domingo, 27 de julho de 2014

JWOC 2014: "Dobradinha" da Suécia no fecho dos Campeonatos



Confirmando o ascendente demonstrado ao longo de toda a semana, a Suécia foi a grande vencedora das provas de Estafeta, masculina e feminina, que colocaram um ponto final nos Campeonatos do Mundo de Júniores de Orientação Pedestre JWOC 2014. Em termos individuais, Sara Hagström foi a grande figura da competição, regressando a casa com três medalhas de ouro e uma de prata na bagagem.


Chegaram ao fim os Campeonatos do Mundo de Juniores de Orientação Pedestre JWOC 2014. Epicentro duma semana recheada de emoções fortes, Borovets foi o palco da prova de Estafeta, a qual contou com a presença total de 96 equipas, em representação de 33 países no setor masculino e 27 no feminino. Marca identitária destes Campeonatos, o elevado desafio técnico voltou a colocar à prova as qualidades e capacidades das quase três centenas de atletas presentes, sendo o principal responsável por mexidas constantes ao longo de toda a prova, ainda que no final não se registassem surpresas de vulto no tocante aos lugares de honra.

No setor masculino, a segunda equipa da Suécia foi a primeira a concluir o percurso inicial, com Oskar Lundqvist a passar o testemunho com a escassa vantagem de um segundo sobre o finlandês Topi Raitanen e onze segundos sobre o russo Ivan Kuchmenko, segundo e terceiro classificados, respetivamente. Bem pior esteve Assar Hellstrom, a perder 1:05 para a liderança e a deixar a equipa nº 1 da Suécia em “maus lençóis” para o que restava de prova. Algumas hesitações à entrada do segundo percurso, porém, permitiram o reagrupamento dos principais candidatos à vitória e o relançar dos dados, isto numa altura em que a Espanha, com Luís Sanchez Serrano, fechava um grupo de quinze unidades a menos de 30 segundos do finlandês Topias Ahola, que era agora o líder. O final do segundo percurso não tardaria e, com ele, Simon Hector e a Suécia eram os primeiros na passagem de testemunho, embora com a escassa vantagem de 5 segundos sobre os perseguidores imediatos, o checo Jonás Hubácek e o suiço Tobia Pezzati.

Com muitas contas ainda por fazer no início do derradeiro percurso, era no entanto possível perceber que havia “cinco galos para um poleiro”. O Campeão do Mundo de Distância Média, Miika Kirmula, claudicara no primeiro percurso, mas a segunda equipa da Finlândia aí estava para honrar a camisola. Com ela, Suécia, República Checa, Suiça e Noruega lutavam agora pela medalha de ouro. Uma luta empolgante que acabou reduzida a três, com o Campeão do Mundo de Distância Longa, Anton Johansson, a ser o mais forte e a garantir a vitória da Suécia com o tempo de 1:36:30. República Checa e Suiça, com mais 10 e 13 segundos, respetivamente, ocuparam os restantes lugares do pódio.


Quem tem Sara Hagström tem tudo

Fazendo jus ao enorme favoritismo que lhe era atribuído, a Suécia foi a vencedora da Estafeta feminina. Começou melhor a Noruega, com a Vice-campeã do Mundo de Sprint, Heidi Mårtensson, a conseguir destacar-se dum numeroso grupo e a ser a primeira a entregar o testemunho, ainda que com uma reduzida vantagem de 42 segundos sobre a segunda equipa da Noruega, de 46 segundos sobre a Polónia e de 48 segundos sobre a Suécia, que ocupavam as posições imediatas. Assegurando o segundo percurso das norueguesas, Gunvor Hov Høydal, Campeã do Mundo de Distância Longa, teve na sueca Frida Sandberg uma adversária ao seu nível e que acabaria por anular a desvantagem, lançando para o decisivo percurso a extraordinária Sara Hagström na primeira posição, com dez e vinte segundos de vantagem sobre a segunda equipa da Suécia e sobre a Noruega, respetivamente.

Mas não se julgue que a partir daqui foi sempre a andar. Apesar de técnica e força serem atributos que Sara Hagström tem “para dar e vender”, a verdade é que uma boa entrada no mapa permitiu à norueguesa Mathilde Rundhaug anular a desvantagem e passar para a frente, com Hagström a debater-se com a necessidade de não falhar. Mas se podemos dizer que Hagström não falhou, devemos acrescentar que Rundhaug se cotou ao nível da sua adversária, saindo ambas lado a lado para os derradeiros pontos de controlo. Só que aí Sara Hagström foi mesmo a mais forte, terminando com o tempo de 1:38:18, menos 9 segundos que a sua adversária direta. Com Lisa Schubnell no último percurso, a segunda equipa da Suiça imitou os seus companheiros na estafeta masculina, concluindo na terceira posição a distantes 6:06 das vencedoras. Constituída por Vera Alvarez, Beatriz Moreira e Joana Fernandes, a Estafeta feminina portuguesa concluiu na 25ª posição com o tempo total de 2:29:26.


Contas e mais contas

Num último olhar sobre o conjunto de resultados e sobre as vinte e quatro medalhas atribuídas ao longo dos Campeonatos, percebe-se que a Suécia foi a grande triunfadora com 5 medalhas de ouro, 2 de prata e 2 de bronze. As restantes quatro medalhas de ouro couberam à Nova Zelândia, Finlândia, Suiça e Noruega. Noruega que acrescenta duas medalhas de prata ao ouro e garante a segunda posição do medalheiro dos Campeonatos, seguida da Finlândia e da Suiça, com mais duas medalhas de bronze cada. Ao todo, foram nove os países medalhados nestes Mundiais, devendo pois acrescentar-se a República Checa, com uma medalha de prata e uma de bronze, a Polónia e a Itália, com uma medalha de prata cada e a Dinamarca, com uma medalha de bronze.

Se quisermos alargar as contas do JWOC 2014 até ao sexto lugar da classificação nas quatro distâncias, definindo como critério seis pontos para o primeiro classificado, cinco para o segundo e assim sucessivamente, até um ponto para o sexto classificado, veremos que a Suécia alcança o notável “score” de 56 pontos, destacando-se da Finlândia com 25 pontos e da Noruega com 20 pontos. Suiça com 16 pontos e Nova Zelândia e República Checa com 9 pontos, ocupam as posições imediatas, numa tabela que contabilizou 16 países inscritos.


Resultados

Masculinos

1. Suécia (Assar Hellstrom, Simon Hector, Anton Johansson) 1:36:30
2. República Checa (Ondrej Semík, Jonás Hubacék, Marek Minár) 1:36:40 (+ 00:10)
3. Suiça (Jonas Egger, Tobia Pezatti, Sven Hellmueller) 1:36:43 (+ 00:13)
4. França (Arnaud Perrin, Loïc Marty, Nicolas Rio) 1:38:30 (+ 02:00)
5. Letónia (Mikus Purins, Alvis Reinsons, Rudolfs Zernis) 1:38:42 (+ 02:12)
6. Nova Zelândia (Tim Robertson, Shamus Morrison, Nick Hann) 1:39:05 (+ 02:35)
7. Finlândia (Arttu Syrjäläinen, Topias Ahola, Aleksi Niemi) 1:39:09 (+ 0239)
8. Noruega (Markus Holter, Anders Felde Olaussen, Andreas Sölberg) 1:39:11 (+ 02:41)
9. Russia (Ivan Kuchmenko, Konstantin Serebryanitsk, Dmitry Polyakov) 1:40:48 (+ 4:18)
10. Bulgária (Martin Ponev, Dimitar Jelyazkov, Apostol Atanasov) 1:40:51 (+ 04:21)

Femininos

1. Suécia (Tilda Johansson, Frida Sandberg, Sara Hagström) 1:38:18
2. Noruega ( Heidi Mårtensson, Gunvor Hov Høydal, Mathilde Rundhaug) 1:38:27 (+ 00:09)
3. Suiça (Paula Gross, Sina Tommer, Lisa Schubnell) 1:44:24 (+ 06:06)
4. Ucrânia (Daria Moskalenko, Olena Postelniak, Mariya Polischuk) 1:44:53 (+ 06:35)
5. Finlândia (Jannina Gustafsson, Emmi Jokela, Anna Haataja) 1:45:03 (+ 06:45)
6. França (Delphine Poirot, Chloé Haberkorn, Lauriane Beauvisage) 1:46:08 (+ 07:50)
7. República Checa (Markéta Novotná, Anna Sticková, Katerina Chromá) 1:48:55 (+ 10:37)
8. Grã-Bretanha (Katie Reynolds, Rhona MacMillan, Tasmin Moran) 1:48:59 (+ 10:41)
9. Dinamarca (Nicoline Friberg Klysner, Cecilie Friberg Klysner, Miri Thrane Ødum) 1:49:57 (+ 11:39)
10. Letónia (Marta Jansona, Liga Valdmane, Sandra Grosberga) 1:50:11 (+ 11:53)
(...)
25. Portugal (Vera Alvarez, Beatriz Moreira, Joana Fernandes) 2:29:26 (+ 51:08)

Mais informações e resultados completos em http://jwoc2014.bg/.

[Foto: Skogssport / facebook.com/Skogssport]


Saudações orientistas.

Joaquim Margarido

Sem comentários: