segunda-feira, 11 de março de 2013

XXI CAMPEONATO IBÉRICO DE ORIENTAÇÃO PEDESTRE: A ANTEVISÃO DE LUÍS SANTOS




Depois da extraordinária campanha internacional de Fevereiro no nosso país, a Orientação Pedestre ao mais alto nível regressa pelas mãos do Clube Português de Orientação e Corrida. Trata-se da “primeira mão” do Campeonato Ibérico, a viajar até Gouveia para a sua XXI edição. A pouco mais de um mês do grande evento, conferimos com Luís Santos, o seu Diretor em parceria com João Dias, os grandes preparativos e as maiores expectativas.


Pelo terceiro ano consecutivo, Gouveia é o palco duma prova organizada pelo CPOC. Que especial emoção sente neste regresso à Serra da Estrela?

Luís Santos (L. S.) - A emoção mais forte é mesmo essa. Tornar um dos locais mais emblemáticos do nosso país num local que desperte o interesse da comunidade orientista. Apesar de viver longe, há muitos anos que me fazia confusão o total desaproveitamento da Serra da Estrela quanto à nossa modalidade. Curiosamente, reli há dias uma entrevista que concedi ao Orientovar no balanço do POM 2009, em que referia que o próximo passo do clube seria apostar num Ibérico na Serra da Estrela, pois já tinha sido feita prospeção e preparávamos essa aposta em 2009. Pouco depois acabei por me afastar da liderança do meu clube e foram feitas outras apostas, tendo o projeto ficado adormecido (embora entretanto o GD4C tenha avançado, e muito bem, com dois mapas em Manteigas). Regressámos agora em força, apoiados num protocolo com a Câmara Municipal de Gouveia que levou mais de um longo e burocrático ano a cimentar, mas finalmente foi possível construir as bases para avançar com este projeto em Gouveia que, esperamos nós, venha a colocar o Concelho na lista dos melhores municípios portugueses para se fazer Orientação.

Do ponto de vista da Orientação, como classifica o Concelho?

L. S. - Gouveia tem potencial para se tornar um dos melhores municípios portugueses para a modalidade. No entanto, em Gouveia temos que saber fazer as coisas com clareza - temos mapas de Verão e mapas de Inverno. E se esta distinção não faz qualquer sentido quase em todo o resto do país, este conceito tem que ser claro para aquilo que pretendemos de Gouveia. Fizémos o Meeting de 2011 em terras mais baixas (embora ainda assim o Folgosinho tenha sido um risco em Janeiro, mas havia um plano B totalmente preparado para substituir o Folgosinho), vamos fazer o Ibérico em terras altas (meados de Abril) e para o POM, tudo no sopé da Serra novamente. Ou seja, apesar de o Ibérico nos ir deixar um legado muito bom no Vale do Rossim, é impensável utilizar um mapa desta qualidade no Portugal'O'Meeting. Por isso o Portugal'O'Meeting vai ser todo fora da Serra. Ainda assim, quem já conheceu em 2011 o que o terreno do Arcozelo pode oferecer, certamente não ficará desapontado com os terrenos que vamos dar a conhecer em 2014, todos com a chancela de qualidade da cartografia do Tiago Aires e da Raquel Costa.

Que partido retira um evento como o Campeonato Ibérico das condições aqui oferecidas?

L. S. - O Campeonato Ibérico permitirá dar a conhecer exatamente o que de melhor Gouveia tem para oferecer. E se os orientistas puderem estar a pensar que vamos poupar os melhores terrenos para o Portugal'O'Meeting podem tirar daí a ideia. Temos uma Orientação de Precisão em estreia na procura dos seus primeiros campeões ibéricos e iremos ter pela primeira vez o Sprint do Ibérico a contar para a Taça de Portugal, o que confere a ambos os eventos um interesse competitivo sem precedentes. Por isso, nessas duas etapas, que servirão apenas de etapas extra no Portugal'O'Meeting, a nossa aposta principal vai claramente para o Ibérico. Também os terrenos da Média e da Longa são os melhores que temos em Gouveia e, por questões climatéricas, não são utilizáveis para o Portugal'O'Meeting, pelo que a qualidade técnica do Ibérico nada ficará a dever à do POM. Curiosamente, no decorrer dos preparativos, fizemos uma alteração ao programa passando a etapa de Orientação de Precisão para o Vale do Rossim, conferindo-lhe assim maior qualidade técnica, pelo que a etapa de Sprint em Gouveia será a única que ficará fora do Vale do Rossim. Não quero falar muito deste local embora pela internet consigam ter uma ideia, mas parece-me preferível que o local fale por si quando lá chegarem.

Numa altura em que as incrições atingiram a centena de participantes, quais as expectativas criadas?

L. S. - As condições económicas atuais não nos permitem pensar em bater recordes de participantes. Temos os nossos objetivos, mas o objetivo essencial é preparar o evento para que todos os que venham possam divertir-se e ter um fim-de-semana muito agradável na Serra da Estrela. Dada a proximidade de Espanha e o trabalho de divulgação que estamos a fazer por terras espanholas, gostaríamos muito de ter um número elevado de participantes espanhóis, mas tão importante como isso seria tentar inverter a tendência de quebra de participantes portugueses, pelo que me resta esperar que a distância que separa Gouveia de muitos dos que estão a ler estas linhas não seja factor dissuasor de irem fazer Orientação na Serra da Estrela.

Gouveia não é só a excelência dos seus terrenos para a prática da Orientação. Apesar dum programa muito apertado, quem quiser descobrir um pouco mais daquilo que esta região tem para dar, o que é que não deve absolutamente perder?

L. S. - Gouveia insere-se no Parque Natural da Serra da Estrela, que é um dos mais belos Parques de Portugal. Como creio que todos os orientistas gostam de ambientes em Natureza, o facto de termos a principal parte do evento a realizar-se em pleno Parque (com as devidas autorizações), será só por si uma mais-valia. Visitas às nascentes do Mondego ou do Zêzere são aconselhadas, visitas à zona sul e sudeste do Vale do Rossim em pleno planalto das Penhas Douradas são imperdíveis, pois o local não é arborizado mas é fantástico. Nas terras baixas do concelho recomendo o Parque Ecológico em Gouveia, os museus próximos dos Paços do Concelho, o Parque da Senhora dos Verdes (mas esta é uma história que iremos contar no Portugal'O'Meeting...), o emaranhado urbano de mapa na mão no Folgosinho, entre outros. Imperdível também é a gastronomia da zona, nomeadamente com o bem conhecido restaurante Albertino, no Folgosinho e o Restaurante Ponte dos Cavaleiros, onde se come bem e barato e onde os orientistas são recebidos com o mapa do Arcozelo no balcão. :-)

Tem feito várias referências à mais importante prova regular de Orientação do nosso país, o Portugal O' Meeting e que terá lugar em Gouveia no próximo ano. Como é que se faz a ponte entre os dois eventos?

L. S. - Tenho feito várias referências a ambos em separado, mas na prática, ambos fazem parte de um projeto mais vasto que irá naturalmente culminar no Portugal'O'Meeting mas que deverá ter ainda uma nova edição em 2015 com novo evento internacional. O projeto visa também guarnecer o município de condições de qualidade para a prática de Campos de Treino, quer com o envolvimento de locais de excelência logísticos (Parque da Senhora dos Verdes ou Ecoresort no Vale do Rossim), quer com a integração de um dos mais experientes intervenientes portugueses nesta matéria: Fernando Costa e a OriEvents.

Quer deixar uma mensagem, um convite para o XXI Campeonato Ibérico?

L. S. - A Serra da Estrela é um local de referência para todos os portugueses, mas poderá vir a ser um local especial para cada um dos que ficarem a conhecer melhor aqueles terrenos. Se calhar será melhor não andarem lá 3 ou 4 horas no mapa :-), mas certamente que tudo faremos para proporcionar um fim-de-semana bem passado a todos os que forem à Serra da Estrela participar nesta edição do Campeonato Ibérico.


[Foto: Miguel Barradas]


Saudações orientistas.

JOAQUIM MARGARIDO


[Este artigo é patrocinado por Orievents, Criobaby e Município de Gouveia]



1 comentário:

Rui Antunes disse...

Parecem-me reunidas todas as condições para que o CPOC volte ás grandes organizações a que nos habituou num passado quase presente.
Os atores referidos, são só por si uma garantia de sucesso, mas precisam também da ajuda divina em relação á meteorologia.
Mas,tal como se pode fazer orientação em praticamente todo o tipo de terreno, também com qualquer cenário ela se fará igualmente.
Boa sorte
Rui