sábado, 20 de agosto de 2011

CAMPEONATOS DO MUNDO DE ORIENTAÇÃO PEDESTRE WOC 2011: FINLÂNDIA CHEGA AO TÍTULO NA ESTAFETA FEMININA




Impróprio para cardíacos. Assim se pode classificar o final da Estafeta feminina dos Campeonatos do Mundo de Orientação Pedestre WOC 2011, disputada em La Féclaz, com os três lugares do pódio a serem decididos ao Sprint. Minna Kauppi foi mais forte e permitiu à Finlândia reeditar o título mundial alcançado em 2010, em Trondheim.


Por um segundo se ganha, por um segundo se perde. Foi assim, literalmente, na final de Estafeta feminina que encerrou o programa competitivo dos Campeonatos do Mundo de Orientação Pedestre WOC 2011, ao início da tarde, em La Féclaz (França). Com uma vantagem de um segundo sobre a República Checa e de dois segundos sobre a Suécia, Anni-Maija Fincke, Merka Rantanen e Minna Kauppi garantiram um título particularmente saboroso, reeditando o triunfo do ano transacto e dando à Finlândia a única medalha de ouro destes mundiais.

Foram 27 as equipas que alinharam à partida para esta prova, que teve em Gérard Venon e Loïc Venon os traçadores de percursos. Com uma distância de 3,9 km (15 pontos de controlo, 195 m desnível), o primeiro percurso viria a revelar-se muito equilibrado, com as onze primeiras equipas a entregar o testemunho com uma diferença entre si inferior a dois minutos. Na frente, a finlandesa Anni-Maija Fincke foi a mais rápida, apresentando-se na zona de passagem com uma vantagem de 7 segundos sobre a checa Martina Zverinova e de 27 segundos sobre a norueguesa Mari Fasting. Lizzie Ingham (Nova-Zelândia) seria a 6ª atleta a passar o testemunho, logo seguida da suiça Ines Brodmann, da sueca Helena Jansson, da francesa Céline Dodin e da dinamarquesa Ida Bobach. Depois dum Campeonato extraordinário, a russa Anastasiya Tikhonova atrasava-se irremediavelmente, o mesmo acontecendo com a britânica Sarah Rollins e com a polaca Marlena Wieleba. Também Esther Gil se mostrava impotente para acompanhar o grupo cimeiro e deixava a Espanha à entrada para o segundo percurso no 16º lugar, a 7:14 da liderança.


Luta até ao final

O percurso intermédio (3,9 km, 15 pontos de controlo, 195 m desnível) foi dominado pela ucraniana Nadiya Volynska que logrou alcançar o melhor tempo entre todas as concorrentes e lançar a sua compatriota Olga Rieznychenko na primeira posição para o percurso do tudo ou nada. Imediatamente atrás da ucraniana, com uma desvantagem de 7 e 9 segundos, respectivamente, seguiam a dinamarquesa Maja Alm e a norueguesa Heidi Østlid Bagstevold. A menos de um minuto da liderança, seguiam ainda a sueca Helena Jansson (a 27 segundos), a finlandesa Minna Kauppi (a 37 segundos), a suiça Rahel Friederich (a 38 segundos), a checa Dana Brozkova (a 39 segundos) e a estoniana Annika Rihma (a 46 segundos). Atentando nos nomes em presença, percebe-se que a estratégia das equipas apostava nos seus melhores elementos para o decisivo percurso, conferindo ao final contornos de elevada imprevisibilidade e altíssima emoção.

E foi precisamente isso que aconteceu. A alternância no comando foi-se sucedendo, até que Minna Kauppi, Dana Brozkova e Annika Billstam lograram esbater a diferença que as separava da liderança e no final dos 4,2 km do seu percurso (16 pontos de controlo, 200 m desnível) encetaram um vigoroso sprint, em tudo decisivo. Disposta a apagar a má impressão deixada por um conjunto de provas a roçar a desilusão, Minna Kauppi acabou por ser a mais forte das três, dando à Finlândia o tão almejado título, algo que acontece pela quinta vez nos últimos seis anos e sempre com o cunho da grande atleta. A Finlândia alcança assim o 10º título de Estafeta nas vinte e oito edições que fazem a história dos Campeonatos do Mundo, aproximando-se decisivamente da Suécia que comanda ainda esta contabilidade particular, com doze títulos alcançados, o último dos quais remontando a 2004. A República Checa foi segunda classificada, recuperando um lugar no pódio que lhe fugia há catorze anos. Quanto ao terceiro lugar, ele vai com inteiro mérito para a Suécia, permitindo ao seleccionado nórdico manter na sua posse um feito único: Marcar presença no pódio em todas as edições dos Mundiais disputadas até ao momento, no que à prova de Estafeta diz respeito (às doze medalhas de ouro já referidas, a Suécia junta dez de prata e seis de bronze).


Espanha termina na 13ª posição e faz história

Quanto aos restantes resultados, a Noruega foi quarta classificada, ficando de fora do pódio pela 11ª vez na história dos Campeonatos (ainda em 2009 tinha sido Campeã do Mundo e Vice-Campeã em 2010). A Dinamarca concluiu na 5ª posição, igualando o resultado de 2010 exactamente com a mesma formação. Ao concluir no 6º lugar, a Estafeta da Estónia chega pela primeira vez aos lugares de honra dum Campeonato do Mundo, melhorando a 7ª posição alcançada em 1997 e em 2004. Também a Ucrânia melhorou o 10º lugar de 2007, chegando ao final da prova no 8º lugar. Quanto à Espanha (Esther Gil, Anna Serralonga, Ona Rafols), concluiu a sua Estafeta no 13º lugar com o tempo de 2:02:06, estabelecendo uma melhor marca de sempre, depois de se ter classificado na 15ª posição nos Mundiais de 2004 (Västerås, Suécia).

Resultados

1º Finlândia (Anni-Maija Fincke, Merja Rantanen, Minna Kauppi) 1:42:42
2º República Checa (Martina Zverinova, Eva Jurenikova, Dana Brozkova) 1:42:43
3º Suécia (Helena Janssom, Tove Alexandersson, Annika Billstam) 1:42:44
4º Noruega (Mari Fasting, Heidi Østlid Bagstevold, Marianne Andersen) 1:43:38
5º Dinamarca (Ida Bobach, Signe Søes, Maja Alm) 1:43:45
6º Estónia (Grete Gutmann, Liis Johanson, Annika Rihma) 1:43:59
7º Suiça (Ines Brodmann, Judith Wyder, Rahel Friederich) 1:45:12
8º Ucrânia (Anastasiia Danylova, Nadiya Volynska, Olga Rieznychenko) 1:48:08
9º França (Céline Dodin, Nicole Scalet, Amélie Chataing) 1:48:16
10º Lituânia (Gabija Razaityte,Inga Kazlauskaite, Sandra Pauzaite) 1:48:53

Saiba tudo em http://www.woc2011.fr/ ou aqui, no seu Orientovar.


Saudações orientistas.

JOAQUIM MARGARIDO

Sem comentários: