segunda-feira, 31 de março de 2014

Krešo Keresteš: "Quase todos os dias ouço Fado e como Presunto, Queijo e Caldo Verde"



Cartógrafo, ilustrador e designer gráfico, Krešo Keresteš é uma das personalidades mais importantes da cena mundial da Orientação de Precisão. Campeão do Mundo (Classe Aberta) em 2007, ele é também membro da Comissão de Orientação de Precisão da Federação Internacional de Orientação e uma das figuras mais dedicadas a esta “causa”. No início da temporada, vamos ter oportunidade de o ter connosco em Portugal, no decorrer dos Canmpeonatos da Europa ETOC 2014, sobre os quais nos deixa, desde já, um punhado de impressões.


Não pudemos vê-lo no Verão passado em Vuokatti, pelo que faz quase dois anos que não participa numa competição de TrailO com este estatuto de Campeonato do Mundo ou da Europa. O que é que tem feito, entretanto?

Krešo Keresteš (K. K.) - Quase dois anos? A verdade é que, desde os Mundiais da Escócia, apenas falhei o WTOC na Finlândia, pelo que ainda não fugi muito àquilo que são os meus próprios critérios pessoais (risos). Cada Campeonato é um momento importante porque esta uma disciplina en constante evolução. Mas que ninguém fique preocupado por minha causa. No ano passado competi de forma regular na Taça de Orientação de Precisão CRO-ITA-SLO [Croácia, Itália e Eslovénia], tendo alcançado o segundo lugar final. Estive em apenas quatro etapas da Taça da Europa (não oficial), consegui entrar por duas vezes no top5 e chegar ao final no 14º lugar. Também estive muito envolvido na marcação de percursos e na organização de Cursos para traçadores.

Campeonatos da Europa em Portugal. Não lhe soa um pouco “estranho”?

K. K. - Penso que é muito mais estranho que grandes potências da Orientação, como são os casos da Suiça, da Áustria ou da Bélgica, não tenham Orientação de Precisão. Dou todo o meu louvor a Portugal por ter tomado a seu cargo a organização do ETOC. Acredito que haja em Portugal excelentes cartógrafos e todos sabemos que um bom mapa é a condição principal para que possamos ter uma boa prova. Quanto aos percursos, acredito que os Supervisores darão uma ajuda preciosa. Quanto ao TrailO em Portugal, conheço-o a si como um grande promotor desta disciplina e ao Ricardo [Pinto] como um competidor persistente. Sobretudo nos últimos tempos, tenho acompanhado regularmente todas as competições de Orientação de Precisão em Portugal e também aquilo que vai sendo colocado no grupo Iberia O-Prec, no Facebook.

Como é que tem decorrido a sua preparação para esta competição em particular?

K. K. - Quase todos os dias ouço Fado e como Presunto, Queijo e Caldo Verde. Pode-se imaginar como estou bem preparado para a competição de TrailO (risos).

Que tipo de evento espera?

K. K. - Não estou muito preocupado com isso. A minha tarefa é dar o meu melhor de acordo com as circunstâncias do momento. Tenho de estar preparado para tudo. Espero um terreno mais verde do que aquele onde, no ano passado, decorreu o Palmela TrailO Meeting e um mapa mais colorido, com muitos emblemas e logotipos e ainda um símbolo de norte engraçado. ;)

Consegue indicar alguém que esteja nas condições ideias para se sagrar Campeão da Europa?

K. K. - Todos aqueles que estarão presentes nos Campeonatos da Europa apresentam as condições ideais para se sagrarem campeões. Mas apenas um poderá chegar o título, perante a impotência dos demais. É muito difícil vaticinar o que quer que seja, sobretudo numa altura em que a temporada de Orientação de Precisão, em muitos países, não começou sequer. Duma coisa pode ter a certeza: Não sigo este ou aquele atleta em particular e não os tomo como os meus ídolos. Se assim fosse, teria muito mais dificuldade em vencê-los. Mas respeito-os a todos.

Pessoalmente, o que consideraria como um bom resultado?

K. K. - Li numa entrevista que o John [Kewley] espera chegar ao top 15, o que significa que eu já lá estou (risos). Agora a sério, esta será a primeira vez em que participo num Europeu e a competição será muito mais cerrada do que num Campeonato do Mundo. Qualquer momento de desatenção poderá custar 10 lugares na classificação ou mesmo mais, mas esta é uma situação igual para todos. Ficarei muito satisfeito se conseguir um lugar no top 10 e muito feliz com uma medalha, qualquer que ela seja. :)

Qual é o seu grande objetivo esta temporada?

K. K. - O meu maior objetivo estará em conseguir pelo menos o 4º lugar nos Campeonatos do Mundo, em Itália. Esta é a condição definida pelo Comité Olímpico da Eslovénia para que a Orientação de Precisão no meu país veja garantidos os apoios a futuras participações em Campeonatos do Mundo e à organização de treinos e provas.

Pedia-lhe que formulasse um desejo para estes Campeonatos da Europa.

K. K. - Desejo o maior sucesso à organização dos Campeonatos da Europa e que o evento possa conduzir a uma maior promoção do nosso desporto. Para os Campeões Europeus, o meu desejo é a de muitos ovos de Páscoa (risos).


Saudações orientistas.

Joaquim Margarido

Sem comentários: