sábado, 29 de novembro de 2014

ADM - Ori Mondego: O nascimento dum novo clube



Dizem-se “um Grupo de Amigos com alguma experiência na modalidade” e decidiram vestir uma nova cor, um novo emblema. Nasce assim a Associação Desportiva do Mondego – Ori Mondego, coletividade toda ela focada na atividade e formação desportiva em geral e mais particularmente na modalidade de Orientação. Fundada em 18 de novembro de 2014, a sua apresentação pública teve lugar na noite de ontem, na Figueira da Foz.


O belíssimo Paço de Tavarede foi o local escolhido para a apresentação pública duma nova coletividade desportiva cujo foco principal incide sobre a modalidade de Orientação. Uma coletividade que surge “fruto da paixão pelo desporto em geral e pela Orientação em particular” e que se apresenta com o objetivo claro de ser um “polo dinamizador e congregador de iniciativas e práticas desportivas” e, ao mesmo tempo, servir de “agente divulgador das potencialidades e características da Região do Baixo Mondego para a prática de certo tipo de desportos, como por exemplo a Orientação.”

Em dia de festa, o Orientovar foi ao encontro da Associação Desportiva do Mondego – Ori Mondego e falou com o seu Presidente da Direção, Rui Mora. É dos principais momentos duma conversa onde trabalho, princípios e valores são elementos de referência num futuro que se abre pleno de esperança, que lhe damos conta, aqui e agora.


Uma “escola” desportiva de qualidade

Na conjuntura atual, o aparecimento dum clube de Orientação não pode deixar de ser considerado um ato de coragem. Numa altura em que a ADM Ori Mondego dá os primeiros passos, Rui Mora começou por enunciar, de forma muito clara, os princípios e objetivos que norteiam a vida do clube: “Queremos abraçar novos desafios, constituindo-nos como polos dinamizadores de iniciativas e práticas desportivas. Isso passa por trabalhar para e com uma população heterogénea de modo a reforçar e valorizar princípios e valores, mas passa também por nos apresentarmos como “escola” desportiva de qualidade pela partilha e reforço do espírito de grupo”, diz. “Organizar eventos em parceria com as comunidades locais e escolas, participar na organização de eventos nacionais e internacionais e funcionar como agente divulgador das potencialidades e características da Região do Baixo Mondego para a prática de certo tipo de desportos, como por exemplo a Orientação” são, igualmente, objetivos da ADM, de acordo com as palavras do seu Presidente.

Para trás fica a Secção de Orientação do Ginásio Clube Figueirense e um vasto registo de momentos particularmente marcantes e que em muito dignificaram a Orientação nacional. Sobre este assunto, contudo, Rui Mora mostra-se parco em palavras, limitando-se a referir que “na origem desta nova Associação está um Grupo de Amigos unidos e com a paixão pelo desporto e pela Orientação em particular.” Em relação ao Ginásio, deixa uma palavra de agradecimento “por todo o apoio prestado no tempo que por lá passei”, expressando igualmente o desejo “que a sua Secção de Orientação continue viva, dinâmica e com grandes êxitos.”


Gente unida e com uma grande capacidade de luta”

Mas afinal que gente é esta que agora abraça o desafio de arrancar com um novo clube? “É gente unida e com uma grande capacidade de luta”, refere Rui Mora, vincando que “são cerca de trinta atletas que decidiram fazer o seu percurso na nova época, num projeto novo e aliciante.” Lembrando que todos os elementos possuem atrás de si “alguns anos de participação em eventos de Orientação” e o desejo comum de “assim continuarmos juntos”, aquele dirigente pretende, desde já, reforçar as suas fileiras: “Estamos, naturalmente, abertos a todos as atletas que se quiserem juntar a nós, vindos eles de onde vierem, e claro não podemos excluir os do Ginásio”, afirma.

Dar os passos certos e com a calma necessária são imperativos do novo clube, uma vez que “começar do zero neste tempo de crise financeira não se vislumbra tarefa fácil”, conforme afirmam os seus responsáveis. É desejo expresso de Rui Mora e de toda a equipa que o acompanha “formar jovens atletas de carater, com vontade de vencer, mas acima de tudo, que no futuro sejam eles os nossos dirigentes e continuem a ser o garante da Associação.” Mas vai mais longe: “Queremos captar novos atletas para a modalidade da Orientação, organizar eventos de qualidade e começar a dar os primeiros passos nas competições da Federação Portuguesa de Orientação”.


Os apoios financeiros não são muitos”

Em Entrevista dada ao Orientovar e aqui publicada no já distante primeiro de outubro de 2012 [ver AQUI], Rui Mora afirmava não haver dinheiro para fazer Orientação em Portugal. Os anos passaram mas a situação não se alterou pelo que os apoios financeiros continuam a ser escassos. A este propósito, refere: “Temos de sobreviver com trabalho, mas já temos algumas parcerias com instituições e empresas privadas da zona Centro e temos também o apoio, desde o primeiro momento, da Camara Municipal da Figueira da Foz, da Associação das Coletividades da Figueira da Foz e da Federação Portuguesa de Orientação.” A isto acrescenta “o apoio dos clubes de Orientação, os quais têm manifestado por diversos meios o seu agrado com a nova Associação.”

Se fosse possível, com um simples estalar dos dedos, colocar de parte um problema ou uma dificuldade, qual seria a eleita? A resposta de Rui Mora solta-se, espontânea: “A Dificuldade Financeira”, diz.


Motivados como hoje, Dinâmicos como sempre”

A Associação Desportiva do Mondego – Ori Modego está a nascer com a Orientação, mas não fecha as portas a outras modalidades e actividades, tudo dependendo sempre da sua sustentabilidade. Competir em Campeonatos Nacionais, designadamente da Federação Portuguesa de Orientação, responder afirmativamente ao convite da FPO para integrar o Comité Organizador do Campeonato da Europa na variante BTT 2015 e organizar o 1º Ori Rally Mondego, uma prova de Estafetas, fazem parte da agenda do clube para o próximo ano. Mas há mais, conforme explica Rui Mora: “Teremos todo o gosto em estar presentes na Orientação de Precisão em 2015, pois o nosso Vice-presidente, António Neto, vai estar a fazer formação nessa área específica dentro de dias.”

O que será a ADM dentro de um ano ou daqui a cinco anos é algo que pertence ao domínio da futurologia. Mas Rui Mora não esconde as suas expectativas: Espero ver uma ADM a crescer de forma realista, mas que dentro de um, cinco ou mais anos, continue com este grande Grupo de Amigos, Motivados como hoje, Dinâmicos como sempre e juntos a reviver a história da sua passagem por uma Associação que se espera duradoura no tempo”, afirma. Para o novo clube, agora que estamos a chegar ao Natal, Rui Mora elege a título de “prenda no sapatinho”, um bolo-rei e uma garrafa de Vinho do Porto. Objetivo: “Partilhá-los com este Grupo de Amigos.”


As palavras do Presidente da FPO

A propósito do surgimento do novo clube, o Orientovar auscultou a opinião de Augusto Almeida, Presidente da Federação Portuguesa de Orientação. Nas palavras daquele dirigente, “a Orientação ganha sempre com o surgir de novos clubes vocacionados para a prática da modalidade, ainda mais quando o núcleo fundador tem por base um grupo de praticantes com provas dadas no amor e dedicação à modalidade como é o caso.” E, a terminar, um voto: “Que o futuro do Ori Mondego seja de muito trabalho, recompensado com sucesso”.

Para mais informações sobre a Associação Desportiva do Mondego – Ori Mondego consulte as páginas http://www.admondego.pthttps://www.facebook.com/pages/Associação-Desportiva-do-Mondego/860246773995493?fref=ts, utilize o e-mail adm.orimondego@gmail.com ou ainda os contactos de telemóvel 917270453, 967765378 e 963413896.


Saudações orientistas.

Joaquim Margarido

Sem comentários: