quinta-feira, 29 de novembro de 2012

CAMPEONATO NACIONAL ABSOLUTO 2012: FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE ORIENTAÇÃO CONFIRMA CANCELAMENTO DA FINAL MASCULINA




Em Ofício dirigido ao Clube de Orientação e Aventura, restantes Clubes, Individuais e Órgãos Estatutários, a Direção da Federação Portuguesa de Orientação acaba de se pronunciar sobre os acontecimentos do passado domingo, aquando da Final Masculina do Campeonato Nacional Absoluto e que levaram ao seu cancelamento.


Em ofício datado de ontem, a Direção da Federação Portuguesa de Orientação pronunciou-se sobre os acontecimentos que determinaram o cancelamento da Final Masculina dos Campeonatos Nacionais Absolutos 2012, disputados no município de Abrantes. Recorde-se que as duas versões do percurso impressas apresentavam uma discrepância, tendo uma delas um ponto de controlo a mais. De acordo com nota enviada ao Orientovar por Jorge Elias, Diretor do Evento, a decisão foi tomada para não ferir a verdade desportiva.

Esta tomada de posição acabou por ser julgada procedente pela Direção da Federação Portuguesa de Orientação, que decidiu “manter a anulação dos resultados da final A masculina”. As consequências diretas desta decisão pesam para efeitos de ranking, tanto individual como coletivo, mas vão mais longe, já que aquele órgão decidiu, face aos “reiterados problemas na organização de eventos de Orientação Pedestre, suspender as organizações de Orientação Pedestre do COA por três épocas, de 2013 a 2015, o que implica anular a prova pontuável para a Taça de Portugal de Orientação Pedestre 2013 (prevista para 12 e 13 de Janeiro) e retirar a atribuição dos Campeonatos Nacionais de Distância Média e Campeonato Nacional de Estafetas de 2014”.

O ofício termina com um conjunto de “recados”, dos quais se destaca o relativo à impressão de mapas para eventos das Taças de Portugal, os quais são obrigatoriamente realizados em empresa certificada pela FPO e ainda no tocante ao Supervisor, elemento de ligação da Federação Portuguesa de Orientação e cujas indicações devem ser acatadas”.


Saudações orientistas.

JOAQUIM MARGARIDO

1 comentário:

Rui Antunes disse...

Boa Noite;

Tal como há alguns anos propuz quando fazia parte do Departamento de Cartografia, ao Supervisor devem ser dados os poderes a que lhe estão consagrados pelo regulamento. No entanto, o mesmo nunca pode nem deve ficar imune de responsabilidades no desempenho das suas funções.
Não sei o que se passou neste caso em relação ás ações por si tomadas, mas se as tomou e o clube organizador não as acatou, deveria atempadamente delas ter dado conhecimento a quem de direito para esse orgão tomar as medidas necessárias antecipadamente e não deixar chegar as coisas a esta situação que é sempre lamentável.
Pelo que se sabe, esta organização foi efetuada completamente á margem do que está devidamente regulamentado. Lamento pelo COA e espero que levantem a cabeça e regressem ás organizações mais fortes e com vontade de fazerem esquecer este percalço.
Cumprimentos
Rui Antunes