sábado, 7 de maio de 2011

DIA NACIONAL DA ORIENTAÇÃO: MENSAGEM DO PRESIDENTE DA FEDERAÇÃO, AUGUSTO ALMEIDA




Caros Orientistas,

Hoje, celebramos mais um Dia Nacional da Orientação, com dezassete eventos espalhados de norte a sul, do litoral ao interior e também nas ilhas. É gratificante verificar que os agentes da modalidade continuam a saber encontrar a motivação e a disponibilidade para desenvolver a Orientação em contextos de grande proximidade face à população. Como se difundiu, é de interesse vital para a modalidade que as actividades tenham o máximo de visibilidade e dinamismo, seja pela sua realização em mapas urbanos, seja pelo formato adoptado, seja pelo esforço na sua divulgação junto da comunicação social, particularmente os da região onde o evento se realiza, e ainda que todos os atletas se envolvam, realizando um treino, para que com o movimento e cor ajudem a dar maior visibilidade aos eventos.

Em boa hora o fazemos!

A Orientação tem aproveitado os tempos mais recentes como uma oportunidade para discutir frontalmente a modalidade, identificar as suas principais necessidades no momento presente e procurar as soluções mais adequadas ao nosso tempo e ao futuro. Também o órgão de gestão não tem regateado esforços e muito trabalho para responder e resolver todas as situações. Nunca antes como agora se viu tamanha movimentação em torno da modalidade e tantos elementos aglutinados em torno da mesma.

Os últimos dias têm sido de grande intensidade e desgaste mas também de saborosos momentos:
- a participação das selecções escolares no Mundial do Desporto Escolar, após uma luta titânica em várias frentes (inimaginável para o comum cidadão), mas que nos mostra que há muitas boas vontades disponíveis para remar pela Orientação;
- o ambicioso acordo conseguido para as selecções nacionais, onde a qualidade do trabalho a desenvolver está garantida mas também o adequado nível de ambição e as necessárias criatividade e inovação terão assento;
- o acordo alcançado com a Rádio NFM para rádio oficial da modalidade, o prestes a concretizar-se acordo com a Localvisão para a produção gratuita dos magazines O’tv e o retomar dos magazines na RTP a partir de Setembro;
- a dinâmica da imagem e comunicação da modalidade nas redes sociais, na página da Federação e ainda ontem com um artigo de fundo no semanário Vida Económica;
- as equipas constituintes dos diversos Departamentos e Comissões de aconselhamento que produzem bom trabalho de apoio à decisão;
- os Quadros Competitivos Nacionais de 2012, nas vertentes Pedestre e de Orientação em BTT, com uma carga competitiva no máximo da capacidade, que demonstra a nossa vitalidade;
- e muitas outras questões desde planeamento e preparação de Acções de Formação, resolução e esclarecimento de lacunas no Regulamento de Competições, preparação do sistema automático de geração dos 'rankings', difusão da modalidade por todos os Municípios, estudo do mercado dos Seguros, etc.

Caros amigos,

As dificuldades têm constituído alimento para o brioso comportamento da modalidade e neste dia marcante exorto-vos a manter o rumo participativo com elevação. Com o exemplo demonstraremos a dimensão da Orientação e faremos dela uma modalidade ainda mais querida e especial, pois é nos momentos difíceis que surgem as janelas de oportunidade para o desenvolvimento e que os valores sobressaem.

Um sentido Bem Haja e um Muito Obrigado a todos neste dia em que a modalidade volta a sair à rua vestida de festa pelos quatro cantos do país.

Abraço

Augusto

2 comentários:

Gino disse...

O "Dia Nacional da Orientação" foi mais uma excelente iniciativa.
Viva a Orientação!
Viva a FPO!
Viva Portugal!

Dinis Costa disse...

Só assim haverá esperança:
Qualquer organização digna tem que dispor de um quadro de valores moralmente válidos aos quais, na sua acção, todos e cada um não se possam eximir e eficiência “retirar a maior utilidade agregada dos escassos recursos disponíveis”.
Ética necessária que, em acção, contrarie o vazio de referências, exteriores, na sociedade e ponha no seu devido lugar a riqueza material, não valorizando esta em si mas os caminhos seguidos para a obter, o reconhecimento social tem que recair e exortar o percurso.
Quem se governa sem ética tem que ser, aos olhos da comunidade, recriminado e irradiado.
Só assim haverá futuro
(*) Eu participei neste dia simbólico.