sexta-feira, 30 de janeiro de 2015

Portugal O' Meeting 2015: A antevisão de Bruno Nazário



Organizado pela primeira vez em 1996, foi em 2000 que o Portugal O' Meeting se vinculou em definitivo ao modelo de quatro dias, sempre na quadra carnavalesca. Em 2007, o evento entrou na chamada “era moderna”, registando a bonita soma de 1562 participantes, dos quais mais de mil estrangeiros. E em 2012, o POM viu a sua qualidade técnica ser reconhecida ao mais alto nível, com a atribuição do prémio internacional “Percurso do Ano”, do World of O. Denominador comum destes momentos singulares na história do mais importante evento do calendário nacional de Orientação Pedestre, o Clube de Orientação de Estarreja é chamado a organizar o Portugal O' Meeting pela quarta vez em 20 anos. Mas como será este POM 2015? É isso que procuramos desvendar hoje, chamando ao palco Bruno Nazário, o Diretor do Evento.


Gostaria de tentar perceber, com a sua ajuda, como será este POM 2015, mas há desde já um dado histórico: A barreira dos 2000 inscritos foi finalmente quebrada e não posso deixar de começar por lhe pedir um comentário a esse propósito.

B. N. - Desde sempre, o nosso objetivo, o nosso desejo, foi o de atingirmos os 2015 inscritos. Trabalhámos muito para chegar aqui e ao longo deste último ano fizemos tudo para conseguir acolher esse número de pessoas. Todavia, tendo em conta o histórico recente do Portugal O' Meeting e com a contração a nível económico a fazer-se sentir não só em Portugal mas também na restante Europa, estes números eram quase uma utopia. Portanto, conseguir ultrapassar a barreira dos 2000 inscritos, neste ano, é para nós motivo de enorme satisfação e orgulho e a prova de que o Ori-Estarreja é um clube reconhecido e no qual as pessoas conseguem ver a capacidade para montar um evento de qualidade, em quem confiam. Ao mesmo tempo deve ser um orgulho para toda a comunidade Orientista em Portugal, dado que apenas com o trabalho dos vários clubes podemos chegar ao nível em que está hoje o Portugal O' Meeting.

Mas havia algum indicativo que o levasse a acalentar esta ideia quanto a um número tão elevado?

B. N. - Quando lançámos a candidatura ao POM 2015 na região de Mira e Vagos, tínhamos a noção de que os números poderiam atingir estes valores. Sabíamos que se organizássemos o Portugal O' Meeting na zona de Viseu, por exemplo, iríamos ter terrenos com outra valia técnica, muito mais desafiantes para os atletas de Elite, mas seriam terrenos não tão atrativos para o grosso do pelotão, por assim dizer. Eu hoje perdi algum tempo a fazer a comparação entre os números do Portugal O' Meeting 2012 e os deste POM 2015 e verifica-se que, apesar dos cerca de 1800 inscritos há três anos, tinhamos praticamente metade de inscritos em todos os escalões de Veteranos. Este tipo de terrenos é muito mais atrativo para os Veteranos e é muito mais agradável correr em terrenos de dunas do que em terrenos de pedras. Penso que esta terá sido a chave para ultrapassarmos as 2000 inscrições.

Em termos organizativos, estes números colocam algum problema acrescido?

B. N. - Todos nós sabemos que uma das grandes condicionantes para qualquer organização prende-se, desde logo, com o local onde desenhamos as Arenas da prova. Nesse campo, o nosso planeamento começou precisamente por aí, ao encontro dum local que pudesse servir de Arena para albergar 2000 pessoas. A partir daí, avançámos então para os traçados dos percursos, tendo a noção de que estes terrenos são bons tecnicamente e irão deixar satisfeitas as pessoas que nos visitam.

De que forma é que já se faz sentir, neste momento, o impacto do Portugal O' Meeting nos concelhos de Mira e de Vagos?

B. N. - A divulgação do evento por parte das Câmaras Municipais envolvidas está a começar a ser feito, mas o Portugal O' Meeting já paira no ar há bastante tempo. Em termos de alojamento, a taxa de ocupação está praticamente nos 100% e já toda a gente percebeu que o grande causador desta situação é o Portugal O' Meeting 2015. Este tipo de eventos é muito importante para os dois concelhos, uma vez que há uma forte aposta no ambientalismo e no turismo de natureza. Estas são igualmente duas bandeiras do Portugal O' Meeting e penso que estamos em sintonia para organizarmos um evento de grande qualidade.

Este é um trabalho de continuidade com a Câmara de Mira, mas é uma estreia no concelho de Vagos...

B. N. - Na realidade, é a primeira vez que temos uma relação institucional com a Câmara de Vagos. Já organizámos grandes eventos nos concelhos limítrofes, nomeadamente em Mira, Cantanhede e Ílhavo e surgiu agora a oportunidade de estabelecermos uma parceria com a Câmara Municipal de Vagos. Esta foi, aliás, a nossa intenção desde o início. Mira até teria uma massa florestal que permitiria a organização dos quatro dias do evento dentro do seu território geográfico, mas quisémos ampliar esta relação a Vagos e foi uma aposta ganha. O entendimento tem sido excelente e os responsáveis pela autarquia têm demonstrado uma enorme abertura e interesse em colaborar connosco.

Que Portugal O' Meeting vai ser este que festeja este ano o seu vigésimo aniversário?

B. N. - Temos dentro do clube muitas pessoas com capacidade e, todos juntos, estou certo, conseguiremos levantar um evento duma dimensão gigantesca e com a qualidade que as pessoas esperam do Portugal O' Meeting. Este será, pois, um grande Portugal O' Meeting, um Portugal O' Meeting abrangente, que irá proporcionar cinco dias de excelente competição e que agradará, estou certo, tanto aos miúdos de dez anos como aos veteranos com 85 anos.

Há alguma estratégia montada no sentido do Portugal O' Meeting 2015 poder atrair as gentes locais, levando-as a participar?

B. N. - Esse é sempre um objetivo do Clube de Orientação de Estarreja. Já em 2012 fizemos uma parceria muito boa com o Clube de Orientação de Viseu e podemos dizer que deixámos ali uma semente para um clube que já caminha sozinho. Também aqui iremos empreender uma ação de formação dirigida a todas as associações dos concelhos de Mira e de Vagos, já este sábado. Queremos dizer às pessoas daqui que este evento não é só para os federados ou para os estrangeiros que nos visitam, mas queremos que também seja para elas. Já temos, inclusivamente, boas indicações de que pelo menos uma das associações, em Mira, irá criar uma secção de Orientação, algo que nos deixa obviamente muito felizes.

Mencionou os estrangeiros que nos visitam e alguns deles são, efetivamente, as grandes cabeças de cartaz deste POM 2015. Quer apresentar-nos os seus nomes?

B. N. - Os dois campeões do mundo de Distância Média em título, o norueguês Olav Lundanes e a sueca Annika Billstam, irão estar presentes no Portugal O' Meeting e são eles as grandes cabeças de cartaz. Teremos também outros dois atletas que ostentam, igualmente, o título de Campeão do Mundo, como são os casos do sueco Gustav Bergman, Campeão do Mundo de Estafetas, e do suiço Martin Hubmann, Campeão do Mundo de Estafeta Mista de Sprint.

Todavia, faltam na lista os dois nomes mais emblemáticos da Orientação mundial e figuras maiores das anteriores edições do Portugal O' Meeting, Thierry Gueorgiou e Simone Niggli...

B. N. - A Simone Niggli está retirada da alta competição há já algum tempo e é natural que agora comece a não estar presente todos os anos. É uma ausência que lamentamos, mas compreendemos perfeitamente. Já o Thierry Gueorgiou, era uma certeza entre nós e chegámos a divulgar isso mesmo nas redes sociais mas, infelizmente, durante um treino noturno em Espanha, mais precisamente em Guardamar, fraturou um dedo do pé e isso vai obrigá-lo a uma paragem de dois meses sem poder competir. É por esse motivo, e apenas por esse motivo, que não irá estar presente.

As próximas semanas serão de muito trabalho, seguramente, mas pergunto-lhe se há, neste momento, alguma situação que o preocupe em particular.

B. N. - Penso que as coisas estão a decorrer de acordo com o planeado. Como já disse, temos um clube fantástico, com pessoas fantásticas, que pegaram nesta organização e fizeram questão em levá-la por diante. Todos juntos formamos uma grande família, apostada em dignificar o clube e a Orientação Portuguesa. Estamos ansiosos é que chegue o dia 13 para, finalmente, podermos apresentar tudo aquilo que nos levou tanto tempo a planear.


Saudações orientistas.

Joaquim Margarido

Sem comentários: