sexta-feira, 24 de janeiro de 2014

Ionut Zinca: "Regressar em 2014 mais forte que nunca!"



A vitória na edição inaugural faz de Ionut Zinca um nome para sempre ligado à história do Norte Alentejano O' Meeting. Após um longo afastamento, o romeno regressa a Portugal e a um evento pelo qual nutre um carinho especial. Uma época plena de ilusões está prestes a começar!


Alcançou em 2011, em França, a melhor classificação de sempre dum atleta romeno em Campeonatos do Mundo, com um fantástico 5º lugar na prova de Sprint. No ano seguinte, ainda conseguiu uma presença em todas as finais dos Mundiais de Lausanne, mas a partir daí praticamente eclipsou-se. A que se deveu este afastamento?

Ionut Zinca (I. Z.) - Após os Mundiais de 2012, as coisas não correram particularmente bem e tive de alterar os meus objetivos ao perceber que o apoio necessário não estava garantido por parte da Federação. Esperava muito mais em 2012, mas a falta de condições fez com que não conseguisse preparar-me suficientemente bem e, assim, era difícil fazer melhor. Em 2013 não desapareci propriamente, mas vi-me obrigado a afastar-me quatro meses devido a lesão. Em Abril ainda consegui um bom conjunto de resultados mas no início de Maio voltei a lesionar-me na Bulgária e o resultado foram três cirurgias e um mês de internamento no hospital. Em 15 de junho estava de regresso aos treinos mas o pouco tempo que me separava do Campeonato do Mundo fez com que desistisse da ideia, acabando por ceder o meu lugar e proporcionar a um atleta jovem a oportunidade de participar nesse grande evento.

O que é que se sente quando se está por fora das provas?

I. Z. - Estar do lado de fora da competição é muito mau, pelo menos eu convivo muito mal com essa realidade. Coloquei sempre a Orientação acima de tudo, sempre foi a minha grande paixão. Mas entretanto os tempos mudaram e também eu acabo por ter limitações. Agora tenho uma família, outras responsabilidades e já não sou mais o “niño” estouvado que fazia tudo o que queria e quando queria.

Esta participação no NAOM é indício de que 2014 é um novo ano, um ano para voltar a aparecer ao mais alto nível?

I. Z. - Durante todo este tempo tenho acompanhado de muito perto a Orientação com um único propósito em mente: Regressar em 2014 mais forte que nunca! De momento estou bem fisicamente; não tenho tocado muito nos mapas, é certo, mas espero que, com treino específico nos próximos dois meses, consiga chegar em condições àqueles que são os meus grandes objetivos.

E que são?...

I. Z. - A Taça do Mundo, o Campeonato da Europa e o Campeonato do Mundo. Pouca coisa! (risos) Mas bem, isto são os planos e veremos como conseguirei pô-los em prática. De momento, a Federação Romena não dá qualquer tipo de apoio, o que me deixa particularmente triste. Grande parte do dinheiro para a preparação e para as provas terá de sair do meu bolso, mas eu e a minha esposa decidimos que vale a pena tentar uma última vez e fazer tudo para conseguir uma boa temporada. Não é fácil tomar decisões quando o dinheiro que entra em casa por mês é um terço daquilo que irei necessitar até à minha primeira participação na Taça do Mundo, em Antalya. É assim que se faz desporto na Roménia. Mas também consigo ver nisto um lado positivo, o da motivação extra que a situação acarreta e da perspetiva dum punhado de momentos inesquecíveis.

Falou no Campeonato da Europa, que terá lugar em Portugal. Alguma expectativa especial?

I. Z. - O Europeu será um dos “pratos fortes” da temporada. Procurarei chegar aos Campeonatos na melhor forma possível, mas são muitos os aspectos que poderão influir em termos de preparação.

De momento temos o NAOM a marcar o início da preparação. Porquê o NAOM?

I. Z. - O NAOM é especial para mim. Ter representado o Grupo Desportivo dos Quatro Caminhos ao longo de algumas temporadas faz com que esta seja uma prova sempre com um sabor muito particular. Tenho uma enorme vontade de voltar a estar com os meus amigos portugueses, já que faz tempo que não estamos juntos. Os terrenos são muito bonitos e esta região é encantadora, com uma gastronomia excelente e com pessoas de trato inexcedível. E finalmente a qualidade dos percursos e a organização em geral, sempre atenta e disponível, tratando com carinho os participantes, como é habitual nas organizações de provas em Portugal. Gostaria ainda de deixar uma palavra de agradecimento ao Grupo Desportivo dos Quatro Caminhos, ao Fernando Costa e à Orievents pelo apoio prestado e por me ter facilitado toda a informação.

Quer deixar um desejo a todos quantos irão competir este fim de semana em Castelo de Vide?

I. Z. - Desejo que desfrutem da natureza e das paisagens tão bonitas que Castelo de Vide oferece.


Saudações orientistas.

Joaquim Margarido

Sem comentários: