segunda-feira, 13 de setembro de 2010

TROFÉU DE ORIENTAÇÃO DE MANTEIGAS: O BALANÇO DE FERNANDO COSTA

.


No cair do pano sobre o Troféu de Orientação de Manteigas, o Orientovar foi ao encontro do Director da Prova, Fernando Costa. São dele as impressões finais, em jeito de balanço, daquele que foi o primeiro evento competitivo de Orientação Pedestre nesta vasta região da Serra da Estrela.


Os últimos participantes no Sprint acabam de chegar e os ponteiros do relógio pouco passam das onze. Após o frenesi duma prova que ficará na memória de muitos pelas melhores razões, a manhã começa a regressar à calma. Fernando Costa, Presidente do Grupo Desportivo dos Quatro Caminhos e Director do Troféu de Orientação de Manteigas é um homem feliz. Embora deixe transparecer no rosto o cansaço acumulado de vários dias de emoções fortes, a serenidade parece ter regressado e o tempo agora é de balanço.

E, em tempo de balanço, o que fica deste Troféu de Orientação de Manteigas para o seu Director? “Aquilo que fica é, principalmente, o sentimento do dever cumprido”, começa por referir, para depois fazer uma breve pausa, espraiar os olhos pelo Vale Glaciar do Zêzere e acrescentar: “Tivemos realmente uma sorte incrível com o tempo e este acaba por ser um factor bastante importante para um evento de Orientação e para elevar o grau de satisfação dos participantes. Mas também não podemos estar sempre a apanhar com temporais em cima.”

“Em termos de condições é difícil encontrar melhor”

Para Fernando Costa, “os objectivos principais foram cumpridos. Tínhamos estabelecido um número de 300 participantes como meta e ficámos muito próximo. Nesta altura do ano ainda há gente de férias, as aulas estão a começar e não é muito fácil tirar as pessoas dos grandes centros.” Todavia, em relação àqueles que vieram, não tem dúvidas em afirmar que “vão embora satisfeitos.” E faz uma confidência: “Houve um número elevado de participantes que fizeram questão de mostrar o seu apreço sobre a forma como o evento decorreu e mesmo ser esta uma prova ao nível da Taça de Portugal.”

O facto de o Troféu de Orientação de Manteigas não integrar o restrito lote das provas maiores do nosso Calendário parece não o afectar minimamente: “Não faço distinção entre provas, sejam elas Locais ou Nacionais. Têm de ser sempre provas com qualidade.” Concretizando: “Realmente Manteigas tem condições excelentes para um Sprint urbano e quanto ao mapa das Penhas Douradas nem se fala. Penso que este espaço deve ser rentabilizado no futuro para o bem da Orientação. Haja interesse e condições de colaboração com a Câmara Municipal de Manteigas e com os agentes económicos da região, que em termos de condições é difícil encontrar melhor.”

“Há aqui um investimento que exige que dele se retire o devido proveito”

Prosseguindo na mesma linha de pensamento, para Fernando Costa “o essencial é que foi criada aqui uma infra-estrutura de inegável importância para a modalidade e que são os mapas”, diz. As expectativas acabam, por isso mesmo, por ser elevadas: “É bom que todos, em conjunto, possamos aproveitar esta ferramenta e atrair pessoas a Manteigas. As coisas por vezes fazem-se e depois morrem por falta de interesse, por não haver ninguém que as rentabilize.”

Cada caso é um caso, daí que não haja receitas que se possam generalizar. Mas o Presidente do Grupo Desportivo dos Quatro Caminhos atreve-se a lançar algumas pistas: “É importante que a autarquia de Manteigas tenha alguém da área da Educação Física que se interesse pela modalidade e que encontre a necessária articulação com a “Sabores Altaneiros” e com as unidades hoteleiras da região – e lembro que a Casa das Penhas Douradas, em particular, tem condições de excepção já que se encontra no coração do próprio mapa – visando a rentabilização deste potencial. Será um crime se não o fizerem. Há aqui um investimento que exige que dele se retire o devido proveito.”

“Pede-se concentração, pede-se silêncio”

Os apoios são sempre fundamentais para que um evento desta natureza se possa realizar em moldes qualitativos elevados, ao encontro dum certo grau de exigência inerente à modalidade, aos seus praticantes, aos organizadores e promotores. Neste particular capítulo, Fernando Costa afirma: “Penso que aqueles que nos apoiaram ficaram satisfeitos com aquilo que viram. É verdade que as nossas estruturas são, na sua essência, minimalistas. Não há um “circo” e todo o “show off” à volta, como no Ciclismo, por exemplo. Mas isso é inerente à própria modalidade, já que funciona ao contrário. Aqui pede-se concentração, pede-se silêncio. O espírito é totalmente diferente.”

“Se as pessoas não perceberem isto, então é natural que acusem uma certa frustração”, prossegue. E remata: “Uma coisa, contudo, está patente à vista de todos: A diversidade. Na Orientação promovem-se actividades a pensar em toda a gente, atraindo desde crianças até aos mais idosos, indo ao encontro de todos, desde o principiante ao atleta de elite.”

"Criar um clube ou uma Associação em Manteigas"

Instado sobre a possibilidade de termos futuramente uma prova maior nesta região, Fernando Costa não acalenta grandes esperanças: “Não é fácil trazer aqui uma prova da Taça de Portugal. Há muito poucas provas da Taça de Portugal – mesmo na Taça FPO o número de provas é escasso – e acabamos por ter grandes restrições em termos de Calendário. Por outro lado, a própria Orientação em BTT e as Corridas de Aventura competem com inteira legitimidade por espaços no Calendário geral, o que bloqueia também, em certa medida, as actividades de Orientação Pedestre.”

Mas há ainda um aspecto a merecer a devida atenção e que constitui igualmente sério entrave: “Não escondemos que o Norte Alentejano O’ Meeting representa para o Grupo Desportivo dos Quatro Caminhos a sua prova-rainha e é nela que temos de apostar. Mas se já não é fácil vermos aceite essa candidatura ao Calendário da Taça de Portugal, é praticamente impossível avançarmos com duas candidaturas numa mesma temporada e serem ambas aceites.” A concluir, abre uma janela sobre aquilo que pode ser a solução: “Criar um clube ou uma Associação em Manteigas que vá ao encontro da promoção e dinamização da modalidade na região e serem eles, no futuro, a apresentarem essa candidatura. Penso que seria uma boa solução e um excelente serviço prestado à Orientação e a toda esta região da Serra da Estrela.”

Saiba tudo sobre o Troféu de Orientação de Manteigas em http://trofeuorimanteigasgd4c.weebly.com/. Não perca também as fotos de João Vítor Alves na sua excepcional Galeria, em http://picasaweb.google.com/alvesvitorjoao.

Saudações orientistas.

JOAQUIM MARGARIDO
.

1 comentário:

Tiago Aires disse...

Sem dúvida um excelente evento.
Bons terrenos (técnicos e físicos) em locais fantásticos. Os atletas necessitam de muitas mais organizações (mapas e percursos) deste género, para poderem estar mais bem preparados para as competições internacionais.

Há que continuar a explorar a Serra da Estrela pois vim com a sensação que existem zonas mais arborizadas, com floresta fantástica em planalto. Penso que a Serra da Estrela bem como a zona de Viseu têm de urgentemente ser cartografadas, tendo em conta o potencial que têm.

Obrigado ao GD4C por criar mais uma magnífica infraestrutura para treinar orientação.

Cumprimentos
Tiago Aires