terça-feira, 30 de abril de 2013

CAMPEONATO BRASILEIRO DE ORIENTAÇÃO 2013: JUSCELINO KARNIKOWSKI E TÂNIA CARVALHO VENCEM PRIMEIRA ETAPA



O Campeonato Brasileiro de Orientação 2013 teve o seu início com a disputa da primeira etapa na cidade de Brasília. Emoção a rodos, muita festa e animação e, no final, dois grandes nomes a saírem na frente para a jornada seguinte: Juscelino Alencar Karnikowski e Tânia Maria Jesus de Carvalho.


O CamBOR 2013, Campeonato Brasileiro de Orientação, já começou. Distribuindo-se tradicionalmente por três etapas, o maior Campeonato de Orientação das Américas deu o pontapé de saída em Planaltina, Brasília, naquela que é a 15ª edição do certame. Com a cidade capital em festa a comemorarar 53 anos de existência, o evento acolheu 670 atletas oriundos de todo o Brasil, assim como da Venezuela, Colômbia, Bélgica e França, naquela que fica para a história como a etapa do CamBOr mais participada de sempre.

Esta primeira etapa do CamBOr 2013 abriu com uma prova de Estafetas, na qual tomaram parte 131 equipas distribuídas por 11 escalões de competição. De acordo com a ideia veículada por António Carlos Silva, elemento da organização e o responsável pelo excelente blogue Orientista em Rota - http://orientistaemrota.blogspot.pt/ - “a receita de um Revezamento de Trios semelhante a uma disputa Sprint parece ter agradado os competidores, os quais puderam guardar energias para enfrentar os próximos dois dias de percursos extremamente técnicos e com considerável desnível.”


Almirante Adalberto Nunes destaca-se nas Estafetas

Na categoria Damas Adulto, a turma da Associação Desportiva Almirante Adalberto Nunes (ADAAN5) – Tânia Maria Jesus de Carvalho, Mirian Ferraz Pasturiza e Leticia Da Silva Saltori - confirmou em absoluto o favoritismo que lhe era atribuído, vencendo em 38:09 e deixando a mais de sete minutos a equipa segunda classificada, ADAAN4, composta por Thaiane Cavalcanti Couto, Denise Lucas Paiva Campos e Rozana Souza Albuquerque.

Já na categoria Homens Adulto as coisas deocrreram de forma bem diferente, com os quatro primeiros classificados a terminarem separados por menos de um minuto. Ronaldo André Castelo Dos Santos de Almeida (ADAAN1) fez um primeiro percurso brilhante, com Robson Figueira Rengifo e sobretudo Fábio Kuczkoski a confirmarem o bom desempenho global e a catapultarem a sua equipa para uma vitória com tanto de suado como de saboroso, no tempo de 33:12. A turma do Clube de Orientação Gralha Azul (COGA1), composta por Claudio Luiz Tokarski, Guilherme Ressel Flores e Juscelino Alencar Karnikowski foi segunda classificada, a 23 segundos dos vencedores.


No melhor pano cai a nódoa

O segundo dia desta primeira etapa do CamBOr trouxe com ele uma prova de Distância Longa que se viria a revelar... demasiado longa! Atentando nos tempos dos vencedores – Mirian Ferraz Pasturiza levou de vencida o escalão D21E com um registo de 1:49:47 para 8.300 metros do percurso, enquanto Leandro Pereira Pasturiza precisou de 1:22:38 para cumprir os 10.200 metros do seu percurso e levar de vencida a concorrência -, facilmente se percebe que, tanto do ponto de vista físico como técnico, os percursos eram tudo menos fáceis. A agravar a situação esteve ainda, segundo o Blog do Orientista - http://blogdoorientista.blogspot.pt/ -, de João Manoel Franco, “um ponto de controle fora do local quando os primeiros atletas passaram”, o que levou à anulação de alguns percursos. Estiveram neste caso os percursos de Elite masculina e feminina, o que mancha de forma indelével toda a organização.

Uma prova de Distância Média WRE, pontuável para o ranking mundial da modalidade, ocupou o programa do derradeiro dia de provas e, uma vez mais, algumas categorias viram anulados os respetivos percursos devido a um ponto de controlo que não estava no local previsto. No escalão de Elite masculina, Leandro Pasturiza voltou a ser um dos grandes protagonistas, liderando a pova até ao penúltimo ponto, altura em que, ainda de acordo com o Blog do Orientista, “cometeu o erro de não verificar a descrição do ponto de controle, que estava num cupinzeiro, passando direto sem ver o prisma e perdendo 4 minutos, caindo para a sexta colocação.” o vencedor foi Juscelino Alencar Karnikowski (CO Gralha Azul), com 39:15, seguido de Gilson Schropfer (Casa dos Sub-Tenentes e Sargentos de Santo Ângelo) e do Campeão brasileiro em título, Ironir Alberto Ev (CO Santiago), com mais 1:31 e 2:01 que o vencedor, respetivamente. Tânia Maria Jesus de Carvalho (ADAAN) venceu no escalão de Elite feminina com o tempo de 38:57, deixando atrás de si Wilma Barbosa de Souza (Clube de Orientação Bravo), a distantes 4:02. Juliane Valéria De Carvalho Mendonça (Clube de Orientação Santa Maria) foi a terceira classificada com o tempo de 43:20.


O CamBOr regressa em Manaus

A próxima etapa do CamBOr terá lugar em Manaus, capital do Estado do Amazonas, de 20 a 23 de Junho. A prova terá como Diretor Geral o nosso bem conhecido e querido amigo Paulo Calisto Becker e o primeiro Boletim pode ser visualizado em http://www.cbo.org.br/sistema/competicoes/documentos/Boletim%20Nr1_IIE_CamBOr%202013.pdf.

Pode consultar os resultados finais da primeira etapa do CamBOr 2013 em http://www.cbo.org.br/sistema/competicoes/documentos/Resultado%20Final%20_I%20E%20CamBOR%202013.pdf e ver mais de 1300 imagens numa foto-reportagem absolutamente fantástica de António Carlos Silva nos Álbuns do Orientista em Rota, em https://plus.google.com/100370412801553008243/photos.

[Foto gentilmente cedida por António Carlos Silva]


Saudações orientistas.

JOAQUIM MARGARIDO

PORTO CITY RACE 2013: ORIENTAÇÃO E PATRIMÓNIO DE MÃOS DADAS



Depois das várias incursões da Orientação levadas a cabo em 2012 no Centro Histórico do Porto, o Grupo Desportivo dos Quatro Caminhos regressa a um local de eleição, preparando-se para organizar, já no próximo dia 12 de maio, a segunda edição do Porto City Race. Uma manhã de descoberta e de puro prazer, ao encontro de alguns dos segredos mais bem guardados da cidade Património Mundial da Humanidade.


O casco histórico do Porto recebe na manhã do dia 12 de maio um grande evento urbano de Orientação Pedestre. Trata-se do Porto City Race, prova de abertura do Circuito Nacional Urbano 2013, aberto a pessoas de qualquer idade, podendo participar individualmente ou em grupo.

À London City Race foi o Grupo Desportivo dos Quatro Caminhos “beber” a filosofia deste tipo de provas, com o Porto City Race a assumir desde o início a condição de “evento gémeo” da mítica prova londrina. Cientes de que têm um longo caminho a percorrer para conseguirem alcançar patamares de participação idênticos aos da sua congénere de Londres – o mais recente evento teve lugar no dia 22 de Setembro de 2012, com 1197 atletas a cruzarem a linha final em Temple -, os organizadores da prova “tripeira” têm a seu favor dois fatores deveras importantes: a riqueza e beleza da urbe e a importância crescente que os portuenses dão à marcha e à corrida, com algumas provas deste género organizadas na cidade a ultrapassarem facilmente os dez milhares de participantes.


Correr a pensar, pensar a Correr”

Mas o que é que a marcha e a corrida têm a ver com a Orientação? Têm tudo, apetece dizer! Ao extraordinário Webzine de Corrida “Correr por Prazer” - http://www.correrporprazer.com/ -, Fernando Costa assegura que a Orientação “é uma forma diferente de correr ou caminhar”. E contextualiza: “O participante é que escolhe as suas opções, corre-se com liberdade e aplica-se muito bem a sigla 'correr por prazer', pois não existe nenhuma imposição a não ser a obrigatoriedade de passar pelos pontos de controlo do seu percurso no menor espaço de tempo possível.” Subir e descer muitas escadas, descobrir becos e ruelas, passar por parques e jardins, são ingredientes duma corrida/caminhada singular e que promete fazer as delícias não só daqueles que já descobriram no Centro Histórico um palco privilegiado para os seus treinos mas sobretudo dos muitos outros que, apesar de terem sido já “mordidos pelo bichinho” da curiosidade, nunca se atreveram a fazê-lo. O pretexto aí está, associado a uma definição que Fernando Costa avança de forma objetiva: “Correr a pensar, pensar a Correr”.

Com partida e chegada no Palácio de Cristal, local emblemático da Invicta, à disposição dos participantes irão estar 12 percursos diferentes, perfeitamente ajustados ao nível físico e técnico de cada participante. Nos percursos abertos é de destacar a possibilidade de os mesmos poderem ser feitos em grupo ou em família. Para quem não está habituado a interpretar um mapa de Orientação, Fernando Costa garante que “não irá notar muita diferença, pois o mapa urbano é muito parecido com um mapa turístico e a organização poderá fazer briefings antes da partida para esclarecer alguma dúvida”, conforme pode ler-se na Entrevista,


Onze países inscritos

Com o aproximar da data da realização do Porto City Race, o número de inscritos não pára de crescer. Bélgica, Espanha, França, Reino Unido, Alemanha, Hungria, Lituânia, Holanda, Noruega e Ucrânia, para além de Portugal, naturalmente, formam a lista de países representados no evento. Entre as individualidades que oferecem a sua imagem ao evento encontramos, a título de embaixadores, os ultra-maratonistas Susana Simões e Telmo Veloso e ainda Domingos Paciência, futebolista de todos conhecido, um homem que ajudou a marcar uma época no Futebol Clube do Porto e que envergou a camisola das quinas em 35 ocasiões.

Resta dizer que a inscrição no Porto City Race poderá ser feita online através da plataforma Oasis - http://www.orioasis.pt/oasis/express.php?action=express&sh=s&eventid=1188 - ou então por e-mail (inscrever@gd4caminhos.com) indicando o nome, data de nascimento, nº BI e qual o percurso que deseja realizar. As taxas de inscrição estão estipuladas no Regulamento de Competições da Federação Portuguesa de Orientação e para este tipo de evento os não federados pagam – 4,00€ (jovens) e 7,00€ (adultos). As inscrições para os escalões abertos podem ser efectuadas até ao dia de prova, ficando, no entanto, condicionadas à disponibilidade de mapas.

Saiba tudo sobre o Porto City Race consultando a página do evento em http://www.gd4caminhos.com/portocityrace2013/.


Saudações orientistas.

JOAQUIM MARGARIDO

segunda-feira, 29 de abril de 2013

DIA NACIONAL DA ORIENTAÇÃO 2013: MINI-PROVA EM S. PEDRO DA GAFANHOEIRA A CANTAR ABRIL



No passado dia 28 de Abril, o Gafanhori organizou uma Mini-Prova de Orientação em S. Pedro da Gafanhoeira, a qual foi integrada nas Comemorações do 25 de Abril, não deixando ainda de assinalar o Dia Nacional da Orientação, que teve lugar no dia anterior (27 de Abril).

Esta pequena prova teve início pelas 10 horas, sendo a concentração (partidas e chegadas) junto à Junta de Freguesia. De salientar ainda que existiam dois percursos distintos, um deles com 1,4 km direccionado sobretudo para quem não tem experiência na modalidade e um percurso de 3,0 km para aquelas que já tem experiência na mesma.

Tendo em conta o elevado número de iniciativas integradas nas comemorações do 25 de Abril que foram levadas a cabo durante este fim-de-semana, a participação nesta mini-prova foi bastante reduzida, ainda assim estiveram presentes 15 pessoas, que eram maioritariamente crianças.

Apesar disto, é importante dar continuidade a este tipo de iniciativas, de forma a demonstrar à população que a Orientação na nossa terra ainda está viva, bem como para dar oportunidade às novas gerações de experimentarem esta modalidade fantástica.



DIA NACIONAL DA ORIENTAÇÃO 2013: V TAÇA CLAC ARRANCOU NO ENTRONCAMENTO




O CLAC festejou o dia com a realização da 1ª prova da V edição da Taça CLAC Orientação. No Mapa do Bonito, cerca de 50 atletas, amigos e famílias juntaram-se numa prova com três percursos - Fácil, Médio e Longo -, onde prevaleceu a descontracção, amizade e desportivismo, em que o resultado foi o menos importante, mas a interajuda e partilha sobrepôs-se à luta pelos lugares de classificação.

Foi no mínimo uma bela manhã desportiva em que o CLAC se associou à festa da Orientação nacional, que celebrou o dia em quase tudo o país e ilha da Madeira com provas junto das populações locais


[Fonte: Clube de Lazer, Aventura e Competição, em http://www.clac.pt/2013/04/noticias/resultados-da-1ª-prova-da-iv-taca-clac/]

DIA NACIONAL DA ORIENTAÇÃO 2013: 92 BRINCARAM EM ALBERGARIA DOS DOZE



 Uma tarde de puro convívio entre pais e filhos, miúdos e graúdos divertiram-se a brava.

Noventa e dois participantes marcaram presença nesta actividade durante a tarde do passado domingo dia 28 de Abril, actividade esta integrada no plano anual de actividades do Núcleo de Aventura e Desporto de Albergaria dos Doze e aproveitando também para assinalar o Dia Nacional da Orientação promovido pela Federação Portuguesa de Orientação.

Mini orientação, cabra cega, pesca, jogo das bolas, ski colectivo entre outros foram os jogos propostos pelo NADA e que serviram de entretenimento para quem resolveu participar no evento.

A avaliar pelo divertimento dos participantes, os jogos foram do agrado de todos, até porque houve quem os repetisse por várias vezes, sem dúvida um evento a repetir.

Um agradecimento a todos os pais e filhos que responderam afirmativamente ao nosso convite, para o ano há mais, contamos coma vossa presença.


[Foto extraída do Album “Actividades Pais e Filhos – 28/4/1013”, AQUI]

domingo, 28 de abril de 2013

III CIRCUITO DE ORIENTAÇÃO DE PRECISÃO "TODOS DIFERENTES, TODOS IGUAIS": FERNANDO COSTA E RICARDO PINTO VENCEM EM SANTO TIRSO



Fernando Costa e Ricardo Pinto foram os grandes vencedores da 4ª etapa do III Circuito de Orientação de Precisão “Todos Diferentes, Todos Iguais”, disputada no Parque da Rabada, em Burgães.


Acompanhando as celebrações do Dia Nacional da Orientação, a Secção de Orientação dos Trampolins de Santo Tirso, com o apoio da Câmara Municipal de Santo Tirso, EB S. Rosendo e Federação Portuguesa de Orientação levou por diante a organização da 4ª etapa do III Circuito de Orientação de Precisão “Todos Diferentes, Todos Iguais” e ainda duas outras provas, uma de Orientação Pedestre e outra de Orientação Adaptada. As provas começaram com um atraso considerável em relação ao horário previsto, mas o percalço não foi suficiente para desmobilizar a meia centena de entusiastas que fizeram questão de marcar presença e que aproveitaram o tempo de espera para gozar as belezas do renovado Parque da Rabada, graciosamente aconchegado num cotovelo da margem esquerda do Rio Ave, beber os raios dum sol benfazejo e, sobretudo, confraternizar.

Desenhado por Fernando Pinto André e Joaquim Margarido, o percurso, com uma distância de 1200 metros e 16 pontos de controlo – aos quais se juntariam, no final, dois pontos cronometrados -, colocou desafios interessantes aos competidores, a pedir máxima concentração. Na Classe Aberta assistiu-se à vitória dum dos pioneiros da Orientação de Precisão portuguesa, Fernando Costa (GD4C), naquela que foi uma das suas primeiras – senão mesmo a primeira (!) - incursão nas lides competitivas. Depois de ter organizado ou ajudado a organizar dezenas de provas desta fascinante disciplina, Fernando Costa não se fez rogado de mapa na mão e, com 16/18 pontos foi o mais certeiro. Na segunda posição classificou-se outro atleta do GD4C, Aida Correia, com 14/18 pontos, cabendo o terceiro lugar, com 13/18 pontos, a Nuno Rebelo (Ori-Estarreja).


Rui Tavares e Ricardo Pinto lideram ranking

Na Classe Paralímpica, o DAHP - Núcleo de Desporto Adaptado do Hospital da Prelada voltou a estar em plano de evidência, com Ricardo Pinto a somar a sua quarta vitória em outras tantas etapas do Circuito. Pinto cometeu a proeza de responder acertadamente aos dezasseis desafios que compunham o percurso formal, claudicando apenas nos dois pontos cronometrados e acabando por sofrer um ponto de penalização por ter excedido o tempo limite de prova e que era de 84 minutos. Na segunda posição, com 9/18 pontos, classificou-se o atual líder do ranking da Taça de Portugal 2013, Júlio Guerra, enquanto António Novais e António Amorim, também do DAHP, ocuparam as posições imediatas com 6/18 e 5/18 pontos, respetivamente.

Após quatro etapas, Ricardo Pinto comanda o ranking na Classe Paralímpica, seguido de Júlio Guerra e Diana Coelho. Na Classe Aberta, a liderança vai para Rui Tavares, secundado por Aida Correia e João Vítor Alves, todos do Grupo Desportivo dos Quatro Caminhos. O Circuito prossegue no próximo dia 11 de maio, pelas 10h00, com o Justlog Park Race a ter lugar no Monte da Senhora da Assunção, em Santo Tirso.

Saudações orientistas.

JOAQUIM MARGARIDO

MUNDIAIS DE DESPORTO ESCOLAR ISF 2013: ESPANHA DISTINGUIDA COM O PRÉMIO FAIR PLAY




MUNDIAL ESCOLAR 2013
ESPAÑA FAIR PLAY
E
Moçambique esteve lá

Se Espanha foi distinguida pela International School Federation com o Troféu Fair Play do Campeonato do Mundo Escolar de Orientação, a mais importante distinção que se outorga nestes Campeonatos, valorizada mais do que as medalhas individuais e por equipas, é o prémio a um todo, competição, comportamento, solidariedade, ajuda, simpatia, amizade... os valores mais importantes que devem nortear o Desporto Escolar.

E devemos recordar que esta é a segunda vez que nos é outorgado o prémio, a primeira foi no Mundial Escolar de Escócia e em toda a sua história, em todos os mundiais escolares, de todas as modalidades em que participou, apenas por duas vezes foi outorgado a Espanha este mérito, e as duas vezes à seleção escolar espanhola de orientação, colégios e equipas.

Isto foi possível graças a ti, orientista, que muito antes de começar a competição estavas a acrescentar o teu grãozinho de areia, fazendo um grande esforço nestes momentos de dificuldade económica, para tornar realidade o sonho de algumas crianças, espanholas e moçambicanas.

Obrigado, orientista e pai, que apesar dessas dificuldades fizeste os impossíveis para que o teu filho pudesse estar presente na competição, o teu filho/a nunca o esquecerá.

Obrigado orientista treinador / professor, o vosso esforço altruísta não tem preço.

Obrigado aos IES que estiveram presentes e àqueles que se quedaram pelo caminho.

Obrigado Orientista, Clube, Federação Autonómica ou localidade que nos seguiste à distância, que desfrutaste com cada êxito das nossas crianças e que, além do mais, graças à tua gratidão, tornaste possível que uma escola africana, Casa do Gaiato / Moçambique, estivesse presente pela primeira vez num Campeonato do Mundo de Orientação. O sonho duns meninos tornado realidade.

Graças a ti orientista rapaz / rapariga que conseguiste um lugar neste Campeonatos, pelo teu esforço na competição e em cada um dos atos desenvolvidos, tenhas ou não sido acompanhado pelo êxito, pela tua integração no grupo, por partilhares tudo, por ajudares, por transmitires a tua alegria... Obrigado pelo vosso carinho e dádiva a estas crianças de Moçambique e pelos vossos “beijinhos” para com elas.

É tudo isto que nos leva a dizer

Não é preciso dizer nada, apenas ver”

Felicidades pelo merecido Fair Play

GRACIAS / OBRIGADO / KHANIMAMBO


[Federación Española de Orientación, em http://www.fedo.org/web/ficheros/noticias/2013/MUNDIAL-ESCOLAR-2013-Relato.pdf]

DIA NACIONAL DA ORIENTAÇÃO 2013: COM OS AMIGOS DA MONTANHA NO MONTE DO FACHO (BARCELOS)




Os Amigos da Montanha assinalaram o Dia Nacional da Orientação 2013 com a realização de uma prova no monte do Facho. Os participantes puderam escolher o percurso que mais se adequava aos seus conhecimentos técnicos e físicos, partindo dos três percursos propostos pela organização: Fácil Curto, Fácil Longo e Difícil Longo.

Aos participantes que experimentaram pela primeira vez a modalidade foi feita uma pequena apresentação e um acompanhamento nos primeiros pontos até que se sentissem com confiança para prosseguirem sozinhos.

A iniciativa teve a adesão de 35 participantes. Apesar da não haver intuitos competitivos, foram registados os tempos que os atletas demoraram a percorrer os respectivos percursos.

A organização considera a adesão muito baixa. O local, em termos paisagistas, é muito bonito e passear por aqueles bosques de carvalhos e sobreiros pode proporcionar bons momentos de convívio familiar e de amizade.

Jorge Silva
Amigos da Montanha

[Foto gentilmente cedida por Jorge Silva]

sexta-feira, 26 de abril de 2013

DIA NACIONAL DA ORIENTAÇÃO 2013: FIM DE SEMANA EM FESTA




Um pouco por todo o país, celebra-se este fim de semana o Dia Nacional da Orientação. Para além do valor simbólico da iniciativa, traduzido na união de esforços e vontades em torno dum ideal comum, o conjunto de eventos tem como objetivo a promoção e divulgação da modalidade junto das populações, sendo de caráter universal e, nalguns casos, gratuito.


Foi no dia 14 de Março de 2009 que a Orientação portuguesa celebrou pela primeira vez o seu Dia Nacional. A iniciativa colheu de imediato o carinho e o empenho dos diversos agentes da modalidade, resultando num momento de grande importância e significado para a Orientação portuguesa. São muitos aqueles que, ainda e sempre, continuam a ver no Dia Nacional da Orientação uma proposta vincadamente comprometida com a divulgação da modalidade mas que, para além disso, tem esse caráter de união e solidariedade tão querido dos orientistas.

É assim, unidos e solidários, que os orientistas voltam a festejar o Dia Nacional da Orientação. Das iniciativas de demonstração em centros históricos aos percursos orientados na floresta, a correr, a caminhar, a pedalar ou mesmo de cadeira de rodas, todos irão viver por dentro a Orientação como o desporto da floresta, o desporto da família, o desporto de todos e para todos.

O leque de iniciativas que assinalam o Dia Nacional da Orientação espalha-se do Minho ao Alentejo e à Madeira, concentrando as atenções nos seguintes Municípios: Braga, Barcelos, Santo Tirso, Matosinhos, Albergaria dos Doze, Leiria, Entroncamento, Palmela, Santiago do Cacém, Arraiolos e Funchal, com organizações, respetivamente, do Clube de Orientação do Minho, Amigos da Montanha, Trampolins de Santo Tirso, Grupo Desportivo dos Quatro Caminhos, Núcleo de Aventura e Desporto de Albergaria dos Doze, Clube de Orientação do Centro, Clube de Lazer, Aventura e Competição do Entroncamento, Escola Secundária de Palmela, Clube de Orientação e Aventura do Litoral Alentejano, Clube de Orientação da Gafanhoeira – Arraiolos e Clube de Montanha do Funchal.

A lista completa pode ser consultada na página da Federação Portuguesa de Orientação, em http://www.fpo.pt/.

Saudações orientistas.

JOAQUIM MARGARIDO

sábado, 20 de abril de 2013

PERCURSO PERMANENTE DE ORIENTAÇÃO DO PARQUE DA CIDADE DO PORTO FOI HOJE INAUGURADO




O Parque da Cidade do Porto está mais rico. Com a inauguração do Percurso Permanente de Orientação, o utente do Parque tem agora à sua disposição 39 pontos espalhados ao longo daquele verde e belo espaço. São 39 novos desafios, 39 novas maneiras de ver o Parque, ao encontro de alguns dos segredos mais bem guardados deste verdadeiro “pulmão” da cidade.


No seu livro “Parque da Cidade do Porto – Ideia e Paisagem”, o Arquiteto Sidónio Pardal considera que “a ideia do Parque tem como desígnio alcançar a expressão do belo natural (…) e não lhe é cometido qualquer desempenho premeditado que não seja o de oferecer a paisagem como espaço livre descodificado, em contraponto com o corpo da cidade que o envolve”. Ora, o Parque da Cidade do Porto tem esse sortilégio de ser um momento singular de absoluto prazer contemplativo e a conclusão prática desta verdade traduz-se na relação afetiva que a cidade tem com o seu Parque, o prazer simples sentido por todos os que o procuram para fruir das suas paisagens.

Ao encontro de todos aqueles que usufruem do Parque e que beneficiam dos seus múltiplos recursos e encantos, a Câmara Municipal do Porto, através da Porto Lazer, com o apoio técnico do Grupo Desportivo dos Quatro Caminhos, acaba de inaugurar um Percurso Permanente de Orientação, constituído por 39 pontos espalhados ao longo dos quase cem hectares de terreno que compõem o espaço. A cerimónia de inauguração teve lugar esta manhã e contou com a presença de Vladimiro Feliz, Vice-Presidente da Câmara Municipal do Porto, Manuel Gonçalves, Vereador do Ambiente e Liliana Ferreira, chefe da Divisão de Parques Urbanos da Câmara Municipal do Porto. Presentes também muitos elementos do Grupo Desportivo dos Quatro Caminhos, alunos das escolas Secundária de Ermesinde e Básica Integrada da Apúlia, bem como o Diretor Executivo da Federação Portuguesa de Orientação, António Amador.

Optando por um percurso mais curto, os presentes partiram à descoberta dos 14 pontos espalhados ao longo duma distância de dois quilómetros. Dois quilómetros de descoberta e de aprendizagem, não só dos mistérios e desígnios dum mapa de Orientação e da panóplia de símbolos e cores que lhe estão associados e que conformam a sua magia, mas também dum Parque que se abre duma forma diferente e maravilhosa, revelando alguns dos seus mais misteriosos recantos e dando-se a ver duma forma única, irrepetível.


Desta experiência retiramos ideias para podermos levar esta modalidade um pouco mais longe”

No final, Vladimiro Feliz não escondia a sua satisfação: “A partir de hoje, o Parque da Cidade do Porto fica ainda mais rico. Este é um palco privilegiado da cidade do Porto, é algo que faz inveja a muitas cidades europeias e mundiais, que conjuga elementos tão fortes como o verde da vegetação e o azul do mar, e que agora tem aqui mais um atrativo, não só na parte competitiva, mas também na parte do lazer e da promoção de hábitos de vida saudável.” Sobre a forma como este Percurso Permanente de Orientação pode vir a ser dinamizado no futuro, o Vice-Presidente da Câmara Municipal do Porto foi muito sincero: “Não há ainda nada em concreto, mas desta experiência retiramos ideias para podermos levar esta modalidade um pouco mais longe, nomeadamente ao encontro das escolas do Porto, e isto é algo que iremos analisar em conjunto no sentido de estudar alguns projetos-piloto que levem as novas gerações a interessar-se também pela modalidade.”

Entre os projetos-piloto conta-se o alargamente da rede de Percursos Permanentes a outros espaços verdes da cidade e ainda o Percurso Permanente do Porto Património Mundial, ao encontro de alguns dos mais emblemáticos monumentos do centro histórico da cidade. Vladimiro Feliz faz o ponto da situação: “Acima de tudo, importa conjugar esta prática com a promoção turística da cidade. E ao fazê-lo no centro histórico, numa zona de excelência da cidade, estamos a contribuir para duas prioridades desta autarquia: a promoção de hábitos de vida saudável, como já referi, e uma outra que é a promoção turística da cidade. Mas ainda podemos aliar a isto um melhor conhecimento da cidade por parte dos portuenses. Nós próprios não conhecemos a nossa cidade e a Orientação dá-nos uma oportunidade única para o fazermos e de uma forma divertida. Ainda hoje passei por zonas do Parque por onde nunca tinha passado nem conhecia e essa é uma oportunidade única de vermos a cidade duma forma diferente. A prova que está prevista para o próximo mês [Porto City Race] é já um passo nesse sentido e é o consolidar de algo que arrancou no ano passado com grande sucesso e que este ano, de acordo com o que me foi aqui transmitido, ganhou alguma expressão internacional, o que é revelador do interesse do projeto.” A terminar, Vladimiro Feliz sai daqui um cidadão ainda mais orientado? “Mais bem orientado, certamente. Tento fazê-lo todos os dias, mas este tipo de atividades ajudam a orientar, ajudam acima de tudo a relaxar. Espero que esta orientação me permita no futuro, em decisões diferentes, tomar o melhor rumo para a cidade.”


A partir deste momento estou certo que as coisas serão mais fáceis”

Também Luís Leite, Presidente do Grupo Desportivo dos Quatro Caminhos, se mostrava satisfeito no final duma manhã deveras especial: “Este é um dia muito importante para o Clube, principalmente pelo tempo que demorou a implementação do Percurso Permanente do Parque da Cidade do Porto, desde os primeiros contactos com a Câmara Municipal do Porto até ao objetivo finalmente concretizado.” Mas afinal que percurso é este? Luís Leite explica: “Temos aqui uma matriz de 39 pontos no terreno e que permitem que escolas, utentes do parque, visitantes ocasionais, turistas estrangeiros, enfim, todos aqueles que usufruem deste espaço, executem um percurso de Orientação sem a necessidade da intervenção de terceiros para a sua montagem.” Para este responsável, “a grande mais valia do Percurso Permanente vai ao encontro dos professores das escolas do Porto que podem perfeitamente trazer aqui os alunos. O trabalho de montagem dos percursos está já pronto, só têm de pôr em prática as noções entretanto minsitradas. Têm aqui um dia espetacular, fora da Escola e a oferta duma atividade de nível intermédio entre aquilo que é um mapa da Escola e um mapa de floresta, de competição.”

Com cinco percursos diferentes e com grau crescente de dificuldade, o Percurso Permanente do Parque da Cidade do Porto terá num mapa de distribuição gratuita o seu principal suporte, podendo o mesmo vir a ser adquirido no Parque, em local a designar, ou fazendo o seu download na internet. Para Luís Leite, “qualquer pessoa com um conhecimento básico de leitura dum mapa turístico de cidade, por exemplo, consegue fazer o percurso de grau de dificuldade menor. Talvez não faça os pontos a correr, mas na iniciação isso não é importante, aliás nem é aconselhável. A partir daí o conhecimento deverá ir evoluindo e os mais interessados poderão contactar o clube ou consultar o nosso site. A oferta de treinos e de provas é enorme e variada e teremos todo o gosto em acolher os interessados para que possam continuar a reforçar a sua ligação à modalidade.” E agora? “A partir deste momento estou certo que as coisas serão mais fáceis. O alargamento deste Percurso Permanente é algo que se afigura como muito possível no futuro, o desenho de novos percursos a partir dos pontos já existentes ou dos que venham a ser criados é igualmente muito provável e as conversações com a Câmara Muncicipal do Porto vão no sentido do alargamento da rede de Percursos Permanentes a outros parques da cidade do Porto, nomeadamente o Palácio de Cristal, S. Roque e o Parque Oriental da Cidade.”



[Veja o vídeo da inauguração AQUI]



Saudações orientistas.

JOAQUIM MARGARIDO

quarta-feira, 17 de abril de 2013

MUNDIAIS DE DESPORTO ESCOLAR 2013: OURO PARA ANTÓNIO FERREIRA




António Ferreira acaba de sagrar-se Campeão do Mundo de Orientação de Desporto Escolar, ao vencer a etapa de Distância Média disputada hoje em Vila Real de Santo António. Uma vitória suada e sofrida mas mais que merecida, a fazer dele o segundo ouro da Orientação portuguesa em dez presenças ininterruptas nos Mundiais.


Quando me perguntam há quanto tempo faço Orientação, respondo sempre que não me lembro ou que praticamente fiz Orientação na minha vida toda.” Foi assim que António Ferreira, 14 anos, morador na Nazaré e aluno da EB 2,3 de Pataias, começou por traçar o seu perfil para os “Verdes Anos” [AQUI http://orientovar.blogspot.pt/2012/03/os-verdes-anos-antonio-ferreira.html], rúbrica que o Orientovar lançou em Maio de 2008 e tão persistentemente tem acarinhado. Aí se pode perceber um pouco da faceta deste jovem que gostava de ir às provas de Orientação “para jogar à bola”, que encontrou motivação para continuar no facto de ter andado quase uma hora perdido em Idanha-a-Nova e que tinha como grande rival Daniel Catarino. Curioso é o final desse texto premonitório: “Agora que comecei a treinar com regularidade, quero atingir os meus objetivos na seleção e, no futuro, vir a ser um grande orientista ou, quem sabe, estar entre os melhores do mundo.”

Pois é. Cinco anos depois de termos visto pela primeira vez a bandeira portuguesa hasteada no mastro mais alto dum Campeonato do Mundo de Orientação de Desporto Escolar, com Vera Alvarez a levantar o “V” da vitória no dia 25 de Abril de 2008, em Edimburgo, António Ferreira não fez por menos e trouxe a nota de maior emoção ao primeiro dia dos Mundiais, que decorrem este ano no Algarve.


Concretizei o meu sonho”

O Orientovar falou com o atleta ainda “a quente” e conseguiu sentir a emoção desprender-se das suas palavras: “Sinto-me feliz e posso dizer que concretizei o meu sonho. Este resultado foi o ver que todo o trabalho e sacrifício durante o treino não foi em vão”, começou por dizer. Falando dos momentos que antecederam a prova, António revela que “estava muito nervoso ontem à noite, mas consegui dormir bem. Hoje voltei a acordar nervoso, tomei um banho, descontraí, mas depois fiquei nervoso até ao momento em que peguei no mapa. A partir daí passou-me o nervosismo todo e senti-me bem durante a prova.” Referindo-se à prova em si, o atleta considera que “tinha alguns pontos mais técnicos mas era essencialmente muito rápida. Entrei mal no mapa e perdi cerca de 45 segundos logo para o primeiro ponto, talvez por ser uma zona não muito rica em elementos. Fui no sentido certo mas acabei por bater numa clareira ao lado, contornei-a e dei com o ponto. A partir daí e até ao 14º ponto fiz uma prova limpa, no ponto 14 perdi mais 20 segundos e até ao final fiz de novo uma prova limpa.”

A parte final foi marcada pela emoção: “Consegui passar já no ponto de espectadores com o melhor tempo e isso deu-me uma grande motivação para fazer um bom fim de prova. Depois foi aquela ansiedade toda à espera do resultado final.” E, claro, a explosão de alegria, confirmado que era ele o Campeão do Mundo: “Vieram todos abraçar-me, atiraram-me ao ar... Também recebi muitas mensagens de apoio e de parabéns.” Mas os Campeonatos não acabam aqui e na próxima sexta-feira há mais um título em disputa, desta feita na Distância Longa. Mais uma medalha de ouro? O atleta responde com cautela: “Não quero deslumbrar-me. Este título é importante em termos de motivação, mas cada prova é uma prova e eu estou preparado para ela. Por agora, não quero pensar em resultados.”


Com uma lágrima ao canto do olho”

Hélder Ferreira, treinador e pai do atleta, começou por abordar a questão da preparação: “Quando se prepara um atleta, o objetivo é ser Campeão do Mundo. É lógico que isto leva tempo e não é com um ano de experiência que se traça um objetivo destes. Mas estamos a falar de um jovem como o António, com quatro anos de experiência, cujos objetivos passam precisamente por aí, levando-o a trabalhar, a adquirir uma mentalidade ganhadora e a sonhar, o que é meio caminho andado para o sucesso.” Falando do “António-atleta-Campeão-do-Mundo”, Hélder Ferreira vê-o como “um indivíduo muito competitivo, muito empenhado naquilo em que se envolve. Sempre teve uma grande vontade de vencer e é também muito organizado nos treinos. Por outro lado, é muito empenhado na escola, é um bom aluno, com boas médias e quem tem sido quase sempre Quadro de Mérito.”

Olhando para a prestação dos portugueses neste primeiro dia, Hélder Ferreira começou por se referir a João Bernardino, também um pupilo seu e medalha de prata no dia de hoje: “É um dos jovens mais tranquilos que conheço e esta maneira de estar é muito importante num desporto como a Orientação. É um indivíduo que consegue manter-se calmo e em prova, na floresta, consegue manter este tipo de comportamento. Também não me espanta o segundo lugar dele porque, apesar de não ter nascido na Orientação, tem muitas horas passadas connosco na floresta. De resto, globalmente, estamos satisfeitos com as prestações dos nossos atletas. Apesar de alguns puderem não ter correspondido àquilo que deles esperaríamos, é normal porque para muitos esta é a sua primeira experiência internacional. Mas cinco diplomas e duas medalhas conquistadas têm de nos deixar naturalmente satisfeitos.” E a finalizar: “Sinto neste momento o que o treinador gosta de sentir: sucesso. Agarrarmos nestes jovens e dedicarmos o nosso tempo a eles quando o poderíamos dedicar a nós próprios nem sempre é fácil. Mas depois surge este momento de glória, que nos deixa felizes e com uma lágrima ao canto olho!”

[Foto gentilmente cedida por Hélder Ferreira]


Saudações orientistas.

JOAQUIM MARGARIDO

DUAS OU TRÊS COISAS QUE EU SEI DELA...




1. Local de eleição para a prática da Orientação, o Parque da Cidade do Porto será palco, no próximo dia 20 de abril, dum evento há muito esperado. Trata-se da inauguração do Percurso Permanente de Orientação, composto por mais de 40 pontos de controlo distribuídos por todo o parque. Estes pontos estão preparados para receber provas de Orientação, treinos de equipas ou simplesmente para atividades de lazer. Para os responsáveis da PortoLazer, empresa municipal responsável pela sua implementação, “este percurso destaca-se pela elevada qualidade e por ser o único existente na área metropolitana do Porto, podendo ser considerado um dos melhores a nível nacional.” Com efeito, o Percurso Permanente do Parque da Cidade do Porto é o primeiro a ser instalado num parque municipal da Invicta, estando previsto o alargamento da rede de Percursos Permanentes de Orientação a outros espaços existentes na cidade. Aplauda-se a forte aposta da Câmara Municipal do Porto nesta modalidade desportiva já que, para além deste percurso agora existente, persiste a tradição de apoiar eventos similares, no qual se destaca para este ano o Porto City Race de Orientação. Uma palavra ainda para o Grupo Desportivo dos Quatro Caminhos e para o grande obreiro da Orientação que dá pelo nome de Fernando Costa, afinal a “alma mater” de mais uma extraordinária iniciativa. A partir do próximo sábado, tem mais um bom motivo para um programa em família ou com os amigos no Parque da Cidade. A concentração está marcada para as 10h30 em frente ao Pavilhão da Água. Não falte!


2. A Federação Dinamarquesa de Orientação acaba de ser galardoada com o Troféu Comité Olímpico Internacional - Desporto e Desenvolvimento Sustentável, graças ao projeto “Find Vej I” [http://www.findveji.dk/]. Em marcha de há largos anos a esta parte, o projeto consiste na criação de Percursos Permanentes de Orientação por todo o País, contabilizando-se neste momento em mais de cento e cinquenta os locais devidamente enquadrados pela iniciativa. O prémio foi entregue pelo príncipe herdeiro Frederik, em representação do Comité Olímpico Dinamarquês, no decurso de um dos 43 eventos realizados no passado sábado, virados especificamente para a promoção da modalidade e nos quais tomaram parte mais de 3.000 pessoas. Uma nota para o facto deste ser o segundo ano em que um determinado dia é reservado para esta iniciativa, sendo mais que provável que no futuro venha a integrar o programa anual da Federação Dinamarquesa de Orientação.

3. A Associação dos Deficientes das Forças Armadas, em parceria com a Câmara Municipal de Idanha-a-Nova e a Federação Portuguesa de Orientação, leva a efeito no próximo fim de semana o III ORI-BTT de Idanha e simultaneamente os Campeonatos Nacionais de Distância Longa, Distância Média e Sprint. Esta é uma competição de Orientação em BTT aberta a pessoas de qualquer idade, podendo participar nos escalões de competição ou nos escalões de promoção, de forma individual ou em grupo. Integrado nos calendários da Taça de Portugal de Orientação em BTT 2013, o evento é constituído por três percursos pontuáveis para os rankings Individual FPO e de Clubes FPO, com os Campeonatos de Distância Média e de Sprint a terem lugar no sábado e no Domingo a decorrer o Campeonato de Distância Longa. Ler mais em http://cnaobtt.webnode.pt/.


4. Dentro de algumas horas terá início o Campeonato do Mundo de Orientação de Desporto Escolar ISF 2013. O programa competitivo reserva para este primeiro dia de provas uma Distância Média a ter lugar em Vila Real de Santo António. Entre os 20 países representados, a nota de destaque vai para Moçambique, o primeiro país africano presente em 15 edições dos Mundiais de Desporto Escolar. Saiba mais em http://www.isfori2013.pt/.

[Foto gentilmente cedida por Fernando Costa]


Saudações orientistas.

JOAQUIM MARGARIDO

terça-feira, 16 de abril de 2013

XXI CAMPEONATO IBÉRICO DE ORIENTAÇÃO PEDESTRE 2013: LUÍS SANTOS FAZ AS CONTAS



Timoneiro da grande equipa que levou por diante a primeira mão do XXI Campeonato Ibérico de Orientação Pedestre, Luís Santos traça no final do evento o seu próprio balanço. Palavras sentidas de quem ama a Orientação como poucos!


Depois de tanto trabalho, tanta ansiedade e tanta emoção, o que sente o Diretor do XXI Campeonato Ibérico de Orientação Pedestre agora que tudo chegou ao fim?

Luís Santos (L. S.) - Sinto-me muito contente. Sei que a prova não foi perfeita, tivemos alguns problemas relacionados sobretudo com a incapacidade de testar os percursos e fazer um trabalho prévio mais seguro, o que nos deixou “na corda bamba” em relação a algumas questões, nomeadamente a questão dos tempos na Distância Longa. Apesar disso, o balanço foi bastante positivo, oferecemos áreas magníficas para a prática da Orientação e o tempo também ajudou. Mas sinto-me contente também pelo grupo, pelo meu Clube. Agradar a todos os participantes é sempre uma missão importante, mas a missão mais importante era usar este evento e tudo o que fizemos no sentido de unir o grupo. E isso foi inteiramente conseguido.

Se lhe pedir para eleger o momento mais intenso deste Ibérico, desde a sua implementação até ao “lavar dos cestos”, sobre qual recai a sua escolha?

L. S. - Pode parecer muito estranho aquilo que vou dizer, mas o momento mais intenso que me ocorre foi quando comecei a subir a serra no sábado, às 7 da manhã e vi que o céu estava azul. As pessoas podem não compreender isto, mas a importância das condições climatéricas aqui é enorme. Na fase de preparação deparámo-nos com situações tão adversas que posso bem afirmar que com o frio e a neve que estavam era impossível realizarmos o evento. Mas depois dum Inverno tão rigoroso e prolongado, fomos presenteados com dois magníficos dias e isso é algo que não vou esquecer depressa.

Em relação ao evento, ao índice de participações e aos apoios que receberam, qual a sua impressão global?

L. S. - Em termos de participação, não estamos propriamente numa época de “vacas gordas”, senão poderíamos apontar para mil atletas. O nosso ponto de partida foi o Ibérico do ano passado, onde estiveram 480 participantes. Mas sendo a primeira etapa, sendo próximo de Espanha e tendo o atrativo de ser a Serra da Estrela, ambicionávamos um bocadinho mais e isso foi inteiramente conseguido. Quanto aos apoios, gostaria de mencionar a parte da Comunicação que fez com que atingíssemos índices de exposição mediática ímpares, mesmo se comparando com outros eventos até de maior nomeada. Graças aos apoios do Orievents e do Orientovar foi possível aparecermos na generalidade dos mídia nacionais, nos grandes desportivos, nos semanários, em todo o lado. O meu desejo maior é que consigamos superar estes índices no próximo Portugal O' Meeting. Em relação aos apoios locais, tendo a distância como grande inimiga, quer o EcoResort e a Trilhos & Lagoas, quer a Câmara Municipal de Gouveia, quer até outras entidades como os Bombeiros ou a GNR de Montanha, todos foram fantásticos. Sem esses apoios não teríamos conseguido fazer metade do que fizemos.

Em que medida é que o evento pode trazer algum retorno para os agentes locais?

L. S. - Não tenho dúvidas que muitas das pessoas que aqui estiveram vão querer voltar. Além disso, nós quisemos ir além do próprio evento e uma das coisas que fizemos foi a colocação de estacas de madeira para percursos permanentes. Ou seja, vamos deixar o legado dos mapas, sim, mas com pontos já marcados e distribuídos por toda a floresta. Isto permitirá a realização de estágios, ações de formação, atividades comerciais, de puro lazer, enfim, dá para muita coisa. Sabemos o que acontece com tantos eventos, fazem-se centenas de quilómetros e depois tudo acaba na altura de irmos embora. Nós não queremos isso, queremos que os agentes locais tenham meios para usar a Orientação e através da Orientação dar a conhecer a beleza do seu território, algo que nós já bem sabemos.

O Portugal O' Meeting será o próximo grande passo (!)

L. S. - Eu não diria que é o próximo, mas sim o passo que está já a decorrer. O Portugal O' Meeting já começou a sua preparação há cerca de um ano e neste momento o trabalho técnico está a ser desenvolvido. Vamos dar o melhor que temos, sabendo que em Gouveia o melhor que temos é muito. Queremos que quem nos visite desfrute destas condições e possa ter um fim de semana fantástico.


Saudações orientistas.

JOAQUIM MARGARIDO

I CAMPEONATO IBÉRICO DE ORIENTAÇÃO DE PRECISÃO 2013: MAPAS E RESULTADOS





Saudações orientistas.

JOAQUIM MARGARIDO

domingo, 14 de abril de 2013

XXI CAMPEONATO IBÉRICO DE ORIENTAÇÃO PEDESTRE 2013: TIAGO GINGÃO LEAL E ANNA SERRALONGA VENCEM ETAPA PORTUGUESA



Beleza e dureza! Foi assim no derradeiro dia do XXI Campeonato Ibérico de Orientação Pedestre 2013, com uma prova de Distância (Ultra) Longa a pôr à prova as qualidades técnicas, mas sobretudo a resistência física dos participantes. Diogo Miguel e Anna Serralonga levaram de vencida a etapa, Tiago Gingão Leal e Anna Serralonga triunfaram no conjunto das três etapas, sagrando-se os grandes vencedores deste III Meeting de Orientação de Gouveia.


Após a dupla etapa de ontem, a Orientação voltou a assentar arraiais junto às margens da Barragem do Vale do Rossim para a derradeira jornada da primeira mão do XXI Campeonato Ibérico de Orientação Pedestre 2013. Ainda e sempre céu azul e paisagens deslumbrantes, com o desafio dos pontos espalhados pela floresta a prometer uma jornada que irá permanecer viva na memória de muitos por um largo período de tempo. Na verdade, com os rigores do Inverno a prolongarem-se pela Primavera e a condicionar o trabalho prévio de verificação dos percursos, aquilo que deveria ser uma prova de Distância Longa acabaria por se converter numa Ultra-Longa, como um dos «speakers» de serviço, Tiago Aires, não se cansou de referir. Ultra-Longa que teve o seu reflexo no tempo dos atletas, a ultrapassarem em muitos escalões as duas e mesmo as três horas de prova.

No escalão Homens Elite, a vitória sorriu a Diogo Miguel (Ori-Estarreja) com um registo de 2:04:41, confirmando a apetência do atleta pelas longas distâncias. Depois de ter dominado as provas no primeiro dia, Tiago Gingão Leal (GafanhOri) vendeu cara a derrota no dia de hoje, concluindo na segunda posição com o tempo de 2:06:46. Com mais 4:21 que o vencedor, Pedro Nogueira (ADFA) foi o terceiro classificado. Benet Totusaus (Badalona-O) foi hoje o melhor atleta espanhol, a vinte e seis (!) minutos exatos de Diogo Miguel. Em Damas Elite, a espanhola Anna Serralonga (Grions-Girona) deixou bem vincado que «não há duas sem três», arrecadando o seu terceiro triunfo em outras tantas provas, desta feita com o tempo de 1:52:21. Com uma prova igualmente de grande nível, Alicia Cobo (Navaleno) foi a segunda classificada, gastando mais 3:13 que a sua compatriota. A mais de meia hora da vencedora, com 2:23:50, Magalie Mendes (COC) foi a melhor portuguesa, na terceira posição.

No cômputo geral dos dois dias de prova, o III Meeting de Orientação de Gouveia / XXI Campeonato Ibérico de Orientação Pedestre 2013 (1ª etapa) teve em Tiago Gingão Leal e Anna Serralonga os dignos vencedores. Diogo Miguel e Tiago Romão (ADFA) secundaram Tiago Gingão Leal, enquanto do lado feminino, Magalie Mendes e Alicia Cobo ocuparam por esta ordem os lugares imediatos do pódio.


«Tivemos terrenos muito bonitos»

Instada a comentar os dois dias do Campeonato Ibérico de Gouveia, Anna Serralonga mostrava-se contente com a vitória mas particularmente agradada com os terrenos: «Tivemos terrenos muito bonitos, muito técnicos e que foram ao encontro do esperado. Afinal foi por isso que vim a Gouveia, uma vez que me disseram que estes eram terrenos muito especiais.» Confessando ter gostado sobretudo da prova de Distância Média - «aquela que é mais exigente tecnicamente e que encerra sempre grandes desafios» - a atleta revela que também achou muito interessante o Sprint, «muito divertido pelo emaranhado de ruas» e a Distância Longa de hoje, que «apesar de não estar à espera duma prova tão dura, foi um bom treino».

Também Tiago Gingão Leal nos deixou as suas impressões: «Depois das más prestações do último fim de semana confesso que não estava mesmo nada à espera. No entanto sentia-me bem fisicamente, as provas tiveram um elevado nível técnico em termos dos mapas e consegui fazer boas provas». Relativamente à prova de hoje, Tiago Leal mostrou-se igualmente surpreendido com o seu resultado: «Desmotivei muito durante a prova por ser muito lenta e não estar habituado a este tipo de terrenos, mas quando passei no ponto de espectadores e percebi que o desempenho estava a ser bastante positivo, tentei puxar um bocadinho mais na parte final, Estou realmente muito contente.»



Saudações orientistas.

JOAQUIM MARGARIDO


[Artigo patrocinado por Orievents e Criobaby]



sábado, 13 de abril de 2013

I CAMPEONATO IBÉRICO DE ORIENTAÇÃO DE PRECISÃO 2013: LUÍS LEITE E JÚLIO GUERRA OS PRIMEIROS VENCEDORES


Estão encontrados os primeiros Campeões Ibéricos de Orientação de Precisão. Numa prova rijamente disputada, Luis Leite e Júlio Guerra levaram de vencida a concorrência, gravando a ouro o seu nome no Livro de Honra do certame.


A Orientação de Precisão assumiu o papel de protagonista do primeiro dia do Campeonato Ibérico. Na margem norte da Barragem do Vale do Rossim, cinquenta atletas portugueses e espanhóis bateram-se pelos primeiros títulos ibéricos, aceitando o desafio de 16 pontos e o «bónus» de mais dois pontos cronometrados, ao longo dum percurso com a extensão de 1.300 metros. Organizada pelo Clube Português de Orientação e Corrida e pela Câmara Municipal de Gouveia, a prova decorreu em zona de floresta de enorme beleza, com o espelho de água da barragem em pano de fundo e num mapa de grande qualidade assinado por Tiago Aires e Raquel Costa e com adequação para o formato de Orientação de Precisão de Raquel Costa.

Tal como era de esperar, a luta pela vitória na Classe Aberta foi extraordinariamente renhida, com três atletas a concluirem no primeiro lugar com um total de dezasseis pontos. Valeu neste caso o desempate por tempos nos pontos cronometrados, cabendo a vitória a Luís Leite (GD4C), seguido de Nuno Pedro (CAOS) e de Nuno Rebelo (Ori-Estarreja). Na Classe Paralímpica a luta não foi menor e os três lugares cimeiros foram ocupados por Júlio Guerra, o mais certeiro com treze pontos, seguido de Ricardo Pinto e de Diana Coelho, com menos um e dois pontos que o vencedor, respetivamente, todos eles em representação do DAHP - Núcleo de Desporto Aaptado do Hospital da Prelada.



Saudações orientistas.

JOAQUIM MARGARIDO


[Artigo patrocinado por Orievents e Criobaby]



XXI CAMPEONATO IBÉRICO DE ORIENTAÇÃO PEDESTRE 2013: TIAGO GINGÃO LEAL E ANNA SERRALONGA DOMINAM JORNADA INAUGURAL


Ao vencerem as provas de Distância Média e de Sprint, Tiago Gingão Leal e Anna Serralonga foram o denominador comum do primeiro dia do XXI Campeonato Ibérico de Orientação Pedestre 2013.


Com duas provas de nível superior, Tiago Gingão Leal (GafanhOri) e Anna Serralonga (Grions-Girona) foram os grandes protagonistas da jornada inaugural do XXI Campeonato Ibérico de Orientação Pedestre 2013 que teve hoje início em Gouveia. Organizado pelo Clube Português de Orientação e Corrida e pela Câmara Municipal de Gouveia, o evento chamou à Serra da Estrela, num dia absolutamente fantástico de sol e calor, cerca de sete centenas de atletas, oferecendo percursos para todos os gostos e que fizeram as delícias dos participantes.

A etapa da manhã teve lugar no Vale do Rossim e constou duma prova de Distância Média. Tiago Gingão Leal foi o mais forte no escalão de Homens Elite, terminando o seu percurso em 35:39 e deixando imediatamente atrás de si Diogo Miguel (Ori-Estarreja) e Joaquim Sousa (COC), que gastaram mais 2:11 e 2:39, respetivamente. Tal como previsto, no confronto ibérico os portugueses vincaram uma supremacia avassaladora, com Raul Ferrá (Lorca-O) a ser o primeiro espanhol, na oitava posição com 42:19. Nas senhoras a vitória foi para Espanha, com Anna Serralonga a cumprir o seu percurso no tempo de 35:55, seguida de muito perto por Magalie Mendes (COC), que gastou mais 58 segundos. A terceira posição sorriu a outra atleta do COC, Andreia Silva, a distantes 4:14 da vencedora.


Outra prova, os mesmos vencedores

De tarde, a «tribo» da Orientação assentou arraiais no centro de Gouveia, para um Sprint urbano com tanto de desafio técnico como de exigência física. Ao cumprir o seu percurso em 15:33, Tiago Gingão Leal venceu e convenceu, mostrando uma vez mais o porquê de ser o Campeão Nacional de Sprint em título. Diogo Miguel ocupou de novo a segunda posição, a 33 segundos do vencedor, enquanto o terceiro lugar coube a Manuel Horta (GafanhOri), com o tempo de 16:45. Raul Ferrá voltou a ser o melhor atleta espanhol, não indo além do 12º lugar com o tempo de 19:08. No setor feminino assistiu-se a uma extraordinária luta pela vitória, com Anna Serralonga a registar à chegada o tempo de 16:19, apenas 7 segundos à frente da sua compatriota Alicia Cobo (Navaleno). Magalie Mendes foi novamente a nossa melhor atleta, concluindo no terceiro lugar com o tempo de 17:27.

Assumindo o papel de embaixatriz do XXI Campeonato Ibérico de Orientação Pedestre 2013, a atleta Sara Moreira referiria a propósito: «Confesso que estou fascinada com este Mundo que é a Orientação. Diverti-me imenso esta manhã, o espírito e o desafio desta prova fizeram com que descobrisse uma nova paixão.» Agradecendo o convite da Orievents e de Fernando Costa e deixando o conselho a que venham conhecer a Orientação, a Campeã da Europa de 3.000 metros em Pista Coberta, termina de forma peremptória: «Eu vou voltar, prometo!»

Tudo para conferir em http://www.cpoc.pt/eventos.php?ev=Gouveia03. Veja também as reportagens fotográficas da Distância Média [AQUI] e do Sprint [AQUI].


Saudações orientistas.

JOAQUIM MARGARIDO


[Artigo patrocinado por Orievents e Criobaby]