domingo, 22 de maio de 2011

MISSÃO ITÁLIA ISF 2011: ENTREVISTA COM O PROFESSOR RICARDO CHUMBINHO



De partida para Itália, tentamos perceber o estado de espírito reinante no seio da comitiva portuguesa presente nos Campeonatos Mundiais de Orientação de Desporto Escolar ISF 2011. Para tal, nada melhor que uma conversa com Ricardo Chumbinho, Coordenador-Geral de Orientação de Desporto Escolar e representante da organização portuguesa dos próximos Mundiais ISF 2013.


Orientovar - Decorreram no passado fim-de-semana, nas Caldas da Rainha e em Peniche, os Nacionais de Orientação de Desporto Escolar. Gostaria de lhe pedir um balanço do evento.

Professor Ricardo Chumbinho - Balanço necessariamente muito positivo de tudo quanto aconteceu durante o fim-de-semana. Muito cuidado e atenção em todos os aspectos técnicos do evento, nomeadamente por parte da organização local onde se inclui o ATV, mapas e terrenos excelentes, percursos traçados com muito rigor por forma a permitir opções de navegação avançada mas também de navegação por linhas mais seguras, tudo isto complementado por uma arena muito aprazível e agradável no sábado e domingo, acompanhamento do evoluir das provas através de um ponto de rádio colocado no percurso e um ambiente, como sempre, de grande companheirismo e interacção entre todos os presentes fizeram deste seguramente um dos muito bons momentos de Desporto Escolar por que passaram os alunos participantes.

Orientovar - Dois anos depois das brilhantes prestações em Alcalá de Henares, viajamos para Itália já no próximo sábado, ao encontro de mais uma edição dos Campeonatos do Mundo de Desporto Escolar ISF. Com que espírito?

Professor Ricardo Chumbinho - O habitual nestes casos. Os atletas sabem que vão competir ao mais alto nível, num evento em que a qualidade dos adversários é muito elevada e a exigência competitiva levada a pontos, para muitos dos presentes, novos até agora. Mas sabem também que o ISF é uma festa que vai para lá da mera vertente desportiva e competitiva. A estafeta da amizade, a interacção com atletas de outros países e continentes, as trocas de camisolas e adereços, a festa das nações e muitos outros momentos que habitualmente se vivem durante aquela semana, fazem destas participações momentos marcantes na carreira desportiva de qualquer destes jovens atletas como, possivelmente, alguns atletas da nossa praça que passaram por essa experiência quando mais jovens poderão confirmar. Aliados estes actos à percepção de que estão no ISF porque foram os melhores ao longo do ano e terão, assim, a possibilidade de representar o seu país naquela que é a sua modalidade de eleição, esta participação está a gerar natural expectativa junto dos atletas e decorrerá, seguramente, sob um espírito bastante saudável a todos os níveis.


Podemos estar confiantes em participações dignas

Orientovar – A indefinição quanto à ida das Equipas-Selecção a Itália poderá ter afectado ou condicionado a preparação dos nossos atletas?

Professor Ricardo Chumbinho - Não creio; pelo menos de forma significativa. Os nossos melhores atletas treinam e preparam-se segundo planos de treino traçados com vista a um crescimento técnico, físico, táctico e emocional para o futuro. Não creio que a indefinição quanto às Selecções possa ter afectado esta ideia, tanto mais que se verificaram participações em estágios como OriJunior e grupo de selecção por parte de uma maioria significativa, bem como uma participação regular nas principais provas do nosso calendário. Eventualmente poder-se-ia ter introduzido algum aspecto de pormenor com vista especificamente às condições que iremos encontrar em Itália, nomeadamente a altitude, mas estou convencido que, com as condições de que habitualmente dispomos, não se iria além de isso mesmo: aspectos de pormenor.

Orientovar - Analisando as nossas equipas e o valor intrínseco de cada uma delas, poderemos perspectivar uma campanha ainda melhor este ano?

Professor Ricardo Chumbinho - Esta é a pergunta difícil e à qual não é possível dar uma resposta conclusiva. Por principio nunca partilho expectativas em termos de resultados pois, como todos sabemos, o nível é tão elevado e equilibrado no topo, que uma excelente classificação pode diferir de uma classificação média apenas por pormenores como o estado de espírito no momento da prova, a concentração, um pequeno erro numa opção... Por outro lado, nestas idades, não é fácil saber-se antecipadamente e com segurança o valor dos adversários nem mesmo a resposta que alguns dos nossos atletas conseguem dar em situações de stress competitivo como esta. Alguém suspeitava dos magníficos resultados da Inês Catalão em 2009 ou do Luís Silva em 2008? Garantido é o facto de termos atletas com valor internacional e todos estarem com forte disposição para fazerem o melhor que estiver ao seu alcance. E quando assim é, podemos estar confiantes em participações dignas. Avançar mais do que isto e perspectivar resultados seria especulativo e injusto para os atletas, pois seria colocar-lhes uma pressão extrínseca que não se pretende.


Importa que todos tenham a noção do privilégio que significa representar o seu país no estrangeiro

Orientovar - Vai estar presente em Itália numa qualidade muito especial. Quer falar-nos nisso?

Professor Ricardo Chumbinho - É verdade, estarei na qualidade de representante da organização do Mundial de 2013 no Comité Técnico deste Mundial de 2011, o que é habitual na ISF. Penso que é uma boa forma de a ISF, desde já, começar a tomar o pulso à próxima organização e proporcionar a um dos seus elementos a vivência por dentro de todos os aspectos organizativos de um evento desta envergadura, a dois anos de distância, garantindo também desta forma que os princípios e a filosofia da ISF passam de organização em organização. Pessoalmente é uma honra e uma enorme satisfação poder ter esta oportunidade. Trabalho no e para o Desporto Escolar há mais de 20 anos, muitos dos quais relacionados com a Orientação; fiz quase tudo o que há para fazer no âmbito do Desporto Escolar e o ano passado esta minha “carreira” foi objecto de reconhecimento. Feito este percurso, que muita satisfação me tem trazido, sinto que é um privilégio poder representar o meu país e a minha modalidade, desta vez de forma diferente, ao dirigir-me numa sessão de apresentação da edição de 2013 que ocorrerá algures durante a semana, aos chefes de comitiva de todos os países presentes, convidando-os a estar em Portugal em 2013.

Orientovar - Pedia-lhe, na qualidade de Coordenador Nacional de Orientação do Desporto Escolar, que deixasse uma mensagem aos atletas que compõem a nossa comitiva.

Professor Ricardo Chumbinho - Acima de tudo, dizer que temos a certeza de que todos justificarão, pela sua postura e dedicação em todas as situações, de competição ou não, a confiança que neles se deposita ao integrá-los numa comitiva que vai representar não a sua escola ou região, mas o seu país numa competição internacional de Desporto Escolar. Importa que todos tenham a noção do privilégio que significa representar o seu país no estrangeiro e que os outros países verão neles um espelho de Portugal. Dizer também que, provavelmente, este será um momento único nas suas vidas, que recordarão por muitos e muitos anos, pelo que devem aproveitar ao máximo tudo aquilo que esta semana lhes oferecerá em termos sociais, desportivos e de motivação para o futuro. Especialmente para os mais jovens, muitos dos quais nunca tiveram a oportunidade de representar o seu país, interessa ainda fazer notar que muitos dos nossos melhores atletas da actualidade tiveram a sua primeira grande experiência competitiva precisamente num ISF, ou seja... nunca sabemos o que pode estar a começar, para cada um, com esta participação em Itália.



[Fotos da Prova de Encerramento ADE 'O' Palmela / Dia da Marinha, horas antes da partida para Itália, numa gentileza de Paulo Fernandes]  


Tudo sobre os Mundiais ISF 2011 em http://www.italiaor2011.com/ ou aqui, no seu Orientovar.

Saudações orientistas.

JOAQUIM MARGARIDO

Sem comentários: