terça-feira, 15 de março de 2011

II MEETING INTERNACIONAL DE ARRAIOLOS: O BALANÇO DE RAQUEL COSTA




Agora sim, o ponto final neste II Meeting Internacional de Arraiolos. As últimas palavras são de Raquel Costa, a Directora do Evento, que connosco partilha as suas opiniões e nos dá a conhecer factos e feitos dum evento que marca indelevelmente a história do clube e da Orientação portuguesa.


O II Meeting Internacional de Arraiolos foi um enorme êxito e teve uma máquina organizativa sem precedentes na história do clube. Cento e vinte e cinco pessoas de camisola amarela deram cor a esta organização que tem vindo, nos últimos meses, a criar este sonho colectivo de proporcionar aos participantes deste II Meeting um óptimo fim-de-semana no concelho de Arraiolos.

O GafanhOri, com este II Meeting Internacional de Arraiolos, coloca ao dispor da modalidade 29 km2 de mapa de Orientação o que, comparado com a realidade da nossa modalidade, é algo único e que, para quem gosta da modalidade é com certeza motivo de satisfação. Desta área, 21 km2 incluem a casa da maioria dos atletas do clube. A envolvência das pessoas do clube, dos habitantes da aldeia da Gafanhoeira, das pessoas pertencentes a outros clubes que ajudaram, das entidades que apoiaram e patrocinaram o evento, foi fabulosa e quero aqui felicitar e agradecer a todos eles. Foi o conjunto que fez o sucesso. Tenho muito orgulho em pertencer a este grupo, em conhecer estas pessoas que, tal como eu, acreditam que há muito a melhorar na modalidade e trabalham em cada área da organização de forma inovadora para servir bem os participantes. Este sempre foi um princípio base das nossas organizações.

Este evento foi preparado com antecedência e teve ao todo cinco reuniões gerais com toda a equipa. Foram criadas vinte equipas responsáveis pelas diversas áreas, que desenvolveram as suas tarefas de forma autónoma. O evento teve três provas, duas no sábado e uma no domingo.

No sábado a Herdade dos Coelheiros, localizada na freguesia de Igrejinha, recebeu a prova de Distância Média, na qual participaram 950 atletas. A chegada desta prova, aliando um ponto de espectadores ao relato entusiasmante dos speakers, proporcionou um óptimo espectáculo e um ambiente de festa. Nesta tarde, onde o sol teimava a brilhar, a larga esplanada da arena, com vista privilegiada sobre o ponto de espectadores e a meta, estava repleta com centenas de pessoas que não arredaram pé para ver quem seriam os vencedores das Elites. No final estes atletas desenharam o seu trajecto em mapas gigantes.

Ainda neste dia, houve uma prova de Sprint nocturna (extra-Meeting), com partida e chegada na aldeia de São Pedro da Gafanhoeira. Este evento foi do agrado geral dos participantes, já que o mapa era muito variado e fazia transições no terreno bastante acentuadas. Uma parte inicial em floresta com elementos rochosos, depois uma área aberta com algumas árvores especiais e formas de relevo, de seguida uma floresta de pinheiros ainda novos que dificultavam a visibilidade e progressão, para terminar na zona urbana da aldeia. Quando terminaram os primeiros atletas, começou o baile com o organista Pedro Pé-Leve (também ele já fora atleta de Orientação), que animou o serão na arena do Sprint. Mais uma vez foi em ambiente de festa que se viveu mais esta segunda prova deste dia.

A fechar o II Meeting Internacional de Arraiolos faltava então a prova rainha, pontuável para o World Ranking Event (para as Elites) e que já vinha sendo falado nas fileiras da modalidade pela extensão do percurso em Homens Elite com 18,3 Km. Com atletas de topo mundial presentes e pessoas que pela primeira vez experimentaram um percurso de Orientação, este evento estava preparado para todas as vertentes: alto nível e iniciação. Tal como todos os eventos devem estar. Há que criar percursos muito exigentes em termos técnicos para os atletas experientes e percursos muito simples para quem se inicia. Ao todo existiam 40 escalões, 20 percursos diferentes, 91 pontos de controlo, 2 partidas, 11 abastecimentos, 17 passagens por cima de vedações, 1200 metros de cabo para os pontos de rádio e 2 pontes sobre cursos de água, tudo para dar resposta às necessidades de adaptar as distâncias e a dificuldade dos percursos que iriam ser realizadas pelos participantes.

Existem ainda alguns aspectos sobre o Meeting que gostaria de referir:

- Com o objectivo de chamar a atenção de que a Orientação é um desporto para todas as idades, os jovens do H11 e D11 tinham um peitoral especial com o nº1 e os jovens do H80 e D80 também o tinham, mas desta feita com o nº80. Desta forma eram identificados e já se sabia que, ou pertenciam aos mais novos ou aos menos jovens. Já os atletas da Elite masculina e feminina estavam identificados com peitoral e dorsal personalizados para facilitar o seu reconhecimento pelos 'speakers'.

- Os prémios do evento atribuídos aos vencedores, foram feitos manualmente por pessoas da aldeia da Gafanhoeira que com muita criatividade, empenho e gosto elaboraram objectos alusivos à região para oferecer aos participantes. Além disso decoraram o espaço do Casão (onde decorreu a entrega de prémios e o baile), construindo uma fachada de casa, para que à entrada desse a ideia de que estaríamos a entrar numa casa alentejana. No interior estava montada uma pequena exposição sobre o clube Gafanhori (mapas e fotografias).

- Na aldeia de São Pedro da Gafanhoeira é muito difícil ter rede de telemóvel. Desta forma, para poder dar informação sobre os tempos dos atletas durante o percurso, houve a necessidade de ter três pessoas em contacto da seguinte forma: o primeiro elemento perto do ponto de controlo que via o atleta e telefonava ao segundo elemento a dizer o número do peitoral. Este segundo elemento, situado na zona mais alta de São Pedro, designada por Forca, onde termina a rede de telemóvel e fica fora dos trajectos da prova, emitia via walkie-talkie a informação recebida. Na arena o terceiro elemento introduzia esses dados no computador, por forma a que o speaker tivesse a informação disponível sobre o decorrer da prova.

- Foi elaborado um bolo de 15 Kg em forma de logotipo do Meeting Internacional de Arraiolos, que esteve disponível no Bar e que, fatia a fatia desapareceu… Os jovens do H/D11 subiram todos ao palco no final do Meeting a fim de serem premiados pela sua participação e receberam, cada um, um bolo em forma de gafanhoto.

- A perseverança desta equipa organizativa, que soube ultrapassar as dificuldades e procurar apoios onde pareciam não existir, conseguiu angariar mais de 70 entidades apoiantes e patrocinadoras do evento. Além da promoção que foi feita desta forma ao evento, foi muito importante o apoio obtido tanto em forma de materiais como a nível financeiro. Uma palavra especial para a Câmara Municipal de Arraiolos que disponibilizou os meios que estavam ao seu alcance para apoiar este Meeting Internacional de Arraiolos.

- Um apontamento especial para o mapa que baptizámos de Gafanhoeira (o tal que tem 18 km2 de área) e que representa aquilo que deverá ser feito a nível nacional, quer no que respeita ao cumprimento das regras da modalidade a nível internacional (IOF) e em termos do cumprimento do ISOM, bem como no tocante às distâncias e escalas estipuladas para a Distância Longa, que quase sempre não são cumpridas pelos clubes organizadores em Portugal. Foi uma prova de Distância Longa que serve de exemplo e que teve como palco um dos melhores mapas de Portugal.

Julgo que no final ficámos mais ricos como pessoas, pelas experiências por que passámos. Pessoalmente sinto uma enorme admiração por este grupo de pessoas que vestiram a camisola amarela para criar este evento que se chama II Meeting Internacional de Arraiolos para cerca de 1000 participantes que vieram visitar a nossa terra.

Raquel Costa
Directora da Prova


[Foto gentilmente cedida por Raquel Costa]

Saudações orientistas.

JOAQUIM MARGARIDO

3 comentários:

Almeida disse...

Que dizer??? Soberba descrição de um trabalho que deve orgulhar os seus obreiros e deve servir de reflexão para todos e mais especialmente em tempos de crise.
Parabéns!!!
Abraço

Mário Santos disse...

Parabéns ao Gafanhori por mais este excelente evento! Grande equipa e um grande exemplo, confirmando o sucesso da aposta no desenvolvimento da Orientação no interior do país, com um grande envolvimento da juventude e respectivas famílias.

Saudações e bons treinos!

Mário

Rafael da Silva Miguel disse...

Parabéns pela excelente organização!
Espero participar em muitas mais provas organizadas por vocês!
Não falhou nada!!!

O que, na minha opinião, falhou no POM 2011, agora foi completamente superado. (Refiro-me à emoção na arena criada pelos 'speakers' e pelo 'RED GROUP'!

Cumps
Rafael Miguel
Ori-Estarreja