sexta-feira, 1 de junho de 2012

WTOC 2012 CAMPEONATO DO MUNDO DE ORIENTAÇÃO DE PRECISÃO: OS MUNDIAIS ANO APÓS ANO




Decorrem na Escócia, entre os dias 05 e 10 de Junho próximos, os 9º Campeonatos do Mundo de Orientação de Precisão. Ponto de partida para um olhar sobre a história do WTOC, do seu início em Västerås, até aos nossos dias.


A primeira edição dos Campeonatos do Mundo de Orientação de Precisão decorreu em Västerås, na Suécia, entre os dias 15 e 18 de Setembro de 2004. Num evento que recebeu a presença de 41 participantes, em representação de 15 países, o norueguês Jan Erik Haug foi o grande vencedor na Classe Paralímpica, com uma vantagem confortável sobre o ucraniano Valeriy Tsodikov e sobre o norte-americano David Irving, segundo e terceiro classificados, respetivamente. Na Classe Aberta, o sueco Ola Jansson dava uma alegria às suas hostes, iniciando aqui um percurso absolutamente notável e que faz dele, seguramente, uma das maiores figuras da Orientação de Precisão mundial. A Suécia viria mesmo a alcançar os três lugares do pódio nesta Classe, um feito que não voltou a repetir-se na história dos Campeonatos. Colectivamente, a vitória coube à Grã-Bretanha com uma equipa mista e exclusivamente paralímpica.


2005, a edição menos participada

Em 2005, os Mundiais de Orientação de Precisão viajaram até ao país do sol nascente, reunindo em Aichi, de 09 a 12 de Agosto, um total de 39 atletas, representando 14 países. A distância que separa a Europa do Japão terá contribuído para que esta fosse, até hoje, a menos participada de todas as edições do WTOC. A Coreia do Sul regista aqui, por intermédio de Park Jong-Kun, a sua única participação em Mundiais da modalidade. Na Classe Paralímpica, depois do bronze da edição inaugural, David Irving chegou à medalha de prata, naquelas que são as duas únicas presenças dos Estados Unidos em pódios do Mundial de Orientação de Precisão. A vitória coube ao lituano Evaldas Butrimas, iniciando um percurso de sucesso que lhe viria a render, até à data, mais uma medalha de prata a título individual e, com a seleção do seu país, outras três medalhas, uma de cada cor. Na Classe Aberta registou-se a vitória do norueguês Per Midthaugen ante um combativo Stig Gerdtman, da Suécia. O japonês Mitsumasa Sugimoto fez as “honras de casa” ao chamar a si a medalha de bronze. Coletivamente a Grã-Bretanha voltou a sagrar-se Campeã do Mundo e de novo com uma equipa exclusivamente paralímpica.

2006, vitórias de Dave Gittus e Martin Fredholm

A cidade finlandesa de Joensuu recebeu a terceira edição dos Campeonatos do Mundo de Orientação de Precisão. Entre 09 e 14 de Julho de 2006, foram em número de 59 os atletas de 16 países que lutaram pelos títulos mundiais. A Eslovénia estreava-se na competição, com Kreso Kerestes a alcançar auspiciosamente a quarta posição na Classe Aberta. Nesta classe, o sueco Martin Fredholm conquistou a medalha de ouro. Depois das medalhas de ouro coletivas conquistadas nas duas primeiras edições dos Mundiais, o britânico Dave Gittus chegou à vitória individual na Classe Paralímpica, à frente do sueco Nils-Olav Andersson. Na competição por equipas, a vitória coube à Suécia.


2007, Roberta Falda de ouro

No ano seguinte, foi a vez da Ucrânia receber os Campeonatos do Mundo de Orientação de Precisão. O WTOC 2007 teve lugar em Kiev, entre os dias 20 e 25 de Agosto, reunindo um total de 62 participantes de 17 países. Depois do 20º lugar no ano anterior, a italiana Roberta Falda viria a valer-se da sua precisão e rapidez nos pontos cronometrados para bater Evaldas Butrimas e quedar-se com a medalha de ouro na Classe Paralímpica, naquele que constitui o maior feito dos transalpinos na história do WTOC. Na Classe Aberta, a vitória coube ao esloveno Kreso Kerestes, com um ponto de vantagem sobre o finlandês Antti Rusanen. Em termos colectivos, a Suécia – com Lennart Wahlgren, Ola Jansson e Bernt Gustafsson – repetiria a vitória de 2006, seguida da Rússia e do país anfitrião. Letónia, República Checa e Hungria faziam em Kiev a sua estreia, com a particularidade dos checos estarem designados para organizar o WTOC 2008, estando a organização do WTOC 2009 atribuída já à Hungria.


2008, Lituânia vence por equipas

Em 2008, foi a vez de Olomouc receber a maior competição mundial de Orientação de Precisão. O evento decorreu entre 12 e 16 de Julho e, aqui sim, os níveis de participação conheceram uma significativa evolução, registando-se 94 presenças em representação de 21 países, um dos quais, a Polónia, a assinar aqui a sua primeira participação em Campeonatos do Mundo. Depois do bronze em Joensuu, Lennart Wahlgren oferecia à Suécia a primeira medalha de ouro na Classe Paralímpica, após luta acérrima com o croata Zdenko Horjan. Na Classe Aberta, a alemã Anne Straube conquistou o título mundial, batendo o campeão mundial de 2006, Martin Fredholm, nos pontos cronometrados, por uma diferença de 25 segundos. Coletivamente, a Lituânia quebrava o domínio de suecos e britânicos nas quatro primeiras edições, arrecadando o título.


2009, acima dos cem participantes

A Hungria acolheu a sexta edição dos Mundiais de Orientação de Precisão. Na cidade de Miskolc, o número de participantes atingiu finalmente os três dígitos, com a presença de 102 atletas em representação de 19 países e essa particularidade de terem participado 46 atletas na Classe Paralímpica, o que constitui um registo máximo de presenças nesta classe em oito edições dos Campeonatos. Lennart Wahlgren e Zdenko Horjan voltaram a protagonizar aceso duelo na Classe Paralímpica, com a vitória a sorrir ao sueco e de novo pela escassa diferença de um ponto. Na Classe Aberta, o finlandês Lauri Kontkanen chegaria à medalha de prata, iniciando aqui uma série de três presenças consecutivas em pódios do WTOC, enquanto o ucraniano Vitaliy Kirichenko faria a “dobradinha”, juntando ao título individual a vitória coletiva. A título de curiosidade, refira-se que o Diretor Técnico da etapa inaugural da primeira Taça de Portugal de Orientação de Precisão (disputada em Viseu, no dia 19 de Fevereiro de 2012 e integrada no Portugal O' Meeting), o italiano Remo Madella, fazia aqui a sua estreia em Mundiais, com um 26º lugar na Classe Aberta.


2010, Suécia domina em toda a linha

Os Mundiais de Orientação de Precisão WTOC 2010 decorreram de 07 a 15 de Agosto em Trondheim, na Noruega, contando com a presença de 95 participantes de 20 países. Depois das vitórias de Lennart Wahlgren nas duas anteriores edições, Ola Jansson ofereceu à Suécia o terceiro título consecutivo, após derrotar Lennart Wahlgren, precisamente. Jansson e Wahlgren são, até à data, os únicos bi-campeões do Mundo de Orientação de Precisão, com essa particularidade de Ola Jansson ter conseguido um dos títulos mundiais na Classe Aberta e outro na Classe Paralímpica. Quanto à Classe Aberta, a medalha de ouro ficou igualmente na posse da Suécia – um “bis” inédito no historial dos Campeonatos -, graças ao triunfo de Stig Gerdtman, com o finlandês Lauri Kontkanen a quedar-se de novo com a medalha de prata. Após dois anos de jejum, a Suécia regressou à vitória coletiva, confirmando assim o domínio absoluto destes Mundiais.


2011, o WTOC mais participado de sempre

Os Mundiais de França tiveram lugar em Savoie, entre os dias 13 e 20 de Agosto de 2011 e nele foram batidos todos os recordes de participação. No conjunto das duas classes marcaram presença 103 atletas, em representação de 26 países. Estónia, China, Quirguízia, Uruguai e Espanha fizeram aqui a sua estreia, com uma chamada de atenção muito especial para estes dois últimos países. Desde logo a Espanha, pelo caminho que está encetando na modalidade a par com Portugal. E depois o Uruguai, primeiro país da América do Sul a inscrever o seu nome nos anais da Orientação de Precisão mundial. Passando à competição propriamente dita, Dmitry Kucherenko colocou a Rússia pela primeira vez no Quadro de Honra do WTOC a nível individual e logo com o seu nome gravado a ouro na Classe Paralímpica. Naquele que foi o registo mais apertado da história dos Campeonatos – os cinco primeiros classificados concluiram os dois dias de provas com o mesmo número de pontos e separados entre si por apenas 67 segundos -, Kucherenko acabaria por relegar para a segunda posição o dinamarquês Søren Saxthorp. Inga Gunnarsson, terceira classificada, ofereceria à Suécia a sua única medalha individual nestes Campeonatos. Depois de duas medalhas de prata, Lauri Kontkanen chegaria finalmente à medalha de ouro, batendo também ao cronómetro os seus mais diretos opositores, o seu compatriota Antti Rusanen e o croata Ivo Tisljar. Coletivamente, a Finlândia chegou ao título mundial pela primeira vez na sua história, graças às prestações de Kontkanen, Rusanen e do paralímpico Pekka Seppä.


2012, a estreia de Portugal

E chegamos finalmente a 2012 e aos Campeonatos do Mundo de Orientação de Precisão, cujo início está agendado para a próxima terça-feira, em Dundee, na Escócia. Esta será a primeira vez que uma edição dos Mundiais de Orientação de Precisão decorre em separado dos Campeonatos do Mundo de Orientação Pedestre, embora o figurino habitual volte a ser retomado já em 2013, em Vuokati (Finlândia). De acordo com os números finais disponibilizados pela organização no Boletim 4 - http://www.scottish-orienteering.org/images/wtoc2012/WTOC2012_bulletin4.pdf -, serão 22 as seleções presentes neste Mundial, com o número de participantes no conjunto das duas classes a ascender aos 97. Com sete atletas cada, Finlândia e Rússia constituem as maiores comitivas, mercê do facto de integrarem nas suas fileiras os detentores dos títulos mundiais na Classe Aberta e na Classe Paralímpica. A Espanha, por intermédio de Roberto Munilla, repete a sua participação, mas a grande surpresa é mesmo a presença de Portugal - com Ricardo Pinto (Classe Paralímpica) e Joaquim Margarido (Classe Aberta) -, inscrevendo pela primeira vez o seu nome na maior competição do calendário internacional de Orientação de Precisão. A Suécia, com seis medalhas de ouro, seis de prata e cinco de bronze alcançadas nas oito anteriores edições, assume natural favoritismo. Favoritismo esse reforçado pelos resultados alcançados nos recentes Europeus, graças às vitórias de Marit Wiksell e de Ola Jansson, nas classes Aberta e Paralímpica, respetivamente. Mas tem garantida a forte oposição da Noruega, Finlândia e, naturalmente, da Grã-Bretanha, país anfitrião.

Saiba tudo sobre os Campeonatos do Mundo de Orientação de Precisão WTOC 2012 em http://www.scottish-orienteering.org/wtoc2012


Saudações orientistas.

JOAQUIM MARGARIDO

1 comentário:

Presidente disse...

Votos de boa participação.
Abraço