sexta-feira, 31 de janeiro de 2014

PreO Challenge - Maia Cidade Europeia do Desporto 2014: Pontapé de saída da Taça de Portugal de Orientação de Precisão 2014



A Taça de Portugal de Orientação de Precisão 2014 dá o pontapé de saída no próximo dia 9 de fevereiro no Parque do Avioso, na Maia. Organizado pelo Grupo Desportivo dos Quatro Caminhos, o PreO Challenge – Maia Capital do Desporto está aí para desafiar os grandes especialistas portugueses desta exigente disciplina, ao mesmo tempo que abre o seu espaço à Orientação Adaptada.


O bonito e bem cuidado espaço verde do Parque do Avioso foi o palco escolhido pelo Grupo Desportivo dos Quatro Caminhos para levar a efeito o PreO Challenge – Maia Capital do Desporto. O evento terá lugar no dia 9 de fevereiro, escassas horas após a Cerimónia de Abertura da “Maia Cidade Europeia do Desporto 2014”, congregando um conjunto de atividades particularmente voltadas para o Desporto Adaptado e que se distribuem pela Orientação Adaptada e pela Orientação de Precisão.

O espaço da manhã, entre as 10h00 e as 12h00, será dedicado à Orientação Adaptada, com a disputa da primeira etapa da recém-criada Taça de Portugal de Orientação Adaptada ANDDI, uma iniciativa conjunta da Federação Portuguesa de Orientação e da ANDDI – Portugal, Associação Nacional de Desporto para a Deficiência Intelectual. O percurso de competição servirá igualmente de palco à Atividade Adaptada, aberta a toda a população, com particular incidência nas pessoas portadoras de deficiência intelectual e nas crianças em idade pré-escolar e escolar, entre os 4 e os 6 anos. A atividade adaptada pode ser praticada individualmente ou em grupo, sempre com acompanhamento de um monitor, tornando-se num veículo lúdico e de aprendizagem por excelência.


Nomes e números

Com início às 13h00, a competição de Orientação de Precisão promete pôr à prova as capacidades intelectuais e o sentido de estratégia de muitos dos bons valores nacionais desta disciplina, tanto na Classe Aberta como na Classe Paralímpica. A prova disputa-se ao longo de 16 pontos + 2 pontos cronometrados, distribuídos por um percurso com 2.400 metros (desnível positivo acumulado de 50 metros). Após a partida do último atleta, terá início uma atividade de Iniciação, com apenas 10 pontos e ainda os dois cronometrados, aberta a todos aqueles que desejam ter um primeiro contacto com a disciplina. O mapa, realizado segundo a normativa ISSOM e atualizado em janeiro de 2014, tem a escala de 1:4.000 e uma equidistância de 2,5 metros. Joaquim Costa é o Diretor do Evento, devidamente coadjuvado por Luís Leite que assina o traçado de percursos. Nuno Pires, o vencedor da Taça de Portugal na passada temporada, é o Supervisor FPO.

Quanto aos intervenientes, destaque para os “internacionais” Ricardo Pinto (DAHP), na Classe Paralímpica, e para Joaquim Margarido (Individual), na Classe Aberta. Ambos vão querer garantir já na Maia um lugar na seleção das quinas que irá disputar o Campeonato da Europa de Orientação de Precisão, que decorrerá em Palmela, de 11 a 16 de Abril. Com cinco atletas paralímpicos inscritos, o DAHP mostra uma vez mais o porquê de ser uma das maiores referências da Orientação de Precisão em Portugal, apresentando para além de Ricardo Pinto outro atleta com fundadas expectativas em carimbar o passaporte para os Europeus: Júlio Guerra. Na Classe Aberta, destaque também para Cláudio Tereso (ATV), uma das revelações da temporada passada e uma das grandes sensações da última prova da Taça de Portugal 2013, onde marcou presença no pódio. Uma palavra ainda para António Hernández, o lionês que preside aos destinos da Orientação de Precisão no país vizinho e que estará na Maia na qualidade de observador.



Saudações orientistas.

Joaquim Margarido

quinta-feira, 30 de janeiro de 2014

Tove Alexandersson: "A primeira coisa que eu penso quando me levanto é o que devo fazer para ser melhor orientista"



Simone Niggli definiu-a como “o alvo a abater” nas próximas temporadas, mas ela parece não se incomodar muito com isso. De vitória em vitória, Tove Alexandersson vai colocando a pressão em cima das suas adversárias e acabou por tornar-se na mais séria candidata ao ceptro da Orientação feminina mundial, após o afastamento da grande campeã suiça.


Tinha apenas um ano de idade quando fez a sua primeira prova de Orientação. Desse iniciático “miniknat” à vitória na 10ª etapa da Taça do Mundo de Orientação em Esqui, no passado domingo, vai todo um percurso triunfal que se salda em quatro medalhas de prata em Campeonatos do Mundo de Orientação Pedestre e a vice-liderança do ranking mundial, para além de dois títulos mundiais de Orientação em Esqui e o segundo lugar atual na respetiva Taça do Mundo 2013-2014, a escassos cinco pontos da liderança.

“A disciplina mais importante para mim é a Orientação Pedestre, mas sinto que a Orientação em Esqui também faz com que eu seja melhor orientista. Ao longo de cada temporada não posso dizer que o meu enfoque seja na Orientação em Esqui, antes procuro concentrar-me na orientação em si mesma e fazer aquilo que penso seja mais vantajoso para melhorar cada vez mais”, refere Tove a este propósito.


A planificação é toda feita por mim”

Deixando de parte a Orientação em Esqui, concentramo-nos na Pedestre e aqui surge o primeiro grande momento da nossa conversa. Consegue definir aquele “clique” que a levou a dizer “é isto que eu quero, a Orientação é o meu desporto?”, pergunto. A resposta, assertiva, não se faz esperar: “Soube desde sempre que era isto que eu queria fazer!” Falar do momento mais alto ou mais baixo na sua (ainda curta) carreira é algo que deixa Tove pouco à vontade: “Não sei, tenho tantas memórias tão boas – e outras menos boas – mas não gosto de fazer comparações entre elas”, diz.

Falamos agora do treino e fico surpreendido ao saber que a atleta não tem qualquer treinador ou preparador físico a acompanhá-la. “A planificação é toda feita por mim”, assegura. Tendo evidenciado desde sempre enormes competências do ponto de vista técnico, nos últimos anos Tove Alexandersson tem centrado mais as atenções na parte física, referindo contudo que “ambas merecem todo o cuidado”. No seu caso, difícil se torna falarmos numa “semana-tipo” de treino: “As minhas semanas diferem muito umas das outras pelo facto de estar sempre fora, quer em Campos de Treino (Esqui ou Pedestre), quer em competição. Mas no Inverno é usual competir dois dias por semana, fazer três ou quatro sessões de treino de velocidade, duas a quatro sessões de treino longo e algumas curtas, dependendo do número de treinos estabelecido”, diz.

Para quem, à partida, é dado como favorito à vitória, lidar com a pressão pode ser um assunto deveras complicado. Mas não para Tove: “Não penso muito nisso porque o problema não é meu. Não me preocupo minimamente com aquilo que possam ser as expectativas dos outros.”


Quero ser a melhor”

E assim chegamos a Vuokatti e às duas medalhas de prata conquistadas nas Distâncias Média e Longa dos recentes Campeonatos do Mundo de Orientação Pedestre: “Estou muito contente com os resultados globais alcançados nos Campeonatos do Mundo, mas sei que teria sido capaz de poder fazer ainda melhor. Só não sei se esse melhor teria sido suficiente para conseguir chegar à medalha de ouro”, comenta a este propósito.

Falando dos objetivos para a temporada que agora começa, Tove mostra-se algo evasiva na sua definição. “Não estabeleço esse tipo de metas, pelo menos dessa forma. Quero ser a melhor mas não tenho um objetivo para uma temporada em concreto. Procuro fazer sempre aquilo que estiver ao meu alcance para alcançar os melhores resultados possíveis”, conclui.


Espero chegar aos Europeus bem preparada”

A entrevista encaminha-se para o final e Portugal é um tema de conversa incontornável até porque, de 9 a 16 de Abril, Palmela será palco do Campeonato da Europa de Orientação Pedestre. Um evento que Tove Alexandersson não quer falhar: “Já estive em Portugal por duas vezes, em Campos de Treino, e gosto muito do tipo de terrenos”, começa por referir. Mas também aqui não levanta uma ponta do véu, sequer, no tocante a objetivos: “Não sei. Os Campeonatos do Mundo são o meu principal objetivo, mas espero chegar aos Europeus bem preparada”.

As últimas palavras tomam a forma de um conselho, um conselho dirigido sobretudo aos mais novos, àqueles que sonham poder um dia vir a ser como ela: “Concentrem-se. A primeira coisa que eu penso quando me levanto é o que devo fazer para ser melhor orientista.”


Saudações orientistas.

Joaquim Margarido

quarta-feira, 29 de janeiro de 2014

II Troféu Orientação Pedestre Margem Sul: Matthias Kyburz é cabeça de cartaz



Depois de Santiago do Cacém e Castelo de Vide, cabe agora a vez ao Município de Sesimbra e às grandiosas paisagens do Cabo Espichel receberem um evento da Taça de Portugal de Orientação Pedestre 2014. Trata-se do II Troféu de Orientação Pedestre da Margem Sul, a disputar no dia 8 de fevereiro e organizado conjuntamente pelo CIMO - Clube Ibérico de Montanhismo e Orientação e do CPA - Clube de Praças da Armada.


No próximo dia 8 de Fevereiro de 2014, no Cabo Espichel, Sesimbra, realizar-se-á o II Troféu de Orientação Pedestre da Margem Sul, evento a contar para a Taça de Portugal de Orientação Pedestre de 2014. Sobre um mapa novo à escala 1/10.000 (equidistância de 5 metros), com cartografia e traçado de percursos de José Batista, a prova será disputada na distância Média + ou, para sermos mais explícitos, na “Distância Média com os percursos mais longos possíveis”, de acordo com a organização do evento.

Caracterizado pelo relevo acentuado, elementos rochosos, falésias intransponíveis, áreas abertas com pormenores de vegetação e zonas com vegetação rasteira, o terreno apresenta piso pedregoso e médios declives tornando-se particularmente exigente do ponto de vista físico. Extra competição será organizada uma caminhada com aproximadamente 12 kms, organizada e apoiada por técnicos do CIMO e aberta a qualquer pessoa. “Esperamos que apreciem o evento e que usufruam de um dia de bons momentos competitivos e de lazer. Para aqueles que querem conhecer a modalidade e ainda para os que tencionam dar continuidade às experiências já vividas, a Arrábida e o Cabo Espinhel esperam-vos!”, pode ler-se na página da prova.


As figuras

O evento conta até ao momento com um total de 221 atletas inscritos, entre os quais muitos dos melhores atletas portugueses de elite e ainda os russos Gleb Tikhonov, vice-campeão do Mundo Júnior de Sprint (Eslováquia, 2012), Svetlana Mironova, campeão europeia de Estafetas (Suécia, 2012) e Anastasia Tikhonova, segunda classificada no recente NAOM, bem como os suiços Rahel Friederich, Sarina Jenzer e Julia Gross, respetivamente 26ª, 28ª e 30ª do ranking mundial da IOF e sobretudo Matthias Kyburz, vencedor da Taça do Mundo em 2012 e 2013, Campeão Mundial de Sprint (Suiça, 2012) e triplo medalha de ouro nos Jogos Mundiais de Cali do ano passado. Número 3 do ranking mundial, Kyburz é a verdadeira estrela deste II Troféu de Orientação Pedestre da Margem Sul.

As inscrições decorrem até ao dia 3 de fevereiro de 2014, mas poderá inscrever-se com preços mais vantajosos até ao dia anterior, usando para isso o Oásis (atletas federados ou pertencentes a clubes filiados na FPO) ou o formulário disponibilizado pela organização [AQUI]. Informações sobre o evento - distâncias, listas de inscritos, patrocínios, sorteios de tempos de partida – para conferir em http://www.cimo.pt/orientação/ii-trofeu-de-orientação-pedestre-margem-sul-/.


Saudações orientistas.

Joaquim Margarido

terça-feira, 28 de janeiro de 2014

NAOM 2014: Duas ou três coisas que eu sei dele...



1. A figura correspondia à descrição e àquela hora, no átrio do Hotel, as probabilidades de receber uma resposta negativa pareciam-me escassas. Por isso arrisquei: “ - Desculpe. É a Lídia?” Estávamos apresentados e os minutos que se seguiram deram-me a certeza duma pessoa motivada ante a perspetiva dum fim de semana diferente. Daí que, quando no dia seguinte, partimos para a Barragem de Póvoa e Meadas, a Orientação e as mil e uma histórias à sua volta fossem já um “ver se te avias”. Andámos às voltas pelo terreno, subimos e descemos, contornámos blocos gigantescos e molhámos os pés em pequenos charcos que a vegetação escondia. Fui-lhe dizendo quem era fulano e sicrano, encadeando histórias umas nas outras e fiquei na expectativa do seu trabalho. Hoje o Record dá à estampa o artigo com o sugestivo título “Orientação: Mapas que Mexem o Alentejo” - http://www.record.xl.pt/Modalidades/Outras/interior.aspx?content_id=865218. Leio e gosto do que leio. Fico à espera de mais, na edição em papel. Sei que há ali material para muito mais, não sei é até onde consegue a Lídia Paralta Gomes levar esse “muito mais”. É esperar para ver!


2. Notícias Magazine, Jornal de Notícias, Correio da Manhã, A Bola, O Jogo, Expresso, Sábado, Visão, Sapo Desporto. Mas também Correr o Mundo, O Praticante, Correr por Prazer, Portal Aventuras, Global News, Turismo do Alentejo, Notícias de Castelo de Vide, Orientovar, Portuguese Orienteering Blog, World of O. E o Record, claro, desta vez com a Lídia Paralta Gomes e a sua experiência iniciática nas lides da Orientação. Esta é apenas a face visível do trabalho de Comunicação da Orievents liderado por Fernando Costa e que vai encontrando eco por esse mundo fora, primeiro em orgãos de comunicação social de nomeada e depois através da partilha, nas redes sociais, com o Facebook à cabeça. Espreitar a página do Orientovar no Facebook e perceber que o artigo “Blanes e Tikhonova sprintaram para a vitória” foi visto por 3.142 pessoas, ou que foram 2.815 pessoas as que viram o artigo “Daniel Hubmann entra a vencer” diz muito da importância deste trabalho e deste esforço. O mesmo se pode dizer das quase 2000 visualizações únicas de páginas no Portuguese Orienteering Blog do conjunto de artigos sobre o evento. Um trabalho e um esforço que continua a ser visto de lado por uns e que é aproveitado ilegitimamente por outros, ao publicarem abusivamente os materiais sob o seu nome e ocultando a fonte. Haja vergonha!


3.“ - Do Mundo, setôr? Do Mundo?” Olhos arregalados, a jovem repartia as atenções entre o meu sorriso divertido e o charme daquele que lhes tinha sido apresentado como o nº 1 do Mundo, Thierry Gueorgiou. Tudo começara momentos antes, depois de ter falado com o Professor Paulo Matos a propósito da participação de sete alunos da EB 2,3 de Quarteira no NAOM. A minha vontade de retomar algumas rubricas do Orientovar é grande e pareceu-me possível regressar com “A Minha Escola”. Quis corresponder à disponibilidade do Professor e propus-lhe fazer uma foto do Núcleo de Orientação do Desporto Escolar com alguém muito especial. E quem melhor que Thierry Gueorgiou? Da proposta ao “boneco” foi todo um momento de surpresa, estupefação e de muita emoção, com o Thierry a cumprimentar todos os alunos e a posar em conjunto para a fotografia. Um momento que nenhum deles jamais irá esquecer, um momento seguramente marcante nesta fase embrionária e, quem sabe, determinante quanto ao seu futuro na Orientação. Cá estaremos para ver!


Saudações orientistas.

Joaquim Margarido

segunda-feira, 27 de janeiro de 2014

NAOM 2014: Protagonistas


 Thierry Gueorgiou (Kalevan Rasti), vencedor no escalão Homens Elite

  Daniel Hubmann (Kristiansand OK), 2º classificado no escalão Homens Elite

  Philippe Adamski (Kalevan Rasti), 3º classificado no escalão Homens Elite

  Baptiste Rollier (Kristiansand OK), 4º classificado no escalão Homens Elite

  Ionut Zinca (Farra-O), 5º classificado no escalão Homens Elite

  Amélie Chataing (Kalevan Rasti), vencedora no escalão Damas Elite

  Anastasia Tikhonova (CSP Novgorod), 2ª classificada no escalão Damas Elite e vencedora da etapa de Sprint WRE

  Emily Kemp (OK Linné), 3ª classificada no escalão Damas Elite

  Céline Dodin (Team AltecSport), 5ª classificada no escalão Damas Elite

  Andreu Blanes (Colivenc), vencedor da etapa de Sprint WRE

  Tiago Romão (ADFA), 12º classificado no escalão Homens Elite e melhor português

   Patrícia Casalinho (COC), 6ª classificada no escalão Damas Elite e melhor portuguesa

   Fernando Costa, Grupo Desportivo dos Quatro Caminhos e Diretor do Evento

 Barragem de Póvoa e Meadas, local das etapas de Distância Média


Saudações orientistas.

Joaquim Margarido

NAOM 2014: Mapas

Distância Média Dia 1



WRE Sprint



Distância Média Dia 2


Saudações orientistas.

Joaquim Margarido

domingo, 26 de janeiro de 2014

NAOM 2014: Thierry Gueorgiou e Amélie Chataing vencem oitava edição



As vitórias na decisiva etapa valeram aos franceses Thierry Gueorgiou e Amélie Chataing o triunfo na oitava edição do Norte Alentejano O' Meeting 2014. Em princípio de época, mais de seiscentos os atletas de catorze países puseram à prova as suas qualidades e capacidades, aproveitando o magnífico evento organizado pelo Grupo Desportivo dos Quatro Caminhos em Castelo de Vide.


A palavra “perder” não faz parte do vocabulário de Thierry Gueorgiou e isso voltou a ficar demonstrado este fim de semana, em Castelo de Vide, onde o francês fez gala de mostrar o porquê de ser o líder do ranking mundial. Gueorgiou agigantou-se na etapa de hoje e soube recuperar a diferença de 22 segundos que o separava do seu grande rival, o suiço Daniel Hubmann, arrecadando, duma assentada, a vitória na etapa e nesta oitava edição do Norte Alentejano O' Meeting. Hubmann, que nesta etapa perdeu 45 segundos para o gaulês, teve de contentar-se com a segunda posição, enquanto Philippe Adamski acabaria por conservar o terceiro lugar da etapa inaugural, repetindo a mesma posição no dia de hoje, a 1:19 do vencedor.

“Penso que atualmente a minha forma física é bastante boa mas não fiquei muito contente com a prova de ontem e com os pequenos erros cometidos. No final procurei analisar aquilo que não correra particularmente bem e hoje fiz uma orientação mais ativa, mais atento à leitura do mapa, tentar perceber melhor o terreno e as coisas acabaram por correr melhor. A prova de hoje foi bastante mais desafiante, mais exigente do ponto de vista técnico, a requerer uma leitura mais atenta e tomadas de opções em antecipação”, adiantou Thierry Gueorgiou no final da prova. Mas a época ainda agora começou: “Estamos no início da temporada e aquilo que verdadeiramente conta é perceber que se vai melhorando a pouco e pouco após cada prova. Na altura dos Campeonatos do Mediterrâneo e depois no Portugal O' Meeting irei concentrar-me realmente na competição de maneira a que possa chegar ao Campeonato da Europa confiante no melhor resultado”, disse.


Resultados Elite Masculina
1º Thierry Gueorgiou (Kalevan Rasti) 33:17
2º Daniel Hubmann (Kristiansand OK) 34:02 (+0:45)
3º Philippe Adamski (Kalevan Rasti) 35:13 (+1:56)

Classificação final Elite Masculina
1º Thierry Gueorgiou (Kalevan Rasti) 1:04:50
2º Daniel Hubmann (Kristiansand OK) 1:05:13 (+0:23)
3º Philippe Adamski (Kalevan Rasti) 1:07:43 (+2:53)
4º Baptiste Rollier (Kristiansand OK) 1:09:29 (+4:39)
5º Ionut Zinca (Farra-O) 1:12:35 (+7:45)


Amélie sucede a... Amélie

Depois do segundo lugar na etapa inaugural, a francesa Amélie Chataing soube tornear os 36 segundos de diferença que a separavam de Anastasia Tikhonova e venceu a oitava edição do Norte Alentejano O' Meeting. Uma vitória que é a repetição do sucedido na anterior edição, em Nisa, e que no final mereceria os seguintes comentários: “Fiquei bastante decepcionada com os meus erros na etapa de ontem, mas estou bastante contente com a prova de hoje e com esta vitória. Foi uma prova fisicamente exigente, mas gostei muito do percurso, das mudanças de direção e do desafio da orientação em zonas com muito detalhe.” Uma palavra final deixada a Portugal e ao NAOM em particular: “Um elevado número de excelentes mapas, terrenos com muita qualidade e as melhores condições de treino que podemos encontrar nesta altura do ano, é isso que faz com que venha frequentemente a Portugal. E também este clima. Quando faz tanto frio em todo o lado, é sempre muito agradável encontrarmos este sol e estas temperaturas. Vencer o NAOM de novo em 2015? Se o calendário de treinos e de provas o permitir, voltarei com muito gosto ao Norte Alentejano O' Meeting e, claro, para ganhar.”

A russa Anastasia Tikhonova terminou no segundo lugar, a 1:42 da vencedora, garantindo a segunda posição no cômputo das duas etapas. Na terceira posição na etapa de hoje, a 3:37 da vencedora, classificou-se a canadiana Emily Kemp, que viria assim a fechar o pódio do NAOM 2014.


Resultados Elite Feminina
1º Amélie Chataing (Kalevan Rasti) 32:11
2º Anastasia Tikhonova (CSP Novgorod) 33:53 (+1:42)
3º Emily Kemp (OK Linné) 35:48 (+3:37)

Classificação Final Elite Feminina
1º Amélie Chataing (Kalevan Rasti) 1:06:32
2º Anastasia Tikhonova (CSP Novgorod) 1:07:38 (+1:06)
3º Emily Kemp (OK Linné) 1:12:22 (+5:50)
4º Kristin Löfgren (Varegg IL) 1:12:33 (+6:01)
5º Céline Dodin (Team AltecSport) 1:14:38 (+8:06)

Resultados completos e demais informação em http://www.gd4caminhos.com/naom2014


Saudações orientistas.

Joaquim Margarido

sábado, 25 de janeiro de 2014

NAOM 2014: Blanes e Tikhonova sprintaram para a vitória



Depois da floresta e dos amplos espaços abertos, a caravana do NAOM rumou às estreitas e empinadas ruas e degraus do centro histórico de Castelo de Vide onde teve lugar o Sprint urbano. Numa prova com tanto de exigente como de espetacular, Anastasia Tikhonova repetiu a vitória da etapa inaugural, enquanto o vencedor masculino foi, algo surpreendentemente, Andreu Blaneu. São eles os lideres do recém criado Ranking Mundial de Sprint.


Apenas quatro horas após a disputa da etapa de Distância Média, a russa Anastasia Tikhonova voltou a dar mostras das suas enormes capacidades, vencendo a etapa de Sprint que teve lugar esta tarde no miolo da labiríntica vila de Castelo de Vide. “Corrida rápida e sem erros, gosto disto (risos)”, começou por referir a vencedora. “A parte final do mapa era fisicamente mais exigente, mas apenas cometi um pequeno erro que me terá custado cerca de dez segundos. O Sprint é a distância na qual me sinto mais à vontade, mas estou a tentar melhorar as minhas aptidões na Distância Média e na Distância Longa”, referiu no final Tikhonova. A russa bateu as francesas Céline Dodin e Amélie Chataing, segunda e terceira classificadas respetivamente, pela folgada margem de 1:08 e 1:42, respetivamente.

Resultados Elite Feminina
1. Anastasia Tikhonova (CSP Novgorod) 13:52
2. Céline Dodin (AltecSport) 15:00 (+1:08)
3. Amélie Chataing (Kalevan Rasti) 15:34 (+1:42)


Uma vitória que não estava nos planos”

Depois dum bom começo esta manhã, Andreu Blanes mostrou o porquê de ser um dos bons especialistas mundiais de Sprint e bateu, ainda que por escassa margem, toda a concorrência. Para o espanhol, “esta foi uma vitória que não estava nos planos”. A propósito da sua prova, comentou: “Senti-me muito forte durante a prova e a verdade é que deu-me um prazer imenso fazê-la, do primeiro ao último ponto. Embora goste de todas as distâncias, é talvez no Sprint que tenho alcançado os melhores resultados. Este é um resultado importante, que ajuda a motivar-me para os grandes objetivos da temporada e que passam, uma vez mais, por conseguir bons resultados nos Campeonatos do Mundo, mas também nos Europeus de Abril, aqui em Portugal.” O francês Frédéric Tranchand e o suiço Daniel Hubmann secundaram Andreu Blanes, gastando mais quatro e dez segundos, respetivamente, que o vencedor.

Resultados Elite Masculina
1. Andreu Blanes (Colivenc) 14:37
2. Frédéric Tranchand (Paimion Rasti) 14:41 (+0.04)
3. Daniel Hubmann (Kristiansand OK) 14:47 (+0:10)

Resultados completos e demais informação em http://www.gd4caminhos.com/naom2014


Saudações orientistas.

Joaquim Margarido

NAOM 2014: Daniel Hubmann entra a vencer



Daniel Hubmann venceu a prova de Distância Média disputada esta manhã em Castelo de Vide, na abertura da oitava edição do Norte Alentejano O' Meeting. Sob um sol radioso, os espetaculares terrenos junto à Barragem de Póvoa e Meadas foram um desafio constante para os mais de seiscentos atletas de catorze países presentes.


“Perdi cerca de quinze segundos para o segundo ponto, mas depois disso fiz uma boa prova. Consegui manter um ritmo rápido durtante toda a prova, uma orientação de forma fluida, boas pernadas e foi realmente um prazer correr assim e com esta temperatura maravilhosa. É bom voltar a entrar no ritmo após a pausa de Inverno, e também é muito bom sentir de novo a pressão da competição e fazer as coisas bem feitas”, referiu Hubmann no final. Grande favorito à vitória final, Thierry Gueorgiou não foi além da segunda posição, a 20 segundos de Hubmann, enquanto Philippe Adamski concluiu na terceira posição, com mais 51 segundos que o vencedor.

Resultados Elite Masculina
1. Daniel Hubmann (Kristiansand OK) 31:11
2. Thierry Gueorgiou (Kalevan Rasti) 31:33 (+0.22)
3. Philippe Adamski (Kalevan Rasti) 32:30 (+1:19)


Anastasia Tikhonova foi melhor

Segunda classificada em 2013, Anastasia Tikhonova mostrou-se hoje disposta a não deixar fugir a vitória final nesta edição do NAOM, começando da melhor maneira. “Não posso dizer que estou totalmente satisfeita porque tive uma série de pequenos erros nos pontos dois e três, mas depois disso fiz uma boa prova. Gostei muito do terreno e é muito bom ter este tipo de provas no início da época, suficientemente exigentes e que nos possibilitam competir já a um bom ritmo”, referiu no final Anastasia Tikhonova. Amélie Chataing foi a segunda classificada, terminando com mais 36 segundos que a atleta russa. A terceira posição coube a Kristin Löfgren, gastando mais 2:16 que Tikhonova.

Resultados Elite Feminina
1. Anastasia Tikhonova (CSP Novgorod) 33:45
2. Amélie Chataing (Kalevan Rasti) 34:21 (+0:36)
3. Kristin Löfgren (Varegg IL) 36:01 (+2:16)

Resultados completos e demais informação em http://www.gd4caminhos.com/naom2014


Saudações orientistas.

Joaquim Margarido

sexta-feira, 24 de janeiro de 2014

Ionut Zinca: "Regressar em 2014 mais forte que nunca!"



A vitória na edição inaugural faz de Ionut Zinca um nome para sempre ligado à história do Norte Alentejano O' Meeting. Após um longo afastamento, o romeno regressa a Portugal e a um evento pelo qual nutre um carinho especial. Uma época plena de ilusões está prestes a começar!


Alcançou em 2011, em França, a melhor classificação de sempre dum atleta romeno em Campeonatos do Mundo, com um fantástico 5º lugar na prova de Sprint. No ano seguinte, ainda conseguiu uma presença em todas as finais dos Mundiais de Lausanne, mas a partir daí praticamente eclipsou-se. A que se deveu este afastamento?

Ionut Zinca (I. Z.) - Após os Mundiais de 2012, as coisas não correram particularmente bem e tive de alterar os meus objetivos ao perceber que o apoio necessário não estava garantido por parte da Federação. Esperava muito mais em 2012, mas a falta de condições fez com que não conseguisse preparar-me suficientemente bem e, assim, era difícil fazer melhor. Em 2013 não desapareci propriamente, mas vi-me obrigado a afastar-me quatro meses devido a lesão. Em Abril ainda consegui um bom conjunto de resultados mas no início de Maio voltei a lesionar-me na Bulgária e o resultado foram três cirurgias e um mês de internamento no hospital. Em 15 de junho estava de regresso aos treinos mas o pouco tempo que me separava do Campeonato do Mundo fez com que desistisse da ideia, acabando por ceder o meu lugar e proporcionar a um atleta jovem a oportunidade de participar nesse grande evento.

O que é que se sente quando se está por fora das provas?

I. Z. - Estar do lado de fora da competição é muito mau, pelo menos eu convivo muito mal com essa realidade. Coloquei sempre a Orientação acima de tudo, sempre foi a minha grande paixão. Mas entretanto os tempos mudaram e também eu acabo por ter limitações. Agora tenho uma família, outras responsabilidades e já não sou mais o “niño” estouvado que fazia tudo o que queria e quando queria.

Esta participação no NAOM é indício de que 2014 é um novo ano, um ano para voltar a aparecer ao mais alto nível?

I. Z. - Durante todo este tempo tenho acompanhado de muito perto a Orientação com um único propósito em mente: Regressar em 2014 mais forte que nunca! De momento estou bem fisicamente; não tenho tocado muito nos mapas, é certo, mas espero que, com treino específico nos próximos dois meses, consiga chegar em condições àqueles que são os meus grandes objetivos.

E que são?...

I. Z. - A Taça do Mundo, o Campeonato da Europa e o Campeonato do Mundo. Pouca coisa! (risos) Mas bem, isto são os planos e veremos como conseguirei pô-los em prática. De momento, a Federação Romena não dá qualquer tipo de apoio, o que me deixa particularmente triste. Grande parte do dinheiro para a preparação e para as provas terá de sair do meu bolso, mas eu e a minha esposa decidimos que vale a pena tentar uma última vez e fazer tudo para conseguir uma boa temporada. Não é fácil tomar decisões quando o dinheiro que entra em casa por mês é um terço daquilo que irei necessitar até à minha primeira participação na Taça do Mundo, em Antalya. É assim que se faz desporto na Roménia. Mas também consigo ver nisto um lado positivo, o da motivação extra que a situação acarreta e da perspetiva dum punhado de momentos inesquecíveis.

Falou no Campeonato da Europa, que terá lugar em Portugal. Alguma expectativa especial?

I. Z. - O Europeu será um dos “pratos fortes” da temporada. Procurarei chegar aos Campeonatos na melhor forma possível, mas são muitos os aspectos que poderão influir em termos de preparação.

De momento temos o NAOM a marcar o início da preparação. Porquê o NAOM?

I. Z. - O NAOM é especial para mim. Ter representado o Grupo Desportivo dos Quatro Caminhos ao longo de algumas temporadas faz com que esta seja uma prova sempre com um sabor muito particular. Tenho uma enorme vontade de voltar a estar com os meus amigos portugueses, já que faz tempo que não estamos juntos. Os terrenos são muito bonitos e esta região é encantadora, com uma gastronomia excelente e com pessoas de trato inexcedível. E finalmente a qualidade dos percursos e a organização em geral, sempre atenta e disponível, tratando com carinho os participantes, como é habitual nas organizações de provas em Portugal. Gostaria ainda de deixar uma palavra de agradecimento ao Grupo Desportivo dos Quatro Caminhos, ao Fernando Costa e à Orievents pelo apoio prestado e por me ter facilitado toda a informação.

Quer deixar um desejo a todos quantos irão competir este fim de semana em Castelo de Vide?

I. Z. - Desejo que desfrutem da natureza e das paisagens tão bonitas que Castelo de Vide oferece.


Saudações orientistas.

Joaquim Margarido

terça-feira, 21 de janeiro de 2014

NAOM 2014: Estrelas da Orientação a caminho do Alentejo



A focalização é mais no próprio desempenho e menos no resultado final”. É com este objetivo que o nº 1 do Mundo, o francês Thierry Gueorgiou, irá competir no próximo fim de semana em Castelo de Vide, na oitava edição do NAOM - Norte Alentejano O' Meeting. Um evento dos mais importantes do calendário nacional, contabilizando até ao momento 640 atletas inscritos de 14 países, entre os quais alguns dos melhores especialistas mundiais.


O NAOM prepara-se para comemorar este ano a sua 8ª edição. Pela segunda vez na história do evento, será em Castelo de Vide que alguns dos melhores orientistas do mundo enfrentam o primeiro embate competitivo da temporada. Terrenos de enorme qualidade, percursos desafiantes, momentos espetaculares e uma organização disponível e atenta ao detalhe, explicam o grande sucesso do NAOM junto da comunidade orientista. Organizado pelo Grupo Desportivo dos Quatro Caminhos, o NAOM 2014 será disputado em Castelo de Vide, com as duas etapas de floresta, de Distância Média, a terem lugar na Barragem de Póvoa e Meadas, enquanto o centro da cidade de Castelo de Vide acolherá a prova de Sprint WRE, pontuável para o Ranking Mundial.

Primeiro dos três campos de treino projetados este ano para Portugal por Thierry Gueorgiou, o NAOM atrai as atenções do francês por várias razões: “As organizações portuguesas, em geral, têm uma grande reputação hoje em dia e eu espero um evento de classe mundial, em termos de terrenos e de percursos”, diz. O principal objetivo será “obter um bom feedback para ver como estão a funcionar a minha técnica e a velocidade de corrida”, refere o líder do Ranking Mundial, concluindo : “A focalização é mais no próprio desempenho e menos no resultado final”. Outra forte presença em Castelo de Vide será a de Daniel Hubmann. Segundo classificado do Ranking Mundial, Daniel considera que “é sempre bom começar a competir novamente e espero que as provas sejam desafiantes”. Trabalhar “ao nível das competências na Distância Média” parece ser o objetivo do suíço, concluindo que “o NAOM será um bom teste para terminar este primeiro campo de treino.”

Quanto às senhoras, Anastasia Tikhonova é das atletas mais bem colocadas para alcançar a vitória final. A russa foi uma das estrelas da última edição, terminando na segunda posição, e regressa de novo a Portugal: “Gostei muito desta competição e este ano teremos um Sprint WRE o que é muito atrativo.” Nesta primeira competição internacional da temporada, Anastasia vai procurar “perceber como está a minha preparação e quais os aspectos que precisam de ser mais trabalhados”. E conclui , esperando “uma boa organização, percursos interessantes e boa disposição”. Finalmente Emily Kemp, presença habitual em Portugal neste altura do ano: "Estou super animada por correr o NAOM mas não tenho objetivos específicos uma vez que estou a regressar de uma lesão muito prolongada”, refere a jovem canadiana. E conclui: “Sinto-me muito feliz por regressar aos treinos e à competição em terrenos novos em Portugal e, espero, que com um pouco de sol.”

Todas as informações em http://www.gd4caminhos.com/en/naom2014/



Saudações orientistas.

Joaquim Margarido

sábado, 18 de janeiro de 2014

Duas ou três coisas que eu sei dela...



1. Depois da Finlândia, é agora a vez de Noruega e Suécia serem palco da segunda ronda da Taça do Mundo de Orientação em Esqui 2013-2014. Com os Campeonatos do Mundo do próximo ano no horizonte, a localidade norueguesa de Hamar recebe a 18 e 19 de janeiro as etapas nº 5 e nº 6, seguindo-se depois, de quarta a domingo, mais quatro etapas na localidade sueca de Orsa Grönklitt. Seis provas em nove dias e um programa deveras exigente, é isso que podem esperar os cerca de 100 competidores de 15 países aguardados. Os russos Andrei Lamov e Tatyana Rvacheva lutam pela manutenção da liderança na Taça do Mundo, mas irão contar com a forte oposição dos atletas nórdicos que os secundam nos respetivos rankings, os noruegueses Lars Hol Moholdt e Hans Jørgen Kvåle e a sueca Tove Alexandersson, em igualdade pontual com a russa Yuliya Tarasenko. Aceda às páginas dos eventos em http://www6.idrottonline.se/IFKMorasOK-Orientering/test/WorldCupSki-O2014/ e http://www.skio2015.no/.

2. Os números estão lá e não enganam. Em 2013, nos países nórdicos, disputaram-se 129 competições de SkiO, 89 de TrailO e 54 de MTBO. Vem isto a propósito da curiosa troca de mensagens no twitter entre o norueguês Martin Jullum e um alto responsável da Federação Internacional de Orientação - https://twitter.com/IOFOrienteering/status/419075113883926528 – a propósito do Ranking Mundial de Orientação de Precisão. A intenção da IOF de “comissionar o serviço de fornecimento dos rankings em todas as disciplinas” foi o ponto de partida da discussão. “Infelizmente, nem TODAS as disciplinas, receio bem? Por uma qualquer razão, não temos ainda ranking de TrailO...”, adiantou Martin. Após uma breve troca de mensagens, o responsável da IOF admitiu que, face aos números, seria “interessante e útil saber os números dos restantes países do mundo.” Em Portugal, oficialmente, tivemos 9 provas de nível nacional e ainda a ronda final da Taça do Mundo, no que à Orientação em BTT diz respeito. Na Orientação de Precisão, foram oito as etapas da Taça de Portugal, às quais se devem acrescentar sete provas do Circuito. Acompanhe todos os desenvolvimentos em https://www.facebook.com/groups/161341063961365/.

3. Já começaram a ser divulgados os resultados da terceira edição do Internet TempO Game, uma iniciativa da conceituada página trailo.ot e do seu mentor, o italiano Marco Giovannini. Composto por oito estações, com cinco problemas em cada uma delas, o 3º ITT Game revela desde já um record de participantes em relação às duas edições anteriores. A Rússia foi uma “ilustre” ausente desta competição, mas foi notório o interesse crescente em países como Portugal (9 competidores) e Espanha (4 competidores). Em termos das individualidades que se dispuseram a aceitar os desafios desta terceira edição estão os seis primeiros classificados do Campeonato do Mundo de TempO, o que por si diz bem do interesse e valor da iniciativa. No final da segunda estação, o italiano Raus lidera com 103 pontos, seguido do checo Flynt com 133 pontos e da italiana Mamma Susy com 141 pontos. Xeriph, com 181 pontos, é o melhor português, ocupando o 18º lugar. Tudo para acompanhar em http://www.trailo.it/Index.asp.

4. Apenas uma pergunta muito breve a finalizar: Já votou em Matthias Kyburz hoje? Se não, aceda a http://www.theworldgames.org/the-sports/polls/1-athlete-of-the-year-2013 e faça-o. E não se esqueça de o fazer de novo amanhã, e depois, e depois...



Saudações orientistas.

Joaquim Margarido

quarta-feira, 15 de janeiro de 2014

Portugal O' Meeting 2014: Últimas atualizações



Já cheira a Portugal O' Meeting e procedemos hoje a uma atualização de conteúdos com base na muita informação divulgada quase diariamente pela incansável equipa de Comunicação e Imagem do CPOC – Clube Português de Orientação e Corrida. “Duas ou três coisas que eu sei do Portugal O' Meeting...” ou apenas um pretexto para ver e rever o extraordinário vídeo de apresentação do evento?


1. Faltam 44 dias para o arranque da 19ª edição do Portugal O' Meeting. Pela primeira vez no seu histórial, o evento ruma às altas paragens da Serra da Estrela, mais concretamente ao Município de Gouveia. Ao longo de quatro dias repletos de desafio e emoção, os participantes serão convidados a experimentar os terrenos de Vila Nova de Tázem e Arcozelo, para duas provas de Distância Longa e outras tantas de Distância Média, a segunda das quais (terceiro dia) pontuável para o ranking mundial. Completam o programa um Sprint Noturno em Gouveia, no primeiro dia e, no dia seguinte, uma etapa de Orientação de Precisão.

2. Nesta altura o número de inscritos é de 424, em representação de 16 países. Com 104 inscritos, Portugal é o país mais participativo, seguido da Suiça (80 inscritos) e da Noruega e Suécia (48 e 47 inscritos, respetivamente). A ADFA – Associação de Deficientes das Forças Armadas lidera uma lista de 117 clubes, como aquela que tem maior número de participantes (52), seguida do TT-Tur, da Noruega, com 29 inscritos e do GOLD, da Suiça, com 15. Em termos de escalões etários, M60 e M65 repartem o comando, com 36 inscritos cada. Dinis Lopes (Portugal) e Biger Garberg (Noruega) estão em polos opostos no que à idade diz respeito, separando-os uma diferença de 76 anos!

3. Nos escalões de Elite, o atleta mais conceituado a apresentar a sua inscrição até ao momento é o sueco Albin Ridefelt. Terceiro classificado na edição de 2013 do Portugal O' Meeting, o atleta falou na altura ao Orientovar e a entrevista pode ser lida em http://orientovar.blogspot.pt/2013/04/albin-ridefelt-trabalho-talento-e.html. A organização, entretanto, faz questão de anunciar o nome de Thierry Gueorgiou como uma certeza na edição deste ano. E deixa a pergunta: “Será que o francês, considerado o 'Rei da Distância Média', consegue a terceira vitória consecutiva?”

4. Entretanto, a organização procedeu à atualização de algumas informações técnicas, nomeadamente as distâncias dos percursos em cada uma das provas. É sabido, igualmente, que o Banquete oficial do POM 2014 será no Restaurante O Albertino, um espaço de reconhecidos méritos no panorama da restauração em Portugal, conciliando na perfeição quantidade e qualidade. Finalmente, uma chamada de atenção para o vídeo de apresentação do Portugal O' Meeting [acima], uma peça extraordinariamente bem feita e que funciona como o cartão de visita perfeito dum evento que promete qualidade e variedade. A não perder, absolutamente!

Saiba tudo sobre o Portugal O' Meeting 2014, em http://www.pom.pt/pt/.


Saudações orientistas.

Joaquim Margarido

segunda-feira, 13 de janeiro de 2014

NAOM 2014: "Vestimos a camisola e damos o nosso melhor por este evento"



O início da oitava edição do Norte Alentejano O' Meeting aproxima-se rapidamente e as expectativas não cessam de aumentar. Numa altura em que o número de atletas inscritos se aproxima já das cinco centenas, o Orientovar acompanha os últimos preparativos na companhia do Diretor do Evento, Fernando Costa.


Segunda fase dum ciclo que teve o seu início em Nisa, em 2007, o Norte Alentejano O' Meeting assenta arraiais, pela segunda vez na sua história, no concelho vizinho de Castelo de Vide. Ao longo das sete edições passadas, o NAOM cresceu e consolidou-se. Recebeu os Campeonatos Nacionais de Sprint e de Distância Média em 2008 e em 2012, incluiu quatro etapas pontuáveis para o Ranking Mundiais, integrou em 2011 o Portugal O' Meeting - prestigiada prova mundial do Calendário regular de Inverno -, foi palco assíduo da presença de todos os melhores atletas mundiais sem exceção e, “last but not least”, tem contribuído de forma consistente para a promoção e afirmação do nosso País, e em particular do Norte Alentejo, como destino turístico e desportivo por excelência nesta altura do ano.

É consciente desta realidade e das enormes responsabilidades que acarreta, que a Organização do NAOM, a cargo do Grupo Desportivo dos Quatro Caminhos, se prepara para um novo e importante embate, agendado para o último fim de semana deste mês de janeiro. Às dificuldades crescentes em montar um evento desta natureza e dimensões, acrescem imponderáveis de ordem vária, nomeadamente os relacionados com a intempérie que, este ano, não tem deixado de fustigar o nosso País. Para nos falar disto, revelando os preparativos e dando nota das expectativas criadas, fomos ao encontro de Fernando Costa, Diretor do Evento, aqui deixando alguns apontamentos dignos de nota.


A qualidade do evento está assegurada”

“O terreno desta oitava edição tem excelente qualidade, com características que o diferenciam em relação a outras edições devido a uma menor visibilidade e facilidade de progressão, aliadas a um terreno muito detalhado ao nível do relevo.” Com estas palavras proferidas em jeito de abertura, Fernando Costa parece indiciar já um evento de enorme qualidade técnica e onde os desafios em termos de progressão e opções de navegação serão uma constante. Mas parece ser cada vez mais difícil garantir os terrenos que melhor se adequem às exigências da alta competição, uma vez que as provas decorrem em terrenos privados, implicando uma relação muito estreita com os proprietários. “Por vezes as coisas não correm como desejamos, sendo uma questão que tem que ser trabalhada com muito tempo e com o maior cuidado, se queremos continuar a organizar eventos”, diz.

Um exemplo das dificuldades sentidas prende-se com as questões climatéricas. Fernando Costa explica: “Como no Alto Alentejo os melhores terrenos são junto das ribeiras, estamos sempre dependentes das condições climatéricas do Inverno e este ano também não foge à regra. Devido à subida do nível das águas na albufeira da Barragem de Póvoa e Meadas, vimo-nos obrigados a alterar o planeamento inicial. Mas mesmo assim a qualidade do evento está assegurada”, garante. O sucesso da implementação de alterações ao plano inicialmente previsto, passa muito pelos apoios, “nos quais os Municípios assumem um papel fundamental”, afirma aquele responsável, fazendo questão de realçar “o empenho da Câmara Municipal Castelo de Vide em colaborar com a organização, por forma a resolver todas as nossas solicitações e atuando em parceria ao mais alto nível.”


Mais um ano muito bom em termos de participação internacional”

Mas há muitos aspetos positivos relacionados com a organização do evento e o regresso a Castelo de Vide é um deles. Aqueles que acompanham estas andanças não deixarão certamente de recordar a jornada de 2008, colocando a par dos momentos de competição a presença do “embaixador” Manuel Serrão, uma emissão radiofónica em direto da Câmara de Castelo de Vide conduzida por Fernando Correia, os terrenos fantásticos que deram origem a algumas belas “Crónicas”, entre outros. Fernando Costa lembra esses momentos: “Em 2008, em Castelo de Vide, o evento foi muito promovido pelo Rádio Clube Português e, sem dúvida, foi um prazer podermos ter uma emissão em directo sobre a prova. Mas agora os tempos são mais difíceis em termos de comunicação e nem sequer temos ainda a confirmação dos Embaixadores, esperando contudo dar noticia sobre isso a muito breve trecho.”

Outro aspeto positivo é a presença do líder do ranking mundial, Thierry Gueorgiou, mas não só. Os irmãos Hubmann, Leonid Novikov, Philippe Adamski, o vencedor da primeira edição do NAOM, o romeno Ionut Zinca, as duas primeiras classificadas no ano passado, Amélie Chataing e Anastasija Tikhonova e muitos outros, merecem de Fernando Costa uma palavra de satisfação: “É sempre importante a presença de atletas conceituados no evento e para o clube é uma forma de motivação para fazer o melhor possível.” Acrescentando aos nomes referidos os de Baptiste Rollier, Kiril Nikolov, Frédéric Tranchand e Emily Kemp, o Diretor do Evento considera que “a juntar às três etapas pontuáveis para o ranking mundial, por altura do Carnaval, este será mais um ano muito bom em termos de participação internacional, apesar da concorrência ser cada vez maior e tornar-se cada vez mais difícil ter uma participação de atletas estrangeiros tão elevada como em anos anteriores.” E não esquece os atletas portugueses: “Esperamos a presença dos melhores.”


Maior aposta na formação e divulgação nos locais dos eventos”

A referência aos atletas portugueses remete para os passados dias 4 e 5 de janeiro e para um dos mais “frouxos” arranques duma Taça de Portugal de Orientação Pedestre de que há memória. Que o mote dado pela prova de Santiago do Cacém seja uma constante ao longo da temporada é um dos maiores receios de Fernando Costa: “Temo que sim. Infelizmente vamos ter menos participação em cada prova, pois a situação económica não vai permitir fazer a totalidade das etapas do ranking Nacional para a maioria dos Portugueses. Ou seja, as pessoas irão participar quando for mais perto de casa e nas provas principais.” E adianta uma solução: “Para inverter esta tendência, é necessário uma maior aposta na formação e divulgação nos locais dos eventos, procurando cativar participantes da própria região”.

Detalhando o Programa do NAOM 2014, percebe-se que Castelo de Vide terá na prova de Sprint um dos seus pontos altos, uma vez que se trata duma etapa pontuável para o ranking mundial. “Em Outubro a Federação Internacional criou um novo ranking, exclusivamente de Sprint, abrindo a possibilidade de concorrermos”, explica Fernando Costa. A candidatura foi aprovada no dia 13 de Dezembro, atraindo uma importante parte das atenções para aquela que era “inicialmente só uma prova extra”. Mas o restante programa é igualmente aliciante: “O Model Event, bem como as duas provas de Distância Média junto à Barragem da Póvoa e Meadas darão a conhecer um local paradisíaco, um local que quem não conhece vai voltar mais tarde para desfrutar da beleza natural ou para gozar uns dias de Férias”, garante Costa.
Em suma, um grande NAOM num ambiente natural único, “um NAOM na linha daquilo a que já se habituaram aqueles que nos visitam”, diz.


Lutamos para que o evento seja uma mais valia para a Orientação Nacional”

NAOM que, para quem não conhece, “é um projecto Intermunicipal, um evento criado a pensar numa região com enormes potencialidades para sobreviver à custa do Turismo da Natureza”, assegura o Diretor do Evento.
Mas nem tudo são rosas: “Este projeto só tem cabimento se todos lutarem pela região. A marca Norte Alentejano ou Alto Alentejo poderá ter muita força se todos acreditarem nela, desde o Desporto, Turismo, Cultura, o que não é nada fácil de concretizar.
A nossa organização territorial inibe quase sempre qualquer tentativa de alterar essa forma de agir e de pensar”, diz Fernando Costa.
A equipa organizadora, o Grupo Desportivo dos Quatro Caminhos, é a primeira a dar o exemplo: “Apesar de virmos de Matosinhos, vestimos a camisola e damos o nosso melhor por este evento”, conclui.

Uma última questão: "Qual a importância do NAOM no calendário nacional". Para Fernando Costa, a resposta não se faz tardar: “Lutamos para que o evento seja uma mais valia para a Orientação Nacional e que projete a nossa modalidade além fronteiras.” Fernando Costa concretiza: “O evento tem quatro edições em livro, o que deve ser inédito a nível Mundial, tem no seu quadro de honra os mais destacados especialistas mundiais, teve como embaixadores figuras de primeiro plano a nível do Desporto e da Cultura, no aspecto técnico teve terrenos muito interessantes para a pratica da modalidade e que servem de base a um dos melhores campos de treino de Orientação Nacional e Internacional.” A conclusão só pode ser uma: “Para o clube é sem dúvida o evento mais importante, um evento que foi ganhando ao longo destes oito anos um nome de marca que importa valorizar, no qual se deve apostar, na medida do seu contributo extraordinariamente válido para a promoção desta região e do País.”

Saiba mais sobre o NAOM 2014, em http://www.gd4caminhos.com/naom2014.


Saudações orientistas.

Joaquim Margarido