sábado, 1 de fevereiro de 2014

Matthias Kyburz: Entre o Corta-Mato e a Orientação



Tem lugar no próximo domingo, na Aldeia das Açoteias, em Albufeira, a 51ª edição da Taça dos Clubes Campeões Europeus de Corta-Mato, um evento que traz a Portugal cerca de meio milhar de atletas em busca do melhor resultado. Número 3 do ranking mundial de Orientação Pedestre, Matthias Kyburz é um dos atletas que irá marcar presença na linha de partida. Uma vez mais, Portugal e as grandes competições na rota do grande orientista suiço a servirem de pretexto para uma breve mas muito agradável conversa, onde Orientação e Corta-Mato se misturam e confundem.


Enquanto Thierry Gueorgiou, Daniel Hubmann e outros grandes nomes da cena internacional competiam no passado fim de semana em Portugal, o Matthias ganhava em Berna a pensar em... Portugal. Mas não propriamente num evento de Orientação. Quer explicar-nos como é que isto é?

Matthias Kyburz (M. K.) - No próximo domingo irei correr a Taça dos Clubes Campeões Europeus de Corta-Mato, em Albufeira, e é esse o porquê de ter competido na semana passada em Berna. Estarei em Portugal porque o meu clube, o LG Regio Basel, foi Campeão Nacional Suiço de Corta-Mato na temporada passada, ao nível de clubes. A prova em Berna, onde pude correr lado a lado com alguns bons triatletas suiços, teve um caráter apenas regional e serviu de preparação para esse embate de domingo.

Que conhecimento tem de Albufeira e dos seus adversários?

M. K. - Não muito. Sei apenas que Albufeira se situa no Sul de Portugal... Ainda não consultei a lista de partidas e por isso não faço ideia de que são os restantes competidores.

Fez algum tipo de treino específico para esta prova?

M. K. - Apesar da prova do passado fim de semana, devo reconhecer que não fiz qualquer tipo de treino específico a pensar no evento de Albufeira. A minha preparação de Inverno tem corrido muito bem até ao momento e esta é, na minha opinião, a melhor preparação que posso fazer. Se treinamos Orientação, estamos também a treinar Corta-Mato. Penso que não existem grandes diferenças. Para mim, o Corta-Mato é uma forma de me preparar melhor para a temporada internacional que se avizinha.

Estou certo que, nesta altura, o seu pensamento está na prova de domingo. Após o 17º lugar final no ano passado, em Castellon (Espanha), como é que vai ser com o LG Regio Basel nesta edição da Taça? Quais as suas expectativas?

M. K. - No ano passado não participei e, portanto, esta é a minha estreia numa grande prova internacional de Corta-Mato. Mas, por aquilo que ouço dizer, não temos quaisquer hipóteses de lutar por um lugar cimeiro, embora possa garantir que a nossa equipa se irá apresentar muito mais forte do que aconteceu no ano passado. Pessoalmente, espero conseguir um lugar no meio da tabela. Felizmente, tenho boas pernas e irei lutar o tempo todo até ao final.

Vendo na linha de partida nomes tão familiares como os de Tue Lassen, Jani Lakanen, Gabriel Lombriser ou o seu irmão Andreas, por exemplo, o que é que sente? Porque é que vemos, tantas vezes, um atleta da Orientação a conseguir importantes resultados noutras modalidades e o oposto não acontece?

M. K. - Ter comigo, na linha de partida, os nomes que mencionou, significa, pelo menos, que tenho a possibilidade de não ficar em último... (risos) Quanto à outra questão, é muito simples: Um orientista deve ser rápido e, portanto, consegue bater-se com os melhores atltetas. Mas é muito mais difícil, para alguém que não seja praticante de Orientação, estar ao nosso nível na leitura de mapas.

Uma última questão: Depois de Albufeira, irá voltar a Portugal para os Campeonatos da Europa de Orientação Pedestre. O seu grande objetivo é conseguir, em Portugal, chegar pela primeira vez na sua carreira a um título Europeu a nível individual?

M. K. - Depois de Albufeira, ficarei mais duas semanas em Portugal, preparando os Europeus. E é claro que tentarei estar o mais apto possível para, nos Campeonatos da Europa, conseguir chegar à medalha de ouro.

[Foto: athletix.ch]


Saudações orientistas.

Joaquim Margarido

1 comentário:

Anónimo disse...

Fez um fantástico 7 lugar no Taça dos Clubes Campeões Europeus de Corta Mato. Ficou 30 segundo atrás do melhor Português (Rui Pedro Silva) e a 38 do vencedor! Obrigado pelo artigo! Paulo Franco