terça-feira, 3 de maio de 2011

TROFÉU DE ORIENTAÇÃO DO PORTO E JUSTLOG PARK RACE: FIM-DE-SEMANA A NORTE COM MUITA E BOA ORIENTAÇÃO




Porto e Vila Nova de Gaia receberam, no passado fim-de-semana, duas provas de Orientação Pedestre recheadas de motivos de interesse. Uma dupla jornada de muita e boa Orientação e que atraiu a atenção, no seu conjunto, de perto de sete centenas de participantes.


Como vem sendo habitual de há uns anos a esta parte, o Grupo Desportivo dos Quatro Caminhos fez disputar, neste final de Abril e início de Maio, duas das suas provas mais emblemáticas. Apesar do cariz de “Prova Local”, a sétima edição do Troféu de Orientação do Porto e a terceira edição do Justlog Park Race atraíram a atenção dum considerável número de participantes, naquilo que constituiu uma grande jornada de propaganda para a modalidade.

No sábado, o 7º Troféu de Orientação do Porto decorreu no Parque da Cidade, um espaço que, não sendo virgem neste tipo de actividades, cada vez mais se apresenta como um local de eleição para a captação, formação e iniciação dos muitos interessados em descobrir os mistérios do Desporto da Floresta. Aquilo que se pôde constatar foi muita gente nova, a correr ou a caminhar, de bússola e mapa na mão, trilhando um espaço de verde e água vestido, numa manhã serena, ideal para a prática de actividades de ar livre. Gente nova em contacto directo com a natureza, que agora se inicia na modalidade e que rapidamente percebe que à descoberta de um novo ponto corresponde mais um desafio que acaba de ser vencido. E quem não gosta de resolver e ultrapassar desafios?


Vitórias de Joaquim Sousa e Andreia Silva

O Desporto Escolar e o Desporto Adaptado foram componentes importantes deste primeiro evento. Sobre o segundo, debruçámo-nos oportunamente, dando conta dos desenvolvimentos da terceira etapa do Circuito de Orientação de Precisão, “Todos Diferentes, Todos Iguais”. Quanto ao Desporto Escolar, em causa esteve a quarta etapa do Ranking Regional Norte e, sobre isso, iremos falar em futura crónica. Posto isto, começando pelo vector de Promoção, é com enorme satisfação que se constata ter sido aqui que a maior percentagem de participantes marcou presença. A isto não será alheio um esforço de divulgação devidamente direccionado, desenvolvido pelo Grupo Desportivo dos Quatro Caminhos em parceria com a Câmara Municipal do Porto e com a Empresa Municipal Porto Lazer.

No vector competitivo, uma “partida em massa” tornou-se num dos momentos altos duma prova que apresentou cambiantes técnicas bastante interessantes e se revelou suficientemente exigente, tanto do ponto de vista técnico como físico, para que o balanço seja absolutamente positivo. No escalão Difícil, tanto Joaquim Sousa como Andreia Silva, ambos do COC, não deram quaisquer hipóteses à concorrência, vencendo por larga margem nos respectivos sectores.


Resultados
Difícil Masculino
1º Joaquim Sousa (COC) 36.19
2º Domingos Nunes (Amigos da Montanha) 41.08
3º João Casal (Ori-Estarreja) 41.38
4º Rui Ferreira (OriMarão) 43.09
5º Daniel Ferreira (AD Cabroelo) 43.44

Difícil Feminino
1º Andreia Silva (COC) 49.06
2º Paula Nóbrega (OriMarão) 59.34
3º Elisabete Sofia Moreira (Individual) 59.37
4º Helena Sousa (OriMarão) 59.49
5º Ana Casal (Ori-Estarreja) 1.03.08

Vencedores outros escalões
Fácil M/F – Diogo Castro (AD Cabroelo) e Diana Pereira (Individual)
Médio M/F – Joaquim Carneiro (Individual) e Paula Serra Campos (.COM)
Promoção 1 – António C + Eunice P (Seri)
Promoção 2 – Rui G + Sílvio N + (Seri)
Promoção 3 – Eugénio Abreu Ferreira (Individual)


Pedro Duarte e Helena Baptista vencem em Avintes

O Park & Zoo Santo Inácio, em Vila Nova de Gaia, foi o palco escolhido para a realização da terceira edição do Justlog Park Race. No seio duma natureza deslumbrante e tendo por companhia as inúmeras espécies animais que povoam aquele espaço, foram em número de 150 os participantes que responderam afirmativamente à chamada, para uma prova que se viria a revelar extremamente desafiante e a exigir máxima concentração.

Numa prova onde o Desporto Adaptado marcou de novo brilhante presença, a competição teve em Pedro Duarte (ADFA) e Helena Baptista (ERD Júlio-Saúl Dias) os grandes vencedores no escalão Difícil. Uma vitória que Pedro Duarte, após oito meses de paragem, considerou “boa para a moral” sobretudo porque se percebe que, apesar de haver objectivos traçados a médio prazo, “entrar logo com o pé direito é sempre bom”. Já Helena Baptista sentiu a vitória com um duplo sabor, ela que é atleta federada em representação do Grupo Desportivo dos Quatro Caminhos e esteve aqui a competir e, em simultâneo, desempenhando tarefas de apoio à Organização.


Resultados
Difícil Masculino
1º Pedro Duarte (ADFA) 20.13
2º Domingos Nunes (Amigos da Montanha) 21.24
3º Luís Gonçalves (CPOC) 23.03
4º António Amador (Ori-Estarreja) 23.16
5º Pedro Henrique (Ori-Estarreja) 24.05

Difícil Feminino
1º Helena Baptista (ERD Júlio-Saúl Dias) 30.33
2º Helena Sousa (OriMarão) 32.36
3º Vanessa Ceide Vilela (Fluvial) 34.09
4º Manuela Nogueira (Ori-Estarreja) 34.43
5º Mariana Ferreira (ERD Júlio-Saúl Dias) 36.27

Vencedores outros escalões
Fácil M/F – João Pedro Casal (Ori-Estarreja) e Ana Carreira (CPOC)
Médio M/F – Joaquim Carneiro (Individual) e Ana Porta Nova (CPOC)
Promoção 1 – Rita Areias + João Areias (Individual)
Promoção 2 – Hélder P. + Mário S + (Individual)
Promoção 3 – Ana S + José S + (GD4C)




Saudações orientistas.

JOAQUIM MARGARIDO

1 comentário:

Nuno Pires disse...

Antes de mais, gostaria de dar os parabéns ao GD4C pela organização desta prova. O local e o percurso de 'Distância Média' em espaço de parque foi um desafio diferente. Mas o meu comentário tem a ver com algo que é habitual em provas de DE e que cada vez mais se assentua. Já ando na Orientação há algum tempo e sempre me lembro dos ambientes mais festivos que rodeiam as provas com esta componente DE. Há mais pessoas, os secretariados são mais concorridos, as partidas são mais confusas e existe a irreverência própria das idades dos participantes. No entanto, a modalidade é a Orientação, que tem regras e deve ter condutas próprias dentro da prova. Ao contrário do futebol e de outras modalidades colectivas, há um árbitro para fazer cumprir estas regras e condutas. De Sábado, posso inumerar: malta a gritar de um lado para o outro de um lago, impropérios com frequência acima da média, individuais ou grupos com elementos separados a chamarem-se, o já habitual 'O ponto xpto está aqui!' e inclusivamente malta jovem a usar o telemóvel como instrumento de comunicação e navegação. Sendo que todos estes miúdos serão os adultos de amanhã e que uma pequena parte serão os atletas de Orientação de amanhã, não será despropositado que se tente que haja alguma 'educação cívica de Orientação' antes das participações. E estas medidas meramente informativas, de regras da modalidade e de conduta em prova, não poderão ser dadas por mais ninguém senão pelos acompanhantes e responsáveis pelos alunos à priori. Nem que seja na viagem entre a localidade de origem e o local da prova. Numa altura em que o DE é posto em causa por questões financeiras, a imagem que os miúdos transmitem num espaço público como Parque da Cidade do Porto a fazer Orientação não é digna o suficiente para colher uma opinião pública positiva quer para o DE quer para a modalidade. Cabe a quem de direito e de responsabilidade alertar os miúdos para estes comportamentos sociais e desportivos aquém do desejável. Que não me levem a mal os docentes envolvidos nestas actividades, porque não lhes cabe a eles dar educação aos alunos, mas no âmbito da participação na modalidade, eles têm que dar o contributo possível neste campo, que felizmente não implica custos e é facilmente verificado a curto ou médio prazo.