terça-feira, 7 de setembro de 2010

OS VERDES ANOS: DIOGO BARRADAS

.


Olá,

Sou o Diogo Barradas, vivo em Manique de Baixo e nasci a 8 de Maio de 1996 pelo que tenho 14 anos.

Passei para o 9º ano de Escolaridade na Escola Salesiana de Manique.

Comecei muito cedo na Orientação num clube chamado CDCE (Clube Desportivo da Costa do Estoril). Pratico Orientação desde os meus 4 anos, ou seja, fazendo as contas, faço-o há 10 anos. O meu pai faz este desporto desde os meus 3 anos e aos 4 anos comecei a fazer provas com a minha mãe mas era ela que tinha o controlo da prova. Um ano mais tarde comecei eu a levar o mapa e a mexer na bússola. Um dos momentos que me lembro melhor desta fase foi numa prova no Gerês em que já íamos com muito tempo de prova e quando chego ao Sprint Final pararam a Cerimónia de Entrega de Prémios para me baterem palmas.

A minha estreia na Orientação sozinho aconteceu no dia 11 de Dezembro de 2004, no VII Campeonato Ibérico em Vendas Novas, tinha eu 8 anos. Essa prova tinha uma distância de 4,7 quilómetros no percurso mais pequeno, que os completei em pouco mais de 3 horas porque aproveitava para contemplar a natureza. Lembro-me perfeitamente que na prova muita gente me perguntava onde estava e eu apontava o sítio correcto.

O meu gosto pela Orientação foi-se desenvolvendo mais pelo convívio do que pela própria competição no desporto. Foi então que em 2005 apareceu o OriJovem. O 1º OriJovem foi no Barreiro e lembro-me na altura que não éramos mais que 30 participantes (agora já vai na sua 14º edição e o número de participantes aumentou em 100).

No meu último ano de Infantil escolhi abandonar a Orientação - pelo menos temporariamente - e dediquei-me ao Karaté e ao Ténis de Mesa, em paralelo com o Atletismo.

Chegou entretanto a altura da importantíssima prova organizada pelo CPOC que foi o Portugal O’ Meeting 2009, que decorreu em Mora. Aí, ao viver quatro dias intensos de trabalho e de convívio, apercebi-me do que até lá já tinha perdido ao abandonar a Orientação.

O meu regresso foi no Nacional Absoluto desse ano de 2009 em Vendas Novas. Ganhei logo essa prova o que me motivou ainda mais para continuar.

O grande “boom” na Orientação foi o 12º OriJovem, na Marinha Grande. Aí aprendi o que era uma curva de nível e a partir daí a Orientação tornou-se mais competitiva para mim.

E aqui estou eu actualmente, mais motivado do que nunca e quase a conseguir o meu primeiro título nacional, logo no ano que volto como Iniciado.

A relação Orientação-estudos é muito boa porque desde que levo o desporto mais a sério faço Atletismo todos os dias e tenho pouco tempo para os estudos o que me mentaliza para estudar logo que chego a casa em vez de ir ver televisão ou jogar computador. Resultado: Melhorei muito as notas.

Este ano foi o meu primeiro ano de Desporto Escolar porque a minha escola não tem Orientação, o que tenho muita pena visto que a minha escola tem já um lote de grandes atletas saídos de lá. Inscrevi-me pela EB 2,3 da Sarrazola e correu muito bem ao ponto de chegar aos Nacionais e fazer um 4º lugar na Geral sendo Iniciado de primeiro ano.

Uma das minhas ambições é para o ano qualificar-me para o Campeonato do Mundo de Desporto Escolar e ficar num bom lugar. Outra das minhas ambições a curto prazo é avançar já este próximo ano para o escalão de Juvenis para sobretudo evoluir a nível técnico. Também para este próximo ano que se aproxima gostava de me qualificar a partir das provas de Selecção para o EYOC 2011 que será na Republica Checa. Uma ambição a longo prazo será participar mais tarde no JWOC e posteriormente no WOC.

A nível escolar e profissional as minhas ambições passam por fazer o Secundário na área de Ciências e Tecnologias e depois ir para a Universidade mas o curso que quero seguir ainda não está definido.

Queria agradecer à família que esteve sempre cá para me ajudar no que fosse preciso e que foram uma grande parte e muito importante para o meu sucesso não só no Desporto e na Escola mas também como pessoa. Dentro da família, um agradecimento especial ao meu primo Luís Santos por todo o apoio dado.

Deixo ainda um agradecimento aos meus treinadores que só a partir deste ano os tive mas que têm sido fantásticos e que são eles o Professor Fernando Pereira e a Professora Avelina Alvarez.

Também quero agradecer a todos os meus amigos. Um muito obrigado.

Por fim queria realçar que na Orientação o convívio e todos os amigos que lá fazemos são uma parte muito importante do desporto.

Diogo Barradas
.

2 comentários:

Ana disse...

É bastante emocionante esta descrição do percurso do Diogo pela nossa modalidade. É bom perceber que é uma pessoa cheia de entusiasmo para concretizar todos os seus sonhos e ambições, o que representa um bom exemplo para os outros jovens, e não só, atendendo a que a Orientação pode ser praticada quase desde que se nasce até se ter capacidade para o fazer, que pode ser muito tarde. Venham mais exemplos destes!
Parabéns ao Diogo e, já agora, ao Orientovar (ou será ao Joaquim Margarido?!) por este começo, em força, depois dumas prolongadas férias (não anunciadas, diga-se de passagem…).

Manuel disse...

Que prazer ler o teu texto! Memórias bem seleccionadas, objectivos definidos e clareza na exposição. São testemunhos assim que podem trazer mais gente à modalidade. Quando, há quatro meses, no “solo duro” do Troféu Casino Figueira, toda a gente te cantou os parabéns, eu nem queria acreditar que já fazias 13 anos. O que tu cresceste desde aquele 6 de Setembro de 2003 quando foste o primeiro a chegar à ambulância para “ajudar” o amigo que, por causa de um pau que lhe saiu ao caminho num supersprint, havia de levar meia dúzia de pontos na coxa direita. Tinhas 7 anos, é claro que já não te lembras, mas eu nunca o esquecerei. A tua atitude como atleta é, no entanto, o que mais importa salientar aqui. E acho que só merece palavras de apreço. Espero que continues a crescer guiado pelos mesmos nobres princípios. E, agora, chega de paleio - vamos aos treinos, porque, a partir de 23 de Junho, queremos notícias tuas de Jindrichuv Hradec.
Manuel Dias