sábado, 3 de dezembro de 2011

DIA INTERNACIONAL DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA: ORIENTAÇÃO DE PRECISÃO E ACTIVIDADE ADAPTADA À SOLTA EM VILA DO CONDE




Dia Internacional da Pessoa com Deficiência 2011. Um dia em tudo diferente e em tudo igual aos demais, vivido com intensidade e paixão esta manhã, em Vila do Conde. Sorrisos rasgados, de baliza em baliza, meia centena de super-atletas aceitaram o desafio da Orientação de Precisão e da Actividade Adaptada e foram a força e a alma dum dia com um significado muito especial para todos.


Um dia após o emocionado resgate dos pescadores do “Virgem do Sameiro”, que uniu num abraço fraterno e solidário todo um país, a Orientação de Precisão e a Actividade Adaptada deslocaram-se de armas e bagagens para Vila do Conde, terra de gente, terra de mar. E fizeram-no com essa mesma fraternidade, com essa mesma solidariedade, aqui comemorando com energia e uma enorme alegria o Dia Internacional da Pessoa com Deficiência.

Numa iniciativa conjunta da Câmara Municipal de Vila do Conde e do Grupo Desportivo dos Quatro Caminhos, que contou com os apoios da Federação Portuguesa de Orientação e da Associação Nacional do Desporto para a Deficiência Intelectual, cinquenta atletas aceitaram o desafio duma manhã diferente, onde a Orientação foi o denominador comum. Na vertente de Orientação de Precisão desenrolou-se a 2ª etapa do II Circuito “Todos Diferentes, Todos Iguais”, na qual participaram 7 atletas na Classe Paralímpica e 18 na Classe Aberta. Por seu lado, a Actividade Adaptada teve um total de 25 atletas a participarem na prova, voltando a demonstrar, apesar da sua enorme juventude – foi a terceira vez que uma actividade desta natureza teve lugar no nosso País -, todo o seu potencial inclusivo e a sua adequação à Deficiência Intelectual.


Vitória “ao segundo” de Filipe Leite

Na competição destinada à Classe Paralímpica de Orientação de Precisão, Filipe Leite (Hospital da Prelada) e Diana Coelho (ES Baião) confirmaram o seu natural favoritismo e travaram aceso despique pelo triunfo. Ambos terminaram com um total de 9 pontos (em 10 possíveis), com a vitória a sorrir a Filipe Leite, o mais rápido no conjunto dos três pontos cronometrados. A terceira posição coube a Vítor Moreira (Hospital da Prelada), com 5 pontos, seguido de Adriano Rodrigues e de António Jamba, da mesma instituição, com 5 e 4 pontos respectivamente. Ana Paula Marques (Hospital da Prelada), com 3 pontos, fechou o pódio. Sempre afável e disponível, a organização voltou a cotar-se num plano de excelência, introduzindo mais um conjunto de inovações de acordo com as normas e regulamentos internacionais, visando o pleno estabelecimento da Orientação de Precisão, rumo à primeira edição da Taça de Portugal, que terá lugar já em 2012.

Agrupamento Vertical Júlio-Saúl Dias, MADI – Movimento de Apoio ao Diminuído Intelectual, Centro de Apoio a Deficientes de Touguinha, Núcleo de Desporto Adaptado do Serviço de Medicina Física e de Reabilitação do Hospital da Prelada, Clube APPACDM Gaia, CEFPI Vilarinha (Matosinhos) e Escola Secundária de Baião foram apenas algumas das instituições representadas num evento que se saldou num êxito rotundo. Visivelmente satisfeita pela forma como as iniciativas se desenrolaram, a Vereadora da Cultura, Educação e Parque Escolar, Dra. Maria Elisa Ferraz, para além de reafirmar a abertura do Município a mais iniciativas do género, expressou a intenção de, muito em breve, poder vir a ser instalado, num dos muitos espaços verdes da cidade, o primeiro percurso permanente de Actividade Adaptada do país. Os Circuitos de Orientação de Precisão e Actividade Adaptada regressarão agora em Janeiro, na tarde do dia 7, prometendo transformar toda a zona envolvente da Câmara Municipal de Matosinhos e o Parque Basílio Teles num verdadeiro mar de energia, emoção e muitos sorrisos.





Saudações orientistas.

JOAQUIM MARGARIDO

2 comentários:

Anónimo disse...

Ola venho por este meio dar os parabens pela iniciativa destas provas pena que não sejam para todos eu sei que deve ser complicado arranjar transporte mas mesmo assim quando se tem transporte ulgus defecientes são esquecidos porque ulgus são contactável por telemovel a preguntar se gostariam de participar nas provas e outros são esquecidos mesmo quem tem net nem sempre se lembra de ire ver as datas do começo das provas mas mesmo assim quem não tem transporte como se pode deslocar e uma tarefa complicada arranjar transporte para ire participar, mas tudo bem desejo felicidades para esta modalidade que esta a comecar a dar os primeiros passos em portugal.

Joaquim Margarido disse...

Por uma questão de princípio, não costumo responder a comentários anónimos. E se abro uma excepção, é porque este comentário é verdadeiramente pertinente, embora enferme daquilo a que chamaria um "vício". É pertinente porque, na realidade, em dois anos e meio que levo de promoção da Orientação de Precisão em Portugal, a grande dificuldade num universo logístico particularmente pesado, tem sempre a ver com o transporte. É um facto. O caso do Núcleo de Desporto Adaptado do Serviço de Medicina Física e de Reabilitação do Hospital da Prelada é único. Poder contar com a boa vontade e oferta do transporte por parte de Jorge de Sousa e das Ambulâncias S. Cristóvão é uma verdadeira dádiva. Quanto à questão do "vício", tem a ver com a acomodação das pessoas às situações. Não se pode estar à espera de que façamos tudo. Sempre! Que ANÓNIMO se lamente da "tarefa complicada" que é arranjar transporte para ir às provas, todos compreendemos. Que ANÓNIMO faça algo junto de instituições da sua área de residência para ultrapassar o problema, é o mínimo que se pode esperar. Há muita gente boa e solidária neste País. Se todos dermos um pouquinho, teremos muito. Não se exija é, àqueles que já fazem os possíveis e os impossíveis para tornar o sonho em realidade que, por si só, mobilizem uma frota de viaturas adaptadas e, de porta em porta, tragam às provas todas as pessoas de todo este País. Seria bom, mas... não é possível!
Abração ao ANÓNIMO e espeamos vê-lo em Matosinhos, na próxima prova, com um sorriso nos lábios pela vitória de ter angariado o apoio duma Associação e de ter trazido, consigo, mais um punhado de amigos.
JOAQUIM MARGARIDO