segunda-feira, 23 de abril de 2012

TROFÉU DE ORIENTAÇÃO SÁLVIO NORA: DESPORTO À PORTA DE CASA




O Troféu de Orientação Sálvio Nora conheceu mais uma edição. O Parque do Carriçal voltou a acolher um entusiástico grupo de amantes da Orientação numa prova pela qual o Grupo Desportivo dos Quatro Caminhos nutre um particular carinho.


O Parque do Carriçal, na Senhora da Hora, voltou a ser o epicentro do Troféu de Orientação Sálvio Nora, uma das provas com maior significado para o Grupo Desportivo dos Quatro Caminhos. Desde logo, por se realizar na Senhora da Hora, freguesia matosinhense onde a associação tem a sua “casa”. E em segundo lugar – mas não menos importante – porque se trata de homenagear um dos seus filhos diletos, Sálvio Nora.

Com partida e chegada naquele espaço verde, os percursos de Orientação Pedestre desenvolveram-se essencialmente por entre o emaranhado urbano das Sete Bicas e demonstraram constituir um bom treino para uns e uma excelente forma de iniciação na modalidade para outros. Entre a centena de atletas presentes, João Casal (Ori-Estareja), João Tiago Silva (Individual) e um grupo onde pontuavam Daniel Machado e Vítor Machado (Individual), levaram de vencida os escalões Difícil, Médio e Fácil, respectivamente, em qualquer dos casos perante acérrima concorrência.


Atividade de Orientação Adaptada continua a ganhar adeptos

O Desporto Adaptado marcou igualmente forte presença, com várias instituições representadas e um total de 45 participantes em prova. Em causa a sexta e penúltima etapa do II Circuito de Orientação de Precisão “Todos Diferentes, Todos Iguais” e ainda uma demonstração de Atividade de Orientação Adaptada. APEE – Autismo, APPACDM – Matosinhos, APADIMP – Penafiel e Clube Gaia foram algumas das instituições presentes na Atividade de Orientação Adaptada, que teve para oferecer aos participantes um percurso com dez pontos de decisão, distribuídos ao longo de 700 metros. Fernando Azevedo, Presidente do Conselho Executivo da Associação de Pais e Encarregados de Educação de Crianças com Autismo, mostrava-se no final extraordinariamente satisfeito com a forma como a Atividade decorreu, traçando um balanço “muito positivo”. Para aquele responsável, “esta é uma modalidade bastante interessante, porque constitui uma oportunidade de trazer os nossos miúdos para fora das instituições, deles poderem partilhar dos espaços verdes e de se pode juntar aqui alguma orientação espacial. Para além disso, podemos também trabalhar alguma parte cognitiva através do jogo e também podemos trazer a família e em conjunto participarmos todos nesta aventura.”

Relevando a forma como a Orientação Adaptada concorre para a promoção social das crianças com Autismo - “o nosso objetivo é que os nossos filhos estejam inseridos na Sociedade através de atividades em que a Sociedade esteja aberta para os acolher” -, Fernando Azevedo mostra-se interessado em levar por diante mais atividades do género, “promovendo a brincadeira entre o pai e o filho na busca dos objetivos a cumprir.” E pretende fazê-lo a partir da própria Associação: “Nós temos Monitores que estão a fazer a especialidade em Desporto Adaptado e estão todos entusiasmados em participar mais vezes e em começarem a planear eles próprios este género de atividades. Portanto, penso que podemos trabalhar todos na mesma direção e estamos disponíveis para colaborar no sentido de dar expressão a esta modalidade”.


Estreia vitoriosa de Sérgio Fernando

Também a Orientação de Precisão esteve em foco, com a disputa de mais uma etapa do II Circuito de Orientação de Precisão “Todos Diferentes, Todos Iguais” e que contou com a participação de cinco atletas na Classe Paralímpica e de dez atletas na Classe Aberta. O índice de participação na Classe Paralímpica quedou-se aquém das expectativas, sendo a ausência mais notada a de Diana Coelho, a atleta que lidera o Circuito. A vitória coube ao estreante Sérgio Fernando (DAHP), que se revelou absolutamente certeiro nas opções feitas, alcançando um resultado de 10 pontos em 10 possíveis. Com menos um ponto, na segunda posição, classificou-se Ana Paula Marques (DAHP), enquanto Ricardo Pinto, também ele atleta do DAHP, ficou na terceira posição com 8 pontos. No arranque para a última etapa, Diana Coelho lidera destacada com um total de 45 pontos, contra os 39 e os 36 de Filipe Leite e Ana Paula Marques, respetivamente.

No final da prova, o DAHP promoveu uma “revisão da matéria dada” junto dos seus atletas, com a discussão das opções de cada um a fazer-se “in loco”. Uma verdadeira “aula”, acompanhada de muito perto pela atleta da República Checa, Michaela Sakrova, para quem “esta foi a segunda vez que fiz uma prova de Orientação de Precisão, mas foi a primeira vez que alguém me explicou a dinâmica desta disciplina.” Daí a satisfação da atleta: “Foi muito produtivo perceber os elementos essenciais dum mapa, compreender a necessidade de termos uma estratégia de abordagem dos pontos e sabermos encontrar linhas de intersecção que ajudam a definir as balizas corretas.” Traçando um paralelismo entre o que se passa em Portugal e no seu país, Michaela Sakrova confessa-se impressionada pela dinâmica destas provas ditas pequenas: “Pudémos ver, tanto na semana passada como neste fim de semana, uma série de provas urbanas à volta do Porto, com um número reduzido de percursos. Não é vulgar vermos isto na República Checa ou quando muito um clube monta dois ou três percursos diferentes para o treino dos seus atletas. Mas aqui é fantástica a forma como as organizações se envolvem em provas pequenas, fazendo-o como se de um grande evento se tratasse. Em particular no caso destas últimas provas do Grupo Desportivo dos Quatro Caminhos, é de louvar o facto de não terem nunca deixado de fora o Desporto Adaptado”


Dois fins de semana intensos

Quarta prova em dois fins de semana consecutivos, o Troféu de Orientação Sálvio Nora constituiu mais um teste à capacidade organizativa e de mobilização do Grupo Desportivo dos Quatro Caminhos. Fernando Costa era, no final da prova, um homem cansado mas feliz: “Este Troféu Sálvio Nora vem na linha dos anteriores eventos. Não é uma prova com muitos participantes, mas é uma prova com um certo significado para nós porque se desenrola na nossa freguesia e porque gostamos deste espaço.”

Falando do espírito anímico em torno do Grupo, a pouco mais dum mês do grande evento que será o Norte Alentejano O' Meeting 2012, Fernando Costa confessa haver já “um certo desgaste porque foram dois fins de semana intensos com quatro provas, mas que equivalem a nove se somarmos as etapas de Orientação de Precisão e de Atividade de Orientação Adaptada. Não é fácil manter os níveis de concentração no máximo, mas penso que foi muito positivo e estamos aqui para continuarmos a dar o nosso melhor.” Mas há um trunfo na manga do Clube: “Estamos a proceder a alterações de fundo e a dar a primazia aos nossos elementos mais jovens , no sentido de assumirem funções com alguma relevância. Penso que eles sentem que estamos a acreditar neles, nota-se que eles acreditam mais nas suas capacidades e isso é muito importante para que o grupo esteja menos ansioso e possa desfrutar mais dos eventos.”


Resultados

Difícil
1º João Casal (Ori-Estarreja) 17:57
2º Daniel Ferreira (AD Cabroelo) 18:40
3º António Amador (Ori-Estarreja) 20:04
4º João P. Casal (Ori-Estarreja) 21:49
5º Rui Pinto (AD Cabroelo)22:15

Médio
1º João Tiago Silva (Individual) 26:02
2º Manuela Nogueira (Ori-Estarreja) 27:08
3º Manuel Rocha (GD Luz Verde) 29:20
4º José Leite Rocha (GD Luz Verde) 29:34
5º Gonçalo Dias (GD4C) 33:02

Fácil
1º Daniel Machado + Vitor M + (Individual)23:45
2º André Calhau (Individual) 23:56
3º Luís Oliveira (Individual) 26:03
4º Pedro A + Susana F (Individual) 26:18
5º António Oliveira (Individual) 33:27

Mais informações sobre o Troféu de Orientação Sálvio Nora em http://www.gd4caminhos.com/tsn2012-apresentacao. Pode ver a reportagem fotográfica do evento em https://plus.google.com/u/0/photos/108054301526873509793/albums/5734223805736379585.

Saudações orientistas.

JOAQUIM MARGARIDO

Sem comentários: