dos atletas do Grupo de Seleção, a partir de agora, poderem envergar peças de vestuário desenhadas e confecionadas com o particular propósito de servirem uma população com mobilidade reduzida, mas usadas indistintamente por qualquer pessoa. Daí “um agradecimento a todas as entidades envolvidas e, em particular, à designer de moda Susana Rodrigues, pela sua determinação e coragem em assumir a liderança do projeto e em dimensioná-lo à medida das suas capacidades e conhecimentos e dum extraordinário bom gosto”, referiu Margarido.


O parceiro ideal

A experiência da Iziwear resultante do contacto directo com pessoas com deficiência motora e mobilidade reduzida e a inspiração que daí advém pela força extraordinária e incansável de quem, todos os dias, se supera e vence barreiras impostas por uma sociedade que ainda tem um longo caminho a percorrer para acabar com a discriminação e exclusão destas pessoas, fazia desta empresa o parceiro ideal para o projeto.

Tendo como principal objectivo proporcionar a um público com mobilidade reduzida e seus cuidadores, através das suas colecções, uma melhoria da sua qualidade de vida e bem-estar, quer através da facilitação da sua inserção na vida activa social e profissional, quer através da promoção do envelhecimento activo, a empresa gerida por Susana Rodrigues aceitou o desafio de desenhar os equipamentos, levando esse propósito até ao fim. “Tendo a prática de desporto adaptado um importante papel, quer na reabilitação física e psíquica, quer na integração social da pessoa com deficiência motora, a Iziwear não poderia deixar de aceitar o convite dirigido pela Federação Portuguesa de Orientação, na pessoa do Joaquim Margarido, para desenvolver o equipamento para a equipa de atletas que representará Portugal no Campeonato Mundial de TrailO”, referiu Susana Rodrigues.


Facilidade e conforto

Por forma a conseguir soluções facilitadoras de vestir e despir, com o máximo de conforto e independência, sem que o design estético fosse afectado, cada uma das peças do equipamento - constituído por casaco, calça e pólo - foi concebida a pensar não só no tipo e grau de deficiência ou limitação motora dos atletas paralímpicos que integram a equipa, mas também, nos seus cuidadores. A designer de moda explica o que está em causa nestes equipamentos, ou seja, o que os torna tão diferentes, parecendo iguais: “O pólo e casaco, criados especificamente para quem tem dificuldade em movimentar os braços e mãos, veste-se de frente fechando-se atrás, para que não tenha que passar pela cabeça, e o seu corte em A torna-os bastante confortáveis na zona da barriga. As calças, concebidas a pensar no corpo na posição sentada, apresentam não só um gancho mais alto atrás de forma a evitar exposições indesejadas abaixo da cintura como, ainda, um fecho zíper na lateral exterior de cada perna que permite abrir por completo as calças facilitando o vestir e despir das mesmas.”

Fruto duma parceria que incluiu também a Fapor – Faianças de Portugal S.A. e a Moltraço – Modelagem para Indústria Têxtil e Vestuário Lda., o produto final revelou-se do inteiro agrado dos elementos do Grupo de Seleção – representados em Riba d'Ave por Joaquim Margarido, Ana Paula Marques e Susana Pontes -, quer pela sua versatilidade e conforto, quer pelo harmonia das cores, num conjunto que levou Joaquim Margarido a afirmar: “Se para qualquer atleta é um orgulho vestir as cores da seleção, envergar este equipamento em particular deixa-nos a todos mais orgulhosos ainda”.


Saudações orientistas.

Joaquim Margarido

Sem comentários: