quinta-feira, 8 de dezembro de 2011

DIA INTERNACIONAL DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA CELEBRADO EM VIEIRA DO MINHO




Fazendo questão de se apresentarem na sua vertente mais inclusiva, Orientação e Atletismo deram as mãos em Vieira do Minho e celebraram o Dia Internacional da Pessoa com Deficiência. Uma jornada vivida e sentida intensamente, elevando a um expoente de grandeza superior o ideal “todos diferentes, todos iguais”.


No dia do 21º aniversário da Associação Nacional de Desporto para a Deficiência Intelectual - Portugal e integrado nas Comemorações do Dia Internacional da Pessoa com Deficiência, Vieira do Minho conheceu na manhã de ontem uma grande jornada desportiva de salutar convívio e integração. Grande responsável por esta iniciativa, o CAVA – Clube de Amigos de Vieira do Minho, em parceria com a ANDDI, o Agrupamento de Escolas Vieira de Araújo e o .COM - Clube de Orientação do Minho, com o apoio da Câmara Municipal de Vieira do Minho e do IPJ - Instituto Português da Juventude, ofereceu um programa distribuído por Atividade de Orientação Adaptada e Crosse Integrado.

Foi com um sol radiante que cerca de 270 jovens e adultos participaram de diversas formas na iniciativa. Alunos do Agrupamento de Escolas de Vieira de Araújo (Vieira do Minho), ajudaram na organização, preparação e enquadramento dos participantes na Atividade de Orientação Adaptada e no Corta-Mato, enquanto participaram ativamente nas provas desportivas. Estiveram também presentes atletas e utentes com deficiência e alunos com Necessidades Educativas Especiais, em representação da CERCIFAF (Fafe), APACI (Barcelos), Clube APPACDM de Gaia, CARPD - Touguinha e MADI (ambas de Vila Conde), Agrupamento de Escolas Gonçalo Sampaio (Póvoa de Lanhoso) e da escola local.


Orientação Adaptada, uma aposta segura e com futuro

Filipe de Oliveira, Presidente da colectividade anfitriã, referia no final que “o CAVA realça o convívio existente entre todos os jovens e adultos com deficiência e incapacidades, e também alunos do ensino regular. As duas modalidades desportivas foram do agrado dos participantes, realçando o facto de muitos deles terem tido o primeiro contacto com a Orientação. O sucesso deve-se em muito à ANDDI, ao Agrupamento de Escolas Vieira de Araújo e ao .COM. Enalteço a aposta da ANDDI-Portugal numa modalidade nova como é a Orientação Adaptada, provando a adesão a esta atividade que é uma aposta segura e com futuro".

Também José Costa Pereira, Director Executivo da ANDDI, traçava um balanço muito positivo, realçando a “complexidade do mapa da Actividade Adaptada, relativamente às actividades anteriormente levadas a cabo, o que permite projectar em certa medida o passo seguinte, a Orientação Adaptada”. Recorde-se que a ANDDI tem sido o verdadeiro motor deste movimento de lançamento da Orientação Adaptada em Portugal, uma modalidade particularmente vocacionada para a Deficiência Intelectual. Reforçando uma vez mais a ideia de que “a Orientação Adaptada tem pernas para andar”, José Costa Pereira valoriza a “integração conjunta de actividades de Atletismo e Orientação para um mesmo público-alvo”, citando a título de exemplo o Remo Indoor, “cuja génese é muito semelhante àquilo que está a acontecer com a Orientação Adaptada e é hoje uma modalidade devidamente implementada e com um enorme número de adeptos”.


“Esta modalidade tem grandes potencialidades e valor”

Responsável pela Direcção Técnica da Actividade Adaptada, Tânia Covas Costa mostrava-se particularmente satisfeita com a forma como decorreu o evento e como os participantes aderiram àquilo que lhes era proposto. Para aquela responsável do Clube de Orientação do Minho “realmente valeu a pena levar por diante tamanho desafio pois vimos estes meninos tão especiais com esse sorriso... de orelha a orelha... na atividade! Ou, um bocadinho depois do seu final... pois durante a prova estavam concentradíssimos e logo após um pouco cansados...” Revelando que “o que custa mais é a preparação da atividade: os mapas, a escolha da sequência de cores, o material (estacas, balizas)...”, Tânia Covas Costa refere, contudo, que teve “a ajuda preciosa dos alunos da turma do curso profissional de receção, que são dezoito pessoas fantásticas e disponibilizaram-se para ajudar na atividade: montaram e desmontaram os pontos, receberam os participantes e encaminharam-nos para o início, orientaram-nos durante o percurso e no final confirmaram se tinham feito tudo correto.”

Ainda com a mente preenchida po inteiro com a “cara de satisfação de todos no final”, Tânia Covas Costa fez questão de relembrar que “esta atividade foi realizada em conjunto com os alunos dos Cursos de Educação e Formação e Profissionais da Escola de Vieira do Minho e teve como objetivo principal a integração e o convívio entre alunos ditos normais e especiais. Para a Directora Técnica do evento, “o facto de uma entidade como a ANDDI ter apoiado e incentivado a realização desta iniciativa só vem reforçar a nossa ideia de que esta modalidade tem grandes potencialidades e valor, para além de ser mais uma (ótima) forma de promover a Orientação.” A terminar deixa uma ideia que começa a afirmar-se entre aqueles que já tiveram contacto, de alguma forma, com a modalidade: “Penso que esta é também uma excelente modalidade que se poderá promover junto das crianças com menos de seis anos de idade.”



[Mapa gentilmente cedido por Tânia Covas Costa; foto extraída do excelente Álbum de António Costa Pereira, em https://picasaweb.google.com/106491079391482159281/OCAVAVIEIRAMINHO11?authkey=Gv1sRgCOSE7qDs66zMxQE]


Saudações orientistas.

JOAQUIM MARGARIDO

1 comentário:

Presidente disse...

Parabéns!!!
Obrigado.
Abraço