segunda-feira, 23 de maio de 2011

MISSÃO ITÁLIA ISF 2011: LUÍS SILVA É VICE-CAMPEÃO DO MUNDO!



Disputada em Val Canali na esplêndida e ensolarada manhã de hoje, a prova de Distância Longa marcou o arranque da competição desta 10ª edição dos Campeonatos Mundiais de Orientação de Desporto Escolar ISF 2011. No final, esta é mais uma jornada que ficará para sempre gravada no álbum de honra dos feitos portugueses nos Mundiais, graças ao 2º lugar de Luís Silva no escalão Escola Rapazes M1. Um título de Vice-Campeão do Mundo que nos é trazido, em primeiro mão, pela pena de Ricardo Chumbinho.


O dia começou cedo com o pequeno almoço às 07:30, uma vez que a partir das 08:15 começavam a sair os autocarros para o local de prova, com intervalos de 5 minutos, sendo a saída dos atletas organizada em função dos tempos de partida. Cerca de 20 minutos de autocarro até ao ponto de desembarque e, tal como no dia anterior, no Model Event, um envolvimento paisagístico de cortar verdadeiramente a respiração. Tratava-se de um extenso vale/reentrância entre elevadas montanhas percorrido por um rio de água gelada que, no seu topo mais distante, terminava com uma verdadeira parede constituída por enormes maciços de pedra agrestemente recortados contra um céu imaculadamente azul que contrastava com o negro da rocha.

Deleites paisagísticos à parte, era hora de ir entrando na floresta através de um percurso de 1500 metros com mapa de aquecimento até ao primeiro controlo de SI's e peitorais, cerca de 75 metros antes do minuto -3. Para que se tenha uma noção do trajecto entre o ponto de desembarque e o minuto -3, refira-se que a organização previa cerca de 40’ a caminhar (!!) o que, verificou-se entretanto, não pecava por exagero, tal era o desnível a vencer. Com alguma confusão inicial no início das partidas e muitas alterações relativamente ao que nos havia sido comunicado na tarde da véspera (!) quanto aos procedimentos, lá se chegou então ao minuto zero a que correspondiam as 10:00 locais.


As chegadas começaram a suceder-se com manifestações de natureza muito diversa

A nossa primeira atleta a fazer-se ao mapa foi a Rita Casa-Velha da EB 2,3 Cunha Rivara. Seguiram-se-lhe companheiros das selecções e de diversas escolas, num processo que se estendeu por quase três horas. O último, não apenas da comitiva portuguesa mas também quase de todos os competidores, que aguardou longe das partidas durante mais de duas horas em processo de focalização e concentração, o nosso Luís Silva. Partiu às 12:45, aspecto a ter em conta no momento de ir para a Arena deitar contas aos tempos dos principais adversários à medida que iam chegando.

Entretanto, na Arena instalada num local também ele extraordinário, as chegadas começaram a suceder-se com manifestações de natureza muito diversa: verdadeiros dramas motivados por inglórios mp’s, desalento pelas dificuldades criadas pelo percurso e pelo terreno, satisfação por resultados dentro das expectativas individuais mas, sobretudo, expectativa quanto aos resultados dos nossos atletas mais capazes de brilhar, entre os quais sobressaía naturalmente Luís Silva.


O Luís teria que chegar sensivelmente até às 13:20 para disputar o 1º lugar e até às 13:23 para subir ao pódio

Relativamente à Arena e para além do extraordinário local e enquadramento a que se aliaram condições meteorológicas magníficas caracterizadas por céu azul, sol resplandecente, ausência de vento e temperaturas muito agradáveis, há que sublinhar a excepcional qualidade da mesma. Sprint de 120 metros num terreno que mais parecia um campo relvado, pequenas vedações de madeira a delimitar os diversos espaços de prova, absolutamente condizentes com o local, diversas tenda de apoio para repouso, comida, dois 'speakers' muito atentos e activos, painel com resultados em actualização permanente, apoio médico fixo e ambulatório muito completo, aliados a um conjunto de outros “pormenores”, fizeram desta arena um exemplo a reter.

Voltando às incidências da prova esta ia correndo e, a dado momento, numa fase muito adiantada da mesma, estavam já três suecos nos três primeiros lugares da classificação de juvenis – equipas de escola, com os 'speakers' a darem destaque aos mesmos com diversas entrevistas. “Pode ser que tenham uma surpresa”, comentava-se entre nós, com as contas já feitas: o Luís teria que chegar sensivelmente até às 13:20 para disputar o 1º lugar e até às 13:23 para subir ao pódio, já que o primeiro sueco estava com 35’35” e o terceiro com 38’29”... mas faltava ainda chegar o sueco mais forte da armada 'viking'.


Vi o ar absolutamente forte, descontraído e a sorrir (!) do Luís e comentei para o meu colega Américo: “já está!”

Perto da hora a que o Luís teria que chegar, chegou o quarto sueco… com 34’58” (!!). Mas foi curto o tempo de apreensão após refazer as contas, pois pouco depois viu-se surgir o Luís a picar o 200 e iniciar o seu 'sprint'. Olhei para o relógio, vi o ar absolutamente forte, descontraído e a sorrir (!) do Luís e comentei para o meu colega Américo: “já está!”. Sabíamos que o pódio não fugiria!

Aproximei-me do 'finish' enquanto os companheiros puxavam fortemente pelo Luís e à sua chegada perguntei-lhe o que dizia o 'print': 35’23”. Emocionei-me! Dei-lhe um abraço. O Luís ria de orelha a orelha e punha as mãos na cabeça, num sinal de alívio e descompressão. Os colegas aproximaram-se e rodearam-no. Com uma diferença de 22” para o 3º classificado, o Luís acabava de se intrometer entre os suecos e era Vice-Campeão do Mundo, permitindo a Portugal continuar a ser um dos únicos três países que consegue lugares de pódio em todos os Mundiais desde 2002, atirando ainda a sua equipa da Escola Secundária Pinhal Novo para o 3º lugar da Geral.

Ricardo Chumbinho

Tudo para conferir em http://www.italiaor2011.com/.


Saudações orientistas.

JOAQUIM MARGARIDO

5 comentários:

Dinis Costa disse...

Parabéns,
Excelente resultado, esse jovem campeão é nosso orgulho.
Viva!

Parabéns também, a todos quantos contribuiram para esta vitória.
Obrigado

Rafael da Silva Miguel disse...

Muitos parabéns ao Luís por mais este grande resultado!!!

Para os restantes aqui deixo o meu voto de boa sorte para a próxima prova! Não estão num terreno fácil e parecido com Portugal, mas vão ver que a próxima vai correr melhor a todos!

Força Tugãs!

Rafael Miguel

Presidente disse...

Parabéns ao Luís!
Parabéns a todos.
Na média descontraiam e desfrutem... quem sabe?!
Abraço

Manuel disse...

Um grande e emocionado abraço ao Luís e a toda a comitiva. E parabéns, igualmente, aos mentores do trabalho que sempre está por detrás destes feitos. Votos de que a Federação aposte mais e mais nesta camada de jovens tão promissores.

José disse...

Parabéns Luis,
Tendo colaborado nos dois últimos estágios das selecções jovens, organizados pela FPO, fiquei absolutamente impressionado com o Luis e não apenas com ele.
Os seus indices fisicos, tanto em pista como nos mais diversos terrenos são verdadeiramente excepcionais.
Este excepcional resultado, não constitui para mim uma grande surpresa, porque pelo que pude observar nos dois fins de semana dos estágios, ele só não chegaria ao topo se cometesse algum grave erro.
Jovens como ele merecem uma atenção muito especial e um trabalho e apoio constantes,se quisermos almejar a algo verdadeiramente significativo no escalão de elite daqui a meia dúzia de anos.
Uma palavra de saudação para todos os restantes elementos da comitiva lusa.

José Fernandes