quarta-feira, 29 de junho de 2011

LUÍS SILVA E O EYOC JINDŘICHŮV HRADEC 2011: "TODOS NÓS SAÍMOS DAQUI COM UMA GRANDE DESILUSÃO E COM UMA GRANDE BOFETADA NA CARA"




No regresso a Portugal, Luís Silva, o nosso Vice-Campeão do Mundo de Distância Longa nos Mundiais ISF de Desporto Escolar, fez chegar, em jeito de desabafo, a sua visão daquilo que foi o Campeonato da Europa de Jovens de Orientação Pedestre EYOC 2011.


Mais um EYOC e mais uma vez os portugueses voltam ao mesmo, e porquê? Falta de qualidade? Falta de treino? Não! simplesmente nenhum de nós sabe o que são estes mapas! Não há uma preparação correcta e não há milagres! Qualquer um de nós poderia ter sido campeão da Europa quer de Sprint, quer de Longa se não fosse termos perdido 15 minutos!!! Não porque não sabemos fazer Orientação mas porque não temos preparação nenhuma para isto, prova de que a culpa não é nossa, vejam os parciais que ganhamos ao longo da corrida, e acreditem que não é fáci ou ainda investiguem partes das provas e vejam o nosso lugar e percebem do que falo! E querem mais? Resultados em Itália e do EYOC do ano passado, em nenhum desses locais estávamos em terrenos estranhos. O segredo foi uma preparação atempada em que conhecemos os terrenos antes! Estávamos preparados! Agora quem achar que não viemos cá fazer nada, pense duas vezes antes de abrir a boca, pois todos os que estão aqui são atletas tão bons como qualquer um que anda por ai na Europa. A única diferença são as condições.

Todos nós saímos daqui com uma grande desilusão e com uma grande bofetada na cara, com a noção do nosso valor mas, e principalmente, do trabalho e da preparação adequada que tem de ser feita para grandes resultados serem obtidos. Acreditem que aqueles que foram a este EYOC e aqueles que ainda não foi desta que tiveram a oportunidade, têm toda a capacidade e ambição de fazer grandes feitos. É preciso é, além de muita vontade e crer, muito trabalho individual e colectivo, com a ajuda de clubes e Federação.

Luís Filipe Xavier Silva

2 comentários:

Anónimo disse...

Esperemos que a federação acorde e que depois da diferença de resultados do ano passado para este, pois a diferença não está nem nos atletas que ficaram com menos capacidades nem nos técnicos. Apenas difere no apoio e estágios. Boa sorte agora no JWOC.

António Marcolino disse...

Não posso deixar de concordar em parte pelo que o Luís disse,no entanto estes jovens têm de ser protegidos e não serem eles a dar a cara pelo que de menos bom acontece,se fosse o contrário não faltariam figuras areclamar os louros.
No entanto concordo como lUís quando diz não ter sido efectuada uma preparação adequada(sim foi tudo feito em cima do joelho, discordo quando fala que não estãoa adaptados a este tipo de mapas,porque senão vejamos:
Sprint Urbano mapa igual em todo o lado,prova onde talvez possamos estar mais ao nível dos outros Países,apostamos nisso?NÃO,pura e simplesmente é a prova com menos peso nas observações.
Depois ainda existe outra situação,quando se compete nos treinos em cima da data da s competições, dificilmente se tira partido da mesma.
Valor nos atletas ele existe sem dúvida agora é preciso saber aproveitá-lo nos momentos certos.
Abraços.
António Marcolino