segunda-feira, 18 de maio de 2015

Campeonatos da Europa de Orientação em BTT 2015: Luca Dallavalle (Itália)



Nome: Luca Dallavalle
Idade: 27
Vive em: Croviana, Itália
Profissão e grau de escolaridade: Topógrafo.
Anos de prática desportiva: Comecei a particar Orientação Pedestre em 2001 e Orientação em BTT a partir de 2008. Mas desde criança que pratico outros desportos numa vertente não competitiva, nomeadamente o esqui e o montanhismo.
Anos de Orientação em BTT: 7 anos.
O que a levou a iniciar-se na Orientação em BTT: Comecei a Orientação Pedestre aos 14 anos, apenas para poder estar com os meus amigos, mas gostei e comecei a levar as coisas a sério. Em 2008 “mudei-me” para a Orientação em BTT devido a algumas lesões (joelhos e tornozêlos) e a bicicleta foi importante nesse período de recuperação. Descobri então que gostava mais de treinar com bicicleta do que a pé, decidi dedicar-me mais à Orientação em BTT e em 2010 pus um ponto final definitivo na Orientação Pedestre.
Posição atual no ranking de Orientação em BTT da IOF: 13º lugar
Posição atual na Taça do Mundo de Orientação em BTT 2015: 11º lugar


Qual a melhor recordação na Orientação em BTT até ao momento?
- A medalha de bronze na Distância Média dos Campeonatos do Mundo em Montalegre, em 2010. Foi a minha primeira participação num Campeonato do Mundo e a medalha foi totalmente inesperada. Foi também a primeira medalha de sempre da Orientação em BTT italiana, pelo que se consegue imaginar o extraordinário impacto que teve no seio do nosso grupo.

Onde vai buscar a inspiração?
- Aos melhores atletas, sempre foram uma fonte de inspiração para mim. Procuro todos os dias aprender algo com as suas performances. Nos últimos dois anos tive a oportunidade de treinar algumas semanas com o Ruslan Gritsan – um dos maiores orientistas em BTT de todos os tempos – e aprendi imenso com ele.

Quer mencionar um ou dois aspetos do treino que são as chaves do seu sucesso?
- Penso que o aspeto mais importante no desporto de alta competição tem a ver com uma boa recuperação após uma sessão de treino mais intensa ou um período de treino mais duro, tanto fisicamente como mentalmente.

Quais são as suas metas para os Campeonatos Europeus, em Portugal?
- Bem, este ano estou um pouco atrasado com a minha preparação devido a uma lesão num dedo da mão. Ainda assim, gosto muito dos terrenos portugueses e espero conseguir alguns resultados dentro do top 6.

Qual é o seu maior desafio na competição, e como pretende gerir isso?
- Durante a competição, o meu maior desafio é ganhar confiança com o mapa o mais cedo possível. Geralmente parto demasiado lento para conseguir justamente essa confiança, mas acho que é algo que conseguirei melhorar. O meu maior desafio para o conjunto da temporada é encontrar motivação para treinar no duro durante um longo período de tempo. Isso leva a que me concentre apenas em um ou dois grandes eventos no ano e procure divertir-me e libertar-me da pressão com o treino e a competição no resto da temporada. Mas isto nem sempre é fácil.

Qual será a sua maior conquista nesta temporada?
- Os meus grandes objetivos da temporada centram-se nos Campeonatos do Mundo, na República Checa. Gosto muito dos terrenos e no ano passado tive a oportunidade de treinar lá durante bastante tempo. Espero conseguir estar na minha melhor forma em Agosto.

[Foto: Piero Turra]

Saudações orientistas.

Joaquim Margarido

Sem comentários: