segunda-feira, 7 de julho de 2014

WTOC 2014: Martin Jullum é o novo campeão do mundo de TempO



Martin Jullum foi o grande vencedor da competição de TempO do XI Campeonato do Mundo de Orientação de Precisão WTOC2014. Numa final emocionante disputada esta tarde em Levico Terme, o atleta norueguês soube recuperar da desvantagem de 68 segundos trazida das qualificatórias da manhã, para chegar à primeira medalha da sua carreira. E logo de ouro!


Depois das qualificatórias da manhã, nada o fazia prever. Antti Rusanen voltara a mostrar à evidência a sua superior classe e, de forma inequívoca, deixara a concorrência a uma distância que parecia suficiente para o livrar de qualquer percalço na Final, a disputar umas horas mais tarde. O desconsolador 4º lugar dos Mundiais de Vuokatti tinha sido parcialmente vingado com a conquista do título Europeu, em Palmela (Portugal), mas agora estavam em causa os Mundiais e “falhar” era palavra a evitar no vocabulário do atleta finlandês. Do outro lado estavam todos os restantes nomes maiores da Orientação de Precisão mundial, da ainda campeã do mundo de TempO em título, a finlandesa Pinja Mäkinen, à vice-campeã mundial e medalha de bronze nos Campeonatos da Europa, a sueca Marit Wiksell – curiosamente, as duas únicas senhoras no conjunto dos 24 participantes na Final -, do norueguês Martin Jullum ao finlandês Lauri Kontkanen e ao sueco Martin Fredholm, três nomes cuja contribuição para a evolução desta disciplina nos últimos anos tem sido extraordinária. E se é verdade que nenhum deles deitara já “a toalha ao chão”, não é menos verdade que uma desvantagem de 68 segundos no caso de Jullum, ou, pior ainda, de 131,5 segundos no caso de Kontkanen, dificilmente seria anulada.

Num terreno completamente diferente daquele encontrado da parte da manhã e com condições atmosféricas adversas, a prova viria a ter um desfecho absolutamente imprevisível. Com a fasquia colocada num patamar muito elevado em termos de dificuldade técnica - muitos pontos de longa distância e, nalguns casos, ângulos de visão superiores a 200º -, era certo e sabido que a pressão do tempo ia fazer estragos. Responder bem mostrava-se mais importante do que responder depressa e ter “nervos à prova de aço” era meio caminho andado para o sucesso. Com quatro respostas falhadas das cinco que compunham a primeira estação, o sueco Martin Fredholm hipotecava desde logo uma prestação que ambicionava, legitimamente, a conquista duma medalha. Também Marit Wiksell, com duas respostas incorrectas, via afastar-se a hipótese de chegar de novo ao pódio. Entretanto, Martin Jullum falhava uma resposta na primeira estação, Antti Rusanen errava igualmente uma resposta na segunda estação e disso tirava partido Lauri Kontkanen, 100% certeiro e o segundo mais rápido a responder até essa altura.


Luís Gonçalves, a grande revelação

A terceira estação chegou e, com ela, a grande viragem. As três respostas incorrectas de Antti Rusanen levam-no a perder a vantagem amealhada até então. Marit Wiksell continua a ser a mais rápida, mas com uma resposta incorreta, tal como Martin Jullum. Lauri Kontkanen tem duas respostas incorretas, Pinja Mäkinen nenhuma. Com tudo em aberto, as duas últimas estações irão ser decisivas. Abreviando: Martin Jullum, Lauri Kontkanen e Pinja Mäkinen respondem corretamente aos dez últimos problemas, Marit tem duas respostas incorretas na quarta estação e Rusanen responde incorretamente a uma resposta na quarta estação e a outra na quinta. Está encontrado o vencedor, é norueguês e chama-se Martin Jullum, com um total de 546,5 pontos. Nove anos depois de Aichi e da medalha de ouro de Per Midthaugen, a bandeira norueguesa voltava a flutuar no mastro mais alto do pódio dum Campeonato do Mundo de Orientação de Precisão. Os finlandeses Lauri Kontkanen e Pinja Mäkinen completaram o pódio, com mais 29,5 segundos e 38 segundos, respetivamente, que o vencedor. A maldição do quarto lugar voltou a abater-se sobre Rusanen.

Olhando para a classificação geral, o português Luís Gonçalves protagonizou, seguramente, uma das maiores surpresas deste Campeonato do Mundo de TempO. Estreante nas grandes provas internacionais, Gonçalves enfrentou uma competição desta natureza pela segunda vez (!) na sua curta carreira de trail orientista e fê-lo da melhor forma. Depois do magnífico resultado das qualificatórias e que lhe valeu o 16º lugar entre os 59 participantes, o atleta português viria na decisiva prova a subir 7 lugares na classificação, logrando a proeza de ser o mais certeiro entre todos os finalistas com apenas uma resposta incorreta e alcançando um score final de 797 segundos. Um feito notável que premeia, não apenas o atleta, mas toda a Orientação de Precisão portuguesa pelo notável trabalho que tem vindo a desenvolver, sobretudo nos últimos dois anos e meio. Melhor que Luís Gonçalves só mesmo o japonês Naohiro Yamaguchi, 19º classificado à partida para a grande Final e que viria a concluir num "impensável" 7º lugar.


Resultados

1. Martin Jullum (Noruega) 546,5 segundos
2. Lauri Kontkanen (Finlândia) 576 segundos
3. Pinja Mäkinen (Finlândia) 584,5 segundos
4. Antti Rusanen (Finlândia) 605,5 segundos
5. Marit Wiksell (Suécia) 680,5 segundos
6. Tomáš Leštínsky (República Checa) 741 segundos
7. Naohiro Yamaguchi (Japão) 746 segundos
8. Geir Myhr Øien (Noruega) 759,5 segundos
9. Luis Gonçalves (Portugal) 797 segundos
10. Martin Fredholm (Suécia) 810 segundos

Tudo para conferir em http://www.woc2014.info/wtoc.php.

[Fotografia de arquivo]


Saudações orientistas.

Joaquim Margarido
 

Sem comentários: