quinta-feira, 9 de dezembro de 2010

COMOF: A CONFEDERAÇÃO MEDITERRÂNICA DE FEDERAÇÕES DE ORIENTAÇÃO ACABA DE NASCER




Itália, Espanha e Sérvia são os países fundadores da COMOF - Confederação Mediterrânica de Federações de Orientação. O Orientovar dá-lhe hoje a ver os primeiros passos dum projecto pleno de força, coragem e ambição.


Em Trondheim, no passado dia 14 de Agosto, a XXV Assembleia-Geral da Federação Internacional de Orientação dava a sua anuência à constituição duma Confederação Mediterrânica de Federações de Orientação. Três meses volvidos, assiste-se em Veneza à fundação da COMOF – Confederation of Mediterranean Orienteering Federations. Agora é a vez de Portugal votar a ratificação da filiação da Federação Portuguesa de Orientação na COMOF, durante a Assembleia-Geral que reunirá proximamente.

Vice-Presidente da Federação Espanhola de Orientação e Secretário-Geral da Taça dos Países Latinos, José Angel Nieto Poblete foi uma das várias individualidades presentes no histórico momento da fundação da COMOF na cidade dos suspiros. Sempre disponível para falar ao Orientovar, é ele quem nos traça os primeiros passos da Confederação e os projectos de futuro.


“Momento histórico”

Orientovar – Quer falar-nos desse momento histórico que foi a assinatura da acta de fundação da Confederação Mediterrânica de Federações de Orientação?

José Angel Nieto Poblete – Com efeito, tratou-se dum momento histórico, não só para os países que constituem a bacia do Mediterrâneo, mas também para a Orientação dum modo geral. A cerimónia teve lugar em Veneza, no passado dia 12 de Novembro, e o documento de constituição da COMOF foi assinado pelos países presentes e que foram a Itália, a Espanha e a Sérvia. O evento contou com a presença de um representante da Turquia, que todavia não foi signatária por não ter a documentação necessária em ordem.

Orientovar – Quais os passos seguintes à Fundação da COMOF?

José Angel Nieto Poblete – Após a assinatura do Procurador Notarial, teve lugar a primeira Assembleia que foi dirigida por Sergio Grifoni, o Presidente da FISO - Federação Italiana de Orientação. A abrir a Ordem de Trabalhos foi incluído um ponto onde se admitiu a Turquia como novo membro. O ponto seguinte debruçou-se sobre a eleição do Presidente da COMOF. Victor Garcia Berenguer, Presidente da FEDO -Federação Espanhola de Orientação, tomou a palavra para elogiar Sergio Grifoni pela dinâmica criada em torno da nova Confederação, considerando que ele deveria ser o primeiro Presidente da COMOF, proposta que os países presentes votaram favoravelmente. Após a nomeação de Sergio Grifoni como Presidente da COMOF, passou-se à eleição dos restantes órgãos e que foram Víctor García Berenguer, de Espanha (Vice-Presidente), Zoran Milovanovic, da Sérvia (Secretário), José Ángel Nieto Poblete, de Espanha (Vogal) e Caner Odabasoglu, da Turquia (Vogal). Os estatutos foram aprovados e a agenda encerrou com a fixação da data da próxima Assembleia.


“Parece-nos muito importante alcançar rapidamente a consolidação da COMOF”

Orientovar – Numa área tão vasta como o Mediterrâneo, não é um pouco desanimador termos um lote tão restrito de países a arcar com todo o trabalho de constituição da COMOF? Como é que viu esta situação?

José Angel Nieto Poblete - Realmente fiquei surpreendido com a escassa presença de Países neste momento histórico para a Orientação na Área Mediterrânica. Mais a mais, quando este se desenrolou paralelamente ao XXXI Meeting Internacional de Veneza e que teve uma participação de cerca de 4000 atletas, dos quais cerca de 3000 de fora de Italia, o que poderia ser motivo para uma maior adesão. Possivelmente, o cepticismo de alguns países no que concerne à iniciativa terá falado mais alto, mas estou certo que rapidamente perceberão a ambição das propostas e juntarão o seu nome ao projecto. Ficaram em falta, fundamentalmente, países como a França, a qual através das minhas relações enquanto Secretário–Geral da Taça dos Países Latinos e em conversações com o seu Presidente e com os técnicos franceses, tinha revelado um grande interesse. Certamente também sentimos a falta de Portugal, esperando que se possa juntar a nós já na próxima Assembleia.

Orientovar – Próxima Assembleia que terá lugar quando e onde?

José Angel Nieto Poblete - A próxima Assembleia decorrerá entre os dias 4 e 6 de Março de 2011, em Belgrado. Parece-nos muito importante alcançar rapidamente a consolidação da COMOF e isso passa, necessariamente, pela inclusão de novos países da bacia do Mediterrâneo e que se distribuem por nada mais nada menos que três continentes: Europa, Ásia e África. Aos actuais quatro países membros foi entregue a responsabilidade de promover os contactos com vista a que mais países possam integrar a Confederação e esse é um dos pontos-chave da próxima Assembleia. Estou convencido de que Portugal solicitará a sua adesão à COMOF e estará presente em Belgrado. Pessoalmente, é esse o meu desejo.


“A área do Mediterrâneo é uma das zonas do globo onde a Orientação encontra maior potencial de desenvolvimento”

Orientovar – Que tipo de reconhecimento recebeu a COMOF por parte das instâncias que superintendem o nosso desporto ou outras?

José Angel Nieto Poblete – Na sequência da Assembleia-Geral realizada em Trondheim (Noruega), em 14 de Agosto, a IOF – Federação Internacional de Orientação reconheceu oficialmente todos os esforços para a criação da COMOF. Prova desse reconhecimento foi a presença na cerimónia de constituição da Confederação, perante um notário e na primeira Assembleia, de Maria Silvia Viti (Itália), membro do Conselho da IOF. Na Assembleia-Geral da Confederação esteve igualmente presente Gianni Petrucci, Presidente do CONI – Comité Olímpico Nacional Italiano, mostrando todo o seu interesse e aprovação. Vemos neste apoio uma forma de reconhecimento da importância que a COMOF pode ter sobre o desenvolvimento da Orientação nesta vasta região do Mediterrâneo e a sua eventual inclusão nos Jogos do Mediterrâneo. Estes Jogos são reconhecidos desde 1952 pelo Comité Olímpico Internacional e este poderia ser um passo importante para que a Orientação viesse a integrar futuramente o quadro de modalidades olímpicas.

Orientovar – Em que medida a COMOF poderá impulsionar a Orientação nesta parte do globo?

José Angel Nieto Poblete - A área do Mediterrâneo é uma das zonas do globo onde a Orientação encontra maior potencial de desenvolvimento. Temos de direccionar os nossos esforços para aqueles países que não têm Federações constituídas, liderar o processo de criação de novas Federações e subsequente integração dessas Federações nos quadros de Países membros da IOF. Dessa forma, os países representados dos três continentes que atrás mencionei contribuíram para o número de 75 países, um dos pressupostos necessários para que a Orientação possa ser modalidade olímpica.


“Existe já um projecto para uma primeira competição em 2012”

Orientovar – Uma última questão: Para quando os primeiros Jogos da COMOF?

José Angel Nieto Poblete – Victor Garcia Berenguer fez uma proposta à Assembleia, a qual foi bem recebida e existe já um projecto para uma primeira competição em 2012, a ter lugar em Espanha. Considero que em Belgrado, deveria ser programada a periodicidade dos Jogos, anual ou bianual, e por outro lado aprovar a organização das futuras competições a uma distância mínima de três anos, para que desta forma possamos organizar competições de grande nível.


[Na foto – gentilmente cedida por José Angel Nieto Poblete -, da esquerda para a direita: Sandro Passante (Vice-FISO-Itália), Djorbe Zagorac (Presidente da Sérvia), Sergio Grifoni (presidente do COMOF), Gianni Petrucci (Presidente do Comitato Olímpico Nacional da Itália), Victor Garcia Berenguer (Vice-presidente o COMOF), Zoran Milovanovic (Secretário da COMOF), José Ángel Nieto Poblete (Membro do COMOF) e Caner Odabasoglu (Membro do COMOF) ]

Saudações orientistas.

JOAQUIM MARGARIDO
.

1 comentário:

José disse...

Também gostava de ver Portugal na novel COMOF.
Mas com que legitimidade é que um país cem por cento Atlântico poderá vir a fazer parte duma organização mediterrânica?

Que me conste Portugal nunca foi admitido como membro dos Jogos do Mediterrâneo e não participa nessa importante competição.

Então e a Sérvia, que é um país interior e de mediterrânico não tem nada?

Bem, por este critério, se calhar, Portugal também entra na COMOF