sábado, 19 de março de 2011

A MINHA ESCOLA: ESCOLA SECUNDÁRIA DE PALMELA




A rubrica mensal “A Minha Escola” viaja ao encontro dum dos “bastiões” da Orientação do Desporto Escolar no nosso País. Com a preciosa ajuda do Professor José Paulo Pinho, o Orientovar tem a honra de visitar hoje a Escola Secundária de Palmela.


Palmela éuma vila histórica inserida no distrito de Setúbal e na área metropolitana de Lisboa. Está situada junto ao Parque Natural da Arrábida e é a capital de um vasto Concelho com cinco freguesias: Palmela, Pinhal Novo, Quinta do Anjo, Poceirão e Marateca. Possui um vasto património edificado, de onde se destaca o seu Castelo.

Inicialmente chamada Escola Polivalente de Palmela, a Escola Secundária de Palmela deu o seu primeiro passo em 15 de Outubro de 1973, surgindo da necessidade de dar continuidade de estudos aos alunos deste Concelho que, após terminarem o segundo ciclo, se viam obrigados a deslocar-se para Setúbal. Foi apenas a 6 de Janeiro de 1975 que o Concelho pôde contar com uma Escola com instalações próprias, então, já no seu actual espaço. Foi longo o período que esta Escola viveu com dificuldades de espaços, estruturas e serviços, cujas soluções foram sendo resolvidas só a partir de 1993, com a conclusão da 1ª fase da renovação dos espaços escolares. Neste momento, a Escola dispõe de recursos físicos mais adequados, continuando ainda por resolver a falta de Pavilhão Desportivo e balneários que lhe permitam realizar as aulas de Educação Física sem ter que recorrer a espaços no exterior da Escola.


O pioneirismo da Orientação

Actualmente a Escola Secundária de Palmela possui cerca de 1060 alunos e 117 professores. Ao nível do Desporto Escolar, devido às carências de espaços desportivos na Escola e à proximidade do Parque Natural da Arrábida, a Orientação tornou-se modalidade mais favorável a ser desenvolvida. O Grupo-Equipa de Orientação foi durante anos o único existente na Escola, tendo surgido recentemente os Grupos-Equipa de Futsal, Basquetebol, Dança e Xadrez.

Integrado no projecto dos Jogos Desportivos Escolares que existe há quase vinte anos, são dinamizadas na Escola todos os anos competições de diversas modalidades, numa parceria da Câmara Municipal de Palmela com todas as Escolas do Concelho.


Quem é o Professor José Paulo Pinho?

José Paulo Ventura Pinho nasceu em 18 de Janeiro de 1970 em Ferragudo e reside em Palmela há cerca de 12 anos. Licenciado em Educação Física e Desporto pela Faculdade de Motricidade Humana, onde concluiu o Curso em 1995, realizou estágio pedagógico na ES Palmela em 1994/95, juntamente com o colega Daniel Pó e sob orientação de Ricardo Chumbinho.

Leccionou sempre na ES Palmela, à excepção dos anos de 1996/97, ano em que esteve destacado no Desporto Escolar e 1997/98 ano em que leccionou na Escola Secundária Lima de Freitas, em Setúbal. Foi praticante federado de Futebol entre 1983 e 1990 e praticante federado de Orientação entre 2002 e 2006. Foi técnico de Futebol entre 1993 e 1996 e entre 1998 e 2009 e é professor responsável por equipa de Orientação desde 1997.



Apercebi-me nesta altura da complexidade e prazer que dava a organização de provas

Orientovar - Na vida do Professor José Paulo Pinho, o que surgiu primeiro: a Orientação ou a docência?

Professor José Paulo Pinho - Julgo que o interesse pela docência e pelo curso de Educação Física surgiu logo por volta dos 12 anos de idade. Fui praticante desportivo desde os 8 anos, segui a opção de Desporto no Ensino Secundário e devido à falta de professores na altura, fui convidado a leccionar durante um ano lectivo logo após ter concluído o 12º Ano. Sou, portanto, um daqueles casos que desde muito cedo pensei em tirar apenas um curso e seguir uma única profissão, e até tive oportunidade de a experimentar antes da minha formação inicial.

Relativamente à Orientação, tive uma primeira abordagem muito breve da modalidade em 1991 durante a Licenciatura, não o suficiente para me tornar fã da modalidade. Em 1994, ao chegar à ES Palmela, com o impulso dado pelo Professor Ricardo Chumbinho, e em conjunto com os meus colegas Daniel Pó e Rui Piedade, começamos a abordar a modalidade em termos curriculares e a organizar a primeira actividade (no Vale dos Barris). Comecei como praticante em 1995, na altura em duas provas organizadas pela ASORT na Ribeira Brava e Fogueteiro, que me correram muito bem. Penso que foi nesta altura que descobri efectivamente o prazer que dá praticar Orientação e o interesse único que tem para os alunos a prática desta modalidade.

Entre 1997 e 1999, fiquei responsável por organizar o Quadro Competitivo do Desporto Escolar do distrito de Setúbal. Apercebi-me nesta altura da complexidade e prazer que dava a organização de provas, em particular no reconhecimento e traçar de percursos, e foi também nesta altura que comecei a adquirir maior experiência nesta área. Os cartões eram preenchidos à mão e os mapas já eram marcados com o carimbo que era emprestado pela FPO.


Muitos têm sido os alunos que encontram na Orientação motivação de prática desportiva que não encontram em mais nenhuma outra modalidade

Orientovar - No contexto escolar, encara a Orientação como uma modalidade desportiva igual às outras ou é muito mais do que isso?

Professor José Paulo Pinho - Sempre senti, em 17 anos de abordagem da Orientação, que esta oferece aos alunos algo diferente, estimulando a prática desportiva, o contacto com a natureza e o desafio à superação individual das dificuldades que lhes são apresentadas. Realiza-se sempre em espaços diferentes e vive-se nas provas uma competição salutar, em que cada um preocupa-se durante a competição apenas com o seu desempenho, existindo também um sentimento colectivo nas provas do Desporto Escolar porque os resultados dos colegas revertem para uma classificação colectiva.

A experiência tem-me mostrado que, tendo a Educação Física e o Desporto Escolar a função de fomentar a prática desportiva ao maior número possível de alunos, a Orientação cumpre claramente essa função, porque muitos têm sido os alunos que encontram na Orientação motivação de prática desportiva que não encontram em mais nenhuma outra modalidade, devido ao carácter inclusivo (todos podem participar), ao desafio mental que proporciona e ao contacto permanente com a natureza.


Toda a comunidade escolar sabe o que é a Orientação

Orientovar - Quando falamos em Orientação de Desporto Escolar, a ES Palmela é uma referência incontornável no panorama nacional. De que forma é que isso é vivido e sentido pela comunidade escolar?

Professor José Paulo Pinho - Desde 1992 que existe alguma organização e participação em actividades de Orientação por parte da Escola. A partir de 1997 surgiram as competições do Desporto Escolar no Distrito e a Escola esteve presente em todas as mais de 70 provas escolares organizadas desde então.

Entre 2002 e 2006 a Escola foi sede do Centro de Formação Desportiva de Orientação, que articulou o trabalho realizado nas ES Pinhal Novo e Palmela, recolheu apoios do Desporto Escolar e da CM Palmela e se traduziu na organização de muitas actividades e participação de muitos alunos nas provas federadas em representação das Lebres do Sado. Este projecto foi-se desenvolvendo com grande sucesso, mas os apoios foram diminuindo, não tendo por isso sido possível dar-lhe continuidade. Neste momento a ES Palmela é sede da Associação Desportiva Escolar de Orientação, que é responsável pela organização dos quadros competitivos do Desporto Escolar dos distritos de Setúbal e Lisboa.

Desde 2002 que a ES Palmela organiza provas para a comunidade em geral (OriFamília e Jogos Desportivos Escolares do Concelho) e prova local inserida no calendário da FPO (Prova das Víndimas). Neste momento temos dezenas de alunos a praticar Orientação ao nível do Desporto Escolar, há dois anos atrás o aluno Miguel Ferreira esteve no Campeonato do Mundo do Desporto Escolar (obtendo um 7º lugar) e no ano lectivo passado obtivemos títulos nacionais de iniciados masculinos (individual e colectivo). Com tudo isto, toda a comunidade escolar sabe o que é a Orientação, sabe que existe uma equipa na Escola de Desporto Escolar com grande tradição, com muitas actividades, muitos praticantes e bons resultados.


A grande aposta no trabalho que é feito nesta escola é ao nível da captação

Orientovar - Quantos alunos tem no Grupo-Equipa de Orientação e de que forma é feita a sua captação e acompanhamento?

Professor José Paulo Pinho - Com o aumento significativo do número de alunos praticantes, desde o ano lectivo passado que somos dois os professores responsáveis pelas equipas de Orientação, eu e o Professor Pedro Mata. Neste momento temos 50 alunos a participar nas provas do Desporto Escolar, todos a participar individualmente, o que faz com que nos apresentemos nos 'rankings' com nove equipas (cinco alunos por equipa) nos escalões de Infantis, Iniciados e Juvenis. Destes seis escalões, a ES Palmela lidera colectivamente quatro.

A grande aposta no trabalho que é feito nesta escola é ao nível da captação, na procura de levar a Orientação ao maior número possível de alunos. Isto faz com que o desenvolvimento dos alunos que já apresentam um certo nível seja muitas vezes deixado para segundo plano. Todos os anos surgem jovens promessas na nossa escola, que com o desaparecimento do Centro de Formação Desportiva / Lebres do Sado deixaram de ter um clube próximo que lhes dê condições para se federarem e participar regularmente nas competições da FPO. Existem algumas escolas que possuem estas condições, o que faz a diferença nos resultados das provas nacionais do Desporto Escolar devido ao forte contributo de determinados clubes para o desenvolvimento dos alunos dessas escolas. Nos últimos anos o Miguel Ferreira foi o nosso único federado a dar um forte contributo aos nossos bons resultados colectivos. Este ano a ADFA abriu-nos a porta a alguns jovens, e temos neste momento seis alunos federados por este clube (Mónica Cardoso, Miguel Ferreira, Oleksandr Zaikin, Leonor Ribeiro, Mariana Simões e Bernardo Pereira). Um agradecimento ao Jacinto Eleutério por dar possibilidade de desenvolvimento a estes jovens e ao Professor Daniel Pó por treinar alguns deles, juntamente com os restantes jovens da ADFA.

Ao nível da captação estamos organizados da seguinte forma, dando o exemplo do que fizemos neste ano lectivo: em Setembro e Outubro a Orientação foi abordada nas aulas de Educação Física dos 7º e 8º anos, com a realização de percursos guiados, percursos permanentes pela Escola e ateliês de Orientação. Em Novembro todos os cerca de 220 alunos dos 7º e 8º anos realizaram duas competições internas, uma dentro da escola e outra na Vila de Palmela. Em Dezembro realizou-se a 1ª prova do Desporto Escolar, onde todos os alunos que experimentaram nas aulas e gostaram inscreveram-se e experimentaram a sua primeira prova. Tivemos 40 alunos presentes nessa primeira prova.


Considero fundamental que o Desporto Escolar seja capaz de organizar as suas próprias provas

Orientovar - Há uma dinâmica organizacional e comunicacional muito grande na ES Palmela e que se reflecte na ADE’O’ Palmela. Quer falar-me na importância deste projecto e de que forma ele é sustentado e sustentável?

Professor José Paulo Pinho - A Associação Desportiva Escolar de Orientação (ADE) é coordenada pelo Professor Ricardo Chumbinho, contando apenas com o meu apoio e do Professor Daniel Pó na preparação das provas e de outros professores, do Paulo Fernandes e de alguns alunos mais velhos na concretização das mesmas. O meu apoio à ADE é dado ao nível do reconhecimento e traçar de percursos para as provas que organiza. A ADE assegura a continuidade da existência de um Quadro Competitivo do Desporto Escolar ao nível desta área geográfica (este ano com seis provas). Revela-se por isso fundamental para que hajam muitos praticantes no distrito e para que estes possam evoluir e ganhar mais interesse pela modalidade. No ano passado a ADE organizou também os Campeonatos Regionais do Desporto Escolar.

Considero fundamental que o Desporto Escolar seja capaz de organizar as suas próprias provas (adaptando-as à sua população), procurando assim ter o maior número possível de Grupos-Equipa e alunos a praticar a modalidade. Acho importante que cada vez mais o Desporto Escolar não esteja dependente dos Clubes e das provas federadas para proporcionar aos seus alunos actividades. Com a tradição criada no concelho de Palmela ao nível da Orientação, temos actualmente quatro das cinco Escolas do Concelho com Grupos-Equipa de Orientação, num total de cerca de 130 alunos a participar nas competições do Desporto Escolar.


Conseguir que o maior número possível de alunos da Escola pratiquem Orientação

Orientovar - Quais os principais objectivos relativamente ao Grupo-Equipa de Orientação da ES Palmela no seu todo?

Professor José Paulo Pinho - Primeiro, conseguir que o maior número possível de alunos da Escola pratiquem Orientação; em segundo, proporcionar aos alunos interessados a possibilidade de participar no maior número de provas; em terceiro, participar nas provas ADE com o maior número possível de equipas e procurar resultados que possibilitem que mais alunos possam ter oportunidade de participar nos Campeonatos Regionais e Nacionais do Desporto Escolar; em quarto, contribuir para que a Orientação chegue a mais gente, organizando actividades para a população em geral, e dando a possibilidade aos alunos que vão abandonando a Escola de continuarem a participar nas provas em que a equipa da Escola esteja presente; e em quinto, conseguir que os alunos com melhores capacidades possam transitar para Clubes, para que possam ter condições de continuar a evoluir na modalidade e a praticar Orientação ao longo da sua vida.


Pretendo dar continuidade ao trabalho que se tem sido desenvolvido até ao momento

Orientovar - Que futuro para o Grupo-Equipa de Orientação da ES Palmela e para o Professor José  Paulo Pinho, enquanto um dos seus principais responsáveis?

Professor José Paulo Pinho - Pretendo dar continuidade ao trabalho que se tem sido desenvolvido até ao momento, no cumprimento dos objectivos descritos anteriormente. Se os apoios ao nível do Desporto Escolar e da Câmara Municipal de Palmela diminuírem, irei procurar cumprir os objectivos da forma possível. Se os apoios voltarem a aumentar, eventualmente traçar objectivos mais ambiciosos ao nível da organização de mais eventos e participação num maior número de provas do calendário da FPO.

Este ano, com a decisão do Desporto Escolar de não realizar Campeonatos Regionais e Nacionais para Iniciados, sinto que se deu mais um passo para que o futuro da Orientação no Desporto Escolar não seja melhor, ao nível do surgimento e manutenção dos seus jovens praticantes. Sentimos esta limitação pelo facto de cerca de 80% dos nossos praticantes terem estas idades. Temos até este dado curioso de, em 2011, o Desporto Escolar poder vir a participar nos Campeonatos do Mundo de Orientação nos escalões de Iniciados, não aceitando organizar qualquer competição Regional e Nacional para estes escalões.




[fotos gentilmente cedidas pelo Professor José Paulo Pinho]

Saudações orientistas.

JOAQUIM MARGARIDO

Sem comentários: