segunda-feira, 4 de julho de 2011

WMOC 2011: AINDA O DIA DE ONTEM E A FINAL DE SPRINT




Como o prometido é devido, aqui ficam os resultados completos dos nossos atletas, bem como algumas impressões que foram chegando, entretanto, à mesa de trabalho do Orientovar e o medalheiro actualizado dos Campeonatos.


Do dia de ontem vem esse extraordinário título de Vice-Campeão do Mundo de Veteranos de Orientação Pedestre WMOC 2011, alcançado por Joaquim Sousa. E vem também a vitória moral de Vítor Rodrigues, ele que triunfou na final B do escalão M55 depois de, na véspera, ter falhado a Final A por escassos seis segundos. Aqui ficam, agora, os resultados completos dos nossos atletas.

M35 – Final A – 40º Ricardo Oliveira (COC) 20:31
M40 – Final A – 2º Joaquim Sousa (Portugal O-Team) 12:14
M45 – Final A – 50º Carlos Garcia (AFAP) 15:42
M50 – Final A – 75º Albano João (Portugal O-Team) 20:07
W50 – Final A – 57º Palmira João Portugal O-Team) 19:02
M55 – Final A – 17º Manuel Dias (Lisboa OK) 12:19
M45 – Final B – 41º Rui Almeida (AFAP) 20:39
M50 – Final B – 29º José Fernandes (Portugal O-Team) 15:33
M50 – Final B – 70º Carlos Coelho (CPOC) 18:37
M50 – Final B – 75º José Pires (Portugal O-Team) 19:38
M55 – Final B – 1º Vítor Rodrigues (CPOC) 13:18
M55 – Final B – 55º Escada da Costa (AFAP) 18:38
M55 – Final B – 65º Acácio Porta Nova (CPOC) 19:40
W55 – Final B – 30º Caty Dawson (Dawson Creak) 20:33
W60 – Final B – 69º Ana Carreira (CPOC) 32:53
M55 – Final C – 47º António Reyes (GafanhOri) 24:16
W55 – Final C – 7º Margarida Rocha (GD4C) 18:32
M60 – Final C – 6º Roy Dawson (Dawson Creak) 16:29
M60 – Final C – 39º José Raposo (COALA) 19:32
M70 – Final D – nc José Grada (Mem Martins OK) 23:24


Algumas impressões

Apesar de me ter apurado com o 13º melhor tempo de todos os participantes para a final A, sabia que hoje iria ser difícil manter o lugar. Enquanto eu fui no máximo, ontem os "craques" foram a poupar-se para hoje. Objectivos diferentes, velocidades diversas. Estive sempre calmo e nada ansioso antes da partida. Parecia um dia de mais um treino de floresta do COC. Ocasionalmente, calhou-me em sorte partir no mesmo minuto do agora vice-campeão do Mundo, Joaquim Sousa, ou seja, às 12h46. Após um primeiro ponto de controlo diferente, voltei a encontrá-lo no ponto 2 que era coincidente em H35 e H40 e verifiquei então ter feito boas opções para ambos. No entanto, na saída para o ponto 3 desconcentrei-me (ainda por cima o ponto 3 também era igual a H40!!!) e fiz o primeiro grande erro neste WMOC. Foi de tal forma que foram dois minutos perdidos para os melhores. Reduzi a velocidade, mas o discernimento nunca mais foi o mesmo e, apesar de não ter cometido mais lapsos superiores a cinco ou dez segundos (por duas vezes), o cansaço acumulado dos dias anteriores e a falta de ritmo competitivo fez-se notar e acabei numa pobre 40ª posição entre os 44 participantes da final A. Mesmo retirando 2:30 ao meu tempo final, não conseguiria ficar entre os 25 primeiros. Quanto ao terreno/mapa, hoje era bem mais físico e bem menos técnico que o de ontem, pois as muralhas intransponíveis existentes em Pécs, fizeram muita diferença. Relativamente ao percurso, ele foi de 2,7 Km e 120 metros de desnível, acabando o GPS por acusar 4,0 km. Venceu o bicampeão do mundo de H35 do WMOC 2008, Petri Noponen com 14:48, contra os meus 20:31...Até parece fácil!!!
Ricardo Oliveira (COC)


Hoje, como excepção - e não poderia deixar de o fazer - quero dizer que fiquei muito contente e orgulhoso de o nosso amigo Sousa ter subido ao pódio para orgulho dos Portugueses e receber a medalha de prata. Quanto a mim, gostei mais ainda do mapa de hoje, apesar de ter perdido um minuto num só ponto, mas é claro, como natural, custou mais porque as dores já eram maiores e contra isso não há nada a fazer, vale o gosto pela modalidade. O meu 75º lugar mostra o que foi possível fazer, mas muito contente por o conseguir e mais por poder estar neste ambiente que me dá mais vida e estou já com vontade que venha a terça-feira para poder ir para o campo, pois é
bem melhor que a cidade.
José Pires (Portugal O-Team)


A prova de Qualificação de Sprint, em Pécs, esteve bem organizada, apesar de ter sido uma prova difícil a nível técnico. Passamos por locais bastante interessantes e pontos a visitar mais tarde. Em conclusão gostei bastante desta prova apesar de alguns erros que fiz a nível técnico. Na final de Sprint, em Komló, a prova correu-me melhor que no primeiro dia. Apesar de ser uma prova mais rápida, tinha um elevado nível de dificuldade, onde fiz menos erros técnicos do que na véspera. Durante a prova pudemos ver locais bastante interessantes e bastantes zonas verdes, apesar de ser uma prova urbana. Até ao momento, penso que este seja um local onde vale a pena vir fazer umas provas de Orientação e visitar.
José Raposo (COALA)


Hoje o dia foi do Joaquim Sousa, que se classificou em 2º lugar na Final de da prova de Sprint no escalão de H40. Foi realmente uma alegria imensa para mim e creio que para toda a comitiva portuguesa ver este 'miúdo' no segundo lugar mais alto do pódio. Como não podia deixar de ser, os minutos que duraram a sua coroação não deixaram ninguém indiferente, pois o Sousa coloca em tudo o que faz aquela pureza e alegria tão genuínas e espontâneas, que a todos toca. Depois de descer os dois degraus que subiu para receber a medalha da glória, juntou-se de novo a nós e voltou a ser aquela pessoa simples e irrequieta que não deixa instalar a monotonia em muitos metros quadrados à sua volta. Quanto a mim, as expectativas para o Sprint nunca são altas, pois esta disciplina não combina mesmo nada comigo, mas apesar disso, foi a primeira vez que não fui qualificado para a final A. Correndo na Final B, classifiquei-me em 29º lugar, depois de mais uma vez cometer erros básicos, não de orientação, mas de concentração, que me roubaram demasiado tempo para ficar bastante mais à frente. Amanhã finalmente vamos começar a explorar as belas e difíceis florestas de Pécs e é nesse meio que eu, mesmo quando a fortuna não me bafeja, me sinto realmente bem.
José Fernandes (Portugal O-Team)


Começo por dizer que, tecnicamente, a prova em si esteve um pouco abaixo do que eu esperava para uma final mundial de Sprint de Veteranos. O mapa é muito bom em desenho, sem problemas de cartografia mas... por ser muito "aberto" - terreno parecido com a zona dos Olivais, prédios com zonas relvadas ao redor - não era o melhor mapa para uma final de Sprint. Os percursos em si também sem grandes dificuldades técnicas, "simplificaram" o trabalho dos atletas. A Cerimónia de Entrega de Prémios... uma delícia! É qualquer coisa de mágico ver pessoas com 75, 80, 85, 90 e 90 e picos subirem a um pódio com uma alegria fantástica estampada no rosto e "ouvir" as palmas carregadas de sentimento dos que assistem. Não se consegue descrever... é preciso estar presente para se sentir, mas devo dizer que só por isto já valeu o dinheiro que paguei para vir a um WMOC. Aproveito ainda para manifestar o meu desagrado sobre a forma como se efectuam as qualificações para as finais: não se pode utilizar dois ou mais percursos diferentes para qualificar atletas!
Carlos Garcia (AFAP)



[Foto extraída do excelente Álbum de Carlos Garcia em https://picasaweb.google.com/CMPGarcia/WMOC2011_03Jun]


Saudações orientistas.

JOAQUIM MARGARIDO

Sem comentários: