domingo, 30 de outubro de 2011

LUÍS SILVA E O CNA 2011: "O QUARTO LUGAR É FANTÁSTICO"




Vencedor incontestado do ranking da Taça de Portugal 2009/2010 no escalão H17, Luís Silva deu o salto esta temporada para o escalão H20, onde tem mantido com Rafael Miguel uma acesa luta pela vitória. O seu título de Vice-Campeão do Mundo de Distância Longa ISF, alcançado em 23 de Maio em Val Canali (Itália), ficará seguramente como o momento alto da época. Mas o quarto lugar dos Nacionais Absolutos de S. Pedro do Sul e Vouzela não deixa de ser surpreendente e figurará, igualmente, em lugar de destaque na galeria de grandes resultados conquistados pelo jovem atleta na presente temporada.


Orientovar - Referiu recentemente no seu blog que este Campeonato Nacional Absoluto 2011 não marcava, em termos pessoais, o fim da temporada, antes era o início duma nova época. Quer explicar?

Luís Silva - Considero que dei por terminada a minha época há cerca de dois meses e meio. Embora o calendário de provas se tenha adaptado agora ao ano civil, eu decidi não alterar o meu plano, que vai de Setembro a Julho. Neste início de época, como o número de provas é relativamente baixo, tracei para esta prova um objectivo a curto prazo, como forma de me testar e tentar perceber a minha evolução e o momento actual.

Orientovar - Estava à espera dum quarto lugar nos Campeonatos?

Luís Silva - Preparei-me para esta prova ao longo dum mês e meio. Senti que estava bem e sabia que poderia fazer algo de bom aqui. Ontem, no apuramento, apesar duma prova não isenta de erros, consegui cumprir o primeiro objectivo que era alcançar um bom resultado para poder partir no fim. Mas hoje queria mesmo que tudo corresse realmente bem e essa ansiedade fez com que não entrasse bem no mapa. Comecei logo por perder algum tempo no início e depois também durante a prova; mas tal como eu perdi, também os meus adversários perderam. Por isso é justo. O quarto lugar é fantástico porque eu ainda sou Juvenil, ainda estou a acabar a minha época de Juvenil e este resultado constitui uma motivação muito importante para o futuro, para toda a época que irá começar, para os Campeonatos da Europa e do Mundo que vêm aí.

Orientovar - Qual a sua opinião sobre estes mapas, estes percursos, os terrenos, a organização...?

Luís Silva - Começando pela organização, não foi nada que já não estivesse à espera e vai ao encontro daquilo a que o Ori-Estarreja nos habituou. Estas organizações do Ori-Estarreja têm sempre muito profissionalismo e isso ficou uma vez mais demonstrado na qualidade das Arenas, com um speaker excelente – porque o Bruno Nazário é um grande speaker! – e tudo o mais muito bem organizado. Quanto à parte técnica, este tipo de mapas não se encontra com frequência em Portugal. Estamos habituados a mapas mais limpos, mais abertos e não tão desnivelados e, por tudo isso, estes mapas constituíram uma agradável surpresa, apesar do terreno ser algo sujo e duro. Já ouvi muitos comentários negativos mas, pessoalmente, estou muito reconhecido ao Ori-Estarreja por nos ter brindado com estes mapas. Lá fora não encontramos mapas como há no Alentejo e como há em Leiria. Isto é aquilo que precisamos.


Saudações orientistas.

JOAQUIM MARGARIDO

1 comentário:

Rafael da Silva Miguel disse...

Parabéns Luís! E Obrigado pelos elogios! :D

Abraço
Rafael Miguel