segunda-feira, 10 de setembro de 2012

XX TROFÉU ORI-ESTARREJA: TRIUNFOS DE NÉLSON GRAÇA E MARIA JOÃO SÁ




20 anos, 20 troféus”. Poderia ter sido este o lema da prova organizada pelo Clube de Orientação de Estarreja na manhã de ontem. Tendo o espaço envolvente ao Santuário de Nosso Senhor dos Caminhos por palco, o XX Troféu Ori-Estarreja saldou-se por uma jornada emotiva e rijamente disputada, da qual sobressaem os nomes de Nélson Graça e Maria João Sá como os grandes vencedores.


Pretendendo pontuar da melhor forma um ano repleto de emoções, o Clube de Orientação de Estarreja levou por diante este domingo a vigésima edição do seu popular Troféu. Vinte anos carregados de História e de histórias é, como diria o poeta, muito tempo. Daí que, na hora de celebrar, o clube se aprestasse a oferecer aquilo que tem de melhor. E isso é, sem dúvida, a qualidade dos seus mapas e terrenos, com Sátão e Nosso Senhor dos Caminhos à cabeça. Mais do que um saudado regresso, pouco mais de seis meses depois, aos palcos do Portugal O' Meeting 2012 de grata memória, o Troféu encerrou um punhado de singulares momentos, com os desafios da melhor Orientação elevados a um expoente de grandeza superior. Numa jornada de festa e celebração só o sol teimou em permanecer arredado, sem que isso beliscasse o entusiasmo dos participantes, apenas retirando alguma beleza a uma floresta que se vai colorindo de outonalidades.

Com direção de prova de Nuno Leite, traçado de percursos de Nuno Rebelo e supervisão de Joaquim Sousa, o XX Troféu Ori-Estarreja reuniu um total de 210 atletas, distribuídos por 31 escalões de competição e 4 escalões abertos. Desenhada sobre mapa de Tiago Aires, a prova pontuou para o ranking da Taça de Portugal de Orientação Pedestre 2012 – Nível 2 e consistiu num percurso de Distância Média, com 5,1 km para o escalão de Homens Elite e 4,0 km para as Damas Elite. E para tudo terminar em beleza, da parte da tarde, os interessados tiveram a oferta dum percurso de treino, com partes de ordem obrigatória e outras de execução aleatória. Um “miminho” sempre bem-vindo e que não deixou ninguém indiferente.


Certinho”

Depois dos triunfos na Ota e em Vila Nova de Santo André, Nélson Graça voltou a vencer em Sátão. Num terreno que desconhecia, foi ele quem melhor se soube adaptar à profusão de elementos rochosos e a evitar algumas zonas verdes que, nesta prova, constituiram séria armadilha para alguns. Com o tempo de 50:38, o atleta do Ori-Estarreja impôs-se ao favorito Tiago Romão (ADFA) e a Luís Leite (GD4C), por margens de 2:51 e 9:15, respetivamente.

No final da Cerimónia de Entrega de Prémios, Nélson Graça falou ao Orientovar. Nas suas primeiras palavras ficamos a saber que “este regresso às vitórias não encerra nenhuma emoção em particular, embora saiba muito bem.” Confessando que “tem sido difícil conseguir treinar regularmente”, Nélson Graça admite que “esta vitória é fruto de não estarem aqui muitos dos nossos melhores atletas e, por outro lado, neste mapa não é preciso uma grande velocidade, basta ir certinho. A experiência de vários anos de Orientação deu para fazer uma boa prova.” Será que, a quatro provas do final da Taça de Portugal 2012, iremos voltar a ver o Nélson Graça no lugar mais alto do pódio? A resposta não podia ser mais pragmática: “Eu gostava, mas só o trabalho e evitar as lesões é que pode dizer se isso acontecerá ou não”.


A minha motivação não é ganhar”

No tocante ao escalão Damas Elite, Maria João Sá (GD4C) alcançou em Sátão a primeira vitória da temporada, num mapa também desconhecido para ela. A atleta concluiu a sua prova no tempo de 45:01, impondo-se às duas grandes animadoras da Taça de Portugal de Orientação Pedestre da presente temporada, Joana Costa (GD4C) e Mariana Moreira (CPOC) pelas expressivas diferenças de 8:00 e 11:16, respetivamente.

A propósito da sua prova, Maria João Sá começou por afirmar: “Foi a minha estreia neste mapa, gostei muito do terreno e também achei que os percursos estavam bem traçados. Cada ponto era um desafio, tinham que pensar, não eram pontos simples, todos eram uma oportunidade para errar. Mas acho que consegui gerir bem aquilo que fui fazendo ao longo da prova e estou muito satisfeita.” Comentando o facto de ter sido pouco vista nas provas ao longo da temporada, a vencedora do ranking da Taça de Portugal em 2011 fez questão de salientar que, “neste momento a minha motivação não é ganhar. Faço Orientação porque gosto e é por isso que cá estou. A Orientação é uma paixão para mim e eu virei sempre que quiser, sempre que me der prazer e sempre que eu me sinta feliz em fazê-lo.”


Rezar, trabalhar e gozar”

As últimas palavras são de Alexandre Manuel Mendonça Vaz, Presidente da Câmara Municipal de Sátão: “Em Fevereiro, tive oportunidade de dizer que estaríamos abertos para receber o Portugal O' Meeting outra vez, se fosse necessário. Julgo que estas provas de Orientação, que combinam desporto e saúde com natureza e património, vão ao encontro daquilo que o Sátão quer transmitir. Darmos a conhecer o concelho é fundamental.” A este propósito, Alexandre Vaz recorda uma visita que fez a Israel, “onde há três cidades importantes, Jerusalém, Tel Aviv e Haifa. Em Haifa trabalhava-se, em Tel Aviv gozava-se e em Jerusalém rezava-se, diziam os israelitas. Ora, este Santuário de Nosso Senhor dos Caminhos tem esse 'três em um' muito especial: Aqui podemos rezar, em redor do Santuário trabalha-se nas muitas explorações agrícolas que existem e também podemos gozar, que foi aquilo que se fez hoje.”

Referindo-se ao evento em si, o edil comenta: “Quando comparado com o Portugal O' Meeting, o evento é de muito menor dimensão. Mas há uma coisa que devemos valorizar: Em Fevereiro, atribuímos os prémios a dois campeões do mundo, ao Thierry e à Simone. Hoje os prémios foram atribuídos a dois portugueses. E depois é sempre bom recebermos as pessoas num lugar que eu considero paradisíaco. Um lugar que vai continuar de braços abertos para aqui se poder rezar, trabalhar e gozar.” Já quanto a termos um Clube de Orientação em Sátão, aí as coisas já se complicam um pouco mais: “Não temos no Sátão clubes, é um facto. Mas o Clube de Orientação de Estarreja e o Clube de Orientação de Viseu – Natura deixaram aqui, com a organização do Portugal O' Meeting, o “fermento” para que isso possa vir a acontecer.”


Resultados

Homens Elite
1º Nélson Graça (Ori-Estarreja) 50:38
2º Tiago Romão (ADFA) 53:29
3º Luís Leite (GD4C) 59:53
4º Nélson Santos (COC) 1:00:46
5º Leandro Lima (Amigos da Montanha) 1:07:47

Damas Elite
1º Maria Sá (GD4C) 45:01
2º Joana Costa (GD4C) 53:01
3º Mariana Moreira (CPOC) 56:17
4º Rita Rodrigues (GafanhOri) 58:45
5º Liliana Oliveira (CPOC) 1:07:25

Vencedores Outros Escalões
H/D10 – André Serra Campos (.COM) e Laura Tenreiro (COC)
H/D12 – André Roberto (COC) e Ana Gouveia (COC)
H/D14 – João Magalhães (.COM) e Joana Marques (Ori-Estarreja)
H/D16 – António Ferreira (COC) e Diana Silva (COC)
H/D18 – Rui Oliveira (Ori-Estarreja) e Carolina Delgado (GD4C)
H/D20 – Rafael Miguel (Ori-Estarreja) e Inês Aires (Ori-Estarreja)
H/D21A – Tiago Brito (COC) e Fátima Saraiva (DARecardães)
H/D21B – Edgar Domingues (COC) e Ana Margarida Vaz (Ori-Estarreja)
H/D35 – João Casal (Ori-Estarreja) e Paula Serra Campos (.COM)
H/D40 – Rafael Lima (OriMarão) e Ana Casal (Ori-Estarreja)
H/D45 – Rui Ferreira (OriMarão) e Carmo Silva (Ori-Estarreja)
H/D50 – José Leite Rocha (GD Luz Verde) e Fátima Marcolino (GD4C)
H/D55 – Manuel Domingues (COC) e Margarida Rocha (GD4C)
H60 – Gil Rua (Ori-Estarreja)
H65 - Armandino Cramez (Ori-Estarreja)
H70 – Joaquim Da Costa (GD4C)
Fácil Curto – Joaquim França (Ori-Estarreja)
Difícil Curto – Cesário Ferreira (AD Cabroelo)
Fácil Longo – Luís Manuel Duarte (Individual)
Difícil Longo – Daniel Filipe (Ori-Estarreja)


Por Clubes
 GD4C  1792,53 pontos
2º Ori-Estarreja  1656,77 pontos
3º COC  1447,12 pontos
4º CPOC  884,28 pontos
5º .COM  869,70 pontos




Saudações orientistas.

JOAQUIM MARGARIDO

Sem comentários: