quarta-feira, 22 de junho de 2011

V OPEN DE ORIENTAÇÃO PEDESTRE DO ATV: O BALANÇO DE MARIA AMADOR, DIRECTORA DA PROVA




Ao colocarmos um ponto final naquilo que foram os Campeonatos Nacionais de Orientação Pedestre de Distância Média e de Sprint, escutamos as palavras de Maria Amador, em jeito de balanço deste V Open de Orientação Pedestre do ATV.


Mais uma meta (palavra muito em voga no ensino agora) atingida, ao proporcionar um grande evento de Orientação que promoveu a modalidade junto dos seus praticantes, bem como junto da população local, em particular na prova de Sprint.

A avaliar pelas opiniões expressas pelos participantes, o ATV conseguiu, mais uma vez, agradar aos amantes desta modalidade com características tão especiais. Houve alguns aspectos logísticos que temos consciência que não foram bem sucedidos (sinalização, área de estacionamento no sábado e a questão dos pertences na zona da quarentena de domingo).

Qualquer pessoa que já organizou uma prova de Orientação sabe bem as dificuldades inerentes a colocar um evento destes de pé, em particular nesta altura de crise. A logística de construir os nossos “estádios”, de encontrar “alojamento” para os participantes, de sinalizar todos os locais do evento e criar outras ofertas (alimentação, promover aspectos culturais, entre outros) é muito complexa. Esta prova não foi excepção, com uma dificuldade acrescida pela pequena máquina de pessoal que o ATV tem. Gostaria de chamar a atenção a todos vós que, para que possam usufruir da Orientação, existem pessoas que “sacrificaram” - sim, sacrificam mesmo! - muito do seu tempo pessoal para que uns “maluquinhos de pijama” se divirtam a correr à procura de “umas coisinhas laranjas e brancas que têm uma caixinha que apita”. Para todos os organizadores de provas (boas ou menos boas) devemos dar todo o nosso carinho e agradecimento, ou como o ”nosso” Margarido, um GRANDE Louvor.

Voltando à nossa prova, tal como já foi referido, o Pinhal de Ferrel foi uma segunda escolha, devido à não autorização para a realização da prova nas dunas da Consolação, após muitos contactos e prolongadas negociações com a entidade que gere aquele espaço. No entanto, esta segunda opção não implicou uma redução da qualidade e exigência técnica, já que ofereceu aos participantes uma área variada e bastante desafiante, proporcionando a todos a possibilidade de “curtir” a navegação sobre um fofo tapete de caruma. Por curiosidade, o local de concentração estava junto a um aterro sanitário em fase terminal de conversão e nessa área esteve prevista em tempos a construção de uma central nuclear.

Em relação à área do segundo dia, sabíamos de antemão não ser muito técnica, tendo apenas uma pequena área mais intrincada no bairro dos pescadores, que se revelou uma dor de cabeça (das boas) para os atletas ao passarem por aquele local labiríntico. Mas com aquilo que tínhamos ao dispor, julgo que conseguimos oferecer uma prova desafiante e que permitiu uma competição justa. Alguns praticantes sugeriram que deveríamos ter usado a área do Forte nos percursos, mas isso, para além de não nos parecer de facto interessante, foi completamente inviabilizado pelos responsáveis do espaço, já que iria condicionar o seu regular funcionamento. Não quisemos no entanto deixar de usar o espaço, usufruindo da sua beleza paisagística, cultural e arquitectónica.

Relativamente aos agradecimentos, temos muitos, mas não queria antes deixar de salientar em particular o excelente trabalho do Luis Sérgio, que apesar de várias contrariedades nos proporcionou percursos e mapas que excelência. Posso parecer suspeita ao dar esta opinião, devido à minha relação com o Luis, mas considero que estou apenas a ser justa, pois as provas do ATV devem a qualidade técnica que costumam ter, e não só, ao trabalho dedicado deste Senhor. Gostaria também de agradecer a todos os meus colegas de clube e ao Supervisor, Nuno Rebelo, pelo seu empenho e colaboração, bem como às várias entidades que nos permitiram realizar este evento, desde logo à Câmara Municipal de Peniche e aos nossos mecenas, Chagas e Impoeste… e quase que me esquecia de agradecer aos meus pais, que ajudaram a deliciar alguns atletas com um petisco da época, os caracóis.

Para terminar, quero agradecer a todos quantos nos honraram com a vossa presença e faço votos para que tenham dado o vosso tempo por bem empregue.

Até uma próxima …

Maria Amador

3 comentários:

Pedro Dias disse...

Todos nós devemos saber - porque já andamos aqui há alguns anos - a dificuldade que é montar provas de Ori, face à escassez de recursos. Os participantes estão ali dois dias, observadores e críticos, mas quem organiza são meses e meses de trabalho, centenas de horas consumidas a arranjar apoios, em planear...
Quem tem maior estrutura, oferece extras de excelência, mantendo um bom nível técnico. Há não muitos anos esses extras quase que suplantaram a parte técnica, todos se recordam de excelentes arenas, com várias actividades e depois... maus percursos, maus mapas e pontos mal marcados!
O ATV é garante de excelência técnica, isso é visível nos participantes que capta, pois cada vez mais temos que olhar para a orientação, como um produto "vendável". Quem conseguir oferecer melhor produto, beneficia de maiores participações.
Como atleta e como membro da direcção só tenho a agradecer ao ATV e muito particularmente ao Luis Sergio e Maria Amador, o primeiro que se disponibilizou para ir abrir os balneários - num vaivém de recurso - e o segundo que sem jantar participou na reunião de clubes, garantindo que tido estava nos conformes na parte logística. Já não contando com as tais centenas de horas (diria milhares) que gastaram este ano em organizar vários campeonatos nacionais, das duas disciplinas, num contexto em que cada vez mais é dificil encontrar organizações.
Todos, somos poucos para mudar, participem activamente nessa mudança que é imperativa!

Anónimo disse...

Partilho em completo as palavras do Pedro Dias.
Muito, muito obrigado pelo fim de semana. É um prazer participar nas Vossas provas.
Rui Morais

Manuel Machado - CLAC disse...

Parabéns ao ATV pelas duas excelentes provas que nos proporcionou. É muito raro em duas provas não haver erros a apontar, daí podermos dizer que tivemos do melhor que se realiza em Portugal, falando de Orientação Pedestre. Espero que tenham fotografias e que as divulguem.
Mais uma vez parabéns, a todos os envolvidos na organização dos eventos.
Bem hajam,
Manuel Machado