segunda-feira, 18 de fevereiro de 2013

EYOC 2013: É NOSSO, É DE PORTUGAL!




É uma grande notícia para Portugal. O Campeonato da Europa de Jovens de Orientação Pedestre EYOC 2013 decorrerá no nosso País, de 24 a 27 de Outubro. O European Working Group foi sensível aos argumentos da nossa candidatura e, a partir de hoje, todas as atenções se viram para Portugal.


Pouco passava das nove da manhã quando a notícia fazia manchete na página da Federação Internacional de Orientação: “Portugal é o país organizador do EYOC 2013.” Muito curta, a mensagem refere que “o European Working Group baseou a sua decisão no resultado das visitas de avaliação [a Portugal e à Polónia]”. Ambas as candidaturas apresentaram argumentos de peso mas, como refere Dusan Vystatel, o Presidente do EWG, “só um pode ganhar e desta vez ganhou Portugal”.

O Orientovar foi ao encontro de António Amador, Diretor Executivo da Federação Portuguesa de Orientação. Ele e Augusto Almeida, Presidente da FPO, foram os grandes obreiros desta candidatura e António Amador poderá vir a ser, muito em breve, indigitado na qualidade de Diretor do Evento. São dele as seguintes palavras: “Quando surgiu esta oportunidade, achámos que conseguiríamos reunir as condições necessárias para organizar o EYOC. Seria, em certa medida, o premiar o trabalho que tem sido feito ao nível das nossas seleções jovens. Quer no capítulo técnico, quer no empenho dos atletas, temos sentido uma evolução muito grande e organizar o EYOC em Portugal acarretará, seguramente, uma motivação acrescida para todos.”


A área onde o EYOC irá decorrer é bastante boa”

O EYOC 2013 terá lugar de 24 a 27 de Outubro, com o seu epicentro apontado para a Foz do Arelho e para a unidade hoteleira do INATEL, num cenário natural magnífico dominado pelo areal situado na confluência da Lagoa com o mar. Toda uma região que António Amador avalia da seguinte forma: “A área onde o EYOC irá decorrer é bastante boa. Vamos levar a competição para os mapas de Ferrel e Óbidos, o Centro do Evento ficará na Foz do Arelho e tudo isto, para além de se inserir numa região muito bonita, tem a grande vantagem da proximidade, o que permitirá um maior convívio entre todos.”

Os próximos tempos são agora de trabalho intenso: “Só avançámos com a candidatura quando vimos que estariam reunidas as condições para dar esse passo. Foi um passo seguro, estando acautelados os aspetos fundamentais relacionados com a logística, os transportes e o alojamento de cerca de 400 participantes. Na vertente técnica temos mapas que nos dão a garantia de excelentes competições mas que irão necessitar duma atualização e esse é já o próximo passo. A partir daí haverá a questão dos percursos uma vez que queremos, quando em Julho recebermos a visita do Supervisor Internacional [David Ales, da República Checa], apresentar já os mapas e uma primeira versão dos percursos de competição do EYOC. Até lá temos um intenso trabalho pela frente, mas é tudo perfeitamente exequível e acredito que não teremos qualquer problema em atingirmos essas metas”, refere aquele responsável. Daí que “trabalho” seja aquilo que se pode prometer no imediato. É nesse sentido que vão as últimas palavras de António Amador: “Nesta altura é o que podemos prometer, muito trabalho, com vista a mais um evento de excelência organizado por Portugal. Acabámos de encerrar um ciclo de três eventos internacionais de muito boa qualidade e estou certo que o EYOC 2013 será um evento dentro dessa linha, um evento de elevada qualidade e a que já habituámos todos aqueles que nos visitam.”


Uma motivação muito grande para quem quer ir mais além”

Mas falar de EYOC é falar de Diogo Miguel e desse “sprint dourado” de Eger (Hungria), em 2007, onde o atleta do Ori-Estarreja escreveu uma das mais belas páginas de sempre da Orientação portuguesa. Daí que fosse igualmente importante ouvir o atleta: “Participei em três EYOC, com alguns resultados bastante bons. São momentos que estão sempre presentes na minha memória e que guardo duma forma muito especial. É claro que foram no estrangeiro, porque se tivesse sido em Portugal a emoção teria sido dez vezes maior”, começou por referir.

Diogo Miguel lembra que “o EYOC constitui, para muitos atletas, a primeira oportunidade de representar o País numa grande competição internacional. Surge numa altura decisiva da vida do atleta, quando ele se começa a dar conta da importância que a Orientação tem para si.” Mas competir no EYOC “é também uma motivação muito grande para quem quer ir mais além”, refere Diogo Miguel, que cita o exemplo do atual líder do ranking mundial: “Ainda recentemente li uma entrevista do Matthias Kyburz na qual ele referia que um dos momentos mais importantes da sua carreira tinha sido, precisamente, a vitória na prova de Estafeta dum EYOC, na República Checa.” Quanto a votos para o futuro, o atleta espera “que esta organização esteja ao nível das organizações que tivemos nestas últimas três semanas em Portugal”.


Saudações orientistas.

JOAQUIM MARGARIDO

1 comentário:

Rui Antunes disse...

Parabéns á Direção da Federação, Parabéns aos dirigentes dos clubes
Parabéns a todos os que de uma forma ou de outra têm contribuído para que Portugal continue no bom caminho ao nível das grandes organizações.
Parece-me que é chegado o momento de se pensar em colocar a cereja no topo do bolo com a candidatura á realização dum WOC.

Abraço
Rui Antunes