terça-feira, 3 de dezembro de 2013

NO DIA INTERNACIONAL DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA: ESTÁ AÍ O Nº 5 DA "PLURAL & SINGULAR"



No Dia Internacional da Pessoa com Deficiência, somos brindados com a 5ª edição da “Plural e Singular”, revista trimestral dedicada à temática da deficiência. Tempo de pausa, pois, para “desfiarmos” a publicação, ao encontro do muito que tem para nos oferecer.


Comemora-se hoje por todo o País o Dia Internacional da Pessoa com Deficiência. Autarquias, Escolas, Instituições de Solidariedade Social, Empresas, Associações Desportivas e Culturais ou simples Cidadãos a título particular, juntam a sua voz à daqueles que teimam em insistir no esforço de reavivar o lema “Todos Diferentes, Todos Iguais”. O Orientovar “abre” a última edição da “Plural e Singular”, acabadinha de sair, respigando alguns assuntos prementes nos dias de hoje e dos quais a publicação é o arauto.

Mas comecemos por dar os parabéns à Revista que acaba de cumprir o seu primeiro ano de vida com essa missão primeira de “dar mais visibilidade a esta área, inserindo-a na rota da comunicação”. Parabéns, pois, à Catarina Castro Abreu, Paula Fernandes Teixeira, Pedro Teixeira, Ricardo Oliveira e Sofia Pires, um punhado de jovens ousados e corajosos, verdadeiros resistentes duma jornada ímpar e que se traduz até ao momento em cinco edições da revista, onze mil visualizações online, vinte e cinco mil visitas ao site e quase um milhar e meio de “gostos” no Facebook. Aqui fica o convite implícito a que visite... e goste!


É hora de apostar no TempO”

A primeira chamada de atenção vai para o projeto “Diferente mas não Indiferente”, apresentado por Joana Pereira, uma jovem voluntária portuguesa que, em São Tomé e Principe, ajuda a travar uma verdadeira “bola de neve ou ciclo vicioso” que faz com que as pessoas com deficiência “estejam muito marginalizadas”. Mas o tema de fundo e que faz a manchete da Revista dá pelo nome “Emprego é a meta e igualdade a palavra de ordem...”. Num trabalho aprofundado e apaixonante, Sofia Pires mergulha connosco no mercado de trabalho, ao encontro do emprego como fator de inclusão. Educação, políticas remuneratórias, leis laborais ou responsabilidade social são apenas alguns dos problemas levantados e que permitem retirar importantes conclusões, nomeadamente perceber que “as empresas não estão consciencializadas para o talento e capacidade profissional das pessoas com deficiência.”

Na área dedicada à Tecnologia e Inovação, com Andreas Pröve e a sua “bicicleta engraçada”, viajamos do Sri Lanka à Jordânia, da Birmânia à Índia, aventuramo-nos pelo Mekong e regressamos de Pequim no Transiberiano. No final, fica a partilha de experiências com uma pessoa extraordinária, mas fica também esse conselho: “Vai o mais longe que puderes, tenta encontrar os teus próprios limites pessoais e quando um limite te parecer inultrapassável, dá um passo em frente e vê o que está para além do horizonte e sentirás momentos de grande felicidade.” Abreviando, concluímos a leitura da Revista com o Desporto, desde logo com essa revelação de que “o mergulho é para todos!”, mas sobretudo – porque nos diz particularmente respeito – com a disciplina que nasce da Orientação de Precisão. Num artigo assinado por Paula Fernandes Teixeira e intitulado “É hora de apostar no TempO”, revisitamos o III Open de Orientação de Precisão do Hospital da Prelada e, com ele, os momentos marcantes do I Troféu Nacional de TempO e do Campeonato Nacional de orientação Adaptada, para além das conversas com Bento Amaral e Emanuel Silva, os padrinhos do evento.



Saudações orientistas.

Joaquim Margarido
 

Sem comentários: