quinta-feira, 16 de agosto de 2012

WMTBOC 2012: COMPETITIVIDADE E FAIR-PLAY, A RECEITA PORTUGUESA




Estão prestes a ter início os Campeonatos do Mundo de Orientação em BTT 2012. De 20 a 25 de Agosto, 462 atletas de 30 países partem à conquista dos títulos de Júniores, Séniores e Veteranos, naquele que será, até hoje, o mais participado certame mundial de sempre. Em trânsito para a Hungria, Daniel Marques conta-nos as últimas da nossa seleção.


Daniel Marques é, de há quatro meses a esta parte, o Seleccionador Nacional de Orientação em BTT. Em final de Julho passou a integrar o quadro diretivo da Federação Portuguesa de Orientação e, tendo-se afastado voluntariamente dos treinos e das competições, decidiu passar-se para “o outro lado da barricada”. É desta forma que vem mantendo, numa vertente de organização e planeamento, o seu enorme envolvimento no sentido de ajudar a Orientação em BTT portuguesa a continuar a crescer e a consolidar-se. Responsável pela convocatória, preparação e organização da selecção nacional para os Mundiais que estão prestes a iniciar-se, foi com ele que o Orientovar falou à partida para Veszprém. Aqui fica o essencial dessa conversa.


Orientovar - Com que objetivos é encarada a participação portuguesa nos Campeonatos do Mundo de Orientação em BTT 2012?

Daniel Marques - O nosso objectivo é simplesmente dignificar a Orientação portuguesa. Há muito valor no nosso grupo e queremos transmitir isso em resultados. Organizei um estágio em Grândola com uma prova de Distância Longa, um Sprint e uma Estafeta. Foi bastante construtivo, deu para reunir os atletas e discutir aspectos mais técnicos, para além de organizarmos os pormenores da viagem para a Hungria. O grupo está motivado e mostra uma grande solidariedade, por isso estou confiante que vai tudo correr bem.

Orientovar - Sem desprimor para com todos aqueles que se irão bater pelo melhor resultado nestes Mundiais da Hungria, é sobre o Davide Machado que incidem as maiores expectativas. Como é que está o Davide e o que poderemos esperar dele?

Daniel Marques - O Davide está num bom momento, tem treinado muito e bem no Centro de Alto Rendimento e prova disso é a sua invencibilidade nas provas de Ori-BTT nacionais e enormes resultados de BTT puro e duro, como foi o caso do 3º lugar nos Campeonatos Nacionais XCO. É realmente nele que estão as nossas maiores esperanças. Creio que terá uma forte probabilidade de entrar no Top-10 na Distância Média e no Sprint, sendo que na Distância Longa aposto nele como um dos favoritos às medalhas.


O objectivo é fazer melhor que o 9º lugar”

Orientovar - E quanto ao João Ferreira e ao Carlos Simões? A nossa Estafeta está em condições de bater o 9º lugar de 2010?

Daniel Marques - O João Ferreira está bem. Penso que evoluiu bastante neste ano e estou confiante que neste Mundial faça os seus melhores resultados de sempre. O Carlos Simões teve uma lesão num pé em Julho, no estágio de selecção em Grândola, mas agora já está a 100% e estou confiante nas suas potencialidades já que foi o melhor atleta na Distância Longa no estágio. Com a ajuda do Davide Machado, espero que esta equipa consiga alcançar o melhor resultado de sempre nas Estafetas. Deste modo, o objectivo é fazer melhor que o 9º lugar, mas a nossa ambição é entrar nos seis primeiros.

Orientovar - Espreitando os restantes participantes, que comentários tece à nossa representação em termos globais?

Daniel Marques - A Rita Madaleno é a nossa cabeça de série para o sector feminino e espero que consiga entrar na primeira metade da tabela, nomeadamente na Distância Média e na Distância Longa. Eu vou como oficial da equipa, estou inscrito na Distância Média e no Sprint com um objectivo meramente participativo que servirá também para entrar em contacto directo com os mapas para depois estar em condições de dar indicações mais fundamentadas. Depois temos os estreantes, como é o caso do Miguel Pires (Júnior), Luis Barreiro (Sénior), Margarida Guerra (Sénior) e Tânia Costa Covas (Sénior). Para estes atletas não há realmente uma expectativa elevada. É uma experiência nova para eles e pretendo que dêem o seu melhor, sem stress.


Este Campeonato será mais técnico e menos físico”

Orientovar - Que Campeonatos iremos ter na Hungria?

Daniel Marques - Eu já participei em duas competições internacionais na Hungria, ambas em Veszprém, local deste Campeonato do Mundo e por isso conheço bem os mapas e terrenos. São zonas com um relevo médio e com uma razoável rede de caminhos, estando na vegetação a principal dificuldade visto que é autorizado transitar fora dos caminhos e as áreas semi-abertas são bastante confusas. É expectável uma organização competente com tudo muito bem preparado. Em relação à competitividade, vamos assistir seguramente a grandes espectáculos. O favoritismo (a meu ver) vai para países como a Finlândia, Rússia e República Checa e não vai ser particularmente fácil para os nossos atletas pois, ao contrário de Portugal em 2010 e Itália em 2011, este Campeonato será mais técnico e menos físico.

Orientovar - Quer formular um desejo?

Daniel Marques – Elevada competitividade e o fair-play dentro do nosso grupo, esse é o meu grande desejo.


Resta dizer que uma parte da nossa comitiva arrancou de de Portugal na noite da passada terça-feira com o objectivo de chegar a Veszprém na tarde de hoje. São 3.000 km, atravessando Espanha, França, Itália e Eslovénia, com destino à Hungria. Previstos estão três dias de treino antes de começar o Campeonato do Mundo, que terá início no dia 20 com a qualificatória da Distância Longa. Com a ajuda dos nossos “atletas-repórteres”, o Orientovar acompanhará a par e passo a grande jornada magiar, apelando desde já aos leitores que usem esta via (e outras) para apoiar e incentivar os nossos atletas.Para mais informações, consulte a página web do evento em http://www.mtbo.hu/mtbwoc2012.php.


Saudações orientistas.

JOAQUIM MARGARIDO

Sem comentários: