terça-feira, 22 de maio de 2012

CAMPEONATOS NACIONAIS DE ORIENTAÇÃO DE DESPORTO ESCOLAR: TRIUNFOS BEM REPARTIDOS




Decorreu em Lisboa, no passado fim de semana, o Campeonato Nacional de Orientação de Desporto Escolar 2011/2012. Fique agora a conhecer as incidências desta empolgante jornada dupla, num texto do Professor Ricardo Chumbinho.


Este ano os Nacionais de Desporto Escolar assumiram um formato diferente, já que passámos de um cenário de maior ou menor concetração de modalidades num único espaço e/ou local, para uma situação totalmente desconcentrada. Isto significou, ao contrário do que aconteceu em anos anteriores, uma total liberdade para escolher o local de realização, desde que na janela de datas disponível para esta fase nacional.

Esta possibilidade levou-nos a apostar numa opção algo sensível, mesmo arriscada diriam alguns, já que a escolha recaiu sobre Lisboa e o XX Troféu de Orientação do CPOC que teve lugar em 19 de maio e com o qual foi estabelecida uma parceria de articulação para o efeito. Ao aplicar o termo "risco" não estou, naturalmente, a pensar na qualidade técnica do evento e muito menos na capacidade do parceiro para assumir esta articulação. Mas tratando-se de uma prova com duas etapas, sendo uma delas urbana e a outra de parque, poderia haver quem encarasse esta opção como uma desvalorização dos nacionais já que, habitualmente, esta fase tem lugar em mapas de floresta à escala 1:10.000. No entanto, desde o início que o CPOC e o seu Presidente, Luís Santos, asseguraram que, particularmente a etapa da manhã, seria, para além de muito interessante do ponto de vista do envolvimento, também muito desafiante do ponto de vista da Orientação. Não se enganou!


A festa vai começar

Juntou-se a estas etapas de sábado a organização de uma prova de Distância Média e uma Estafeta em Monsanto, ambas no domingo, e assim ficou constituído o calendário competitivo do Campeonato Nacional de Orientação de Desporto Escolar, organizado pelo Gabinete Coordenador do Desporto Escolar e operacionalizado pela DRELVT com o apoio técnico do CPOC. A prova destinou-se a alunos de ambos os sexos nos escalões de Iniciados e Juvenis, provenientes de fases anteriores de qualificação nas respectivas regiões. As duas etapas de sábado e a Distância Média de domingo definiram a classificação individual em cada um dos escalões e concorreram, juntamente com a Estafeta, para a classificação colectiva.

As comitivas foram chegando ao centro do evento, a Escola Secundária de Camões, a partir do meio da tarde de sexta-feira, para procedimentos de acreditação, a que se seguiu a habitual reunião técnica com os professores responsáveis pelas diversas equipas. Todos os participantes ficaram alojados em bungalows no Parque de Campismo de Monsanto.


Desafio vezes dois

No sábado de manhã avançou-se para a primeira etapa que, para aqueles um pouco mais antigos, fez recordar os saudosos tempos do Baixanima, evento que durante alguns anos abria a época em Portugal. Concentração na Rua Augusta e 900 metros a subir, por um corredor balizado, até ao Castelo de S. Jorge onde seriam dadas as partidas. E aqui a primeira dose de emoção: a magnífica vista de que era possível desfrutar, em todas as direcções, a partir da zona das partidas. E assim que se pegava no mapa, os primeiros grandes e intricados desafios: os primeiros pontos no labiríntico castelo de Lisboa! E se estes foram desafios assinaláveis, menos não o foram as ruelas, escadinhas, pátios, terraços, miradouros e desníveis da encosta do castelo, que aos menos atentos ao mapa e descrição de controlos pregou verdadeiras partidas. No final um espectacular sprint até ao finish em plena rua Augusta, coração de uma cidade que não parou e assim conviveu com o colorido desta prova da Taça de Portugal entre turistas, homens-estátua e passantes surpresos com o desusado movimento para uma manhã de sábado.

Pausa para almoço e a segunda etapa do Troféu CPOC: Sprint no Parque Eduardo VII e Jardim Amália Rodrigues. Prova muito rápida na qual a velocidade de decisão e execução marcou a diferença entre os classificados nas diferentes posições. Para efeitos do DE, a pontuação de sábado resultou da média das pontuações obtidas em cada uma destas duas etapas.


Tudo em aberto

Com excepção do escalão de Juvenis Masculinos, em que a Escola Secundária de Pinhal Novo desde logo marcou uma diferença apreciável relativamente aos seus opositores, nos restantes três escalões em competição as classificações ficaram bastante apertadas, com diversas escolas a poderem aspirar a qualquer lugar do pódio na classificação final. Tudo ficaria pois reservado para decidir no domingo, na floresta de Monsanto, em ambiente totalmente distinto da véspera a que, previsivelmente, se juntaria a intervenção pouco simpática de S. Pedro.

No domingo nova paisagem de cortar a respiração a partir do anfiteatro Keill do Amaral, com vista para o Rio Tejo e até Palmela ou, como alguém dizia em jeito de brincadeira, para a "margem certa". Quanto ao tempo, nenhuma surpresa: frio, vento, chuva e até granizo, foram companheiros bastante presentes neste último dia dos Nacionais. Nada a que os jovens atletas não estejam habituados ou com o qual não saibam conviver.


Domingo de todas as decisões

Iniciadas as partidas e à medida que se iam dando as chegadas, aqueles que viriam a ser os diversos campeões nacionais iam marcando a sua superioridade sobre os adversários, embora por vezes por margens tão curtas como 5 pontos em 2000 na pontuação final! Foi o que aconteceu com Tiago Baltazar da ES de Sampaio, que levou de vencida Daniel Catarino da ES Entroncamento e Filipe Augusto da ES Pinhal Novo, depois de na véspera se ter ficado pela terceira posição com os mesmos pontos de João Parreira da ES Pinhal Novo. Foi de facto em Juvenis Masculinos que a competição foi mais cerrada até ao fim, com a vitória a sorrir ao jovem sesimbrense por escassíssima margem.

No resto, Sara Roberto, da EB 2,3 Guilherme Stephens, saltou da terceira posição da véspera para a vitória em Iniciados Femininos, João Bernardino da mesma escola ultrapassou João Novo do Agrupamento de Escolas de Maximinos em Iniciados Femininos e Ana Anjos da EB 2,3 Cunha Rivara fez o mesmo a Beatriz Moreira da EB 2,3 Sarrazola nas Juvenis.


Estafetas disputadas

Na competição colectiva e à entrada para a Estafeta, todos os motivos de interesse da véspera se mantinham: conseguiria a EB 2,3 Sarrazola sair do pouco esperado terceiro lugar com que terminou o primeiro dia no escalão de Iniciados Femininos? Até onde conseguiriam chegar as equipas de Iniciados Masculinos e Femininos da EB 2,3 Guilherme Stephens? E as jovens palmeloas da ES Palmela conseguiriam segurar a curta margem com que saíram à frente das gafanhotas da EB 2,3 Cunha Rivara em Juvenis Femininos?

E na emoção da Estafeta as dúvidas foram-se desfazendo. As meninas da Sarrazola protagonizaram uma espectacular recuperação e sagraram-se Campeãs Nacionais... mais uma vez! Os rapazes da Marinha Grande, contando com as espectaculares prestações de João Bernardino e António Ferreira, sagraram-se, talvez com alguma surpresa para muitos, Campeões Nacionais em Iniciados Masculinos. As atletas de Arraiolos mostraram superioridade sobre as de Palmela em Juvenis Femininos e a ES Pinhal Novo, correndo sem qualquer margem de erro, fruto de duas desclassificações administrativas que deixaram a equipa reduzida a três elementos, limitaram-se a confirmar e aumentar a superioridade desde cedo evidenciada.


Fair-Play e competição de mãos dadas

De destacar ainda o acto perpetrado por António Ferreira da EB 2,3 Guilherme Stephens na etapa de Monsanto que, ao ver um colega de uma outra equipa cair completamente desamparado numa escarpa quando atacava um ponto, e adivinhando que poderiam ter sido graves as consequências deste acidente, prescindiu momentaneamente da luta em que estava empenhado pelos lugares de pódio e voltou atrás para se certificar de que o colega estava bem. Só após ter esta garantia prosseguiu a sua prova, ainda a tempo de se classificar na segunda posição e contribuir para a vitória colectiva da sua equipa. Fair-Play e competição de mãos dadas, numa jornada de Orientação que encheu as medidas dos jovens participantes.



Resultados na página do XX Troféu de Orientação do CPOC, em http://www.cpoc.pt/eventos.php?ev=20Trofeu&op=resultados

[Foto gentilmente cedida por Hélder Ferreira]


Saudações orientistas.

JOAQUIM MARGARIDO

Sem comentários: