quinta-feira, 24 de maio de 2012

CAMPEONATOS NACIONAIS DE ORIENTAÇÃO DE DESPORTO ESCOLAR 2011/2012: IMPRESSÕES




Ainda os Campeonatos Nacionais de Orientação de Desporto Escolar 2011/2012. No rescaldo da competição, o Orientovar procurou auscultar as mais diversas opiniões e fazer um ponto da situação no tocante ao atual momento do Desporto Escolar. Aqui ficam as impressões dos professores José Paulo Pinho, Hélder Ferreira, Avelina Alvarez e José Mateus.


Considero que a equipa de Juvenis Femininos da Escola Secundária de Palmela teve uma participação muito positiva, destacando o empenho e a atitude revelada pelas minhas alunas ao longo de toda a competição. Os resultados do 1º dia chegaram a criar a ilusão de podermos chegar ao 1ºlugar.

Relativamente aos Campeonatos, penso que tanto a nível logístico como a nível técnico a organização esteve muito bem. Na minha opinião, o facto destes campeonatos não incluirem apenas percursos de floresta, e do grau de dificuldade dos mapas não ser elevado, foi uma melhoria em relação a edições anteriores, por considerar que as provas do desporto escolar devem estar calibradas para o nível médio dos alunos presentes, o que não tem sucedido em algumas das edições anteriores. A postura competitiva de todos os atletas e professores foi sempre a mais correcta.

Penso que participaram nestes campeonatos equipas de um nível muito bom, nos vários escalões, o que pode ter algo a ver com a relativa proximidade dos Campeonatos do Mundo de 2013, em Portugal. Destaco a competitividade e equilibrio existente no escalão de Iniciados Femininos e a falta de competitividade no escalão de Juvenis Masculinos, com apenas duas equipas presentes.

José Paulo Pinho
Escola Secundária de Palmela


O Agrupamento Guilherme Stephens teve uma participação muito boa, em que os alunos se dedicaram a 100%, empenhando-se em todas as provas. Além da competição eles divertiram-se imenso num convívio saudável entre todos. De um modo geral, foi um fim-de-semana bastante competitivo em que a maior parte dos escalões lutaram até ao fim para definir o vencedor, quer coletivo quer individual, sendo até a diferença a rondar os cinco pontos.

A qualidade dos nossos jovens tem vindo a melhorar, o que denota um trabalho muito bom, feito pelos professores em parceria com os clubes, salientando a região de Braga, Porto, Estarreja, Ourem, Entroncamento, Leiria, Lisboa, Pamela, Pinhal Novo e Arraiolos. Se há modalidade que faz uma interligação perfeita ente Desporto Escolar e o Federado, essa é sem duvida a Orientação. Daí a forte imagem que projeta e, para quem está mais atento às modalidades amadoras, o verifica.

De referir que estamos no bom caminho mais uma vez para chegar ao mundial ISF 2013 com uma forte comitiva em termos de Iniciados e Juvenis em ambos os sexos. E também em termos organizativos em que todos nós sabemos, quando se trata de organizar, quer em termos de Desporto Escolar, quer em termos Federado, Portugal é excelente. E este fim-de-semana verificou-se isso, uma excelente organização interagindo muito bem com o clube organizativo – CPOC.

Hélder Ferreira
Agrupamento de Escolas Guilherme Stephens (Marinha Grande)


Em termos de organização, esta foi a melhor edição dos Nacionais do Desporto Escolar em que alguma vez participei. O mesmo posso dizer relativamente ao nível das equipas participantes nos vários escalões, bastante equilibrado, tendo-se verificado verdadeiros despiques, quer individuais quer coletivos.

Quanto à prestação da equipa da EB 2,3 de Colares (Sarrazola) de Iniciados Femininos (Catarina Daniel, Rita Albuquerque, Beatriz Sanguino, Helena Vilela e Camila Rodrigues), as coisas não correram da melhor forma no sábado, com a desclassificação de duas das alunas. No entanto, no domingo, o nível técnico e a garra demonstrada por estas meninas levaram a que os resultados se alterassem e conseguissem alcançar o desejado e merecido título. Trata-se de uma equipa extremamente jovem e onde existe um grande equilíbrio entre todos os elementos, sem exceção. São alunas que, a nível federado já têm cartas dadas, tendo obtido este ano títulos de campeãs nacionais (umas de Distância Longa, em D14, e outra de Estafetas, em D16).

Relativamente aos alunos que concorreram individualmente, a Debora Swinke, a menos experiente e a única que ainda não é federada (que não fazia parte das cinco da equipa), surpreendeu e arrecadou o 3º lugar da classificação geral (1ª nas provas de sábado). Nos Iniciados Masculinos, o Isac Brito esteve ao seu melhor nível e o Osvaldo Silva, a recuperar de uma gripe, não conseguiu defender da forma que desejava a sua posição de campeão regional. Nos Juvenis Femininos, a Bárbara Louro fez excelentes provas, tendo em conta as suas aspirações. Menos satisfeita com as suas prestações ficou a nossa internacional Beatriz Moreira pois, não obstante o 2º lugar alcançado da classificação geral, alguns percursos não lhe correram de feição.

No que concerne ao atual momento do DE, verifica-se, na minha opinião, um grande empenho por parte do Gabinete Coordenador, da Direção Regional, da Coordenação Local e do Coordenador Nacional, nomeadamente em relação à Orientação, apesar da escassez de meios que todos conhecemos. Certo que (também) os Clubes e a FPO têm dado excelentes contributos. Só assim foi possível chegar a bom termo a época que agora termina e só assim será possível perspetivar o próximo ano letivo que se avizinha, com a realização dos Campeonatos do Mundo de Orientação do Desporto Escolar (ISF) no nosso país.

Avelina Alvarez
EB 2,3 Colares (Sarrazola)


O Campeonato Nacional de Orientação de Desporto Escolar 2011/2012, constitui o final de um capítulo e o virar de uma nova página, naquela que tem sido a participação da Escola EB 2,3/S Cunha Rivara no Desporto Escolar Orientação. Depois de quatro anos onde um conjunto de magníficos alunos/atletas defendeu de forma sempre generosa as cores da Cunha Rivara, alcançando vários títulos por equipas, individuais, duas presenças nos Mundiais ISF e outros resultados individuais de destaque, a Cunha Rivara enfrenta agora o seu maior desafio. E esse desafio é, nada mais nada menos, que conseguir reinventar-se, renovar-se e tentar formar novos atletas que consigam dar o seu contributo ao magnífico trabalho que todas as escolas que acarinham a Orientação têm vindo a desenvolver. Certamente que para tal seria muito importante surgirem mais escolas a desenvolver a modalidade no Alentejo. 


Relativamente ao decorrer da competição, o Professor Ricardo Chumbinho já realizou uma excelente descrição da mesma, mas não posso deixar de destacar a óptima contribuição no que a nível organizativo e técnico (mapas muito bem adaptados ao Desporto Escolar) diz respeito por parte do CPOC.

José Mateus
EB 2,3 Cunha Rivara (Arraiolos)

[Foto gentilmente cedida por Hélder Ferreira]


Saudações orientistas.

JOAQUIM MARGARIDO

1 comentário:

Ricardo Chumbinho disse...

Viva.
Uma palavra - mais uma - para os profs e alunos desta nossa modalidade, que são exemplares na forma como estão nos processos. Exemplares! Quem é "de fora" e acompanha as nossas competições, como aconteceu no fds dos nacionais, fica sempre admirado pela postura correctíssima dos alunos, pelo desprezo que estes mostram pela adversidade (no domingo houve quem tenha corrido sob granizo...) e pelo espírito que impera. Bem hajam.

cumps
rc