quarta-feira, 1 de fevereiro de 2012

PORTUGAL O' MEETING 2012: FALTAM 17 DIAS!




O PORTUGAL O' MEETING

Terminou à meia-noite de domingo o primeiro prazo de inscrições para o Portugal O' Meeting 2012 e os números aí estão, soberanos, a indicar que esta décima sétima edição do evento poderá vir a ser a mais participada de sempre. Até ao momento o total de atletas inscritos é de 1638, dos quais 1088 estrangeiros, em representação de 317 clubes, de 28 países. Portugal regista, naturalmente, o maior número de inscritos (550), mas países como a Finlândia, a Suécia, a Suiça ou a Noruega apresentam-se igualmente em força, com mais de uma centena de participantes cada. O escalão de Elite Masculina é aquele que regista até ao momento o maior volume de inscritos (226), um número ainda assim algo distante dos 279 registados na 15ª edição do POM, levada a cabo na Figueira da Foz. O número de atletas inscritos na Elite Feminina é precisamente metade dos verificados no sector masculino e, aqui sim, regista-se um novo máximo absoluto neste escalão. De acordo com as Informações Gerais para a presente edição do Portugal O' Meeting, os escalões de Elite serão divididos em “Elite” e “Super Elite”. Nestes escalões, a prova do último dia será em regime de “chasing start”, isto é, os atletas partirão com intervalos de tempo entre si iguais aos verificados no somatório de tempos dos três dias anteriores.


A REGIÃO

Segundo alguns historiadores, Viseu terá nascido de um cruzamento de sete a doze vias romanas.
A estrada Romana do Crasto consiste num conjunto de troços relativamente bem conservados pertencentes à via que ligava Talábriga a Viseu ou, numa abordagem mais ampla, da via que ligava Emerita a Bracara (Mérida a Braga). A via desenvolve-se de Este para Oeste, a partir da estrada municipal e subindo, com declive acentuado, até aos limites da A24, passando por baixo desta.
Esta via secundária ligava Talábriga (próximo de Águeda) a Viseu, importante nó rodoviário, derivando da Braga-Lisboa após a travessia do rio Vouga. O cume do Monte do Crasto, a uma altitude de 612 m, é assim chamado por nele ter existido um castro fortificado com grossas cintas de muros, atestando a presença humana nos finais da Idade do Bronze.
No interior dos muros, existe a Capela dedicada a Nª Sr.ª do Crasto, cuja origem se perdeu no tempo.
Todos os anos, na Segunda-Feira de Páscoa, celebra-se a missa nesta capela, fazendo uma procissão que sai da Igreja Matriz de Vil de Soito, passando pela Quinta de Ferronhe e subindo até ao cume do Monte do Crasto. Será em torno da Capela de Nª. Sra. do Crasto e cruzando um troço da estrada Romana do Crasto que se desenrolarão os percursos dos dois primeiros dias do Portugal O' Meeting 2012.


A FIGURA

Diretor Adjunto do Portugal O' Meeting 2012, Sérgio Aguiar conheceu a Orientação no tempo do Serviço Militar, como disciplina obrigatória tal como ainda hoje, tendo participado nos vários Campeonatos do Exército. No ano de 1995 participou no Open Internacional do Inatel, tendo desde essa altura um gosto especial pela modalidade, o que o levou a filiar-se através do Clube de Orientação de Viseu – NATURA na FPO, como atleta federado. A sua ligação ao Clube de Orientação de Viseu dá-se precisamente em 1997, do qual é fundador, tendo a partir daí permanecido na formação e organização dos eventos de Orientação Pedestre ao nível Regional e Escolar, assim como actividades de Aventura . Em Janeiro de 2004 assume a presidência do clube, encontrando-se ainda hoje na sua liderança. Sempre na disposição de colaborar na organização de eventos, gosta de enfrentar novos desafios, encontrando no Portugal O Meeting uma experiência muito importante na vida de orientista, cheia de oportunidades, razão pela qual vai estar ao lado de pessoas da mais variada experiência na organização de eventos. Para o Clube de Orientação de Viseu – NATURA será um enriquecimento de conhecimentos, necessários para a organização dos novos eventos que se aproximam e que são já em 2012 e 2013.


A TÍTULO DE CURIOSIDADE

A bússola é o único auxiliar permitido para ajudar na Orientação, embora não seja obrigatório. Uma bússola é um aparelho com uma agulha magnética que é atraída para o pólo magnético terrestre. Os atletas utilizam-na para orientar o mapa para norte, fazendo coincidir a agulha da bússola com as linhas de norte presentes no mapa. Existem bússolas próprias de competição que se transportam presas ao dedo e directamente em cima do mapa. No hemisfério sul as bússolas têm de ser diferentes das utilizadas no hemisfério norte, devido à diferente influência do campo magnético terrestre entre os dois hemisférios. Os Chineses terão sido os primeiros a explorar o fenómeno do magnetismo para indicar o Norte (ou o Sul). "Si Nan" (Si = “Apontar para”; Nan = “Sul”) é considerada como a primeira bússola e consiste numa pedra magnética, esculpida em forma de concha, cuja pega aponta para Sul. De acordo com alguns escritos chineses, as primeiras bússolas, desenvolvidas a partir da “Si Nan”, foram utilizadas no mar por volta do ano 850. A invenção foi então espalhada pelo Ocidente por astrónomos e cartógrafos. A bússola foi desenvolvida através dos séculos e conheceu um avanço considerável quando se descobriu que uma peça fina de metal (agulha) podia ser magnetizada podendo depois ser envolvida e encerrada num invólucro cheio de ar e transparente, ficando assim a agulha protegida. Inicialmente, as agulhas das bússolas demoravam muito tempo a estabilizar. As bússolas modernas são instrumentos de precisão e a sua agulha, agora geralmente encerrada num invólucro cheio de líquido, rapidamente aponta o norte.

Saiba tudo em http://www.pom.pt/pt/


Saudações orientistas.

JOAQUIM MARGARIDO

1 comentário:

kako_df disse...

Olá, amigo Joaquim. Se me permite mais uma curiosidade, salvo engano,a declinação da bússola, diferença entre o norte magnético e o norte verdadeiro, provavelmente foi descoberta pelos portugueses em meados do século XV. E nossa amiga bússola aponta sempre para o norte, seja aqui no hemisfério sul, seja aí no hemisfério norte.

Abs.
Antonio Carlos - Brasil.