domingo, 19 de junho de 2011

CAMPEONATO DO MUNDO DE VETERANOS DE ORIENTAÇÃO EM BTT 2011: SUSANA PONTES DE NOVO A UM PEQUENINO DEGRAU DO PÓDIO




Os Campeonatos do Mundo de Orientação em BTT 2011 prosseguiram na tarde de hoje com uma prova de Distância Longa. Susana Pontes voltou a ser quarta classificada no seu escalão, num pódio que foi uma fotocópia daquilo que sucedera na Distância Média do primeiro dia de provas.


Rättvik, no Distrito de Dalarna, foi palco da segunda prova dos Campeonatos do Mundo de Veteranos de Orientação em BTT, uma Distância Longa que contou com a participação de 143 atletas, distribuídos por sete escalões de competição. No escalão W40, Susana Pontes repetiu o quarto lugar da prova de Distância Média disputada na véspera, ficando desta feita a 12.08 da vencedora, que voltou a ser a dinamarquesa Mette Rønning Steffensen (OK Øst Birkerød).

Em declarações ao Orientovar, há cerca de uma hora atrás, Susana Pontes começava por salientar o facto terem tido hoje “o Sol como bom aliado”. Quem parece não ter estado assim tão bem foi a Organização sueca do evento. Mas atentemos nas palavras de Susana Pontes: “A Organização hoje deitou tudo a perder... Na Taça do Mundo, os mapas foram cortados para poderem caber nos plásticos e cortando uma das opções possíveis. Assim, tiveram de reimprimir tudo novamente, atrasando as partidas dos femininos1h40 e a dos masculinos que passou para as 15h00 [era suposto ter começado às 12h00, N.R.].” Mas mais, ainda: “O percurso das senhoras promoveu a 'cola' da maioria das atletas, pois sendo a partida em 'mass start' e com apenas um 'loop' ao fim de uma hora de prova, com apenas dois pontos diferentes e não promovendo a dispersão. Nos homens, como o percurso era maior, já não houve 'cola' e os resultados falaram por si.” Quanto ao mapa, era “mais uma vez de floresta nórdica, início e final de prova com muito detalhe (difícil). O meio da prova, menos detalhe, mas com muitas opções. Um pouco de mais desnível que a Distância Média, mais areia e menos visibilidade.” E refere esta particularidade: “Tivemos de atravessar um rio umas vinte vezes, por pontes em madeira sempre diferentes e espectaculares... tínhamos de ter cuidado para não nos distrairmos a olhar para a arquitectura das mesmas."


Rui Botão sobe na tabela

Falando da sua prova, a Campeã Nacional Absoluta refere o seguinte: “Tentei entrar no mapa de forma cuidada, mas mesmo assim não resultou. Isto porque, ao colocar o mapa, verifiquei que com a escala de 1/15 000 e tantos pormenores seria difícil antecipar opções tanto no início como no final da prova. Não foi fácil... Cometi logo um erro de leitura de mapa para o ponto 1, acho que do ponto 5 para o 6 cometi um erro de escolha de trajecto por ter o mapa dobrado... mas ainda não confirmei, e no final fui muito devagar para não me perder, o que não ajuda muito... Assim, desta vez, foram cerca de seis minutos e meio a mais relativamente ao 3º lugar e um pouco mais de doze minutos para a vencedora.” Uma última palavra, a pensar já no Sprint de amanhã que encerra estes Mundiais: "Prevejo uma prova extremamente técnica, pois será no local que anteriormente citei do início e final de prova de hoje.”

No escalão M40, Rui Botão subiu na tabela classificativa relativamente à prova inaugural e foi hoje o 24º classificado entre os 47 atletas que lograram concluir a sua prova. A propósito do seu percurso, o atleta do CPOC admite “alguns pequenos erros de navegação e talvez algumas opções não óptimas. Mas é sempre difícil saber qual a melhor opção, ainda por cima porque não nos deram os mapas (só amanhã).” Mas fica essa certeza: “Como experiência continua a ser espectacular.” Quanto ao vencedor, esse deu pelo nome de Jaroslav Rygl (República Checa), o mesmo que na véspera se tinha quedado pelo segundo lugar, ao passo que o Campeão do Mundo de Distância Média, o sueco Anders Ahl, hoje teve de se contentar com a medalha de prata.


Resultados
W40
1º Mette Rønning Steffensen (OK Øst Birkerød) 1.22.06
2º Antje Bornhak (OLA TSV Deggendorf) 1.22.22
3º Galina Balagurova (Mosmeridian) 1.27.48
4º Susana Pontes (CPOC) 1.34.14
5º Elizabeth Clayton (GBR MTBO) 1.39.50
6º Sarah Bayliss (GBR MTBO) 1.41.37

M40
1º Jaroslav Rygl (Czech Republic) 1.29.44
2º Anders Ahl (Värend GN OL) 1.33.20
3º Killian Lomas (GBR MTBO) 1.1.34.23
4º Henrik Johnsson (OK Tor) 1.35.12
5º Igor Bondarenko (MTBO Spb Club) 1.35.24
6º Andy Conn (GBR MTBO) 1.37.10
(…)
24º Rui Botão (CPOC) 1.51.41

Vencedores outros escalões
M/W50 – Jean-Charles Lalevée (Ycone Sens) e Maud Anglebrant (IFK Moras OK)
M/W60 – Walter Rahm (Switzerland) e Birgit Hausner (OK SG)
M70 – Herbert Lackner (Austria)


Taça do Mundo com vitórias de Erik Skovgaard Knudsen e Susanna Laurila

Entretanto, a Taça do Mundo de Orientação em BTT 2011 prosseguiu com a disputa da quinta etapa, na qual Erik Skovgaard Knudsen e Susanna Laurila foram os grandes vencedores. O dinamarquês Erik Skovgaard Knudsen triunfou no sector masculino, ao completar os 27.380 metros do seu percurso em 1.46.46. Esta é a terceira vitória do dinamarquês nas cinco provas já disputadas até ao momento, o que o atira para a liderança da Taça do Mundo de Orientação em BTT 2011. A luta pelos lugares seguintes esteve absolutamente ao rubro, com dez atletas a terminarem nas posições imediatas, separados por menos de um minuto.

Anton Foliforov, Campeão do Mundo de Distância Longa em título, foi o segundo classificado, três segundos à frente de Tõnis Erm, da Estónia. Ao completar o seu percurso de 19.990 metros em 1.37.50, a finlandesa Susanna Laurila impôs-se às demais concorrentes e alcançou uma saborosa vitória. À semelhança do que acontecera no sector masculino, também aqui as mais directas adversárias da vencedora terminaram a prova com tempos muito próximos, num exercício que vai ao encontro das palavras de Susana Pontes e que se revelou mais de BTT do que propriamente de Orientação.


Resultados
Masculinos
1º Erik Skovgaard Knudsen (Dinamarca) 1.46.46
2º Anton Foliforov (Rússia) 1.48.00
3º Tõnis Erm (Estónia) 1.48.03
4º Samuli Saarela (Finlândia) 1.48.22
5º Jiri Hradil (República Checa) 1.48.25
6º Samuel Pökälä (Finlândia) 1.48.30
7º Maciej Gromadka (Polónia) 1.48.32
8º Marek Pospisek (República Checa) 1.48.36
9º Luca Dallavalle (Itália) 1.48.44
10º Radek Laciga (República Checa) 1.48.46

Femininos
1º Susanna Laurila (Finlândia) 1.37.50
2º Ksenia Chernyh (Rússia) 1.38.27
3º Rikke Kornvig (Dinamarca) 1.38.33
4º Marika Hara (Finlândia) 1.38.38
5º Laura Scaravonati (Itália) 1.38.50
6º Maja Rothweiler (Suiça) 1.38.57
7º Anna Fuzy (Hungria) 1.39.07
8º Michaela Gigon (Áustria) 1.39.11
9º Christine Schaffner (Suiça) 1.41.55
10º Cecilia Thomasson (Suécia) 1.41.59

Resultados completos e demais informações em http://www6.idrottonline.se/templates/Workroom.aspx?id=557714


Saudações orientistas.

JOAQUIM MARGARIDO

Sem comentários: