segunda-feira, 1 de outubro de 2012

RUI MORA: "NÃO HÁ DINHEIRO PARA FAZER ORIENTAÇÃO EM PORTUGAL"




Se fosse fácil, estavam cá outros”. A festa chegava ao fim, praticamente só a organização e os fotógrafos permaneciam ainda na Arena e André Mora manifestava assim, de viva voz, aquele que era o sentir de todos no final do XX Campeonato Ibérico de Orientação Pedestre. Ao encontro de Rui Mora, Diretor do Evento, o Orientovar registou as palavras emocionadas de quem, sem ovos, se vê obrigado a fazer omeletes.


Agora que o Ibérico chega ao fim, com que sensação fica?

Rui Mora - A realização deste Campeonato Ibérico por parte do Ginásio esteve em risco. Como estarão lembrados, o Campeonato Ibérico era para ter sido realizado em Vila Nova de Poiares mas entretanto, já numa fase avançada do processo, a Câmara Municipal de Poiares pediu-nos para anularmos a sua realização no concelho, uma vez que não tinha meios financeiros nem logísticos para nos apoiar. Acabámos por vir para a Figueira pelo facto de termos já os mapas, embora soubessemos à partida que o apoio da Câmara Municipal da Figueira da Foz seria apenas logístico. Foi uma correria passarmos de Poiares para a Figueira, tivemos ainda o problema do tratamento informático de dados com este sistema novo do Campeonato Ibérico e tentámos fazer o nosso melhor.

E tudo isto por amor à camisola (!?) ...

Rui Mora - E tudo isto por amor à camisola! No Clube não temos rigorosamente apoio financeiro nenhum, estamos a sobreviver com o trabalho de cada um, temos estas organizações que nos vão dando algum, mas não chega. Estamos a trabalhar também para resolver o nosso problema financeiro, mas a verdade é que não há dinheiro para fazer Orientação em Portugal.

De que tamanho é o coração dum ginasista?

Rui Mora - O meu coração é muito grande, é de há muitos anos. Fiz-me homem no Ginásio e estes doze ou treze anos de ginasista têm sido duros. Penso que os ginasistas por vezes acabam por ser mais maltratados do que as pessoas que vêm de fora, mas este é um desabafo meu. Vamos cá continuar e vamos lutar para que se eleve o nome do Ginásio, porque o nome do Ginásio está acima de tudo. O Ginásio tem já 117 anos de história e vai continuar, nós somos apenas uma passagem.

Qual a importância da realização deste evento para a Secção de Orientação do Ginásio?

Rui Mora - Penso que este foi o grande teste à Secção de Orientação do Ginásio e o nosso maior desafio. Em 2010 organizámos o Portugal O' Meeting, mas numa parceria com o Clube de Orientação do Centro, um clube de excelência a nível nacional e com quem aprendemos muito. Agora foi o grande evento em que estivémos sozinhos. Penso que tudo fizémos para dignificar a modalidade, a Figueira da Foz e o Ginásio. Embora reconhecendo que existiram alguns pormenores que não correram tão bem como nós queríamos, penso que no final o balanço é muito positivo. Proporcionámos dois dias de boa Orientação, com bons mapas, duas Arenas excelentes e sentimos que as pessoas vão daqui muito satisfeitas. Quanto a nós, cá continuaremos a trabalhar para a Orientação, pois é isso que nos move.


Saudações orientistas.

JOAQUIM MARGARIDO

1 comentário:

José Grada disse...

No essencial a organizaçao esteve muito bem.Os mapas eram bons, percursos bem traçados.

Depois aqueles figueirenses esforçarm-se muito, mesmo cansados, sempre simpáticos.

Foi um fim de semana bem passado num local de sonho.

Ah aquele senao dos prémios do Ibérico, foi pena.