quinta-feira, 15 de março de 2012

PHILIPPE ADAMSKI: "GOSTO DAS COISAS SIMPLES"




É um dos nomes maiores da Orientação mundial e um atleta a ter em conta nos grandes embates que se avizinham. Philippe Adamski esteve em Portugal e deixou ao Orientovar algumas importantes notas.


Orientovar - Como é que viu o conjunto de provas do Portugal O’ Meeting?

Philippe Adamski - Foi, na minha opinião, um conjunto excelente de provas em terrenos de eleição. Foi interessante porque, muito frequentemente, era necessário tomar algum tempo para fazer a melhor opção e evitar os verdes.

Orientovar - Falhar a primeira etapa do Portugal O’ Meeting 2012 colocou-o automaticamente de fora da luta pelo troféu. Esta ausência de pressão pode explicar a sua vitória na última etapa?

Philippe Adamski - Não. O objectivo é sempre ser o primeiro a chegar. Neste caso particular, com a partida em massa, foi muito interessante poder manter algum contacto com os outros, foi muito divertido.


É um modelo”

Orientovar - Mas é sempre agradável fazer melhor que Thierry Gueorgiou?

Philippe Adamski - É verdade que o meu objectivo é fazer uma boa prova, mas podermos comparar a nossa performance com a de Thierry é sempre interessante, mesmo se neste caso as circunstâncias de corrida fossem diferentes. Ele partiu com dez minutos de vantagem, o desafio no caso dele não era o mesmo que no nosso caso. Mas é sempre interessante fazer uma análise às escolhas de itinerário.

Orientovar - Thierry Gueorgiou, o que significa para si?

Philippe Adamski - Bom, Thierry, é ele que nos indica o caminho. É um modelo. É o meu “Mestre Yoda”. É fantástico a forma como partilha as suas experiências, o quanto aprendemos com ele. É verdadeiramente um prazer treinar com ele, porque é sempre um desafio e progredimos juntos. É uma sorte para a equipa de França poder ter alguém como ele.


Sempre procurei evoluir”

Orientovar - E quanto à sua pessoa, quem é Philippe Adamski?

Philippe Adamski - Conheci a Orientação na Escola, no âmbito do Desporto Escolar, há uma dezena de anos. Sempre procurei evoluir, conhecer as minhas potencialidades, mas também ir em busca de novos terrenos, viajar. Descobrir sempre algo mais, penso que é aquilo que se pede em termos de progressão no nosso desporto. E isto tem-me proporcionado imensas experiências e todas elas muito enriquecedoras.

Orientovar - E nos tempos livres, o que mais gosta de fazer?

Philippe Adamski - Gosto de raids, de BTT, de cartografia. E gosto das coisas simples, das abelhas, por exemplo. Tenho alguns cortiços e trato deles juntamente com a minha companheira, Amélie Chataing. Retiramos um enorme prazer de aproveitarmos em conjunto esta felicidade que é termos os mesmos gostos simples e amarmos o mesmo desporto.


Portugal é um super destino”

Orientovar - Um dos aspectos na Orientação que mais aprecia, já o disse, é a Cartografia. Quer falar-me um pouco sobre isso?

Philippe Adamski - Descobrir novos modelos de cartografia, traçar percursos, são desafios muito intensos. São tantas descobertas novas, há tanta coisa para aprender que acaba por ser uma forma de progredir muito interessante.

Orientovar - Estagiou no Norte Alentejo, competiu na montanha, conhece a região litoral… Portugal é o paraíso dos orientistas?

Philippe Adamski - Sim , no Inverno Portugal é um super destino. Sobretudo com estes novos terrenos que experimentámos no Portugal O’ Meeting, sinto uma vontade enorme de cá voltar para poder treinar aqui, poder explorar os terrenos que nos foram oferecidos e podermos tirar deles novas e maiores vantagens.


Gostaria de fazer uma prova ao meu nível”

Orientovar - Falando das grandes competições que se avizinham, é o campeão do Mundo de Estafetas em título e esta é uma questão natural: Vamos ver a equipa francesa revalidar o título na Suíça?

Philippe Adamski - Vamos preparar-nos convenientemente e esperamos estar à altura para podermos defender o título quando esse momento chegar. Somos três, somos uma equipa e é como equipa que temos de estar preparados. Contamos neste processo com o clube finlandês Kalevan Rasti, visto que é com o Kalevan Rasti que estamos sujeitos a uma pressão enorme nas estafetas Tiomila e Jukola.

Orientovar - E individualmente, quais os seus objetivos?

Philippe Adamski - Bom, gostaria de fazer uma prova ao meu nível. É para isso que trabalho ao nível do treino no dia a dia. Gostaria de continuar a progredir e alcançar um bom lugar nos Campeonatos do Mundo.


Conto vir a Portugal todos os anos”

Orientovar - Vamos vê-lo regressar a Portugal?

Philippe Adamski - No ano que vem, seguramente. Este ano é a terceira vez que estou em Portugal e agora segue-se algum período de acalmia, na Suécia. Mas conto vir a Portugal todos os anos.


Saudações orientistas.

JOAQUIM MARGARIDO

Sem comentários: