sexta-feira, 31 de agosto de 2012

COV-NATURA E ORI-ESTARREJA TRAZEM A ORIENTAÇÃO DE VOLTA A VISEU




Após umas sempre curtas mas seguramente retemperadoras férias, a “tribo” da Orientação prepara-se para rumar de armas e bagagens ao centro do país. É ali que, no fim de semana de 08 e 09 de setembro, Clube de Orientação de Viseu – Natura e Clube de Orientação de Estarreja se preparam para levar a cabo uma jornada dupla com muito de bom para oferecer. Um regresso aos palcos do Portugal O' Meeting 2012 de boa memória, em dois eventos a não perder!


Estávamos já na segunda metade do passado mês de Fevereiro quando, de mãos dadas, Clube de Orientação de Estarreja e Clube de Orientação de Viseu – Natura levaram a cabo a 16ª edição do Portugal O' Meeting. Foi em Viseu e no Satão que, ao longo de quatro inesquecíveis dias, pudemos vivenciar momentos únicos de intensa competição e salutar convívio, pisar palcos de sonho e apreciar paisagens deslumbrantes, privar de perto com os melhores do mundo e, no final, saciados, agradecer tão extraordinários momentos a uma organização que soube elevar o evento a patamares de excelência.

Pois bem, de que estamos à espera para reviver esses momentos únicos? O 1º Troféu Feira de São Mateus e o XX Troféu Ori-Estarreja constituem ofertas irrecusáveis e estão aí à porta para quem deles quiser tirar partido. Os mapas e terrenos são garantia de intensos desafios, os programas ricos e variados não deixam nada ao acaso e a qualidade organizativa de ambas as coletividades é o garante de dois dias que irão certamente ficar de novo na memória de todos. Mas vamos por partes.


À volta dos Circuitos

Sábado, dia 08. A Orientacão e o Clube de Orientacão de Viseu - Natura juntam-se ao programa da mais antiga feira do país - a Feira de São Mateus, que cumpre este ano a sua 620ª edição - com a organização de duas provas a contar para o calendário nacional de Orientação Pedestre. Da parte da manhã, a partir das 10h00, terá lugar a derradeira etapa do “estreante” Circuito Nacional de Estafetas. A tarde será consagrada ao Circuito Nacional Urbano, com a partida dos primeiros atletas agendada para as 16h00. 


Vale a pena salientar que pela primeira vez na sua história, o Clube de Orientação de Viseu - Natura assume a organização de um evento de Estafetas, regressando aos excelentes terrenos da Senhora do Crasto onde decorreram os dois primeiros dias do POM 2012. Da parte da tarde os atletas têm a oportunidade de voltar a competir num dos maiores e melhores mapas urbanos de Orientação Pedestre do nosso país, mas desta vez à luz do dia e não como aconteceu no POM, onde foi palco do Sprint Noturno que fechou o primeiro dia de competição.
Estão assim reunidas todas as condições para um dia de excelente orientação na cidade de Viseu!


Dia de festa, noite de festa

Domingo, dia 09. Mais um dia que promete, desta feita no vizinho concelho do Sátão. Organizado pelo Clube de Orientação de Estarreja, o XX Troféu Ori-Estarreja regressa ao palco final do POM 2012 e ao fabuloso mapa da Senhora dos Caminhos. A partir das 11h00 da manhã, os participantes terão à sua disposição um percurso de Distância Média pontuável para a Taça de Portugal de Orientação Pedestre 2012 – Nível 2. Para os mais entusiastas haverá à tarde um percurso igualmente de Distância Média, com partidas livres entre as 14h00 e as 15h30. Este percurso de treino (chamemos-lhe assim) terá a particularidade de conter uma parte de ordem obrigatória e partes de execução aleatória. A não perder, portanto!

Importa referir ainda que os interessados terão à sua disposição alojamento em Solo Duro, numa gentileza do Clube de Orientação de Viseu – Natura. Quem pretender pernoitar em Viseu e seguir na manhã seguinte para o Sátão, saiba que está no epicentro de uma das quarenta noites de festa que constituem o Programa da Feira de São Mateus. Para além dos inúmeros polos de atração que o certame encerra, não perca nessa noite, a partir das 22h00 no Palco 1, os Santamaria.



Saudações orientistas.

JOAQUIM MARGARIDO

quinta-feira, 30 de agosto de 2012

VIDA FEDERATIVA: UM OLHAR SOBRE A ATA 151 DA DIREÇÃO DA FPO




A Direção da Federação Portuguesa de Orientação acaba de divulgar a ata nº 151, referente à reunião do passado dia 30 de Julho e no decurso da qual foi tomado um conjunto importante de medidas. Que aqui se realçam, em traços gerais.


Ainda que menos operante, a Direção da FPO não esteve parada durante o período de férias e são vários os temas em andamento que dizem respeito à vida federativa e que se podem encontrar na ata nº 151, de 30 de Julho de 2012, entretanto divulgada. Uma das mais importantes notícias dá conta da preocupação da Direção da FPO no tocante à anunciada diminuição do horário dos professores de Educação Física. Nesse sentido, a FPO preparou e enviou uma carta relativa à reestruturação da Educação Física e do Desporto Escolar dirigida ao Ministro da Educação e Ciência, com conhecimento a diversas entidades entre as quais os partidos políticos e o Primeiro-ministro. Para os interessados, a carta pode ser lida AQUI.

Outro assunto verdadeiramente importante tem a ver com o facto de se estar a aproximar a data para a renovação ou denuncia do contrato com a Localvisão para a produção do magazine Otv. Se por um lado, os custos associados à produção dum magazine televisivo têm um peso cada vez mais elevado nos bolsos de qualquer Federação, a verdade é que as notícias que correm sobre a concessão do Serviço Público de televisão aos privados não augura nada de bom. O espaço público vem sendo estrangulado por uma tutela insensível às realidades do país e, com o eventual encerramento do segundo canal, é todo um espaço de divulgação das pequenas modalidades que irá, inapelavelmente, desaparecer. Assim, a Direção da FPO decidiu convocar uma reunião de Clubes para o dia 29 de Setembro, no decorrer da 2ª etapa do Campeonato Ibérico de Orientação Pedestre 2012, onde se procederá à análise desta situação.

Preocupação, é o que se percebe no parágrafo referente ao Campeonato do Mundo de Desporto Escolar ISF 2013, que terá lugar no Algarve. A ata dá conta da visita efetuada pelo Presidente da Comissão Técnica Internacional do ISF solicitando que os mapas devem estar feitos em Novembro e uma primeira versão dos percursos em Dezembro. A FPO tem insistido com a Coordenação Nacional do Desporto Escolar (DE) mas sem grande sucesso, estando todas as tarefas técnicas, incluindo a execução dos mapas, pendentes de decisões do DE. E todos sabemos como o tempo voa!

A COMOF atribuiu à FPO a organização da edição de 2014 do MOC (Mediterranean Orienteering Championships) sendo a mesma calendarizada para 22 e 23 de Fevereiro de 2014, em conjunto com o World Ranking Event a disputar antes do Portugal “O” Meeting ‘2014. Entretanto, a organização do EOC/ETOC’2014 contínua de acordo com o programado. Foram acordados os termos do contrato com a IOF que será assinado brevemente, o trabalho para elaboração do site continua e foi decidido atribuir a cartografia relativa ao ETOC ao cartógrafo Armando Rodrigues. Quanto à organização do WMMTBOC2013 e da World Cup final round 2013, a mesma segue o planeamento previsto, estando adjudicada a execução de parte dos mapas e percursos, foi definido o logotipo do evento, está em fase de finalização o primeiro boletim e o contrato de organização com os Clubes envolvidos está pronto a ser assinado.

E já que estamos a falar de organizações de nível internacional que terão lugar no nosso país nos próximos anos, vale a pena recuar à ata nº 150, onde se podia ler que Portugal iria concorrer à organização do MTBO World Masters 2015, estando em fase final a definição do local para onde Portugal se candidataria. O Orientovar falou entretanto com António Amador, responsável pela apresentação da candidatura portuguesa, ficando a saber que a mesma foi entregue e o local apontado para a realização dos Mundiais será o concelho de Idanha-a-Nova. Portugal concorre com a República Checa pela organização do evento, devendo a decisão ser tomada na reunião do Conselho da IOF que terá lugar no início do próximo mês de Outubro.

De regresso à ata nº 151, uma chamada de atenção ainda para a validação da alteração de local da realização da 2ª etapa do Campeonato Ibérico de Orientação Pedestre 2012, a levar a cabo pelo Ginásio Clube Figueirense, nos dias 29 e 30 de Setembro de 2012, devido às restrições colocadas pela Câmara Municipal de Vila Nova de Poiares para onde estava prevista a realização. O evento será assim realizado no concelho da Figueira da Foz e de Montemor-o-Novo, nos mapas: Lagoa da Vela, Praia de Quiaios e Montemor-o-Novo. Foi ainda decidido que a elaboração do ranking do Circuito Nacional Urbano (CiNU) seguirá os mesmos moldes dos rankings individuais das Taças de Portugal. Finalmente, foi decidido dar provimento ao pedido do Clube de Orientação do Centro para embargo dos mapas: Dunas da Rainha, Vieira e Pedrogão até à realização dos eventos “Troféu do Alvão” e “Grande Prémio do RA4”, previstos para estes locais.


Saudações orientistas.

JOAQUIM MARGARIDO

quarta-feira, 29 de agosto de 2012

DUAS OU TRÊS COISAS QUE EU SEI DELA...




1. Como amplamente noticiámos ao longo da passada semana, a seleção portuguesa presente nos Campeonatos do Mundo de Orientação em BTT, que decorreram na Hungria, teve um comportamento altamente meritório. À medalha de bronze de Susana Pontes na final de Sprint do escalão W40, juntam-se os melhores resultados de sempre nas Estafetas, Distância Média e Distância Longa, no que ao escalão de Elite Masculina diz respeito. Elemento comum a estes feitos, Davide Machado viu a sua cotação subir no ranking mundial a um nível nunca antes alcançado por um atleta português, ocupando neste momento a 7ª posição. O atleta trepou igualmente uns furos na Taça do Mundo, sendo agora o 13º classificado. Os rankings são comandados pelo finlandês Samuli Saarela e pela helvética Christine Schaffner, nos setores masculino e feminino, respetivamente. Tudo para conferir em http://iof.6prog.org/wr_home.aspx?HOW=M.


2. No próximo dia 02 de setembro, a Escola Secundária de Palmela organiza a 8ª edição do Troféu de Orientação das Vindimas. Integrada no programa da 50ª Festa das Vindimas, a prova tem o seu início agendado para as 09:00 horas, constituindo uma oportunidade privilegiada para reiniciar a época desportiva de forma descontraída e em festa. Serão atribuídos prémios de presença aos participantes adultos e medalhas aos três primeiros classificados de cada escalão individual e ao primeiro de cada escalão aberto. Não existe qualquer taxa de inscrição. As inscrições e pedidos de informação devem ser enviadas por e-mail para josep.pinho@espalmela.net indicando nome, data de nascimento, clube, nº de filiado na FPO e escalão. Para mais informações consulte a página do evento em http://portal.espalmela.net/index.php?option=com_content&view=article&id=253:8o-trofeu-de-orientacao ou contacte José Paulo Pinho através do telemóvel 963905593. Relembre-se que o concelho de Palmela será palco, em 2014, dos Campeonatos Europeus de Orientação e continua a afirmar-se como uma das regiões nacionais de referência na prática da modalidade.


3. A Federação Portuguesa de Orientação adiou para 22 e 23 de Setembro de 2012 a realização do Curso de Cartografia – Nível II, previsto inicialmente para os dias 08 e 09 de Setembro. Este curso surge no seguimento dos objetivos traçados para a formação de técnicos de Orientação e conforme
divulgado no Plano de Actividades para 2012, sendo requisitos de admissão ao curso possuir o Curso de Cartografia - Nível I, ter idade mínima de 16 anos, ter a filiação na FPO devidamente regularizada e prática comprovada de pelo menos uma época. O Curso terá lugar no Centro de Estágio da Marinha Grande e tem um máximo de 16 vagas. Caso o número de interessados seja superior, as vagas serão atribuídas por ordem de inscrição. No âmbito dos protocolos estabelecidos com o Exército, a DGIDC e a FADU, podem estas instituições inscrever candidatos até um máximo de dois. As fichas de inscrição [AQUI] deverão ser remetidas para a FPO, até 16 de Setembro de 2012, sendo as inscrições confirmadas no dia útil seguinte. Para qualquer informação ou esclarecimento adicional é favor contactar a FPO através do e-mail geral@fpo.pt ou pelos telefones 244 575 074, 919 919 801 ou 912 162 662.


4. Chama-se “História(s) da Orientação em Portugal e arredores” e ocupa um lugar no “livro de rostos” desde o passado dia 30 de Junho. Criado por Luís Quinta-Nova, o novo espaço surge com o objetivo claro de servir de plataforma onde sejam apresentados “dados estatísticos, cartografia, fotos, vídeos, documentos, e outros elementos relacionados com a história da Orientação em Portugal.” Percebe-se que há aqui “pano para mangas” e que este poderá ser o ponto de partida para a criação duma página que possa congregar o interesse e a atenção de muitos dos fiéis depositários da história da nossa Orientação – e refiro-me não apenas a todos aqueles que estão nestas andanças há mais tempo, mas aos orientistas em geral, porque todos temos já (pelo menos) uma história para contar. Parabéns, pois, ao Luís Quinta-Nova pela iniciativa, com o convite implícito a que passem por http://www.facebook.com/pages/Histórias-da-Orientação-em-Portugal-e-arredores/258900560882664 e contribuam, também, com um pedacinho de história(s).




Saudações orientistas.

JOAQUIM MARGARIDO

terça-feira, 28 de agosto de 2012

OS VERDES ANOS: MIKAEL FERREIRA




Olá!

Sou o Mikael Ferreira, tenho 14 anos e vivo no Vilar dos Prazeres. Ando no 9º ano na Escola EB 2,3 D. Afonso, IV Conde de Ourém, em Ourém.

Quando comecei a praticar Orientação, no 6ºano, achava que era uma “seca”, porque só havia treinos e não havia provas. Pouco tempo depois deixei a Orientação e fui para o BTT, onde fiz algumas provas. No final desse ano percebi que a Orientação era bem melhor que o BTT e no 7º ano resolvi voltar a inscrever-me.

Nesse ano fiz muitas provas e gostei delas todas, embora ainda não me safasse lá muito bem. Apesar disso tudo, eu evoluí bastante. Comecei a perceber que a Orientação é um desporto fabuloso onde estamos em contacto com a natureza, fazemos novas amizades e conhecemos muitos sítios e paisagens.

No ano seguinte, o Professor João Alves fez uma equipa de Iniciados Masculinos. Com muito esforço e dedicação, conseguimos bons resultados e fomos apurados para o Campeonato Mundial ISF que se realizou em Itália em Maio de 2011. Durante o Campeonato Mundial ISF eu aprendi muitas coisas sobre a modalidade e também fiz novas amizades. Depois dos Campeonatos, alguns elementos da equipa federaram-se no Grupo Desportivo dos Quatro Caminhos (GD4C) e outros saíram de Orientação. Eu acabei por me federar no GD4C e sair de outra modalidade que praticava, o Futebol.

A partir daí, o meu gosto pela Orientação tem vindo a aumentar cada vez mais e agora adoro fazer Orientação. As pessoas que não praticam Orientação deveriam fazê-lo porque é uma sensação espectacular que tem enormes vantagens como a prática de exercício físico e a vista de paisagens bonitas.

Os meus objetivos passam agora por melhorar a minha condição física e técnica, dando sempre o meu melhor, nunca desistindo. Agora que já treino regularmente, espero vir a conseguir alcançar melhores resultados e tornar-me num bom orientista.

Quanto à minha vida profissional, para já penso terminar o 12º Ano, apesar de ainda não saber muito bem que Curso Superior pretendo seguir.

Por último gostava de agradecer aos meus pais, ao meu professor, ao GD4C por me ter recebido e a todas as pessoas que me têm apoiado.

Mikael Ferreira
GD4C – Grupo Desportivo dos Quatro Caminhos
Fed 5503

[Foto gentilmente cedida por João Vítor Alves]

segunda-feira, 27 de agosto de 2012

WMTBOC 2012: CONSIDERAÇÕES FINAIS




Ponto final nos Campeonatos do Mundo de Orientação em BTT. Em tempo de balanço, o Orientovar recorda os momentos altos do certame e elege aquelas que foram, no seu entender, as grandes figuras do evento.


Os Campeonatos do Mundo de Orientação em BTT 2012 chegaram ao fim. Distribuindo-se pelas categorias de Elite, Juniores e Veteranos, o evento contou com a participação de quatro centenas e meia de atletas de 32 países, com essa nota de destaque para a China Formosa, Turquia e Roménia que, pela primeira vez, tomaram assento no maior evento internacional de Orientação em BTT.

Centrado em Veszprém, na Hungria, os Mundiais viram o programa distribuir-se ao longo de seis dias, com as finais de Sprint, Distância Média, Distância Longa e de Estafetas a constituirem os pontos altos do certame. Ao todo foram atribuídos 33 títulos mundiais individuais e 8 títulos mundiais de estafetas, cabendo à República Checa o maior número de medalhas, nada mais nada menos que onze, embora com a particularidade de oito delas terem sido alcançadas na categoria de Veteranos. Finlândia com 7 medalhas – quatro das quais na categoria de Elite e duas na categoria de Juniores –, Áustria e Dinamarca com quatro títulos mundiais cada, foram as seleções que se seguiram no medalheiro dos Campeonatos.


As finais, uma a uma

As finais de Sprint e de Distância Média preencheram a primeira metade do programa dos Campeonatos do Mundo. Na prova de Sprint, assistiu-se a um intenso duelo entre o austríaco Tobias Breitschädel e o checo Marek Pospisek. Triunfo do austríaco por escassos dois segundos, naquela que constituiu, até ao momento, a mais apertada vitória numa final de Sprint em Campeonatos do Mundo. No setor feminino, a helvética Christine Schaffner conquistou a sua primeira medalha de ouro nesta disciplina, batendo a britânica Emily Benham pela margem estreita de 22 segundos. Quanto à final de Distância Média, trouxe-nos um Samuli Saarela (Finlândia) ao seu melhor nível, com uma grande vitória ante o seu maior rival, o russo Anton Foliforov, como que a provar o porquê de ser ele o líder do ranking mundial. Nas senhoras, a helvética Ursina Jäggi terá preconizado, quiçá, a maior surpresa dos Campeonatos, ao levar de vencida toda a concorrência, oferecendo à Suiça o seu primeiro título mundial feminino de Distância Média.

As Estafetas abriram a segunda metade do programa competitivo, com uma “dobradinha” da Finlândia. Mais folgada no caso das senhoras, ante uma Suiça que ostentava à partida o título de Campeã do Mundo, mais apertada no caso dos homens, com Jussi Laurila a aguentar a forte pressão do russo Anton Foliforov e a oferecer ao seu país a quarta vitória em dez edições da prova. Considerada a “prova rainha” dos Campeonatos, a final de Distância Longa encerrou da melhor forma o programa, com Ruslan Gritsan a saborear o ouro, quatro anos depois do título mundial alcançado em Ostróda, em 2008. Gritsan que se impôs ao finlandês Juho Saarinen pela diferença de 16 segundos, naquela que constitui, igualmente a mais estreita margem em finais de Distância Longa da história dos Campeonatos. Quanto ao setor feminino, Susanna Laurila voltou a saborear o ouro, desta vez a título individual, impondo-se a Ksenia Chernikh por uma vantagem de 23 segundos.


Finlândia, a grande triunfadora

Olhando para o quadro de resultados nos Mundiais de Elite, difícil se torna escolher a figura dos Campeonatos. Os seis títulos individuais foram parar ao peito de seis atletas diferentes, com destaque para o austríaco Tobias Breitschädel, a helvética Ursina Jäggi e a finlandesa Susanna Laurila, trazendo uma nota de enorme frescura e a garantia de estar bem assegurado o futuro da modalidade nos respetivos países. A helvética Christine Schaffner, o finlandês Samuli Saarela e o russo Ruslan Gritsan são os restantes campeões mundiais de 2012, naquilo que constitui a confirmação inequívoca das suas enormes qualidades e capacidades, bem patente nos 17 títulos mundiais que os três, em conjunto, ostentam.

Já no capítulo coletivo, a Finlândia é a grande triunfadora. Aos títulos de Samuli Saarela e de Susanna Laurila, juntam-se os triunfos nas Estafetas masculina e feminina, fazendo com que o seleccionado finlandês arrecadasse, só à sua conta, metade dos títulos mundiais de Elite em disputa. Segue-se a Suiça, graças às vitórias das já referidas Christine Schaffner e Ursina Jäggi, com o medalheiro a incluir sete outros países.


Uns melhor que outros

Analisando as prestações de cada um dos países aqui presentes, impossível se torna não falar de Portugal. O seleccionado lusitano conseguiu estabelecer os seus melhores resultados de sempre na Distância Média (Davide Machado, 11º lugar) e nas Estafetas (8ª posição), igualando ainda, por intermédio de Davide Machado, o melhor lugar de sempre na Distância Longa (5º), pelo que é um dos países ganhadores destes mundiais. Entretanto a Áustria não foi só a medalha de ouro de Tobias Breitschädel na final de Sprint. Também o 3º lugar da Estafeta Masculina constituiu igualmente um momento alto do seleccionado austríaco. Uma palavra também para a Grã-Bretanha e, em particular, para Emily Benham, uma jovem com tanto de espontaneidade e simpatia como de garra e coragem, ela que com o segundo lugar alcançado na final de Sprint ofereceu à Grã-Bretanha a sua primeira medalha em Campeonatos do Mundo de Orientação em BTT. Bulgária e Suécia conseguiram igualmente um par de belos resultados, com Stanimir Belomazhev a chegar à 15ª posição na final de Sprint e Cecilia Thomasson a ser a 12ª classificada na prova de Distância Longa. Ainda uma referência para a equipa da casa, a Hungria, com Anna Füzy longe dos resultados de outros tempos, mas a mostrar um László Rózsa capaz de vir a fazer grandes coisas no futuro, ele que estabeleceu, nestes Mundiais, os melhores resultados de sempre do seu país nas provas de Sprint (26º) e Distância longa (42º).

Pelo contrário, países como a Austrália ou a Dinamarca não deixam de constituir uma surpresa pela negativa. Longe vai o tempo em que Belinda Allison, Emily Viner e Adrian Jackson colocavam a Austrália no topo dos países mais medalhados dos Mundiais. Individualmente, o 20º lugar de Melanie Simpson na final de Distância Longa foi o melhor resultado do seleccionado australiano, mas atenção à sua Estafeta Masculina que arrancou um surpreendente 9º lugar. Quanto à Dinamarca, sem os seus chefes-de-fila Erik Skovgaard Knudsen e Rikke Kornvig, deixa de ser uma seleção temida por todos. E não fora a medalha de bronze de Nina Hoffmann na prova de Distância Média e a Dinamarca passaria praticamente ao lado destes Mundiais. O 5º lugar de Gaëlle Barlet na final de Sprint, o mesmo resultado de Laura Scaravonati na Distância Média e, em certa medida, a medalha de bronze de Anna Kaminska também na final de Sprint, não conseguem esconder um conjunto de resultados abaixo das expectativas tanto para a França como para a Itália e para a Polónia. Uma nota ainda para a República Checa, possuidora dos melhores terrenos para a Orientação em BTT a nível mundial, com uma escola que não cessa de dar à modalidade alguns dos seus mais promissores valores, com técnicos e cartógrafos de altíssimo nível mas que continua, vá-se lá a saber porquê, se conseguir chegar aos títulos mundiais de Elite, em dez anos que leva destas andanças.


E ainda...

Roménia, Turquia e China Formosa tiveram nestes Mundiais de 2012 a sua estreia, com turcos e chineses claramente à margem da alta roda da Orientação em BTT, mas com o seleccionado da Roménia a mostrar aqui alguma qualidade e a conseguir dois resultados interessantes, por Tamás Bogya, no Sprint (51º) e por Zóltan Tóth, na Distância Média (50º). Finalmente uma palavra para dois países que não são presença habitual nestas andanças mundialistas. Após seis anos de interregno, os Estados Unidos apresentaram em competição uma equipa feminina de três atletas, aguerridas é certo mas sem alcançarem resultados relevantes. Quanto ao Brasil, trouxe a estes Campeonatos um atleta masculino e um feminino, com Barbara Bomfim a conseguir um interesante 51º lugar na prova de Distância Média.

Falta apenas falar da organização destes Campeonatos. Daquilo que fomos escutando e percebendo, a nota a dar a esta organização dos Campeonatos do Mundo de Orientação em BTT 2012 é francamente positiva. Bons mapas e percursos, uma boa logística, acompanhamento das equipas irrepreensível e muita simpatia e atenção, colocam estes Campeonatos num lugar de referência ao nível do que de melhor se tem feito na Orientação em BTT. Em termos de comunicação e média, a fasquia nunca esteve tão elevada e foi possível, “em direto”, acompanhar a par e passo o desenrolar dos acontecimentos. Faltaram, sem dúvida, os dossiers de imprensa – a webpage do evento ficou esquecida e a última entrada data ainda de 20 de Agosto (!) -, mas isso são já contas perdidas dum rosário de enorme qualidade. Importa ainda referir que estes Mundiais vieram confirmar, para muitos, que a prova de Sprint está a mais no Calendário dos Campeonatos e que a nova regra que permite rolar mesmo fora dos caminhos está aprovada. Mais e melhor leitura de mapa, mais orientação e, sobretudo, maior verdade desportiva são trunfos duma decisão particularmente acertada.


Virar de página

Agora é tempo de virar a página, avançando já com o nosso olhar para o norte da Estónia e para a cidade de Rakvere, junto ao Golfo da Finlândia. É lá que, de 26 a 31 de Agosto, se irão realizar os XI Campeonatos do Mundo de Orientação em BTT e os VI Campeonatos do Mundo de Júniores de Orientação em BTT. Algumas informações estão já disponíveis na página da prova, em http://www.orienteerumine.ee/mtbo2013/, e o Buletim nº 1 pode ser visto AQUI. Quanto aos IV Campeonatos do Mundo de Veteranos de Orientação em BTT, esses só mais tarde, presumivelmente de 10 a 13 de Outubro, em... Portugal!


Saudações orientistas.

JOAQUIM MARGARIDO

domingo, 26 de agosto de 2012

WMTBOC 2012: IMPRESSÕES (V)




Foram-se os Campeonatos, ficam ainda as impressões de alguns dos seus grandes protagonistas. De novo com base no Facebook, aqui ficam as últimas de Luís Barreiro e João Ferreira.


Terminámos aqui o cenas em grande. De manhã estive a acompanhar a final A da Longa e a sofrer (e muito) pelo nosso Davide que alcançou um brilhantíssimo quinto lugar. Dadas as circunstâncias, fazer um melhor resultado seria muito difícil. Depois de lhe dar os parabéns segui para a minha prova na final B, prestação essa que ficou muito facilitada por ter um percurso igual ao da final A, mas que terminava antes da cidade enquanto os craques tinham mais uma parte urbana. Como já tinha antecipadamente feito a análise das melhores opções, só tive que andar forte sem fazer erros de navegação. Fiz uma boa prova e o tempo que trazia, se fosse na final A, seria para entrar nos 30 primeiros. A esta hora ainda não sei os resultados e a dúvida persiste se terei conseguido uma posição melhor que a do Davide. Seja como for, saio muito contente com a minha prestação de hoje.

Esta noite foi também o banquete de encerramento e sobre isso não há muito a falar. Não que tenha sido desinteressante, mas estas coisas é melhor ficar só para quem está. Amanhã sairemos após o pequeno almoço e trinta e seis horas depois esperamos estar a chegar ao nosso destino em Portugal, segunda-feira à noite, portanto. Até já.

Luís Barreiro


Dureza... É assim que vejo a prova de hoje... muito calor... prova muito física e com algumas zonas mais técnicas e que faziam a diferença nos tempos finais. Parti às 10:04 para a última prova deste Campeonato do Mundo, prova rainha, Final de Distância Longa. Parti na posição 50 dos 60 que se tinham apurado (100 foi o total de atletas à partida para a qualificatória). Não comecei mal mas para o ponto 5 entro demasiado rápido numa zona técnica perdendo a noção da localização e perdendo cerca de três minutos neste ponto. Perco cerca de quatro minutos para o ponto 18, pois estava escondido num bunker e passei perto e não o vi. Ao longo da prova - e tirando estas duas grandes perdas de tempo -, tenho mais situações de indecisões e opções menos boas que me fizeram perder bastante tempo no total. Fisicamente sinto que não estava na melhor forma e o cansaço, por ser a última prova (cinco provas realizadas em seis dias), fez-se sentir. Penso que o facto de ter estado com dores de garganta e com antibiótico e anti-inflamatório até ontem alterou o meu estado fisico. Acabei em 49º lugar, um pouco acima do meio da tabela se contabilizarmos os 100 atletas na qualificatória.

Como balanço deste Campeonato do Mundo e visto amanhã regressarmos, penso que foi positivo. Melhorei os resultados alcançados o ano passado na Distância Média e Estafetas, sendo que nas Estafetas conseguimos (João Ferreira, Carlos Simões e Davide Machado) o melhor resultado de sempre com a 8ª posição. Gostaria de agradecer a todos os patrocinadores: Câmara Municipal de Águeda, Lusobike, Focus by Tecnocycle, Zipvit Portugal, Cofides, BikesportsTeam, BBB parts, Águas Vimeiro, Senos e Alves, Timex Portugal, NZSaventura, Orifix, Sociedade Comercial Vouga e Gipiemme. Gostaria ainda de agradecer a todas as pessoas que me apoiaram e apoiam, não só ao longo destes dias de prova mas que me apoiam sempre todos os dias. Agradecimento especial (peço desculpa a todos os outros, mas não posso citar todos) Carlos Ferreira, Fernanda Ferreira, Fausto Ferreira, Diana Moreira, Davide Machado, Carlos Simões, Daniel Marques, Daniel Moreira, Júlio e Sérgio Marques (Lusobike) e todos os outros que, de uma forma ou de outra, mostraram o apoio.

João Ferreira



Saudações orientistas.

JOAQUIM MARGARIDO

sábado, 25 de agosto de 2012

WMTBOC 2012: DAVIDE MACHADO FECHA CAMPEONATOS COM UM BRILHANTE 5º LUGAR




Davide Machado concluiu a “etapa-rainha” que encerrou os X Campeonatos do Mundo de Orientação em BTT com um fantástico 5º lugar, igualando assim a histórica prestação de Vicenza, em 2011. No escalão de Veteranos Femininos W40, Susana Pontes ficou às portas do pódio, a pouco mais de um minuto da medalha de bronze.


O selecionado luso terminou em beleza a sua décima participação em outros tantos Campeonatos do Mundo de Orientação em BTT. Depois de Davide Machado ter estabelecido, na quarta-feira, o melhor resultado de sempre dum atleta português na prova de Distância Média e da nossa Estafeta masculina ter alcançado igual desiderato no dia de ontem, eis que Davide Machado volta a estar em plano de destaque ao igualar, com um notável 5º posto na prova de Distância Longa, o resultado trazido de Vicenza, há um ano atrás.

Aqueles que acompanharem a prova do nosso atleta através do sistema GPS, disponível em http://www.tulospalvelu.fi/gps/20120825mtblongM/ - e aqui abre-se um parêntesis para felicitar a organização destes Mundiais pela forma como soube gerir e rentabilizar as ferramentas on-line existentes ao alcance de todos, conseguindo um notável trabalho de informação que apenas falhou na parte escrita, naquilo que poderemos designar por “dossiers de imprensa”, dia após dia -, poderão constatar que Davide Machado esteve algo distante do sonho duma “prova limpa”. Embora pouco significativos no que ao tempo perdido diz respeito, foram vários os erros de opção e as hesitações ao longo do percurso, muito por “culpa” dos atletas que a ele se foram juntando – em particular o italiano Giamme Origgi – e que terão contribuído para baixar os níveis de concentração. Isto fica bem patente na progressão para o ponto três e à saída do ponto cinco, por exemplo.  Tal como a generalidade dos atletas em prova, Machado também não terá feito a melhor opção na pernada longa para o ponto 17, depois de ter estado bastante regular nos pontos intermédios de “loop”. Um exercício interessante é pôr a correr, em paralelo, Davide Machado e o finlandês Samuel Pökälä, que saiu imediatamente atrás do nosso atleta e terminou de bronze ao peito. Facilmente se poderá perceber que as medalhas estiveram perfeitamente ao alcance do atleta português.


Nova medalha de ouro para a Finlândia

A vitória no setor masculino sorriu ao russo Ruslan Gritsan, com o tempo de 1:30:41, impondo-se a um portentoso trio de finlandeses – Juho Saarinen, Samuel Pökälä e Samuli Saarela -, a quem bateu por margens inferiores ou iguais a um minuto. Presente em todas as dez edições dos Mundiais de Orientação em BTT, Gritsan recupera assim um título que foi seu em 2005, 2007 e 2008, somando agora seis medalhas de ouro em Campeonatos do Mundo, tantas quantas a sua compatriota Ksenia Chernykh, o finlandês Mika Tervala e a helvética Christine Schaffner, e a apenas uma medalha da “rainha” dos Mundiais, a austríaca Michaela Gigon. Uma menção ainda para João Ferreira que garantiou igualmente um lugar entre os sessenta melhores do mundo na distância, tendo concluído a sua prova no 49º lugar com o tempo de 1:56:32, ainda que a mais de dez minutos do seu grande objetivo, o tão almejado 33º lugar que lhe garantiria a entrada direta no escalão B de Alta Competição.

No setor feminino, a grande vencedora do dia é finlandesa e dá pelo nome de Susanna Laurila. Depois de ontem ter saído de ouro ao peito da prova de Estafetas, a jovem finlandesa esteve imparável e conseguiu uma vitória sofrida no tempo de 1:17:27, deixando a 23 segundos apenas a russa Ksenya Chernykh. Laurila, que vinha creditada com o 5º lugar na distância alcançado em Vicenza, nos Mundiais do ano transato, alcança assim um primeiro lugar surpreendente, relegando para as posições inferiores, entre outras, as suas compatriotas Marika Hara e Ingrid Stengard, a helvética Christine Schaffner e a italiana Laura Scaravonati, medalha de bronze em 2011. Rita Madaleno também marcou presença nesta final, concluindo no 49º lugar com o tempo de 1:39:46.


Susana Pontes repete 4º lugar de Dalarna

No tocante aos restantes escalões, o destaque vai para Susana Pontes e para o seu quarto lugar no escalão de Veteranos Femininos W40. Depois da medalha de bronze na prova de Sprint da passada quinta-feira, a atleta do CPOC voltou a estar em grande nível, igualando o resultado trazido dos Mundiais de Dalarna, em 2011. Susana Pontes concluiu a sua prova com o tempo de 1:11:40, a 1:16 da húngara Orsolya Marosffy, que se quedou com a medalha de bronze, e a 8:59 da vencedora, a húngara Veronika Cseh, que desta forma faz o pleno de medalhas de ouro a título individual nestes Mundiais.

Quanto aos restantes portugueses, Miguel Pires foi o 41º classificado no escalão de Júniores Masculinos, numa prova onde o grande vencedor voltou a ser o checo Krystof Bogar. No escalão de Veteranos Masculinos M40, Mário Marinheiro concluiu na 34ª posição, Octávio Andrade foi o 35º classificado e Rui Botão fechou o trio português no 39º lugar.


Resultados

Elite Masculinos
1º Ruslan Gritsan (Rússia) 1:30:41
2º Juho Saarinen (Finlândia) 1:30:57
3º Samuel Pökälä (Finlândia) 1:31:34
4º Samuli Saarela (Finlândia) 1:31:41
5º Davide Machado (Portugal) 1:35:01
6º Tõnis Erm (Estónia) 1:35:13
(…)
49º João Ferreira (Portugal) 1:56:32

Elite Femininos
1º Susanna Laurila (Finlândia) 1:17:27
2º Ksenia Chernykh (Rússia) 1:17:50
3º Marika Hara (Finlândia) 1:19:15
4º Annick Béguin (Suiça) 1:19:38
5º Ursina Jäggi (Suiça) 1:20:43
6º Christine Schaffner (Suiça) 1:21:02
(…)
47º Rita Madaleno (Portugal) 1:39:46

Júniores Maculinos
1º Krystof Bogar (República Checa) 1:13:35
2º Jonas Maiselis (Lituânia) 1:17:54
3º Vojtech Ludvik (República Checa) 1:18:02
4º André Haga (Finlândia) 1:18:46
5º Rennis Grende (Letónia) 1:19:09
6º Grigory Medvedev (Rússia) 1:19:17
(…)
41º Miguel Pires (Portugal) 1:42:36

Júniores Femininos
1º Eeva-Liisa Hakala (Finlândia) 58:30
2º Svetlana Poverina (Rússia) 1:01:31
3º Ruska Saarela (Finlândia) 1:05:22
4º Barbara Sanocka (Polónia) 1:05:26
5º Henna Saarinen (Finlândia) 1:06:18
6º Caroline Konring (Dinamarca) 1:07:25

Veteranos Masculinos M40
1º Miroslav Rygl (MIRY Mapholders) 1:11:36
2º Jaroslav Rygl (KOS Tesla Brno) 1:14:35
3º Andy Conn (GBR Masters) 1:19:26
4º Jan Kourimsky (SKOB Slany) 1:20:49
5º Ales Linhart (GIGANT Orienteering) 1:21:51
6º Killian Lomas (GBR Masters) 1:23:11
(…)
34º Mário Marinheiro (CPA – Abrunhos) 1:46:18
35º Octávio Andrade (.COM) 1:48:11
39º Rui Botão (CPOC) 2:09:45

Veteranos Masculinos M50
1º Jean-Charles Lalevee (France Icone Sens) 1:06:49
2º Per Gustavsson (Goteborg Majorna OK) 1:09:11
3º Stefan Kollberg (Eksjö SOC) 1:09:34
4º Dietmar Dörfler (Individual AUT) 1:11:17
5º Michel Denaix (CSA EMHM Chamonix) 1:12:15
6º Heikki Tyrvainen (TVV) 1:12:16

Veteranos Masculinos M60
1º Zdenek Laciga (USK Praha) 56:43
2º Rob Garden (New Zealand) 58:01
3º Heikki Saarinen (SOC Asikkala) 1:01:15
4º Keld Johnsen (Tisvilde Hegn OK) 1:02:03
5º Petr Nejedly (SKOB Zlin) 1:05:50
6º Walter Rahm (OLG Pfäffikon) 1;07:43

Veteranos Masculinos M70
1º Herbert Lackner (Team Austria) 1:03:04
2º Raimo Latinen (Suomusjärven Sisu) 1:15:38
3º Herluf Jensen (Svendborg OK) 1:25:04
4º Vladimir Nemec (SKOB Slany) 1:31:25

Veteranos Femininos W40
1º Veronika Cseh (Individual HUN) 1:02:41
2º Aurelie Villar (Noyon CO) 1:08:23
3º Orsolya Marosffy (Hungarian Masters) 1:10:24
4º Susana Pontes (CPOC) 1:11:40
5º Andrea Rejholcová (OK BOR) 1:12:53
6º Verka Parizkova (SNS Smrzovka) 1:12:56

Veteranos Femininos W50
1º Charlotte Somers-Cocks (GBR Masters) 1:01:22
2º Carolyn Jackson (Melbourne Forest Racers) 1:03:24
3º Ursula Häusermann (Switzerland) 1:04:50
4º Jindra Dohnalova (VIP CZ) 1:07:37
5º Vivienne Prince (PAPO) 1:08:00
6º Angela Brand-Barker (GBR Masters) 1:10:14

Veteranos Femininos W60
5º Birgit Hausner (OK Oest Birkeroed) 55:47
3º Ellis Byrgiel Sommer (OK Oest Birkeroed) 1:01:08
4º Licia Kalcich (Team Italia) 1:03:58
1º Eva Kralova (SK VAZKA Bratislava) 1:04:39
2º Ellen Brun Pedersen (OK FROS) 1:12:10
6º Birgit Olsen (Tisvilde Hegn OK) 1:33:36

Consulte os resultados completos em http://www.mtbo.hu/mtbwoc2012.php/lists.

[Foto gentilmente cedida por Daniel Marques]


Saudações orientistas.

JOAQUIM MARGARIDO

sexta-feira, 24 de agosto de 2012

WMTBOC 2012: IMPRESSÕES (IV)




No final de mais um dia pleno de emoções, reproduzimos as impressões de Davide Machado e João Ferreira, que nas respetivas páginas do Facebook partilham connosco a sua visão duma Estafeta histórica. Embora com algum atraso – mas porque encerra algumas curiosidades –, aqui ficam também as impressões de Luís Barreiro.


Hoje foi dia de Estafetas e com ele chegou um resultado histórico para Portugal, um 8º lugar que bate o melhor resultado anterior (9º em 2010) e acima de tudo trás um certo “ar fresco” para nós atletas, motivando-nos e capacitando-nos de que muita coisa é possível. A competição teve inicio às 10h20 com o arranque dos primeiros elementos das 35 equipas presentes. No nosso caso foi o João Ferreira, conseguindo fazer uma boa prova e passar o testemunho ao segundo elemento, Carlos Simões, na 18º posição. Este não perdeu o andamento e ainda conseguiu recuperar lugares, entregando-o a mim na 15ª posição. Entrei bem no mapa e, focado nos objetivos, fiz alguns pequenos erros iniciais, mas assim que vi a equipa australiana e a segunda equipa italiana vi também a possibilidade de fazermos história e dei tudo o que tinha. Mesmo fazendo alguns erros ainda consegui alcançar a primeira equipa italiana e aí posicionar-me na 7ª posição “oficial”. No entanto, na parte final, quando seguia com o italiano na minha roda, passo o penúltimo ponto de controlo, o italiano faz o mesmo, mas assim que damos por ela ele volta-se mais rapidamente pica o ponto e sai disparado para o “finish”. Ainda tentei recuperar no Sprint final, mas foi de todo impossível ficando a escassos 10 segundos da 7ª posição. A nível de mapa e percurso eram interessantes, o terreno em si não tinha grande altimetria mas o piso e a exposição total aos 40º C de temperatura dificultavam bem as coisas fisicamente. A nível técnico era acessível, mas com algumas “rasteiras” em áreas abertas com pontos extra, o que tornava a concentração fundamental.

Dado o resultado alcançado não posso classificar como uma má prestação, como equipa foi excelente (o melhor até então). No entanto, individualmente, ainda não fiquei totalmente satisfeito. A este nível, quaisquer pequenos erros são fatais e pequenos segundos fazem grandes diferenças. Por isso vou esperar que a Longa seja a minha prova “limpa”.

Amanhã será o último dia de competições com a grande Final de Distância Longa, aquela que é considerada por todos como a “etapa-rainha” de qualquer Campeonato do Mundo, sendo que eu também a considero como a minha favorita e onde tenho conseguido fazer os melhores resultados.
Espera-se uma prova extremamente dura, principalmente a nível físico, onde o tipo de terreno muito irregular e as altas temperaturas previstas irão fazer mossa ao longo dos 40 km de prova. Tecnicamente terá também a sua dificuldade, não estivéssemos nós a disputar um Campeonato do Mundo. Por isso esperam-se algumas difíceis opções, grandes pernadas e pontos colocados em sítios estratégicos para dificultar as coisas, assim como uma parte final urbana no centro da Cidade de Veszprém, com o final no Castelo. Quanto a expectativas pessoais, o desejado seria igualar o resultado do ano passado em Itália (top-5). No entanto - e embora tenho conseguido um 3º lugar na qualificação - as coisas estão ainda mais difíceis e como tal vou fazer os possíveis e os impossíveis para conseguir entrar no top-8. O meu esforço máximo é garantido, por isso espero ter sorte que também faz falta e aguardar pelo resultado final. Mais uma vez irei levar o dispositivo de GPS e por isso poderão seguir a minha prova “limpa” a partir das 12h13 (11h13 portuguesa) e acompanhar todo o seu fascinante desenvolvimento.

Davide Machado


Melhor resultado de sempre na Estafeta Masculina: 8º lugar no Campeonato do Mundo de Orientação em BTT. Hoje fizémos história. Eu, o Carlos Simões e o Davide Machado, alcançámos o melhor resultado de sempre e melhorámos o 9º lugar realizado em 2009. Fui o primeiro a partir, parti bem e chego ao triângulo na terceira posição. No ponto 5 vou em oitavo lugar mas quebro fisicamente e a parte final da prova não correu tão bem. Mesmo assim entrego o testemunho em 13º lugar, a cinco minutos do primeiro mas a pouco mais de dois minutos do top-6. O Carlos Simões fez uma boa prova e quando passa o testemunho já íamos na 9ª posição. O Davide Machado foi fantástico, recuperou mais um lugar e ficámos na oitava posição. O ambiente é o de dever cumprido e de satisfação por melhorar o resultado anterior.

Amanhã é a última prova. Amanhã, os melhores 60 atletas dos 100 à partida na qualificatória irão disputar a Final de Distância Longa. Eu e o Davide qualificámo-nos nos Homens Elite, a Rita Madaleno nas Damas Elite e o Miguel Pires em Juniores. Parto às 10:04 horas húngaras, 09:04 em Portugal. Esperamos uma prova muito muito difícil, extremamente física, dura e técnica. Serão três mapas com bastante detalhe e o calor a rondar os 40º C irá dificultar em muito a nossa tarefa para os 40 km de prova esperados. Irei dar o meu melhor com o objectivo de alcançar os 33 primeiros, o que me daria apuramento directo para escalão B de Alta Competição. Sei que é algo muito difícil dadas as condições da prova, a competitividade que existe este ano e o meu estado físico que não é o melhor depois de uma semana a tomar antibiótico e anti-inflamatorio com dores de garganta; vou dar o meu melhor. Obrigado a todos os que me apoiam. Parabéns à nossa selecção. Parabéns Davide e Carlos.

João Ferreira


Quando se diz que um dia é de descanso para um ciclista, o que realmente se quer dizer é que não há competição. Durante esta tarde aproveitei para ir fazer um treino com mapa junto ao lago Balaton, em ritmo calmo para apreciar as paisagens e deliciar-me com a floresta que é bem diferente daquilo que temos em Portugal. Foram 1 hora e 45 minutos muito bem passados.

Se nos dias de competição é preciso acordar cedo e o ambiente é sempre algo stressado, hoje deu para ficar na cama até mais tarde. Quando se iniciou a prova de Damas 40 colámo-nos aos computadores para seguir em directo no site dos campeonatos a prova da Susana Pontes. Está visto que o futuro da modalidade passa pelo acompanhamento dos atletas em directo com GPS. Foi preciso sofrer até ao final para a vermos obter a medalha de bronze, mas foi com grande alegria que vimos o nome dela aparecer em terceiro lugar.

Ainda se ponderou que eu fosse na Estafeta de amanhã, mas depois de reunirmos ficou decidido manter o plano original. Vai o João em primeiro, depois o Carlos e o Davide. O objectivo é os 8 primeiros para ser o melhor resultado de sempre, mas na realidade não devemos chegar ao top-ten. Nas senhoras vai a Tânia, a Margarida e a Rita. A organização estima que as melhores mulheres façam cerca de 40 minutos cada, enquanto que os homens mais capazes farão o seu percurso em cerca de 50 minutos. Para acompanhar a partir das 10:20 (9:20 em Portugal) no sítio do costume. Certamente será emocionante de seguir, pois nesta prova parte tudo ao mesmo tempo e a primeira equipa a chegar é a vencedora.

Para terminar, quem é que é capaz de adivinhar qual é a selecção aqui no cenas que quando chega ao local da prova já tem as bikes todas lavadinhas e prontas a andar, é só pegar nelas e arrancar. Não será só por isso que têm obtido os lugares cimeiros, mas certamente ajuda.

Luís Barreiro


[Foto gentilmente cedida por Daniel Marques]


Saudações orientistas.

JOAQUIM MARGARIDO

WMTBOC 2012: A MELHOR ESTAFETA PORTUGUESA DE SEMPRE




Portugal volta a estar de parabéns. Ao concluir a prova de Estafeta na 8ª posição, a equipa masculina portuguesa alcançou a sua melhor prestação de sempre em Campeonatos do Mundo de Orientação em BTT. João Ferreira, Carlos Simões e Davide Machado souberam acreditar, alcançando um resultado de grande prestígio e confirmando Portugal como um dos países da linha da frente da modalidade a nível mundial.


Eram 09:20 (hora portuguesa) quando foi dada a partida para a final de Estafetas dos X Campeonatos do Mundo de Orientação em BTT que decorrem em Veszprém, na Hungria, e que terão amanhã o seu epílogo. Em cima das bicicletas, sob um calor escaldante, 35 equipas entregavam-se à floresta com empenho e ambição, encetando ali uma luta titânica pelo melhor resultado possível. Haveriam de chegar mais de duas horas depois, exultantes umas, conformadas outras, mas todas, todas com a certeza de terem dado o seu melhor.

Entre o conformado e o exultante encontrava-se o trio português, composto por João Ferreira, Carlos Simões e Davide Machado. Exultante porque o seu oitavo lugar constituía, nem mais nem menos, que o melhor resultado de sempre duma Estafeta portuguesa em Campeonatos do Mundo. Estava, pois, cumprido o grande objetivo da equipa para esta prova. Conformado porque, olhando para o particular duelo que Davide Machado e o italiano Luca Dallavalle travaram no último percurso, o resultado final até poderia ter sido outro. Mas vamos por partes.


Um duelo muito particular

Começou bem João Ferreira, entregando o testemunho na 13ª posição com o tempo de 51:58 e mantendo bem viva a ambição de chegar ao tão almejado lugar entre as oito primeiras equipas. No final do segundo percurso o objetivo parecia estar ao alcance da nossa seleção, embora o 9º lugar de Carlos Simões pudesse ser enganador, já que nos deixava a distantes oito minutos e meio exatos da oitava posição e que era, nessa altura, ocupada pela Itália. Davide Machado partiu muito forte e determinado para o derradeiro percurso, acabando por ultrapassar, primeiro, o australiano Steven Cusworth e, mais tarde, Luca Dallavalle, passando junto ao ponto de espectadores – com 80% do seu percurso cumprido – com uma ligeira vantagem sobre o transalpino. Viria a perder preciosos segundos na parte final, acabando por completar a prova com o tempo total de 2:32:03, a escassos 10 segundos do conjunto da Itália.

A vitória sorriu à Finlândia, depois dum duelo empolgante com o seu grande adversário, a Rússia. Começaram melhor os finlandeses, com Pekka Niemi – a grande figura dos Mundiais de Júniores de Montalegre, lembram-se? - a impôr-se a Valeriy Gluhov pela margem de 20 segundos. Arriscaram ainda mais os finlandeses, ao apostarem a sua estrela, Samuli Saarela, no percurso intermédio, ampliando desta feita a diferença para os 55 segundos. No derradeiro percurso, Jussi Laurila foi um verdadeiro herói ao aguentar a fortíssima investida de Anton Foliforov, para quem perdeu por 12 segundos apenas. A Finlândia recupera assim um título que lhe fugia desde 2006, assumindo o comando do medalheiro destes Mundiais 2012.


Estafeta feminina obrigada a abandonar

Portugal marcou igualmente presença no setor feminino, acabando a nossa Estafeta por ser desqualificado devido ao facto de Rita Madaleno, no derradeiro percurso, ter partido a corrente da bicicleta. Antes dela, já Tânia Covas Costa e Margarida Guerra tinham alcançado prestações modestas, pelo que o resultado nunca viria a ser o preconizado à partida pelo selecionador nacional, Daniel Marques, e que apontava para a 14ª posição. A vitória coube igualmente à Finlândia, com Marika Hara, Ingrid Stengard e Susanna Laurila a baterem inapelavelmente as anteriores campeãs mundiais, as helvéticas Maja Rothweiler, Ursina Jäggi e Christine Schaffner. Uma curiosidade para o 5º lugar da França onde, a par de Gaëlle Barlet e Madeleine Tirbois-Kammerer, pontificou Laure Coupat, uma atleta afastada das lides mundialistas desde 2004, ela que foi a primeira campeã do mundo de Distância Média, nos Mundiais de Fontainebleau, em 2002.

Nos Mundiais de Juniores, a República Checa fez valer a sua força no setor masculino, impondo-se à Finlândia por margem considerável. No setor feminino, a Rússia – com Svetlana Poverina - foi a grande vencedora, relegando a Finlândia de novo para a segunda posição. Finalmente, no tocante aos III Campeonatos do Mundo de Veteranos, a República Checa foi a grande protagonista da jornada, com vitórias nos escalões M40, M50 e W40, enquanto a Dinamarca triunfou em M60.


Resultados

Elite Masculinos
1º Finlândia (Pekka Niemi, Samuli Saarela, Jussi Laurila) 2:16:04
2º Russia (Valeriy Gluhov, Ruslan Gritsan, Anton Foliforov) 2:16:47
3º Áustria (Bernhard Schachinger, Kevin Haselsberger, Tobias Breitschädel) 2:17:06
4º República Checa (Radek Laciga, Martin Sevcik, Jan Svoboda) 2:20:00
5º França (Stephane Toussaint, Clément Souvray, Yoann Garde) 2:24:13
6º Suiça (Christian Wütrich, Beat Oklé, Beat Schaffner) 2:21:58
(…)
8º Portugal (João Ferreira, Carlos Simões, Davide Machado) 2:32:03

Elite Femininos
1º Finlândia (Marika Hara, Ingrid Stengard, Susanna Laurila) 2:15:12
2º Suiça (Maja Rothweiler, Ursina Jäggi, Christine Schaffner) 2:17:31
3º Eslováquia (Daniela Trnovcová, Stanislava Fajtová, Hana Garde) 2:26:02
4º Áustria (Sonja Reisinger-Zinkl, Marina reiner, Michaela Gigon) 2:27:48
5º França (Gaëlle Barlet, Madeleine Tirbois-Kammerer, Laure Coupat) 2:28:36
6º República Checa (Marie Hrdinova, Marie Brezinova, Hana La Carbonara) 2:28:45

Júniores Masculinos
1º República Checa (Krystof Bogar, Vojtech Ludvik, Tomas Stanek) 2:01:12
2º Finlândia (André Haga, Joakim Höstman, Kare Kaskinen) 2:06:06
3º Rússia (Filipp Zhikharev, Vladimir Emeliancik, Denis Tsarev) 2:12 23
4º França (Thibaud Guelennoc, Nicolas Pinsard, Cédric Beill) 2:14:59
5º Lituânia (Vilius Stankevicius, Tautvydas Zaliauskas, Jonas Maiselis) 2:18:06
6º Letónia (Reinis Grende, Eriks Gruzde, Atis Heinols) 2:18:45

Júniores Femininos
1º Rússia (Elena Melikhova, Tatiana Oborina, Svetlana Poverina) 2:06:36
2º Finlândia (Henna Saarinen, Ruska Saarela, Eeva-Liisa Hakala) 2:10:25
3º República Checa (Anezka Parizkova, Eva Haltofova, Katerina Novakova) 2:11:36
4º Polónia (Magdalena Ozga, Julita Linowska, Barbara Sanocka) 2:19:47
5º França (Nicole Hueber, Anne-Claire Defix, lou Denaix) 2:25:12
6º Austria (Lisa Pirker, Saskia Hofer, Julia Ritter) 2:53:51

Veteranos Masculinos M40
1º República Checa (Ales Linhart, Jan Kourimsky, Jaroslav Rygl) 2:07:22
2º Dinamarca (Finn Johanssen, Jörn Svensen, Michael Hoffmann) 2:21:58
3º Hungria (András Holluby, Tibor Tamás, László Paulovits) 2:28:05
4º Austrália (Richard Robinson, Bruce Paterson, Peter Cusworth) 2:53:23
5º Alemanha (Olaf Kaden, Michael Sturm, Thomas Hartung) 2:56:27

Veteranos Masculinos M50
1º República Checa (Jiri Král, Jaroslav Fajtl, Ivan Svoboda) 1:56:46
2º Dinamarca (Jens Peter Gundorf, Laus Seir Hansen, Troels Bent Hansen) 1:57:22
3º Alemanha (Sergej Sonnenberg, Haral Maennel, Peter Heinrich) 2:02:56
4º Grã-Bretanha (Tony Brand-Barker, Keith Dawson, Stuart Norman) 2:13:24
5º Nova Zelândia (Rob Garden, Michael Wood, Dave Armstrong) 2:19:55
6º Finlândia (Vesa Saari, Hannu Kaasalainen, Heikki Tyrväinen) 2:31:17

Veteranos Masculinos M60
1º Dinamarca (Keld Johnsen, Christian Strandgaard, Jes Steen) 1:55:07
2º Suécia (Claes-Göran Lundberg, Lars-Ake Sjökvist, Esbjörn Andrén) 2:07:05

Veteranos Femininos W40
1º República Checa (Olga Koutná, Andrea Rejholcová, Jindra Dohnalova) 2:09:08
2º Nova Zelândia (Marquita Gelderman, Vivienne Prince, Christine Browne) 2:28:01
3º Lituânia (Giedre Rubazeviciene, Egle Mackuviene, Ruta Staneviciene) 2:58:22

Consulte os resultados completos em http://www.mtbo.hu/mtbwoc2012.php/lists.

[Foto gentilmente cedida por Daniel Marques]


Saudações orientistas.

JOAQUIM MARGARIDO