terça-feira, 9 de novembro de 2010

COAAL - CLUBE DE ORIENTAÇÃO DO ALTO ALENTEJO: UM PASSO EM FRENTE

.


A ideia surgiu no decurso de mais um treino entre camaradas. A onda de entusiasmo propagou-se no seio do grupo, a decisão foi tomada logo ali e pouco depois, a 22 de Junho de 2010, nascia o COAAL – Clube de Orientação do Alto Alentejo.


Fundado a 22 de Junho de 2010, o COAAL – Clube de Orientação do Alto Alentejo faz da divulgação da Orientação, da região e do próprio clube o seu grande objectivo. Os cerca de trinta elementos que o constituem são militares na sua grande maioria, têm os seus estatutos, os seus órgãos, a sua sede – ainda que provisória - e estão já a treinar para a época de 2011.

Abilio Barbas é o grande impulsionador deste movimento e é ele quem assume, para o Orientovar, as despesas da Entrevista. Militar no Regimento de Cavalaria 3, em Estremoz, Abílio Barbas tem 31 anos e é natural de Portalegre, embora sempre tenha vivido em Monforte. Tendo abraçado a Carreira Militar há cerca de 12 anos, tomou contacto com a Orientação em Santa Margarida, no ano de 2000. Contrariando a tendência geral para correr ou jogar à bola, Abílio Barbas “apostou” na Orientação e “o bichinho ficou”. Depois meteram-se duas missões na Bósnia, um Curso de Sargentos e só em 2006 voltou a tomar contacto com a Orientação, numa prova no Bonito, Entroncamento. Em 2008 federou-se e já no presente ano abraçou a ideia de avançar com a criação dum clube “civil”.


“A maior dificuldade foi a quantidade de papéis e afins”

Orientovar - Não é vulgar nos tempos que correm - com a crise a ter um forte impacto no tecido associativo -, assistirmos à criação dum novo clube de Orientação. Como é que surgiu a ideia?

Abílio Barbas - A ideia surgiu durante os treinos da equipa do Regimento de Cavalaria 3 para o Campeonato do Comando de Instrução e Doutrina. Como já éramos um grupo relativamente grande, surgiu então a ideia, um pouco na brincadeira, de formar um Clube de Orientação civil. Era aquilo que todos queríamos, afinal, e que muitos julgavam impossível.

Orientovar – É fácil criar um Clube ou o “simplex” ainda não chegou à Orientação?

Abílio Barbas - Muito difícil. Muitos papéis. Portugal. Em primeiro lugar, na Conservatória apresentámos três possíveis nomes para o Clube. Passadas três semanas foi marcada a escritura. Depois o Clube foi registado nas Finanças, dando início à actividade. Foi também dado o início da actividade na Segurança Social. Em termos de pessoal, foram precisas 10 pessoas para os Órgãos Sociais. A Direcção do Clube decidiu solicitar uma quota de 12 euros que serviu para as despesas com a legalização do Clube. Durante todo este processo, a maior dificuldade foi a quantidade de papéis e afins, solicitados nos diversos organismos públicos. Para tudo foi-nos pedido cerca de 270 euros.


“Divulgar e dinamizar a prática da Orientação”

Orientovar - Estatutariamente, quais os valores defendidos pelo Clube?

Abílio Barbas - Os nossos grandes objectivos consistem em divulgar e dinamizar a prática da Orientação; dar aos orientistas a possibilidade de visitarem a zona do Alentejo; incentivar os jovens à prática desportiva; promover a actividade física junto da população em geral; e, criar relações inter-pessoais de amizade, de cooperação, de responsabilidade e de ‘fair-play’.

Orientovar - Do conhecimento que tem da realidade da Orientação em Portugal, há algum modelo de clube que seja, por assim dizer, uma referência para o COAAL e para o rumo que o Clube possa tomar?

Abílio Barbas - O nosso Clube tem tido total apoio do RC3. Assim, tentaremos cativar sempre novos e bons valores da instituição militar. Por outro lado, já desenvolvemos contactos nas escolas de Estremoz para acções teóricas e práticas. Este será o nosso rumo nos próximos anos.


“Temos 20 balizas para treinar”

Orientovar - No pouco tempo de vida do Clube, que trabalho têm desenvolvido?

Abílio Barbas - Já temos um folheto de divulgação do Clube e da modalidade e já nos deslocámos às escolas colocando o nosso Clube à disposição com o intuito de efectuarmos algumas acções no âmbito do Desporto Escolar. Em termos militares temos treinos já marcados até final de Janeiro com vista à participação no Campeonato Militar do Comando de Instrução e Doutrina. Os nossos atletas aproveitam assim também para treinar para as provas da Taça de Portugal da próxima época.

Orientovar - Quais os meios de que dispõem presentemente e como projectam enriquecer o vosso espólio?

Abílio Barbas - Não podemos esquecer que estamos a começar. Temos 20 balizas para treinar. Em termos de mapas vamos treinando nos mapas já existentes de provas onde temos participado. No próximo ano pensamos adquirir mais algum material e elaborar alguns mapas de Escolas e Parques.


“Temos tido total colaboração da ADFA e da FPO”

Orientovar - Já houve contactos com os clubes da região - nomeadamente com a ADFA, COAC e GafanhOri - no sentido de potenciarem as várias iniciativas? Tencionam integrar de forma activa o Troféu Ori-Alentejo, nomeadamente através da organização de uma ou mais etapas?

Abílio Barbas - Para já, não temos capacidade de organizar provas “a sério”. Temos a noção que não temos ainda estrutura e meios para tal. Já organizámos uma prova para 75 alunos de uma escola, mas de maneira informal. Quem sabe, no ano de 2012 já seja possível. Em termos de contactos temos tido total colaboração da ADFA e da FPO.

Orientovar - Quais os grandes objectivos num futuro próximo?

Abílio Barbas - Temos dois grandes objectivos. Primeiro, levar o máximo de atletas às provas da Taça de Portugal, pois nas provas aprende-se muito e vê-se a excelente organização das mesmas. Em segundo lugar, dar a conhecer o nosso Clube às Escolas e Câmaras Municipais locais com o intuito de revelar a modalidade aos mais jovens. Neste campo, o professor de Educação Física nas escolas e os Gabinetes de Desporto das Câmara Municipais têm um papel fundamental. Para divulgar o nosso Clube já temos uma página no facebook - http://pt-pt.connect.facebook.com/profile.php?id=100001734812219 - e um blog com o endereço www.coaal.blogspot.com.


“O sucesso de uma missão depende de um bom plano e da sua execução na perfeição”

Orientovar - De acordo com as expectativas criadas, como projecta a evolução do clube e como gostaria de o ver nos próximos anos?

Abílio Barbas - O sucesso de uma missão depende de um bom plano e da sua execução na perfeição. Com o empenho de todos, vamos conseguir concretizar os nossos objectivos. Se conseguirmos colocar a Orientação nas actividades do Desporto Escolar das nossas Escolas será meio caminho andado para a captação de novos atletas. Estamos a trabalhar nesse sentido e desde já agradecemos a colaboração do Orientovar na divulgação do nosso pequeno Clube.




[Fotos gentilmente cedidas por Abílio Barbas]

Saudações orientistas.

JOAQUIM MARGARIDO
.

1 comentário:

PFernandes disse...

Boas,

Não quero deixar passar a oportunidade de dar os parabéns pelo nascimento de mais um clube de Orientação.
Força COAAL.

Saudações Orientadas,
Paulo Fernandes