segunda-feira, 21 de novembro de 2011

III MOri AFAP: O BALANÇO FINAL DE CARLOS GARCIA




Com uma véspera friorenta e muito chuvosa, a previsão era de que esta seria mais uma prova Local para 30 ou 40 valentes que se atreveriam a aparecer. Mas não... no dia da prova o nevoeiro visitou-nos logo de manhãzinha, o Sol acabou por aparecer a meio da manhã e o engano foi total e algo surpreendente para a organização. Das 146 inscrições registadas, o III MOri AFAP contou com mais de 130 atletas a percorrer o mapa do CFMTFA (Ota-Alenquer).

Com um traçado de percursos bastante difícil para os escalões Curto, Médio e Longo, um terreno enlameado e em certas zonas bastante “sujo”, foi notório o cansaço que todos exibiram no final da prova. Não poderão voltar a dizer que em Portugal não há provas técnicas difíceis.

Devido a problemas técnicos com o equipamento, as partidas foram atrasadas cerca de 10 minutos mas nem isso demoveu a vontade dos atletas em participar. Assim, mais de uma centena de pessoas calcorreou esta área do país efectuando um excelente treino de preparação para última prova da Taça de Portugal de 2011, a decorrer em Coruche, no próximo dia 03 de Dezembro.

Boas navegações e até à próxima deixando a promessa de que em Maio do próximo ano, no IV MOri AFAP, tentaremos fazer uma prova ainda melhor do que esta.

Carlos Garcia

Pratiquem desporto. Haja saúde.
Orientação – o desporto na floresta.



1 comentário:

João Martins disse...

Eu gostei da dificuldade isto é orientação não é atletismo, quando os mapas o permitem temos que traçar percursos em que a interpertação do mapa seja quase permanente é a minha opinião ,só um reparo, Ó Garcia! Era tudo cruzinhas a verde...troncos,arvores arbustos bem me tramas-te
um abraço
João Martins