sábado, 20 de abril de 2013

PERCURSO PERMANENTE DE ORIENTAÇÃO DO PARQUE DA CIDADE DO PORTO FOI HOJE INAUGURADO




O Parque da Cidade do Porto está mais rico. Com a inauguração do Percurso Permanente de Orientação, o utente do Parque tem agora à sua disposição 39 pontos espalhados ao longo daquele verde e belo espaço. São 39 novos desafios, 39 novas maneiras de ver o Parque, ao encontro de alguns dos segredos mais bem guardados deste verdadeiro “pulmão” da cidade.


No seu livro “Parque da Cidade do Porto – Ideia e Paisagem”, o Arquiteto Sidónio Pardal considera que “a ideia do Parque tem como desígnio alcançar a expressão do belo natural (…) e não lhe é cometido qualquer desempenho premeditado que não seja o de oferecer a paisagem como espaço livre descodificado, em contraponto com o corpo da cidade que o envolve”. Ora, o Parque da Cidade do Porto tem esse sortilégio de ser um momento singular de absoluto prazer contemplativo e a conclusão prática desta verdade traduz-se na relação afetiva que a cidade tem com o seu Parque, o prazer simples sentido por todos os que o procuram para fruir das suas paisagens.

Ao encontro de todos aqueles que usufruem do Parque e que beneficiam dos seus múltiplos recursos e encantos, a Câmara Municipal do Porto, através da Porto Lazer, com o apoio técnico do Grupo Desportivo dos Quatro Caminhos, acaba de inaugurar um Percurso Permanente de Orientação, constituído por 39 pontos espalhados ao longo dos quase cem hectares de terreno que compõem o espaço. A cerimónia de inauguração teve lugar esta manhã e contou com a presença de Vladimiro Feliz, Vice-Presidente da Câmara Municipal do Porto, Manuel Gonçalves, Vereador do Ambiente e Liliana Ferreira, chefe da Divisão de Parques Urbanos da Câmara Municipal do Porto. Presentes também muitos elementos do Grupo Desportivo dos Quatro Caminhos, alunos das escolas Secundária de Ermesinde e Básica Integrada da Apúlia, bem como o Diretor Executivo da Federação Portuguesa de Orientação, António Amador.

Optando por um percurso mais curto, os presentes partiram à descoberta dos 14 pontos espalhados ao longo duma distância de dois quilómetros. Dois quilómetros de descoberta e de aprendizagem, não só dos mistérios e desígnios dum mapa de Orientação e da panóplia de símbolos e cores que lhe estão associados e que conformam a sua magia, mas também dum Parque que se abre duma forma diferente e maravilhosa, revelando alguns dos seus mais misteriosos recantos e dando-se a ver duma forma única, irrepetível.


Desta experiência retiramos ideias para podermos levar esta modalidade um pouco mais longe”

No final, Vladimiro Feliz não escondia a sua satisfação: “A partir de hoje, o Parque da Cidade do Porto fica ainda mais rico. Este é um palco privilegiado da cidade do Porto, é algo que faz inveja a muitas cidades europeias e mundiais, que conjuga elementos tão fortes como o verde da vegetação e o azul do mar, e que agora tem aqui mais um atrativo, não só na parte competitiva, mas também na parte do lazer e da promoção de hábitos de vida saudável.” Sobre a forma como este Percurso Permanente de Orientação pode vir a ser dinamizado no futuro, o Vice-Presidente da Câmara Municipal do Porto foi muito sincero: “Não há ainda nada em concreto, mas desta experiência retiramos ideias para podermos levar esta modalidade um pouco mais longe, nomeadamente ao encontro das escolas do Porto, e isto é algo que iremos analisar em conjunto no sentido de estudar alguns projetos-piloto que levem as novas gerações a interessar-se também pela modalidade.”

Entre os projetos-piloto conta-se o alargamente da rede de Percursos Permanentes a outros espaços verdes da cidade e ainda o Percurso Permanente do Porto Património Mundial, ao encontro de alguns dos mais emblemáticos monumentos do centro histórico da cidade. Vladimiro Feliz faz o ponto da situação: “Acima de tudo, importa conjugar esta prática com a promoção turística da cidade. E ao fazê-lo no centro histórico, numa zona de excelência da cidade, estamos a contribuir para duas prioridades desta autarquia: a promoção de hábitos de vida saudável, como já referi, e uma outra que é a promoção turística da cidade. Mas ainda podemos aliar a isto um melhor conhecimento da cidade por parte dos portuenses. Nós próprios não conhecemos a nossa cidade e a Orientação dá-nos uma oportunidade única para o fazermos e de uma forma divertida. Ainda hoje passei por zonas do Parque por onde nunca tinha passado nem conhecia e essa é uma oportunidade única de vermos a cidade duma forma diferente. A prova que está prevista para o próximo mês [Porto City Race] é já um passo nesse sentido e é o consolidar de algo que arrancou no ano passado com grande sucesso e que este ano, de acordo com o que me foi aqui transmitido, ganhou alguma expressão internacional, o que é revelador do interesse do projeto.” A terminar, Vladimiro Feliz sai daqui um cidadão ainda mais orientado? “Mais bem orientado, certamente. Tento fazê-lo todos os dias, mas este tipo de atividades ajudam a orientar, ajudam acima de tudo a relaxar. Espero que esta orientação me permita no futuro, em decisões diferentes, tomar o melhor rumo para a cidade.”


A partir deste momento estou certo que as coisas serão mais fáceis”

Também Luís Leite, Presidente do Grupo Desportivo dos Quatro Caminhos, se mostrava satisfeito no final duma manhã deveras especial: “Este é um dia muito importante para o Clube, principalmente pelo tempo que demorou a implementação do Percurso Permanente do Parque da Cidade do Porto, desde os primeiros contactos com a Câmara Municipal do Porto até ao objetivo finalmente concretizado.” Mas afinal que percurso é este? Luís Leite explica: “Temos aqui uma matriz de 39 pontos no terreno e que permitem que escolas, utentes do parque, visitantes ocasionais, turistas estrangeiros, enfim, todos aqueles que usufruem deste espaço, executem um percurso de Orientação sem a necessidade da intervenção de terceiros para a sua montagem.” Para este responsável, “a grande mais valia do Percurso Permanente vai ao encontro dos professores das escolas do Porto que podem perfeitamente trazer aqui os alunos. O trabalho de montagem dos percursos está já pronto, só têm de pôr em prática as noções entretanto minsitradas. Têm aqui um dia espetacular, fora da Escola e a oferta duma atividade de nível intermédio entre aquilo que é um mapa da Escola e um mapa de floresta, de competição.”

Com cinco percursos diferentes e com grau crescente de dificuldade, o Percurso Permanente do Parque da Cidade do Porto terá num mapa de distribuição gratuita o seu principal suporte, podendo o mesmo vir a ser adquirido no Parque, em local a designar, ou fazendo o seu download na internet. Para Luís Leite, “qualquer pessoa com um conhecimento básico de leitura dum mapa turístico de cidade, por exemplo, consegue fazer o percurso de grau de dificuldade menor. Talvez não faça os pontos a correr, mas na iniciação isso não é importante, aliás nem é aconselhável. A partir daí o conhecimento deverá ir evoluindo e os mais interessados poderão contactar o clube ou consultar o nosso site. A oferta de treinos e de provas é enorme e variada e teremos todo o gosto em acolher os interessados para que possam continuar a reforçar a sua ligação à modalidade.” E agora? “A partir deste momento estou certo que as coisas serão mais fáceis. O alargamento deste Percurso Permanente é algo que se afigura como muito possível no futuro, o desenho de novos percursos a partir dos pontos já existentes ou dos que venham a ser criados é igualmente muito provável e as conversações com a Câmara Muncicipal do Porto vão no sentido do alargamento da rede de Percursos Permanentes a outros parques da cidade do Porto, nomeadamente o Palácio de Cristal, S. Roque e o Parque Oriental da Cidade.”



[Veja o vídeo da inauguração AQUI]



Saudações orientistas.

JOAQUIM MARGARIDO

1 comentário:

coelho santos disse...

Excelente iniciativa e de extrema necessidade nos Tempos em que vivemos e em que teremos de ultrapassar sem perdermos o RUMO. Nada melhor de que praticá-lo num ambiente aprazível, convidativo ao relaxe e ao convívio .

O meu abraço fraterno.